UMGENERALNABEIRADAESTRADA

Folha 8 - - POLÍTICA -

Es­tá­va­mos em Ju­lho de 2017. O Governador da Pro­vín­cia de Lu­an­da, ge­ne­ral Hi­gi­no Car­nei­ro, ga­ran­tia que os mu­ní­ci­pes da ca­pi­tal iam be­ne­fi­ci­ar de no­vas in­fra-es­tru­tu­ras pú­bli­cas pa­ra me­lho­rar a cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens. Quan­do pe­di­ram ex­pli­ca­ções ao en­tão mi­nis­tro, ge­ne­ral Hi­gi­no Car­nei­ro, sobre o fac­to de, em 2007, o seu mi­nis­té­rio das Obras Pú­bli­cas não ter jus­ti­fi­ca­do des­pe­sas de cer­ca de 30 mil mi­lhões de Kwan­zas, equi­va­len­tes a mais de 115 mi­lhões de dó­la­res, ele dis­se “que não ti­nha tem­po pa­ra dar jus­ti­fi­ca­ções”. En­tão se­nho­res dou­to­res e ge­ne­rais da PGR, ain­da não ti­ve­ram luz ver­de do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço pa­ra prender Hi­gi­no Car­nei­ro? Re­cor­de-se que o ge­ne­ral Hi­gi­no Car­nei­ro con­ce­deu, no dia 3 de Abril de 2015, uma en­tre­vis­ta à RNA on­de mentiu des­ca­ra­da­men­te, sobre a Me­di­a­ção dos Acor­dos do Al­to Kau­an­go, mos­tran­do tam­bém a sua veia ra­cis­ta e com­ple­xa­da. A ser ver­da­de o que dis­se, en­tão ele era um dos ge­ne­rais das FAPLA pa­gos e in­fil­tra­do por Jo­nas Sa­vim­bi. Hi­gi­no Car­nei­ro mentiu pois não dis­se, e ain­da não dis­se, por que ra­zão só Wil­li­am To­net e ele fo­ram re­ce­bi­dos pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, de­pois de re­gres­sa­rem do Mo­xi­co. Dú­vi­das? Per­gun­tem ao ge­ne­ral Jo­sé Ma­ria. No­vem­bro de 2016. O governador pro­vin­ci­al de Lu­an­da, ge­ne­ral Hi­gi­no Car­nei­ro, ale­gou ques­tões de se­gu­ran­ça pa­ra proi­bir a re­a­li­za­ção de uma ma­ni­fes­ta­ção cí­vi­ca con­tra a no­me­a­ção de Isa­bel dos Santos, pa­ra a di­rec­ção da pe­tro- lí­fe­ra es­ta­tal So­nan­gol. Hi­gi­no Car­nei­ro tra­tou, mais uma vez, os pro­mo­to­res e os de­mais ci­da­dãos, co­mo sen­do de se­gun­da ca­te­go­ria ou se­res me­no­res, sem ne­nhuns di­rei­tos, lo­go com o úni­co de­ver de cum­prir uma von­ta­de, uma or­dem in­cons­ti­tu­ci­o­nal e ile­gal. Hi­gi­no Car­nei­ro, é um dos ge­ne­rais mais ri­cos, fru­to cer­ta­men­te do seu es­for­ço mi­li­tar, em­pre­sa­ri­al e po­lí­ti­co. Foi, com cer­te­za, re­com­pen­sa­do pe­lo es­for­ço e de­di­ca­ção à cau­sa do re­gi­me, mes­mo sa­ben­do-se que es­ta cau­sa nun­ca le­vou em con­si­de­ra­ção a te­se do pri­mei­ro Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Agos­ti­nho Ne­to, que di­zia que o im­por­tan­te era re­sol­ver os pro­ble­mas do povo. Sem­pre foi vis­to co­mo um “bul­dó­zer” que, cer­to das su­as con­vic­ções, le­va­va tu­do à fren­te. Es­ta qua­li­da­de foi bem vi­sí­vel co­mo mi­li­tar, on­de não olha­va a mei­os pa­ra atin­gir os seus fins, mas tam­bém co­mo mi­nis­tro das Obras Pú­bli­cas, governador pro­vin­ci­al e empresário. Em 26 de Ju­nho de 2008, por exem­plo, pro­me­teu en­quan­to mi­nis­tro das Obras Pú­bli­cas, cons­truir ou re­cons­truir cer­ca de mil e qui­nhen­tas (1.500 is­so mes­mo) pon­tes de mé­dio e gran­de por­te, as­sim co­mo re­a­bi­li­tar mais de 12 mil qui­ló­me­tros da re­de na­ci­o­nal de es­tra­das até 2012. No mun­do em­pre­sa­ri­al te­ve, ou tem, ne­gó­ci­os com par­cei­ros na­ci­o­nais, por­tu­gue­ses, bra­si­lei­ros e ou­tros. Dos seus ne­gó­ci­os pri­va­dos fa­zem ou fi­ze­ram par­te 12 ho­téis dis­per­sos pe­lo país, gran­des fa­zen­das (a Ca­bu­ta é uma de­las), bancos (Ke­ve e Sol), uma com­pa­nhia de avi­a­ção dis­pon­do de uma fro­ta de 14 ae­ro­na­ves, Air Ser­vi­ces. A re­a­li­da­de de An­go­la de­mons­tra que o su­ces­so nos ne­gó­ci­os pri­va­dos é in­se­pa­rá­vel, mais uma vez, do po­der dos ge­ne­rais. Há uns anos, não mui­tos, o ge­ne­ral Hi­gi­no Car­nei­ro apre­sen­tou-se na te­le­vi­são di­zen­do ter da­do iní­cio à in­dús­tria da ma­dei­ra, no Cu­an­do Cu­ban­go. Nes­sa al­tu­ra os ín­di­ces de aten­ção e cu­ri­o­si­da­de dos mais aten­tos sal­ta­ram pa­ra os ní­veis má­xi­mos, pen­san­do tra­tar-se de uma me­di­da que iria con­tri­buir pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, tão an­si­a­da e rei­vin­di­ca­da por to­dos, e pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da de al­guns angolanos a re­si­di­rem no Cu­an­do Cu­ban­go. De­se­já­mos que se tra­tas­se da aber­tu­ra de es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e de fá­bri­cas de mo­bi­liá­rio ou de ou­tros equi­pa­men­tos, on­de iri­am ser ma­xi­mi­za­das as mais-va­li­as da ex­plo­ra­ção da ma­dei­ra. Não. Afi­nal es­sa in­dús­tria da ma­dei­ra de Hi­gi­no Car­nei­ro re­su­mia-se ao fun­ci­o­na­men­to do ser­ro­te no aba­te de ár­vo­res, de ma­dei­ras va­li­o­sas, pa­ra se­rem co­mer­ci­a­li- za­das, sem mais-va­li­as pa­ra a eco­no­mia do país. Quan­do um governo man­da fis­cais, ou agen­tes po­li­ci­ais, pa­ra o ter­re­no, não po­de dei­xar de ter em li­nha de con­ta por­me­no­res im­por­tan­tes co­mo a sal­va­guar­da da sua ima­gem e se­ri­e­da­de, pa­ra não ca­var re­cal­ca­men­to nos ci­da­dãos. In­fe­liz­men­te, quan­do se es­pe­ra­va ou­tra pos­tu­ra, com a su­bi­da do ge­ne­ral Hi­gi­no Car­nei­ro a governador de Lu­an­da, os seus agen­tes, pa­re­ci­am a sua “mão mi­li­tar”, nu­ma es­pé­cie de qua­dri­lha qua­li­fi­ca­da de de­lin­quen­tes e de ga­tu­nos, que rou­ba­vam os pobres, co­mo se pa­ra be­ne­fi­ci­ar o che­fe, a quem as au­to­ri­da­des po­li­ci­ais ou do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co já de­ve­ri­am abrir pro­ces­sos cri­mi­nais. Fo­lha 8 com Lu­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.