A PRO­PÓ­SI­TO DE “CECI N’EST PAS UNE POR­TE”

Jornal Cultura - - ARTES -

NUNO GUIMARÃES

Es­te es­pec­tá­cu­lo tem a ur­gen­te pre­ten­são no fo­co­des­tas e de ou­tras in­ter­ro­ga­ções so­bre a con­di­ção hu­ma­na, num con­tex­to global e in­tem­po­ral, fa­zen­do pre­sen­te o efei­to con­se­quen­te de in­va­sões,tan­to ex­ter­nas co­mo in­ter­nas, tan­to ísi­cas co­mo psí­qui­cas, no ser hu­ma­no,um con­vi­te cla­ro à re le­xão.

O la­men­tá­vel fac­to de não ter­mos ne­nhum es­pa­ço cé­ni­co na ci­da­de, co­moum te­a­troe de­vi­do pal­co, de­sa iou­nos a de­sen­vol­ver es­te tra­ba­lho / pro­tes­to, a par­tir da li­mi­ta­ção do mo­vi­men­to do bai­la­ri­no,cir­cuns­cre­ven­do­oa um es­pa­ço exí­guo,com­di­fe­ren­tes pla­nos emo­ti­vos. Pro­li­fe­ram sen­ti­men­tos de fo­bia que ex­pe­ri­men­ta­mos qu­a­se na sua to­ta­li­da­de.E ar­ras­ta­mos ou­tros: o mal e a dor, a fo­me e a do­en­ça, o amor e o ódio, a di­fe­ren­ça e o con­for­mis­mo.Po­rém, em to­dos os mo­men­tos exis­te­sem­pre, no cor­po, um mo­vi­men­to.

So­fre­mos es­tig­mas, mas tam­bém os pro­mo­ve­mos, cons­tan­te­men­te;nós,aque­les que já cá es­ti­ve­ra­me os que ain­da es­tão por vir.Usa­mos sem­pre ve­lhos es­cu­dos de pro­tec­ção retórica, oriun­dos do ima­gi­ná­rio re­li­gi­o­so ou po­lí­ti­co e tam­bém da bá­si­ca e con­ve­ni­en­te­des­cul­pa de que a inal, so­mos to­dos sim­ples­men­te hu­ma­nos…

Acha­mo-nos o su­pe­ri­or e úni­co exem­plo de vi­da ci­vi­li­za­da na imen­si­dão dou­ni­ver­so, mas há qu­em ques­ti­o­ne. Tam­bémhá qu­em per­ce­ba o quão mi­nús­cu­los so­mos, qu­a­se sem­pre,crí­ti­cos à dis­tân­cia de nós pró­pri­os.

Den­tro de cai­xas, o cor­po per­ce­be que a al­ma re­sis­te, mes­mo que não quei­ra;no mo­vi­men­to se tra­du­zi­rá vi­da e ela im­põe-se. Is­to não é um te­a­tro! As cai­xas não são uma ja­ne­la. E a por­ta não é o que apa­ren­ta ser.A so­bre­vi­vên­cia é um fac­to!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.