Res­ga­ta­do dos ar­qui­vos

No pas­sa­do dia 5 de Fe­ve­rei­ro foi lan­ça­do no jan­go da UEA, o vo­lu­me com as 12 edi­ções do bo­le­tim “Cul­tu­ra” (se­gun­da sé­rie) da So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la. O tra­ba­lho é o re­sul­ta­do de uma pes­qui­sa e se­lec­ção de Ire­ne Guer­ra Marques e Car­los Fer­rei­ra, e fo

Jornal Cultura - - Primeira Página - Ire­ne Guer­ra Marques & Car­los Fer­rei­ra

Épa­ra nós um pri­vi­lé­gio apre­sen­tar es­te li­vro, fru­to de um tra­ba­lho con­jun­to de re­co­lha, pes­qui­sa e es­tu­do que vi­mos fa­zen­do há mui­tos anos.

Nun­ca nos con­se­gui­mos con­for­mar com a pou­ca ou ne­nhu­ma aten­ção da­da, até ago­ra, a uma das mais im­por­tan­tes, tal­vez a mais im­por­tan­te e mais con­so­li­da­da es­tru­tu­ra exis­ten­te até à dé­ca­da de 60, que per­mi­tia o cur­so li­vre da po­e­sia, do con­to, do de­se­nho, do es­tu­do ci­en­tí ico an­go­la­nos, en im, das mais di­ver­sas for­mas de re­sis­tên­cia li­te­rá­ria e cul­tu­ral de an­tes do dia 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961, que co­me­mo­rá­mos ain­da on­tem.

Com efei­to, e a uma dis­tân­cia que nos per­mi­te ho­je, com pro­fun­di­da­de, en­qua­drar a So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la, o seu fun­ci­o­na­men­to, as su­as ac­ti­vi­da­des múl­ti­plas (além do bo­le­tim Cul­tu­ra, o ci­ne­ma, a mú­si­ca, o te­a­tro e a pin­tu­ra, as reu­niões po­lí­ti­cas clan­des­ti­nas e a cum­pli­ci­da­de de gran­de par­te dos mem­bros da “Cul­tu­ra” já in­te­gra­da no mo­vi­men­to po­lí­ti­co de eman­ci­pa­ção), há que re­co­nhe­cer e iden­ti icar es­ta as­so­ci­a­ção e os seus prin­ci­pais res­pon­sá­veis, co­mo par­te es­sen­ci­al do lon­go pro­ces­so que vi­ria a des­po­le­tar a lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal.

GES­TA PE­LA SO­BE­RA­NIA

Per­cor­ren­do es­tes bo­le­tins (em nú­me­ro de do­ze), e olhan­do pa­ra o seu cor­po re­dac­to­ri­al, não é di ícil con­cluir que to­dos, pra­ti­ca­men­te to­dos, des­de o seu di­rec­tor, os che­fes de re­dac­ção, os se­cre­tá­ri­os de re­dac­ção, aos cor­pos ge­ren­tes da pró­pria So­ci­e­da­de Cul­tu­ral, es­ta­vam já ao tem­po do la­do do fu­tu­ro, jun­to dos que se ha­vi­am de lan­çar na ges­ta pe­la so­be­ra­nia e pe­la in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nais.

É um prei­to de ho­me­na­gem a to­dos eles, é a re­po­si­ção de uma ver­da­de his­tó­ri­ca in­dis­cu­tí­vel, que nun­ca ten­do si­do pos­ta em cau­sa, foi sen­do sem­pre re­me­ti­da ao si­lên­cio. Per­mi­tam-me abrir aqui uma ex­cep­ção pa­ra re­cor­dar e ho­me­na­ge­ar, de for­ma sen­ti­da, o Dr. Eugénio Fer­rei­ra, en­tão Di­rec­tor da “Cul­tu­ra” cu­jo hu­ma­nis­mo, sa­ber, pro­fun­da cons­ci­ên­cia da re­a­li­da­de e gran­de mo­dés­tia, foi, sem nun­ca dar nas vis­tas nem pôr-se em bi­cos de pés, o ma­es­tro des­ta trans­for­ma­ção do pa­pel da So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la e da “Cul­tu­ra” ao ser­vi­ço da co­mu­ni­da­de e dos va­lo­res cul­tu­rais an­go­la­nos.

Es­te tra­ba­lho não se­ria pos­sí­vel sem o apoio do es­cri­tor Cos­ta Andrade, que nos mos­trou pe­la pri­mei­ra vez uma par­te des­tes bo­le­tins ain­da em es­ta­do ra­zoá­vel de con­ser­va­ção; sem o ne­ces­sá­rio tra­ba­lho de bus­ca e de in­ves­ti­ga­ção na So­ci­e­da­de de Ge­o­gra ia de Lis­boa, e na Tor­re do Tom­bo, em Por­tu­gal, apoi­a­do des­de a pri­mei­ra ho­ra pe­lo Se­cre­tá­rio-Ge­ral da União dos Es­cri­to­res, a par­tir do sur­gi­men­to da ideia até ao dia de ho­je em que os do­ze nú­me­ros da cha­ma­da “Cul­tu­ra II” e o res­pec­ti­vo pro­ces­so da pide-dgs vêm a luz do dia.

O Car­los Fer­rei­ra e eu, já es­ta­mos a pre­pa­rar um no­vo tra­ba­lho… É o des­ti­no de quem, em cons­ci­ên­cia, sen­te o de­ver de dei­xar pa­ra as ge­ra­ções fu­tu­ras ma­té­ri­as de es­tu­do de ca­rác­ter cul­tu­ral que con­si­de­ra­mos fun­da­men­tais e in­dis­pen­sá­veis pa­ra a his­tó­ria que to­dos es­ta­mos a cons­truir, e que ou­tros co­me­ça­ram há mui­tos e mui­tos anos. Co­mo ou­tros da­rão con­ti­nui­da­de de­pois de nós. Cum­prin­do um de­ver cí­vi­co que a nós pró­pri­os nos im­pu­se­mos. Aju­dan­do a exer­cer a fun­ção de for­ma­do­res de cons­ci­ên­ci­as, na fe­liz ex­pres­são do pri­mei­ro pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de An­go­la, Dr. Agostinho Ne­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.