BANCOS ESTRANGEIROS SÃO UNS… MA­LAN­DROS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Omi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos de An­go­la, Fran­cis­co Qu­ei­rós, la­men­tou NO 25.09 a fal­ta de co­la­bo­ra­ção de al­guns bancos on­de se en­con­tram do­mi­ci­li­a­dos capitais de ori­gem ilí­ci­ta, ale­gan­do que cri­am “al­gu­ma re­sis­tên­cia em lar­gar mão des­ses capitais”. Jus­ti­fi­ca­ção oriun­da de “or­dens su­pe­ri­o­res”? Pe­di­do fei­to pe­lo mi­nis­tro das Fi­nan­ças? A po­si­ção foi ex­pres­sa por Fran­cis­co Qu­ei­rós ao dis­cur­sar, em Lu­an­da, na aber­tu­ra da Con­fe­rên­cia sobre a Per­da e Re­cu­pe­ra­ção dos Bens e Pro­du­tos Pro­ve­ni­en­tes da Cri­mi­na­li­da­de Or­ga­ni­za­da, Eco­nó­mi­co-Fi­nan­cei­ra e Corrupção. Fran­cis­co Qu­ei­rós con­si­de­rou “in­co­e­ren­te” a ati­tu­de des­sas ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras “dos cha­ma­dos pa­raí­sos fis­cais ou mes­mo das gran­des capitais fi­nan­cei­ras in­ter­na­ci­o­nais, cu­jos Go­ver­nos os­ten­tam um discurso de com­ba­te à corrupção, ao bran­que­a­men­to de capitais e a ou­tras prá­ti­cas co­ne­xas, mas na prá­ti­ca di­fi­cul­tam as ope­ra­ções de re­gres­so dos ac­ti­vos aos paí­ses de ori­gem”. Sen­do cer­to que não de­ve, em­bo­ra pos­sa, ser João Lou­ren­ço a di­zer que al­guns fa­lhan­ços só acon­te­cem por cul­pa dos ou­tros, lá têm os mi­nis­tros de dar ex­pli­ca­ções. Não sen­do já cul­pa de Jo­nas Sa­vim­bi, se ca­lhar não se­ria mau cul­par Isa­bel dos Santos… Se­gun­do o mi­nis­tro, com es­sa ati­tu­de es­sas ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras con­tri­bu­em “pa­ra a per­da de mui­tos mi­lha­res de mi­lhões de dó­la­res, pro­ve­ni­en­tes prin­ci­pal­men­te dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to”. Tem ra­zão. Mas com es­se “blo­queio” de­ve ha­ver mui­to boa gen­te do MPLA a res­pi­rar me­lhor, es­pe­ran­ça­dos que o se­gre­do con­ti­nue a ser a al­ma do ne­gó­cio, mes­mo que ilí­ci­to, ile­gal ou cri­mi­no­so. Em de­cla­ra­ções aos jor­na­lis­tas, o mi­nis­tro não avan­çou no­mes, mas su­bli­nhou a ne­ces­si­da­de de “ha­ver co­la­bo­ra­ção dos paí­ses on­de es­tão do­mi­ci­li­a­dos es­ses bens”. Mas se­rá que o Governo e o MPLA que­rem mes­mo sa­ber to­da a ver­da­de? Se ca­lhar da­va jei­to ser uma es­pé­cie de ver­da­de por me­di­da e à me­di­da. “Cla­ro que se es­tá a fa­lar de bens ili­ci­ta­men­te trans­fe­ri­dos, não dos ou­tros. Aí, on­de hou­ver ili­ci­tu­de na trans­fe­rên­cia de bens, os paí­ses, as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, mais con­cre­ta­men­te, os bancos, on­de es­te­jam fi­li­a­dos es­ses capitais, de­vem co­o­pe­rar, não só ao ní­vel dos acor­dos de co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral que pos­sam exis­tir, mas tam­bém ao ní­vel dos ins­tru­men­tos de re­gu­la­ção des­sa ma­té­ria ao ní­vel in­ter­na­ci­o­nal que exis­tem”, sa­li­en­tou Fran­cis­co Qu­ei­rós. De acor­do com o ti­tu­lar da pas­ta da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, “o que se ve­ri­fi­ca é que al­gu­mas ins­ti­tui­ções fa­zem al­gu­ma re­sis­tên­cia em lar­gar mão des­ses capitais, ale­gan­do que têm des­pe­sas com ele”. Só por is­so?“en­fim, e é is­so que é pre­ci­so acau­te­lar nes­ta co­la­bo­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal sobre repatriamento de capitais”, exor­tou. An­go­la apro­vou re­cen­te­men­te a Lei sobre o Re- pa­tri­a­men­to de Re­cur­sos Fi­nan­cei­ros, ins­tru­men­to le­gal que es­ta­be­le­ce os ter­mos e as con­di­ções de repatriamento de capitais do­mi­ci­li­a­dos no ex­te­ri­or do país, os efei­tos ju­rí­di­cos de na­tu­re­za fis­cal ou cam­bi­al do repatriamento vo­lun­tá­rio dos re­fe­ri­dos re­cur­sos e o re­gi­me san­ci­o­na­tó­rio do repatriamento co­er­ci­vo dos ac­ti­vos ili­ci­ta­men­te trans­fe­ri­dos e man­ti­dos no ex­te­ri­or do país. O mi­nis­tro dis­se que es­te di­plo­ma le­gal tem um pe­río­do de seis me­ses, que ain­da não foi ul­tra­pas­sa­do, pa­ra que to­dos “aque­les que se sin­tam in­cluí­dos”, pos­sam de for­ma vo­lun­tá­ria re­pa­tri­ar pa­ra o país os capitais do­mi­ci­li­a­dos no es­tran­gei­ro.

MI­NIS­TRO DA JUS­TI­ÇA E DOS DI­REI­TOS HU­MA­NOS DE AN­GO­LA, FRAN­CIS­CO QU­EI­RÓS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.