A cri­a­ti­vi­da­de plás­ti­ca an­go­la­na e o 4 de Fe­ve­rei­ro

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Uma das ac­ções de re­be­lião in­de­pen­den­tis­ta, den­tre das mais co­ra­jo­sas, de­sen­ca­de­a­da em Áfri­ca, foi, sem dú­vi­da, o segundo sis­mo insurreccional or­ga­ni­za­do pe­los na­ci­o­na­lis­tas e pa­tri­o­tas an­go­la­nos con­tra o cerco co­lo­ni­al, um mês, exac­ta­men­te, após o de­sen­ca­de­a­men­to da re­vol­ta da Bai­xa de Cas­san­je e al­gu­mas se­ma­nas an­tes da de­fla­gra­ção sur­gi­da nas re­giões mais ao nor­te do país.

O de­sen­ca­de­a­men­to des­ta ope­ra­ção con­fir­mou a cris­ta­li­za­ção de um con­tex­to neo-es­cla­va­gis­ta, que to­mou for­ma na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX, após a ces­sa­ção do trá­fi­co ne­grei­ro tran­sa­tlân­ti­co.

Com efei­to, pres­si­o­na­dos for­te­men­te pe­la In­gla­ter­ra, país da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al tor­na­da, por es­te fac­to, a gran­de po­tên­cia do sé­cu­lo XIX, Por­tu­gal e o ávi­do Bra­sil não te­rão ou­tra so­lu­ção se­não co­la­bo­rar, com ma­ni­fes­ta má von­ta­de, na ces­sa­ção do trá­fi­co tran­sa­tlân­ti­co de mão-de-obra ne­gra.

Ten­do em con­ta que a Co­ló­nia de An­go­la, ter­ra de es­cra­vo­cra­tas, pro­du­zia só es­cra­vos, Por­tu­gal acal­ma­ra os vir­tu­ais fa­li­dos ins­ti­tuin­do uma ver­da­dei­ra ar­ma­di­lha ju­rí­di­ca neo-es­cla­va­gis­ta: o tra­ba­lho for­ca­do, o es­ta­tu­to de con­tra­ta­dos ou de ser­vi­çais.

A evo­lu­ção des­te no­vo aper­to se­rá, lo­gi­ca­men­te, mar­ca­da pa­ra os an­go­la­nos pe­la im­po­si­ção de uma fis­ca­li­da­de su­fo­ca­do­ra, ter­mos de tro­cas comerciais des­van­ta­jo­sos, a hu­mi­lhan­te ar­bi­tra­ri­e­da­de da ad­mi­nis­tra­ção, o cerco po­li­ci­al, a la­va­gem as­si­mi­la­ci­o­nis­ta, a mar­gi­na­li­za­ção in­di­ge­nis­ta, o im­pla­cá­vel malthu­si­a­nis­mo es­co­lar, uma jus­ti­ça ine­xac­ta e um pa­tro­na­to de­su­ma­no.

De­ve-se as­so­ci­ar a to­das es­sas ad­ver­si­da­des, a con­ti­nu­a­ção, até 1958, da ex­por­ta­ção de an­go­la­nos, con­tra­ta­dos ou ser­vi­çais, pa­ra as in­sa­ciá­veis ilhas de São To­mé e Prín­ci­pe.

PLA­TA­FOR­MA ICO­NO­GRÁ­FI­CA

São, por­tan­to, es­ses fac­tos que vão pro­vo­car a re­be­lião saí­da dos “Da­na­dos

dos mus­se­ques”. A tra­ma tri­ni­tá­ria de su­ble­va­ções re­gis­ta­da em An­go­la, nos me­a­dos do sé­cu­lo XX, era ine­vi­tá­vel pa­ra os ha­bi­tan­tes des­te país, que fa­go­ci­ta­ram os ter­rí­veis guer­rei­ros ja­ga.

A tra­ma des­ta co­ra­jo­sa ac­ção que se de­sen­vol­veu em vá­ri­as eta­pas, reu­niões clan­des­ti­nas, aqui­si­ção de ar­ma­men­to bran­co e far­da­men­to de iden­ti ica­ção, ata­ques a cen­tros pe­ni­ten­ciá­ri­os, mi­li­ta­res e ci­vis, a po­lí­cia co­lo­ni­al, as mor­tes, o re­cuo es­tra­té­gi­co, a ca­ça aos na­ci­o­na­lis­tas e a re­pres­são, de­ve ser ab­so­lu­ta­men­te ixa­da em obras de pin­tu­ra, es­cul­tu­ra e ce­râ­mi­ca, em vá­ri­as mo­da­li­da­des tais co­mo a mu­ral ou a mo­nu­men­tal.

O 4 de Fe­ve­rei­ro de­ve ter uma de­cli­na­ção plás­ti­ca, em que um dos pro­jec­tos po­de­rá ser a or­ga­ni­za­ção, no pró­xi­mo ano, de uma gran­de ex­po­si­ção, pre­lú­dio da cons­tru­ção de um Mu­seu, cons­ti­tuí­do de um cen­tro de do­cu­men­ta­ção, in­ves­ti­ga­ção, ani­ma­ção e pro­du­ções cul­tu­rais (do­cu­men­tá­ri­os, te­a­tro, con­cur­sos plás­ti­cos, etc.)

A reprodução ar­te­sa­nal de­ve ser, igual­men­te, en­co­ra­ja­da no qua­dro do as

su­me­re pa­trió­ti­co dos he­rói­cos fei­tos en­ga­ja­dos nes­te le­van­ta­men­to.

CON­CLU­SÃO

A aná­li­se que aca­ba­mos de pro­por ates­ta bem a ne­ces­si­da­de da ur­gên­cia da mo­bi­li­za­ção dos ar­tis­tas plás­ti­cos an­go­la­nos à volta da te­má­ti­ca do mo­vi­men­to do Có­ne­go Ma­nu­el das Ne­ves, Im­pe­ri­al San­ta­na, Ne­li­to So­a­res e as su­as du­as cen­te­nas de com­pa­nhei­ros.

A ges­ta heróica do Dia do Sa­cri­fí­cio de­ve en­trar na Me­mó­ria Na­ci­o­nal gra­ças a uma vi­si­bi­li­da­de nas ar­tes vi­su­ais.

As­sim, de­ve­mos er­guer nas nos­sas gran­des pra­ças, lar­gos, ave­ni­das e ru­as, nas ca­pi­tais das pro­vín­ci­as, nos mu­ni­cí­pi­os, as­sim co­mo nas co­mu­nas, mo­nu­men­tos de vá­ria ins­pi­ra­ção.

É da nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de or­na­men­tar as sa­lões das nos­sas ad­mi­nis­tra­ções com retratos da re­vol­ta do meio-sé­cu­lo.

A UNAP te­rá, en­tão, nes­te qua­dro, o de­ver de cri­ar uma pla­ta­for­ma ico­no­grá­fi­ca na­ci­o­nal, que con­fir­me a fir­me von­ta­de dos an­go­la­nos, de se­rem de­fi­ni­ti­va­men­te in­de­pen­den­tes.

Si­mão Souindoula

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.