OS CRI­MI­NO­SOS DA ELITE NO DEGREDO

Folha 8 - - CRONICA - SEDRICK DE CARVALHO

As ca­dei­as sub­sis­tem num bi­nó­mio in­tri­gan­te. Por um la­do ar­ma­ze­na a es­có­ria da so­ci­e­da­de, e pa­ra lá o sis­te­ma ju­di­ci­al en­via em to­ne­la­das a es­cu­ma­lha hu­ma­na, co­mo car­ne ani­mal. As re­gras do sis­te­ma ju­di­ci­al são ela­bo­ra­das pe­la elite po­lí­ti­ca, às ve­zes pe­lo pró­prio sis­te­ma, me­di­an­te os seus acór­dãos, e por is­so com re­du­zi­da hi­pó­te­se de sub­ju­gar os pa­res, e is­to fa­cil­men­te se per­ce­be ao olhar­mos as es­ta­tís­ti­cas dos pre­sos em qual­quer ca­deia. A se­gun­da fa­se é exac­ta­men­te a da pri­são de mem­bros da elite. Ti­dos co­mo in­to­cá­veis, ra­ra­men­te ex­pos­tos e en­car­ce­ra­dos em am­bi­en­tes ad­ver­sos, pú­tri­dos mes­mo, os que não fa­zem par­te, nem acre­di­tam al­gum dia en­trar nes­ta elite, al­me­jam, a to­do o ins­tan­te, que os primeiros se­jam igual­men­te apri­si­o­na­dos em con­di­ções de­gra­dan­tes, as mes­mas em que eles são sub­me­ti­dos. Quan­do acon­te­ce ve­ri­fi­ca-se uma ex­ci­ta­ção co­lec­ti­va, ge­ran­do um sen­ti­men­to de igual­da­de pe­ran­te a lei que per­mi­te a es­có­ria e elite par­ti­lha­rem o mes­mo nau­se­a­bun­do re­cin­to. Mas a elite é quem cri­ou as re­gras, e é ela a de­ter­mi­nar quem da elite vai à ca­deia em cer­to mo­men­to, ain­da que “os primeiros a tom­bar se­jam mi­li­tan­tes ou mes­mo al­tos di­ri­gen­tes”, is­to pa­ra trans- mi­tir a sen­sa­ção de que o sis­te­ma é im­par­ci­al. Nes­ta du­pla re­la­ção es­tá an­co­ra­do o prin­ci­pal ar­gu­men­to pa­ra a ma­nu­ten­ção da pri­são de­fen­di­do por am­bos la­dos, ou se­ja, pe­la es­có­ria e tam­bém pe­la elite – a pu­ni­ção. Tal co­mo os tri­bu­nais con­de­nam a es­cu­ma­lha pen­san­do em ex­pur­gá-la mo­men­ta­ne­a­men­te das ru­as me­di­an­te um se­ve­ro cas­ti­go, a ple­be de­se­ja que mem­bros da elite tam­bém dur­mam em mo­do ca­ta­na nas ce­las hú­mi­das, ven­do o sol nas­cer aos qua­dra­dos, quan­do é pos­sí­vel ver. E co­mo Fi­lo­me­no dos Santos «Zenú» e ami­gos, ou Au­gus­to To­más e Nor­ber­to Gar­cia e o ge­ne­ral Ar­sé­nio es­tão pre­sos e a cau­sar eu­fo­ria no seio de quem sem­pre foi hu­mi­lha­do, prin­ci­pal­men­te com prisões ar­bi­trá­ri­as, ve­mos uma jus­ti­fi­ca­ção tá­ci­ta da im­por­tân­cia da ca­deia, nes­te ca­so, pa­ra ali igual­men­te hu­mi­lhar os que an­tes hu­mi­lha­ram os ou­tros. Po­rém, o cer­to é que a pri­são é uma ins­ti­tui­ção fa­li­da, sem pro­pó­si­to no­bre, e o discurso da re­e­du­ca­ção, re­a­bi­li­ta­ção e res­so­ci­a­li­za­ção dos re­clu­sos é ape­nas uma re­tó­ri­ca re­pe­ti­ti­va que se per­de fa­cil­men­te in­clu­si­ve nas mo­ti­va­ções de quem a pro­nun­cia e so­bre­tu­do es­tá anos-luz dis­tan­te da crua re­a­li­da­de das ca­dei­as. Tal co­mo as con­di­ções pe­ni­ten­ciá­ri­as vi­o­lam gros­sei­ra­men­te di­rei­tos hu­ma­nos de quem rou­bou um te­le­mó­vel, pois não dei­xa de os ter, e de quem não co­me­teu mas es­tá detido pre­ven­ti­va­men­te, tam­bém vi­o­la da­que­les mem­bros da elite ago­ra pre­sos cir­cuns­tan­ci­ais, ain­da que es­tes não só nun­ca se te­nham im­por­ta­do com o lu­gar pa­ra on­de são en­vi­a­dos di­a­ri­a­men­te cen­te­nas de mem­bros da ra­lé, co­mo con­tri­buí­ram pa­ra que as ca­dei­as se­jam o an­tro que são, rou­ban­do as ver­bas or­ça­men­ta­das pa­ra a ma­nu­ten­ção e lo­gís­ti­ca, por exem­plo. Mas quem ad­mi­ti­rá, nes­ta al­tu­ra, que a pri­são de Zenú e Au­gus­to é um des­per­dí­cio de re­cur­sos fi­nan­cei­ros? Ou quem as­su­mi­rá que o cas­ti­go e se ca­lhar tor­tu­ra não é o ide­al pa­ra es­tes e to­dos os ou­tros pre­sos? As­sim vol­ta­mos ao ide­al po­pu­lar de jus­ti­ça. Con­ve­ni­en­te­men­te se acei­ta que se uns, a mai­o­ria, fo­ram pre­sos em ca­dei­as co­mo Ca­lom­bo­lo­ca, Ka­ki­la ou Peu Peu, be­ben­do água com areia, co­men­do ar­roz cru e sem sal, e ain­da sem as­sis­tên­cia mé­di­ca bá­si­ca, con­ta­mi­na­do e con­ta­mi­nan­do, en­tão não de­ve nes­ta al­tu­ra ser al­te­ra­da es­se mo­de­lo de fun­ci­o­na­men­to pa­ra pri­vi­le­gi­ar uns pou­cos. Jus­ti­ça, a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria, é es­tar en­fi­a­do num bu­ra­co, e tan­to é pa­ra a ra­lé co­mo pa­ra a elite. É a sub­ver­são da jus­ti­ça subs­ti­tuí­da pe­la ân­sia de pu­ni­ção. E, co­mo pre­ci­sa­mos nos ques­ti­o­nar sem­pre, o que ga­nha­mos com is­so? Co­mo ocor­re aos re­les ban­di­dos, tam­bém os cri­mi­no­sos de elite não mu­dam por pas­sa­rem em ca­dei­as, dan­do-se uma re­vi­ta­li­za­ção dos mé­to­dos de sa­que. De exem­plos de ban­di­dos aven­tu­rei­ros es­ta­mos far­tos, e bas­ta lem­brar­mos que di­as de­pois de se­rem am­nis­ti­a­dos mui­tos vol­ta­ram aos ca­la­bou­ços. Mas pen­se­mos nos pre­sos de lu­xo co­mo ofi­ci­ais ge­ne­rais das FAA e PN que es­ti­ve­ram pre­sos e ho­je se en­con­tram no­va­men­te na es­tru­tu­ra eli­tis­ta, dos quais Ben­to Kan­gam­ba, Fer­nan­do Mi­a­la, ou Mi­guel Ca­traio e Ri­qui­nho, e os ban­di­dos pré-in­de­pen­dên­cia que fa­zem par­te da go­ver­na­ção. Pas­sa­dos pe­las ca­dei­as, em na­da al­te­ra­ram ou in­flu­en­ci­a­ram pa­ra que fos­se al­te­ra­do a es­tru­tu­ra pe­ni­ten­ciá­ria. Pe­lo con­trá­rio, a ins­ti­tui­ção pri­si­o­nal de­te­ri­o­ra ca­da vez mais, daí que os no­vos in­qui­li­nos de lu­xo em na­da vão in­flu­en­ci­ar as ca­dei­as a lon­go pra­zo sim­ples­men­te por­que ca­deia não é um projecto de re­cu­pe­ra­ção hu­ma­nís­ti­ca, mas um degredo so­ci­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.