XI FESTECA OS GUERREIROS DA GLO­BO DIKULU E A IMA­GI­NA­ÇÃO ESVOAÇANTE DE ANN KLATT

Jornal Cultura - - ARTES -

MATADI MAKOLA

O pa­no do pal­co da XI edi­ção do Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro do Ca­zen­ga (FESTECA), que de­cor­reu no Cen­tro de Ani­ma­ção Ar­tís­ti­ca "ANIM´ART" de 8 a 17 de Ju­lho, abriu com um gri­to de bra­vu­ra aos fei­tos da or­ga­ni­za­ção, que fez de tu­do pa­ra ter­mos a fes­ta do te­a­tro, a con­tra­cor­ren­te de tan­tas in­cer­te­zas inan­cei­ras. Mas a noi­te de aber­tu­ra do cer­ta­me re­ser­va­va ou­tras pe­ri­pé­ci­as, do atra­so sen­ti­do e re­cla­ma­do às lá­gri­mas de ale­gria de Na­ni Pe­rei­ra...

A noi­te caía e a chegada de con­vi­da­dos ilus­tres tra­zia a cer­te­za de que a ar­te po­de ser fun­da­men­tal na des­cons­tru­ção de es­te­reó­ti­pos e pre­con­cei­tos. A 6ª Ave­ni­da do Ca­zen­ga agi­ta­va-se aos pou­cos que iam che­gan­do gen­te de di­ver­sos es­tra­tos so­ci­ais e ori­gens. To­da a po­ei­ra da­que­la rua sem as­fal­to e as ain­da pre­cá­ri­as (mas pos­sí­veis) con­di­ções que o cen­tro ofe­re­ce, con­tri­buí­ram mais ain­da pa­ra o mé­ri­to de Or­lan­do Do­min­gos e sua equi­pa, que so­mam mais de du­zen­tos es­pec­tá­cu­los e um le­que de mais de três mil ac­to­res mo­vi­men­ta­dos nes­tes 11 anos de FESTECA. Por­que mais po­bres es­ta­ría­mos se to­da a má­qui­na não sou­bes­se se ar­ro­jar com dis­ci­pli­na pa­ra man­ter ir­me o úni­co fes­ti­val in­ter­na­ci­o­nal de te­a­tro ain­da ope­ran­te de for­ma re­gu­lar, ago­ra acu­di­do pe­lo Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro, or­ga­ni­za­do na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba. Con­vic­tos des­te pro­pó­si­to es­ta­vam Jo­sé de Oli­vei­ra Bas­tos, vi­ce-ad­mis­tra­dor do Ca­zen­ga pa­ra Área Po­lí­ti­ca e So­ci­al, Vi­e­ra Lo­pes, di­rec­tor na­ci­o­nal da Ac­ção Cul­tu­ral do mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, di­rec­to­res de gru­pos de te­a­tro, ac­to­res, jor­na­lis­tas e de­mais pre­sen­tes, im­buí­dos no es­pí­ri­to da se­guin­te a ir­ma­ção: “Ju­ven­tu­de e Ar­te – O Fu­tu­ro nas Nos­sas Mãos”.

Ho­me­na­gens

O gru­po Om­ba­ka, da pro­vín­cia de Ben­gue­la, que con­ta com mais de seis par­ti­ci­pa­ções no FESTECA, foi o es­co­lhi­do des­ta vez. Cri­a­do a 5 de Mar­ço de 2005 na ci­da­de de Ben­gue­la, é dos mais di­nâ­mi­cos da re­gião sul, ga­nhan­do as­sim al­gu­ma aten­ção me­diá­ti­ca. Con­ta com uma par­ti­ci­pa­ção in­ter­na­ci­o­nal no Fes­ti­val de In­ver­no de Mo­çam­bi­que. Tem em des­ta­que as pe­ças “Quan­do a Re­a­li­da­de Atin­ge”, “O Téc­ni­co”, “So­nhei com Man­gu­xi”, “A Lei” e “O Ele­va­dor”.

Al­gu­mas igu­ras da gé­ne­se do te­a­tro an­go­la­no fo­ram dis­tin­gui­das. Con­cei­ção Di­a­man­te, na­tu­ral de Lu­an­da, tem uma car­rei­ra de mais de 30 anos, num per­cur­so que se es­ten­de nos pal­cos e nas te­le­no­ve­las. É um dos ros­tos do gru­po Ju­lu, de for­te in­ter­ven­ção no te­a­tro co­mu­ni­tá­rio. Vol­ta a ser no­me so­nan­te nes­te fes­ti­val que já em 2014 a ele­geu co­mo me­lhor ac­triz .

Afri­ca­no Kan­gom­be tem se no­ta­bi­li­za­do co­mo fi­gu­ra trans­ver­sal e pon­to de uni­da­de da clas­se te­a­tral, além das su­as me­ri­tó­ri­as ha­bi­li­da­des re­co­nhe­ci­das no ex­ce­len­te tra­ba­lho de ges­tão do Oá­sis. Foi, a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, con­sul­tor da ONU pa­ra o Te­a­tro e Cul­tu­ras Ét­ni­cas An­go­la­nas. Por si en­ca­be­ça­do, a ní­vel lo­cal o Oá­sis foi se­gun­do lu­gar no FENACULT de 1989 e Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes de 2014. Pe­lo fac­to de es­tar en­tre os ho­me­na­ge­a­dos, que lhe va­leu um di­plo­ma e tro­féu, tam­bém dis­se: “Não tem si­do fá­cil con­ti­nu­ar, mas o te­a­tro é sem­pre uma ar­te gra­ti­fi­can­te”.

A ac­triz e igu­ri­nis­ta Ana­cle­ta Pe­rei­ra, a nos­sa “Na­ni” do Elin­ga Te­a­tro, uma das pou­cas so­bre­vi­ven­tes do nú­cleo em­bri­o­ná­rio do qual nas­ce o Elin­ga de ho­je, acau­te­lou-nos de ime­di­a­to ser uma pes­soa de lá­gri­mas fá­ceis e que tem pro­cu­ra­do evi­tar uma ex­ces­si­va ex­po­si­ção pú­bli­ca. Nas­ceu em Lu­an­da mas pas­sa to­da in­fân­cia e ado­les­cên­cia em Mba­za Kon­go, on­de to­ma os pri­mei­ros con­tac­tos com o te­a­tro. Tem um per­cur­so in­tei­ro no Elin­ga, on­de, sem fa­vor de ser mem­bro fun­da­dor, di­vi­de a di­rec­ção do gru­po com Me­na Abrantes. Co­or­de­na­do­ra do im­por­tan­te Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal Elin­ga, mas que só che­gou na ter­cei­ra edi­ção e clau­di­cou, ican­do a pro­mes­sa da quar­ta sem da­ta e lo­cal pre­vis­tos. Na pos­sí­vel vi­da fo­ra dos pal­cos, vis­to que ain­da es­ta­mos mui­to lon­ge dos ac­to­res vi­ve­rem do te­a­tro, mes­mo pa­ra con­sa­gra­dos do qui­la­te de Nany, Kan­gom­be ou Ade­li­no…, se des­do­bra co­mo ju­ris­ta.

Nas pou­cas pa­la­vras de agra­de­ci­men­to, in­ter­rom­pi­das pe­las lá­gri­mas que lhe caí­ram in­sub­mis­sas, foi pre­ci­sa em di­zer que o te­a­tro, co­mo ar­te co­lec­ti­va, pre­ci­sa de mo­men­tos co­mo es­tes e que é uma das pou­cas ac­ções de ho­me­na­gem pres­ta­das à sua pes­soa.

Da­vid Ca­ra­col so­bres­saiu ain­da nes­te ano de 2016 com uma ac­tu­a­ção bri­lhan­te em “Car­tas da Guer­ra”. A ver­da­de é que es­te ac­tor do Horizonte Njin­ga Mban­de vol­tou a mos­trar a sua com­pe­tên­cia em pas­sar no cas­ting de “Pos­to Avan­ça­do do Progresso”, ou­tro il­me de pro­du­ção por­tu­gue­sa. Mas a boa no­va não pa­ra aí: Da­vid re­ce­beu em Mar­ço pas­sa­do o pré­mio de me­lhor ac­tor do Fes­ti­val de Las Pal­mas, em Es­pa­nha, pe­la sua ac­tu­a­ção em “Pos­to Avan­ça­do do Progresso”.

Com cer­ca de 30 anos de te­a­tro, o XI FESTECA não po­dia es­tar cép­ti­co ao bom mo­men­to da car­rei­ra des­te ac­tor an­go­la­no, re­ca­do que de­ve ser bai­xa­do às em­bai­xa­das de An­go­la no es­tran­gei­ro pa­ra que es­tas pos­sam fa­zer o seu tra­ba­lho de ex­pan­são cul­tu­ral e aju­dar no aces­so a pro­jec­tos in­ter­na­ci­o­nais. Das su­as pou­cas pa­la­vras no pal­co do FESTECA, dis­se-nos que “o pré­mio é de An­go­la”.

Vin­de mais ve­zes, Ann Klatt

A vin­da da ac­triz ale­mã Ann Klatt é sem som­bra de dú­vi­da, em jei­to de res­pal­do an­te­ci­pa­do, o gran­de ga­nho que o ins­ti­tu­to cul­tu­ral ale­mão - GOETHE - con­se­guiu dar às Ar­tes Cé­ni­cas nes­te ano que es­pe­ra­mos o lo­rir do fes­ti­val in­ter­na­ci­o­nal de te­a­tro in­fan­to-ju­ve­nil. Até en­tão o GOETHE não se en­vol­via de for­ma tão po­si­ti­va e acer­ta­da com o te­a­tro, nes­sa sua em­prei­ta­da cul­tu­ral que tu­do in­di­ca es­tar dis­pos­to a di­rec­ci­o­nar as su­as in­ten­ções pa­ra lá da Mu­tam­ba.

Ann di­ri­ge uma com­pa­nhia de te­a­tro de bonecos, um tra­ba­lho mais com­ple­xo que o da es­co­la de ma­ri­o­ne­tas. Faz um pou­co de tu­do: mon­ta o ce­ná­rio, as rou­pas e, e mais di ícil, faz vo­ar a sua ima­gi­na­ção. O te­a­tro de bonecos é um tra­ba­lho so is­ti­ca­do e no­vo que é vol­ta­do pa­ra um pú­bli­co su­pe­ri­or aos qua­tro anos de ida­de, já sen­do de­sen­vol­vi­do em paí­ses co­mo Fran­ça e In­gla­ter­ra. Es­ta lin­gua­gem, mais vi­su­al, tra­ba­lhan­do a ex­pres­são cor­po­ral com mais a in­co, per­mi­te às cri­an­ças de­sen­vol­ve­rem as su­as emo­ções.

On­de bus­ca ins­pi­ra­ção pa­ra fa­zer coi­sas tão es­tra­nhas e fu­gi­di­as à ima­gi­na­ção co­mum? Um dos ac­to­res pre­sen­tes no en­con­tro per­gun­tou, cu­ri­o­so em sa­ber co­mo ul­tra­pas­sar o pro­ble­ma da fal­ta de ima­gi­na­ção. Ann, de sor­ri­so nos lá­bi­os, ori­en­tou que usa co­mo mé­to­do o re­cur­so às ar­tes plás­ti­cas. Dis­se ser uma pes­soa aten­ta às ar­tes plás­ti­cas e à di­men­são pic­tó­ri­ca dos qua­dros, que lhe ser­vem de fun­do e on­de bus­ca os tra­ços da com­po­si­ção de per­so­na­gens que dá vi­da. Es­ta di­rec­to­ra ale­mã apre­sen­ta idei­as que são uma al­ter­na­ti­va à mes­mi­ce e cli­chés de com­po­si­ção que vem se evi­den­ci­an­do no nos­so te­a­tro.

Ana­cle­ta Pe­rei­ra

Afri­ca­no Kan­gom­be

Da­vid Ca­ra­col

Con­cei­ção Di­a­man­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.