PA­RA ME­LHOR FA­LAR ES­CRE­VER E COMPREENDER

Jornal Cultura - - LETRAS -

mis­tu­ran­do de­li­be­ra­da­men­te os ní­veis de lin­gua­gem eru­di­ta e o ici­al com o ní­vel de lin­gua­gem me­ra­men­te po­pu­lar. Apa­ren­te­men­te, mes­mo os mais le­tra­dos, in­cluin­do pro­fes­so­res, an­tes iéis se­gui­do­res do gra­má­ti­co Jo­sé Ma­ria Rel­vas, pas­sa­ram de­li­be­ra­da­men­te a apa­dri­nhar er­ros gros­sei­ros de lin­gua­gem es­cri­ta e fa­la­da, pa­ra en­ve­re­da­rem pe­lo opor­tu­nis­mo po­lí­ti­co de cir­cuns­tân­cia, con­fun­di­do com a so­li­da­ri­e­da­de na de­fe­sa dos in­te­res­ses das mas­sas po­pu­la­res mais ex­plo­ra­das pe­la co­lo­ni­za­ção.

O ne­or­re­a­lis­mo li­te­rá­rio cor­rom­peu- se com a li­te­ra­tu­ra de má qua­li­da­de e mer­gu­lha­mos nu­ma au­tên­ti­ca cri­se de va­lo­res e re­gras, in­cluin­do a nor­ma es­cri­ta e fa­la­da da Lín­gua Por­tu­gue­sa, en­quan­to pas­sa­ram a pro­li­fe­rar, por to­do o la­do, os fal­sos poetas e os fal­sos pro­sa­do­res. Con­se­quen­te­men­te, a Lín­gua Por­tu­gue­sa, cu­jo seu pro­pri­e­tá­rio ( co­mo qual­quer ou­tro idi­o­ma) é tão- so­men­te o seu usuá­rio, foi, du­ran­te mui­to tem­po, mal­tra­ta­da e o re­sul­ta­do do tes­te­mu­nho que as ge­ra­ções mais ido­sas de­ve­ri­am ter pas­sa­do às ge­ra­ções mais jovens, es­tá à vis­ta.

Te­meu-se pe­la glo­to­fa­gia da Lín­gua Por­tu­gue­sa mas não se cri­a­ram es­tra­té­gi­as pa­ra a pro­mo­ção e di­fu­são das lín­guas afri­ca­nas de An­go­la, que, nu­ma re­la­ção de ho­ri­zon­ta­li­da­de, pu­des­sem co­o­pe­rar com a lín­gua o ici­al, pa­ra se es­ta­be­le­ces­sem po­lí­ti­cas lin­guís­ti­cas mi­xo­gló­ti­cas, com ocor­re, por exem­plo, na Na­mí­bia e na Áfri­ca do Sul. Não che­gá­mos ao bi­lin­guis­mo e man­te­mo-nos na di­glos­sia.

As ge­ra­ções mais es­co­la­ri­za­das, as me­nos ido­sas, dei­xa­ram de ter a ne­ces­sá­ria pro­fi­ci­ên­cia em qual­quer um dos idi­o­mas e, por des­co­nhe­ci­men­to ou me­ro mo­dis­mo, con­ti­nu­a­ram a des­cui­dar o uso cor­rec­to da Lín­gua Por­tu­gue­sa, co­mo se a ela fos­sem idi­os­sin­cra­ti­ca­men­te alhei­os, pa­ra se re­fu­gi­a­rem na bre­jei­ra lin­gua­gem das gí­ri­as e dos dis­pa­ra­tes; ou me­lhor di­zen­do, no des­lei­xa­do ní­vel do dis­cur­so de rua.

Ho­je, no meio de to­da uma des­cons­tru­ção nor­ma­ti­va que se ins­ta­lou no nos­so país, à qual se a as­so­ci­a­ram a lin­gua­gem das te­le­no­ve­las, os fal­sos er­ros as­si­na­dos no com­pu­ta­dor ( in­cluin­do os de con­cor­dân­cia) que, atra­vés de uma qual­quer ac­tu­a­li­za­ção in­for­má­ti­ca, trai­ço­ei­ra­men­te nos in­tro­du­ziu nas re­gras do Acor­do Or­to­grá­fi­co de 1990, per­deu- se o nor­te e ins­ta­lou-se a cri­se do sa­ber fa­lar e do sa­ber es­cre­ver cor­rec­ta­men­te por­tu­guês, a ní­vel ofi­ci­al e do fa­lar e es­cre­ver por­tu­guês com al­gu­ma eru­di­ção em An­go­la.

Não ha­ve­rá, de mo­do al­gum, qua­li­da­de das apren­di­za­gens, vi­san­do o de­sen­vol­vi­men­to, se não hou­ver, por to­dos nós, o uso cor­rec­to da lín­gua o ici­al e de es­co­la­ri­da­de; i.e., sa­ber ler, sa­ber fa­lar, sa­ber ou­vir, sa­ber compreender bem o que se lê e o que se ou­ve, evi­tan­do-se as­sim de­tur­pa­ções (al­gu­mas, por ve­zes, im­buí­das de má-fé) na co­mu­ni­ca­ção es­cri­ta e fa­la­da. Daí que fe­li­ci­te o Ban­co Co­mer­ci­al do Hu­am­bo pe­lo seu al­to pa­tro­cí­nio à edi­ção do “Lín­gua Por­tu­gue­sa; Ti­ra-dú­vi­das de A a Z”, bem com às au­to­ras des­ta im­por­tan­te fer­ra­men­ta pe­lo tra­ba­lho pro­du­zi­do, a ser evi­den­te­men­te uti­li­za­da por to­da a so­ci­e­da­de mi­ni­ma­men­te le­tra­da e, em par­ti­cu­lar, pe­los pro­fes­so­res e es­tu­dan­tes de to­dos os ní­veis de en­si­no.

Mer­ca­do com ár­vo­re

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.