Dan­ça con­tem­po­râ­nea “CECI N’EST PAS UNE POR­TE” O QUE É O HO­MEM E PA­RA QUE SER­VE?

Jornal Cultura - - ARTES - JO­SÉ LUÍS MENDONÇA|

O que po­dem evo­car aque­les cu­bí­cu­los rec­tan­gu­la­res so­bre o pal­co on­de os seis jovens (An­dré Bap­tis­ta, António San­de, Ar­man­do Ma­vo, Ben­ja­mim Cur­ti, Da­ni­el Cur­ti e Sa­mu­el Cur­ti) es­bel­tos e ma­ci­ços na sua es­pes­su­ra car­nal se des­cons­tro­em da sua ci­da­da­nia, aper­ta­dos en­tre qua­tro pa­re­des de uma di­vin­da­de ter­re­na que os dis­tor­ce, re­tor­ce, con­tor­ce e os tos­se pa­ra a mes­ma ques­tão de sé­cu­los: o que é o ho­mem e pa­ra que ser­ve? De que por­ta se es­tá a fa­lar, quan­do se diz que is­to (ceci) não é uma por­ta

(n’est pas une por­te)? Não é is­to (a dan­ça) a por­ta que não é uma por­ta? E a vi­da não é ela uma dan­ça de por­tas aber­tas e de por­tas fe­cha­das? Por exem­plo, An­go­la, não é uma por­ta que se po­de abrir pa­ra a an­go­la­ni­da­de? Se es­te país (An­go­la) não é uma por­ta, co­mo en­trar na ci­da­da­nia? E que por­ta po­de o au­tor des­tas li­nhas abrir pa­ra en­trar no enig­ma que a Com­pa­nhia de Dan­ça Con­tem­po­râ­nea (CDC An­go­la) er­gue no co­ra­ção des­te de­ser­to hu­ma­no em que nos es­que­ce­mos de ser por­tas pa­ra os ou­tros nos en­tra­rem e ser­mos jan­go sem por­tas, de se con­ver­sar, de se dan­çar?

Fo­ram es­tas as re­fle­xões que nos abri­ram a por­ta do co­ra­ção de­pois de as­sis­tir­mos no pas­sa­do dia 22, no au­di­tó­rio Pe­pe­te­la ( Ca­mões/ Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês) à pe­ça “Ceci n’est

pas une por­te”, com ce­no­gra­fia de Ana Cla­ra Guer­ra Marques e Nuno Guimarães. Não foi es­ta a pre­ten­são ex­pres- sa por Nuno Guimarães, quan­do diz, na sua nota a pro­pó­si­to de “Ceci n’est

pas une Por­te”, tra­tar- se de “um con­vi­te cla­ro à re­fle­xão”?

A pe­ça de dan­ça con­tem­po­râ­nea con­den­sa nas nos­sas men­tes o dra­ma da Hu­ma­ni­da­de pe­ran­te mi­lé­ni­os de in­di­fe­ren­ça cós­mi­ca, no dis­cur­so es­té­ti­co dos bai­la­ri­nos de tra­je mí­ni­mo bran­co so­bre os cor­pos de éba­no or­bi­tan­do den­tro e so­bre os rec­tân­gu­los aber­tos com mú­si­ca do Mun­do e da tra­di­ção an­go­la­na a con­fe­rir à es­tru­tu­ra mó­vel e res­pi­ran­te um ce­ná­rio íl­mi­co de es­tó­ri­as con­ta­das à lor da pele.

O que sai das cai­xas é sal lu­mi­no­so de re­ló­gi­os mu­si­cais a es­cor­rer da pele dos bai­la­ri­nos. Es­tá­tu­as en­san­guen­ta­das de ritmo e pi­a­no. Ana Cla­ra e Nuno Guimarães pre­ten­dem re­cri­ar o gé­ne­sis e o iní­cio do ho­mem (um ou­tro ho­mem). No se­gun­do an­dar pas­sam nu­vens ver­me­lhas, o mes­mo tom que tex­tu­ri­za o ví­deo do la­do di­rei­to. Ceci n’est pas une por­te re-ela­bo­ra em pal­co a te­o­ria da (in)so­li­dão, o um­bi­go de Deus pa­rin­do uma pá­tria. Re­ti­ra-se da­li um cro­quis da infância (o que é a dan­ça se­não um re­tor­no à infância?).

Ca­da cai­xa abre-nos um mi­cro il­me, a mus­cu­la­tu­ra da sa­li­va do tem­po bei­ja­da por um sol rec­tan­gu­lar, o diá­lo­go com o pú­bli­co a sair do lim­bo, des­te nos­so tem­po emer­ge o des­fa­sa­men­to: a nossa so­ci­e­da­de ain­da não pro­du­ziu ar­te­fac­tos da al­ma pa­ra in­ves­tir­mos na Ar­te in­cor­pó­rea da Dan­ça. Ceci n’est pas une por­te ques­ti­o­na a no­ção hu­ma­na de eter­ni­da­de. Deus é ima­te­ri­al­men­te mu­lher com cor­po de ho­mem ne­gro: o ho­mem omis­so do tem­po.

FOTO DE RUI TA­VA­RES

FOTO DE RUI TA­VA­RES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.