EN­SI­NO DAS CIÊNCIAS SO­CI­AIS EM ÁFRI­CA (II)

Se­rá que um não-lí­der po­de for­mar lí­de­res? Co­mo um pro­fes­sor que não pes­qui­sa, não es­cre­ve e não pu­bli­ca po­de ser le­va­do a sé­rio nu­ma au­la de me­to­do­lo­gia de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca ou de es­cri­ta cri­a­ti­va?

Folha 8 - - CRONICA - DOMINGOS DA CRUZ

Pa­ra que pos­sa­mos fa­zer com que o en­si­no das ciências so­ci­ais se­jam es­pa­ços de trans­for­ma­ção das nos­sas so­ci­e­da­des, pre­ci­sa­mos in­tro­du­zir es­ta fi­lo­so­fia nos pro­jec­tos po­lí­ti­cos e fi­lo­só­fi­cos de edu­ca­ção. Ou se­ja, an­tes de cons­truir­mos uma uni­ver­si­da­de são es­sen­ci­ais as se­guin­tes per­gun­tas: Que ti­po de ho­mem se quer for­mar? A sua for­ma­ção se­rá ba­se­a­da em quê va­lo­res, me­to­do­lo­gi­as e sa­be­res pré­vi­os? Que pro­ble­mas con­tex­tu­ais es­ta for­ma­ção per­mi­ti­rá que es­te ho­mem, com os va­lo­res pro­pos­to pos­sa aju­dar a ul­tra­pas­sá-los? Pa­ra além des­tes as­pec­tos prin­ci­pi­o­ló­gi­cos, te­mos ou­tros ele­men­tos de na­tu­re­za prá­ti­ca, tais co­mo: i) Mu­dar a ar­qui­tec­tu­ra das nos­sas uni­ver­si­da­des. Is­to pres­su­põe a al­te­ra­ção das com­po­si­ções e for­mas das tur­mas. ii) Al­te­ra­ção de cur­rí­cu­los. Pro­po­nho cur­rí­cu­los fle­xí­veis e que pos­sam ser dis­cu­ti­dos em con­jun­to com os es­tu­dan­tes. iii) Ape­tre­char as uni­ver­si­da­des com re­cur­sos lo­cais, mas man­ten­do-se aber­to ao bom que é pro­du­zi­do nou­tras par­tes do mun­do. Mas mes­mo que fa­ça­mos es­tas mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas nas nos­sas ins­ti­tui­ções, não me pa­re­ce que elas pos­sam ter su­ces­so se não for in­cor­po­ra­do dois sen­ti­dos es­sen­ci­ais na for­ma de fa­zer edu­ca­ção por par­tes dos agen­tes das co­mu­ni­da­des ci­en­tí­fi­cas e edu­ca­ti­vas: Co­la­bo­ra­ção en­tre os ci­en­tis­tas e pes­qui­sa­do­res afri­ca­nos. Nos nos­sos di­as, pa­re­ce ha­ver um am­plo con­sen­so de que os po­vos e na­ções que fa­lha­ram, uma das ra­zões es­tá no fac­to de não ter ha­vi­do co­la­bo­ra­ção. De não ter ha­vi­do tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia e fal­ta de uni­da­de nos pro­pó­si­tos, mes­mo que ha­ja de­sa­cor­do em re­la­ção a cer­tos as­pec­tos pe­ri­fé­ri­cos. Na mi­nha pou­ca ex­pe­ri­ên­cia en­quan­to pro­fes­sor e pes­qui­sa­dor, no­to que os afri­ca­nos di­a­lo­gam mais com ou­tros ci­en­tis­tas e pes­qui­sa­do­res fo­ra de Áfri­ca do que den­tro de Áfri­ca. Por is­so, pre­ci­sa­mos olhar a co­la­bo­ra­ção en­tre ci­en­tis­tas afri­ca­nos co­mo pri­o­ri­da­de es­sen­ci­al. In­cor­po­rar a mis­são pro­fé­ti­ca da edu­ca­ção co­mo es­sen­ci­al na for­ma de ser e de es­tar dos pro­fes­so­res e alu­nos. Es­te pro­fe­tis­mo não tem um ca­rác­ter re­li­gi­o­so. Ba­si­ca­men­te, o pro­fe­ta é aque­le que re­jei­ta as in­su­fi­ci­ên­ci­as da so­ci­e­da­de e pro­põe no­vos ca­mi­nhos, ten­do co­mo re­fe­rên­cia cen­tral a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na. Os pro­fes­so­res e alu­nos das nos­sas ins­ti­tui­ções, de­ve­rão ter cons­ci­ên­cia de que as uni­ver­si­da­des não são lu­ga­res so­men­te pa­ra re­pe­tir sa­be­res, mas sim, pa­ra sa­ber o que foi cri­a­do, re­jei­tar o que não re­sol­ve os nos­so pro­ble­mas e pro­por no­vos ca­mi­nhos, no­vas me­to­do­lo­gi­as, no­vos sa­be­res, mas ten­do sem­pre a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na co­mo prin­cí­pio e fim de to­do o nos­so tra­ba­lho den­tro das co­mu­ni­da­des edu­ca­ti­vas. Sobre li­de­ran­ça Imen­sos es­tu­di­o­sos se pro­nun­ci­a­ram sobre li­de­ran- ça. Mui­to do que sa­be­mos fun­da-se na ex­pe­ri­ên­cia de gran­des lí­de­res de di­men­são que pa­re­ce in­ques­ti­o­ná­vel em vá­ri­os cam­pos – na ci­ên­cia, na ar­te, nos ne­gó­ci­os, na po­lí­ti­ca. Pro­po­nho aqui que de­ve­mos co­me­çar a pen­sar sobre du­as di­men­sões es­sen­ci­ais de um lí­der – a de­so­be­di­ên­cia e o re­co­lhi­men­to/so­li­dão. Ca­te­go­ri­as sobre as quais nun­ca ti­ve aces­so a qual­quer li­te­ra­tu­ra: i) A de­so­be­di­ên­cia co­mo vir­tu­de do lí­der. As ins­tân­ci­as de so­ci­a­li­za­ção — fa­mí­lia, es­co­la, me­dia, igre­ja e ou­tros gru­pos — não en­si­nam as pes­so­as a de­so­be­de­ce­rem. Aliás, a de­so­be­di­ên­cia é re­pu­di­a­da de for­ma per­ma­nen­te e sis­te­má­ti­ca. É vis­ta nu­ma ló­gi­ca ne­ga­ti­va. Quan­to ao seu opos­to, is­to sim, é en­ca­ra­da co­mo si­nal de pro­gres­so mo­ral. Di­ria que a ne­ga­ção e a lei­tu­ra ne­ga­ti­va da de­so­be­di­ên­cia é um er­ro se­cu­lar. Es­te er­ro per­pas­sa a edu­ca­ção for­mal e in­for­mal. Ao lon­go da his­tó­ria, na ci­ên­cia, na li­te­ra­tu­ra, nos ne­gó­ci­os, no des­por­to, na ar­te e na po­lí­ti­ca, aque­les que adop­ta­ram a de­so­be­di­ên­cia, as­su­mi­ram-se co­mo lí­de­res por­que rom­pe­ram a or­dem es­ta­be­le­ci­da. Es­te tó­pi­co de­mons­tra­rá dois ní­veis da di­men­são éti­ca da de­so­be­di­ên­cia co­mo sen­do es­sen­ci­al a um lí­der: no pri­mei­ro ní­vel es­tá a cons­ci­ên­cia crí­ti­ca e no se­gun­do, es­tá a ati­tu­de con­cre­ta que le­va a rup­tu­ra e o per­mi­te tra­zer o pro­gres­so e in­flu­en­ci­ar po­si­ti­va­men­te os que es­tão à sua vol­ta, a co­mu­ni­da­de lo­cal ou na­ci­o­nal. ii) Li­de­ran­ça so­li­tá­ria. Es­te tó­pi­co par­te de um con­cei­to sim­ples de li­de­ran­ça: in­flu­en­ci­ar os ou­tros pa­ra o bem. Uma vez que o con­cei­to e a prá­ti­ca da li­de­ran­ça é fre­quen­te­men­te vin­cu­la­da à uma se­gun­da ca­te­go­ria, os li­de­ra­dos ou co­la­bo­ra­do­res, le­van­ta­mos a se­guin­te ques­tão: po­de uma pes­soa que se de­di­ca ao tra­ba­lho so­li­tá­rio, sem es­ta­rem a sua vol­ta pes­so­as, ser um lí­der. O es­cri­tor, o pin­tor e o es­cul­tor po­dem ser lí­de­res? Se po­dem ser lí­de­res, são lí­de­res so­li­tá­ri­os? Mes­mo aque­las áre­as − co­mo é a mú­si­ca, os ne­gó­cio e a po­lí­ti­ca − que le­vam o lí­der a es­tar ro­de­a­do de inú­me­ras pes­so­as com frequên­cia, tam­bém exi­ge da par­te do lí­der o re­co­lhi­men­to, a in­tros­pec­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.