OQUEOPATRONODAFESADIZIA

Folha 8 - - POLÍTICA -

“Per­mi­tam-me que vos ma­ni­fes­te o meu apre­ço pe­lo bom tra­ba­lho que têm fei­to. A nos­sa Fun­da­ção re­gis­tou um gran­de pro­gres­so, tan­to na sua or­ga­ni­za­ção e fun­ci­o­na­men­to co­mo no cum­pri­men­to do seu ob­jec­to so­ci­al. Quan­do co­me­çá­mos há cer­ca de uma dé­ca­da, não ha­via no nos­so seio pes­so­as com ex­pe­ri­ên­cia e não ha­via igual­men­te or­ga­ni­za­ções de re­fe­rên­cia na So­ci­e­da­de Ci­vil que re­a­li­zas­sem ac­ções de gran­de vul­to de ca­rác­ter so­ci­al, fi­lan­tró­pi­co ou de so­li­da­ri­e­da­de a fa­vor da cri­an­ça e dos seg­men­tos mais vul­ne­rá­veis da po­pu­la­ção. A nos­sa Fun­da­ção ins­pi­rou-se nos va­lo­res se­cu­la­res das nos­sas co­mu­ni­da­des e da sua cul­tu­ra e fez da fra­ter­ni­da­de, da aju­da mú­tua, da en­tre­a­ju­da e da so­li­da­ri­e­da­de e amor ao pró­xi­mo a ba­se da sua po­lí­ti­ca pa­ra as­se­gu­rar aos as­sis­ti­dos e be­ne­fi­ciá­ri­os o aces­so à as­sis­tên­cia so­ci­al, à edu­ca­ção, à saú­de, à for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e aca­dé­mi­ca, ao des­por­to e à ac­ção cul­tu­ral. Ex­pri­mi­mos a nos­sa sa­tis­fa­ção pe­lo fac­to de a FESA ter des­bra­va­do o ter­re­no e de po­der con­tar ho­je com vá­ri­as ins­ti­tui­ções con­gé­ne­res, igual­men­te de ca­rác­ter pri­va­do e com ob­jec­ti­vos al­truís­tas, que vi­sam aju­dar as pes­so­as ne­ces­si­ta­das e pro­mo­ver a so­li­da­ri­e­da­de e a co­e­são so­ci­al. Sau­da­mos a ac­ção be­ne­mé­ri­ta des­tas or­ga­ni­za­ções e dos seus pro­mo­to­res e ma­ni­fes­ta­mos o de­se­jo de a FESA con­ti­nu­ar a con­cer­tar e con­ju­gar es­for­ços pa­ra tor­nar efi­ci­en­te o nos­so au­xí­lio aos po­de­res pú­bli­cos. Na pros­se­cu­ção dos nos­sos ob­jec­ti­vos acom­pa­nha­ram-nos sem­pre vá­ri­as pes­so­as de boa von­ta­de, que não se im­por­tam de par­ti­lhar o que têm com os ou­tros que pre­ci­sam de aju­da e apoio. Os pro­mo­to­res das ac­ções de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al en­con­tra­ri­am sé­ri­as di­fi­cul­da­des em con­cre­ti­zar os seus pro­gra­mas e pro­jec­tos se não ti­ves­sem ao la­do de si do­a­do­res ou con­tri­buin­tes vo­lun­tá­ri­os que ofe­re­cem bens e va­lo­res mo­ne­tá­ri­os ou de ou­tra na­tu­re­za pa­ra sus­ten­tar as ac­ti­vi­da­des. Ex­pres­so em no­me da FESA e no meu no­me pes­so­al o pro­fun­do re- co­nhe­ci­men­to a to­dos os nos­sos do­a­do­res, mem­bros da As­sem­bleia Ge­ral ou não, pe­la va­li­o­sa aju­da que têm da­do à Fun­da­ção e, atra­vés de­la, ao povo angolano. Ma­ni­fes­to igual­men­te o nos­so de­se­jo de con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar jun­tos, com le­al­da­de e ho­nes­ti­da­de, pa­ra a con­cre­ti­za­ção dos ob­jec­ti­vos da FESA re­de­fi­ni­dos nos seus no­vos es­ta­tu­tos. No exer­cí­cio da ci­da­da­nia que as nos­sas leis con­sa­gram, nós de­se­ja­mos ori­en­tar a nos­sa ac­ção cí­vi­ca no sen­ti­do de apoi­ar os po­de­res pú­bli­cos na cons­tru­ção em An­go­la de um país prós­pe­ro e de­sen­vol­vi­do. Es­ta trans­for­ma­ção só po­de ser con­se­gui­da com o tra­ba­lho de ho­mens bem ins­truí­dos e ap­tos, mas os ín­di­ces de anal­fa­be­tis­mo na nos­sa so­ci­e­da­de são mui­to ele­va­dos e atin­gem cer­ca de cin­quen­ta por cen­to (50%) da po­pu­la­ção. Te­mos de apoi­ar os es­for­ços do Governo e de to­das as pes­so­as in­te­res­sa­das e ven­cer es­ta ba­ta­lha pa­ra que An­go­la se­ja de­cla­ra­da pe­la UNESCO co­mo país li­vre do anal­fa­be­tis­mo nos pró­xi­mos cin­co ou dez anos. Ou­tros dos do­mí­ni­os a que de­ve­mos pres­tar aten­ção são a pro­mo­ção do co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co e do sa­ber fa­zer ou das ha­bi­li­da­des pro­fis­si­o­nais, as­sim co­mo, a di­vul­ga­ção ou po­pu­la­ri­za­ção do co­nhe­ci­men­to nas di­fe­ren­tes áre­as do sa­ber, por for­ma a ele­var o ní­vel de edu­ca­ção e da cul­tu­ra dos ci­da­dãos. Uma so­ci­e­da­de de paz e har­mo­nia cons­trói- se com, a pro­mo­ção do bem- es­tar pa­ra to­dos e da so­li­da­ri­e­da­de ac­ti­va. A FESA é pe­lo bem- es­tar do Ho­mem, pe­la pre­ser­va­ção do am­bi­en­te em que vi­ve e pe­la so­li­da­ri­e­da­de. Pug­na por uma so­ci­e­da­de prós­pe­ra e de­sen­vol­vi­da, pe­los va­lo­res da ho­nes­ti­da­de, do tra­ba­lho, do bem ser­vir, do plu­ra­lis­mo e do res­pei­to ao pró­xi­mo. » Fo­lha 8 com Lu­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.