REESTRUTURAR A RE­ES­TRU­TU­RA­ÇÃO

Folha 8 - - ECONOMIA -

A per­gun­ta é ba­si­lar: Qual é o fu­tu­ro da em­pre­sa? Co­mo re­for­çar a com­pe­ti­ti­vi­da­de do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro? Tal­vez fos­se opor­tu­no ana­li­sar pu­bli­ca­men­te o pas­sa­do ne­gro da So­nan­gol, e sa­ber quem re­al­men­te afun­dou a em­pre­sa. Re­cor­de-se que, em 2015, após a apre­sen­ta­ção por Fran­cis­co Le­mos, en­tão PCA da So­nan­gol, do “Re­la­tó­rio Res­ga­te da Efi­ci­ên­cia Em­pre­sa­ri­al”, o Exe­cu­ti­vo angolano (João Lou­ren­ço in­cluí­do), bem co­mo o MPLA, to­ma­ram co­nhe­ci­men­to da gra­vi­da­de do pro­ble­ma da So­nan­gol. A So­nan­gol, que su­pos­ta­men­te de­ve­ria ser a se­gun­da mai­or em­pre­sa de Afri­ca, sou­be-se de re­pen­te (co­mo qua­se tu­do em An­go­la) que es­ta­va fa­li­da, e in­ca­paz de pa­gar a sua dí­vi­da ban­cá­ria. Foi en­tão, re­cor­da-se pre­si­den­te João Lou­ren­ço?, cri­a­da a Co­mis­são de Re­es­tru­tu­ra­ção do Sec­tor dos Pe­tró­le­os. A Co­mis­são de Re­es­tru­tu­ra­ção do Sec­tor dos Pe­tró­le­os cri­a­da por De­cre­to Pre­si­den­ci­al 86/15 Da­ta 26.10.2015, foi com­pos­ta pe­los mi­nis­tros dos Pe­tró­le­os, das Fi­nan­ças, Governador do BNA, PCA da So­nan­gol e Mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Eis o tex­to da Ac­ta da Reu­nião da Co­mis­são do Sec­tor dos Pe­tró­le­os, re­a­li­za­da em Lu­an­da, no CDI a 15 de De­zem­bro de 2015: Im­por­tân­cia do projecto ter um ges­tor trans­ver­sal no projecto da­da a com­ple­xi­da­de e abran­gên­cia do projecto; Cre­den­ci­ais de ca­da uma das em­pre­sas con­sul­to­ras; Apre­sen­ta­ção do ca­len­dá­rio e eta­pas do pro­ces­so – “pra­zo exi­gen­te; projecto co­me­ça­rá com um di­ag­nós­ti­co de­ta­lha­do, se­gui­do de um de­se­nho de­ta­lha­do fi­nal­men­te um pla­no de re­es­tru­tu­ra­ção de­ta­lha­do.” “….Pro­cu­ra­re­mos ao lon­go do pro­ces­so iden­ti­fi­car quick-wins que per­mi­tam ir cris­ta­li­zan­do pou­pan­ças de cus­tos e de au­men­to de efi­ci­ên­ci­as.” E, co­mo de­li­be­ra­do na pró­pria ac­ta: “Im­por­tân­cia do projecto ter um ges­tor trans­ver­sal no projecto da­da a com­ple­xi­da­de e abran­gên­cia do projecto.” Foi as­sim, em re­pre­sen­ta­ção do governo de An­go­la, as­si­na­do pe­lo Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, um con­tra­to de con­sul­to­ria pa­ra Re­es­tru­tu­ra­ção do Sec­tor dos Pe­tró­le­os em An­go­la, com em­pre­sa Wi­se Con­sul­ting, na qua­li­da­de de co­or­de­na­dor de um alar­ga­do gru­po de ou­tros con­sul­to­res. Foi so­li­ci­ta­do pe­lo Exe­cu­ti­vo, que es­te gru­po de con­sul­to­res iden­ti­fi­ca­dos de­se­nhas­se a so­lu­ção, e apoi­as­se tam­bém na im­ple­men­ta­ção da so­lu­ção, de­ven­do pa­ra tal apoi­ar e tra­ba­lhar com a ges­tão da So­nan­gol. Es­te con­tra­to foi pos­te­ri­or­men­te ce­di­do à em­pre­sa Mat­ter, por ra­zões de or­ga­ni­za­ção in­ter­na do gru­po de con­sul­to­res e a pe­di­do des­tes. A Mat­ter, foi o ges­tor trans­ver­sal do projecto, foi a en­ti­da­de co­or­de­na­do­ra, e ges­to­ra dos di­ver­sos pro­gra­mas de con­sul­to­ria pres­ta­dos no âm­bi­to da re­es­tru­tu­ra­ção da So­nan­gol, no­me­a­da­men­te pe­los con­sul­to­res: Pri­cewa­ter­cop­pers, Bos­ton Con­sul­ting Group, ODKAS, UCALL, VDA, Mc­kin­sey, etc., e que te­ve a res­pon­sa­bi­li­da­de de op­ti­mi­zar os cus­tos, pres­ta­ções e re­sul­ta­dos da con­sul­to­ria. A ces­são da po­si­ção con­tra­tu­al, e con­tra­ta­ção foi ofi­ci­al, e com a au­to­ri­za­ção do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol, e do seu PCE, Pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va, con­for­me a ac­ta nu­me­ro 7 da­ta 23 de Maio de 2017. Ape­sar de tu­do is­to, o Governo de João Lou­ren­ço pôs em cau­sa as de­ci­sões to­ma­das pe­lo governo angolano em 2015 e 2016e do qual fez par­te, pôs em cau­sa a pre­sen­ça de con­sul­to­res, pôs sus­pei­tas sobre o tra­ba­lho re­a­li­za­do e pa­ga­men­tos fei­tos, ne­gan­do o fac­to de que a So­nan­gol es­ta­va fa­li­da. Pôr em cau­sa a de­ci­são do Governo angolano (do qual João Lou­ren­ço fez par­te) em que­rer reestruturar a So­nan­gol, e ten­tar ma­ni­pu­lar a opi­nião pu­bli­ca, pa­ra que se pen­se que foi a ad­mi­nis­tra­ção an­te­ri­or (de Isa­bel dos Santos) que trou­xe os con­sul­to­res por fal­ta de com­pe­tên­cia ou por in­te­res­ses pri­va­dos, sig­ni­fi­ca que­rer re­es­cre­ver a his­tó­ria, e atri­buir a ou­tros as res­pon­sa­bi­li­da­des da fa­lên­cia da So­nan­gol. Es­ta ma­ni­pu­la­ção dos fac­tos as­se­me­lha-se a um au­tên­ti­co re­vi­si­o­nis­mo, e só po­de ter co­mo ob­jec­ti­vo, o re­gres­so em for­ça do que con­vém cha­mar co­mo “a an­ti­ga es­co­la” da So­nan­go

EX-PRE­SI­DEN­TE DO CON­SE­LHO ADMINISTRATIVO DA SO­NAN­GOL , FRAN­CIS­CO DE LE­MOS MA­RIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.