LÍNGUAS NA­CI­O­NAIS (II)

Jornal Cultura - - LETRAS -

“Às mui­tas dú­vi­das ho­je in­cul­ca­das” é as­sim que Fi­li­pe Zau si­tua a “ne­ces­si­da­de de se res­ga­tar a nor­ma” no exer­cí­cio por si as­si­na­do e que o Cul­tu­ra pu­bli­cou no nú­me­ro 112. Es­ta­mos a fa­lar de no­vo e sem­pre dum ca­pí­tu­lo do te­ma Línguas Na­ci­o­nais na sequên­cia de mui­tos e in­te­res­san­tes ar­ti­gos so­bre a Pro­ble­má­ti­ca da Lin­guís­ti­ca, em Angola é cla­ro.

Dei­xo pa­ra ti o fa­la­res so­bre o ter­mo “in­cul­car”.

Mas re­pa­ra que de­pois de Abril de 2015, em cu­jo nº 79 o quin­ze­ná­rio Cul­tu­ra pu­bli­cou três tex­tos so­bre o as­sun­to, apraz-me fa­zer no­tar que co­me­çá­mos a par­ti­ci­par no te­ma no nº 109 com um tex­to e de­pois a sequên­cia de tex­tos tem-se man­ti­do com gran­de re­gu­la­ri­da­de. As­sim, no nº 110 sai­ram dois, no nº 111 saiu um, no nº 112 sai­ram dois e inal­men­te no úl­ti­mo nº, o 114, saiu mais um tex­to. Ao to­do, só es­te ano o Cul­tu­ra pu­bli­cou dez (10) tex­tos so­bre o as­sun­to em de­za­no­ve (19) pá­gi­nas.

Ape­sar de es­tar­mos pe­ran­te tex­tos que por um la­do fa­lam da LP, “a lín­gua de au­la” vrs “a lín­gua do cor­re­dor” usan­do a fe­liz ex­pres­são de Pau­li­no So­ma Adri­a­no e por ou­tro das línguas afri­ca­nas fa­la­das em Angola o que é cer­to, pa­re­ce que aqui es­ta­mos to­dos de acor­do, es­ta­mos a fa­lar, tan­to num ca­so co­mo no ou­tro, de Línguas Na­ci­o­nais (vi­de a ta­be­la do Cen­so de 2014 que pu­bli­cá­mos, com a de­vi­da vé­nia, no nº 109). Por is­so, Kos­si, mbo­ra fa­lar de Línguas Na­ci­o­nais co­me­çan­do pe­lo tex­to de Fi­li­pe Zau pois os ar­gu­men­tos que uti­li­za au­to­ri­zam-me a olhar de re­vés pa­ra a pu­ta­ti­va LP pa­drão eu­ro­peu cu­ja nor­ma cria o des­con­for­to en­tre aqui­lo que, ins­pi­ra­da­men­te, So­ma Adri­a­no re­fe­re co­mo “Lín­gua de Au­la”, que nin­guém fa­la, e “Lín­gua de Cor­re­dor”, que to­dos fa­lam in­cluin­do o pro­fes­sor e as eli­tes.

Tal­vez se­ja opor­tu­no lem­brar que a Vul­ga­ta, no­me co­mo é co­nhe­ci­da a Bí­blia es­cri­ta no sé­cu­lo IV por S. Je­ró­ni­mo (347-420), é as­sim co­nhe­ci­da por ter usa­do o la­tim bár­ba­ro. É des­sa ver­são, em la­tim bár­ba­ro, que, a par­tir do sé­cu­lo XVI, se pas­sou a re­e­di­tar a Bí­blia. Vem is­to ao ca­so por­que, ao ser cri­ti­ca­do pe­los dou­to­res da Igre­ja por usar um la­tim bár­ba­ro tão dis­tan­te da nor­ma do la­tim eru­di­to de Cí­ce­ro (de­ve ler-se [‘kikɛ­ru]), S. Je­ró­ni­mo res­pon­deu que o que lhe im­por­ta­va era que fos­se en­ten­di­do pe­lo po­vo e não pe­los pou­cos cul­to­res da nor­ma eru­di­ta.

Es­ta pe­que­na es­tó­ria, na sua sin­ge­le­za, ex­pli­ca-nos que a lín­gua va­ria e, nas pa­la­vras de Ben­ve­nis­te, só se tor­na ins­tru­men­to de cons­tru­ção do pen­sa­men­to do fa­lan­te se ele do­mi­nar o re­fe­ren­te. __________________

a pre­o­cu­pa­ção de Fi­li­pe Zau tal­vez te­nha si­do uma exal­ta­ção le­gí­ti­ma de que há uma ne­ces­si­da­de já de ter­mos nós tam­bém gra­má­ti­cas pu­bli­ca­das. Po­rém, ter­mos es­ta cons­ci­ên­cia de­ve­ria le­var-nos a ou­tra in­qui­e­ta­ção, a de ter­mos equi­pas de in­ves­ti­ga­ção es­pa­lha­das nos vá­ri­os cen­tros de Pes­qui­sa em Lín­gua Por­tu­gue­sa que de­ve­ri­am exis­tir nas uni­ver­si­da­des.

En­ten­do que uma “lín­gua per­fei­ta” (ou es­te de­se­jo de re­cu­pe­ra­ção da “lín­gua per­fei­ta”), dis­cu­ti­da por Um­ber­to Eco, em­pre­en­di­da pe­la con­fu­sio lin­gua­rum a que a hu­ma­ni­da­de su­pos­ta­men­te fo­ra sub­me­ti­da no iní­cio dos tem­pos, se­ja ain­da ho­je o me­lhor mo­de­lo pa­ra o en­si­no da lín­gua. Uma vez que pa­ra um pro­fes­sor, so­bre­tu­do não lin­guis­ta se­ja mais có­mo­do e me­nos con­fu­so ilus­trar as re­gras sem se dar ao tra­ba­lho de fa­zer uma des­cri­ção mi­nu­ci­o­sa de ca­da fe­nó­me­no lin­guís­ti­co evi­den­ci­a­do nas va­ri­a­ções.

Diz-se que Angola é um país mul­ti­cul­tu­ral e com plu­ra­li­da­de lin­guís­ti­ca, meu ca­ro Pe­dro, mas há ain­da uma re­sis­tên­cia em se as­su­mir es­ta mul­ti­cul­tu­ra­li­da­de na Lín­gua Por­tu­gue­sa. Se qu­e­re­mos re­al­men­te que a Lín­gua Pa­drão se­ja ain­da aque­la da he­ran­ça da co­lo­ni­za­ção – pois re­cla­ma-se pa­ra o tem­po co­lo­ni­al o me­lhor en­si­no do Por­tu­guês –, en­tão es­ta­re­mos a acei­tar a imu­ta­bi­li­da­de cul­tu­ral e a fal­ta de di­na­mis­mo lin­guís­ti­co e da pró­pria in-

Pe­dro,

te­li­gên­cia hu­ma­na. Adé­ri­to Mi­ran­da ad­ver­te, no seu tra­ba­lho “As Vo­gais nu­ma Lín­gua Ban­tu” pu­bli­ca­do no Cul­tu­ra nº 114, que es­tas são “[…] ele­men­tos lin­guís­ti­cos, que aju­dam a re­pre­sen­tar lin­guis­ti­ca­men­te […] o mun­do, no as­pec­to de mo­vi­men­to e for­ças cós­mi­cas e da vi­da”. As­sim sen­do, se­pa­rar a vi­da cul­tu­ral do in­di­ví­duo da sua vi­da lin­guís­ti­ca pa­ra adop­tar uma lín­gua pa­drão dis­tan­te, le­va-nos a crer que o en­si­no das línguas es­te­ja fa­da­do ao fra­cas­so.

Mar­cos Bag­no con­si­de­ra im­por­tan­te que o pro­fes­sor de Lín­gua te­nha cons­ci­ên­cia do pro­ces­so de Le­tra­men­to que de­ve in­cluir a ca­pa­ci­da­de do ser hu­ma­no de trans­mi­tir co­nhe­ci­men­tos, pre­ser­var a me­mó­ria do gru­po e de es­ta­be­le­cer vín­cu­los de co­e­são so­ci­al dis­so­ci­a­dos de qu­al­quer cul­tu­ra de es­cri­ta. En­tão, co­mo po­de o in­di­ví­duo au­men­tar o seu de­sem­pe­nho lin­guís­ti­co se é obri­ga­do a fa­lar uma lín­gua que li­mi­ta a sua ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va?

Rei­te­ro que a “lín­gua do cor­re­dor” de­ve ser o pon­to de par­ti­da pa­ra os nos­sos es­tu­dos pa­ra uma gra­má­ti­ca des­cri­ti­va do Por­tu­guês fa­la­do em Angola que nos vai le­var a um es­que­ma pa­dro­ni­za­do das nos­sas va­ri­an­tes de LP. Não que eu de­fen­da a bus­ca de uma Nor­ma Pa­drão, mas de­ve ha­ver um pon­to de par­ti­da pa­ra que nos si­tu­e­mos no tal ce­ná­rio da Lu­so­fo­nia. Não so­mos Por­tu­gue­ses, não so­mos Bra­si­lei­ros, so­mos An­go­la­nos, não em bus­ca de uma angolanidade, ela já ha­bi­ta em nós.

Uma ou­tra qu­es­tão in­te­res­san­te tam­bém é acre­di­tar-se que a lín­gua de­ve pas­sar de uma ge­ra­ção pa­ra ou­tra sem va­ri­a­ção, ne­gan­do-se a cri­a­ti­vi­da­de hu­ma­na que tan­to se de­fen­de. Mas es­te não o cer­ne da qu­es­tão. A qu­es­tão é: que Por­tu­guês os nos­sos mais ve­lhos fa­la­vam à saí­da do co­lo­ni­za­dor? Quan­tos fa­la­vam o tal pu­ta­ti­vo Por­tu­guês Pa­drão? Não era tal nor­ma por­tu­gue­sa ape­nas uti­li­za­da por um gru­po se­lec­to? Em to­do o ca­so, mes­mo que to­dos os nos­sos mais ve­lhos fa­las­sem Por­tu­guês usan­do a Nor­ma Pa­drão, se­ría­mos ain­da ho­je obri­ga­dos a fa­lar co­mo eles pas­sa­dos tan­tos anos, fu­gin­do da iden­ti­da­de de to­da uma ge­ra­ção?

Pois bem, acho que Ca­mões não se de­ve im­por­tar com as va­ri­a­ções que ocor­re­ram na LP de­pois de tan­tos sé­cu­los. Mas se as­sim o izer, tam­bém já não há es­ca­pa­tó­ria. A lín­gua va­ria e as dú­vi­das de uma ge­ra­ção não po­dem ser im­pos­tas a ou­tra ge­ra­ção, ca­da uma de­las tem com­pe­tên­ci­as pa­ra su­prir as su­as pró­pri­as ne­ces­si­da­des lin­guís­ti­cas.

Per­ce­bo-te Kos­si, é en­tão es­sa “lín­gua do cor­re­dor” que de­ve dar ori­gem à nos­sa Lín­gua Pa­drão. É es­sa lín­gua que de­ve ser es­tu­da­da pe­los lin­guis­tas nos Cen­tros de In­ves­ti­ga­ção das Uni­ver­si­da­des pa­ra que nos si­tu­e­mos na lu­so­fo­nia e os po­bres dos pro­fes­so­res de Por­tu­guês se pos­sam iden­ti icar com o que irão en­si­nar!

Ja­ca­ré Ban­gão (Ben­go)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.