UMA ILHA LIN­GUÍS­TI­CA EN­TRE DOIS SE­RES QUE HABITAM NA MES­MA RE­SI­DÊN­CIA

Jornal Cultura - - LETRAS - CA­E­TA­NO JOÃO CAM­BAM­BE

Ao ler­mos Cu­nha & Cin­tra (1985:220), na ten­ta­ti­va de re lec­tir e ana­li­sar cri­ti­ca­men­te mui­to da­qui­lo que a tra­di­ção gra­ma­ti­cal con­si­de­ra co­mo "bom por­tu­guês", dis­cre­di­bi­li­zan­do e de­pre­ci­an­do cer­tas re­a­li­za­ções sin­tac­ti­ca e prag­ma­ti­ca­men­te con­sa­gra­das pe­los fa­lan­tes ten­do em con­ta a sua re­a­li­da­de lin­guís­ti­ca, en­con­tra­mos a se­guin­te — e as­sus­ta­do­ra — ad­ver­tên­cia:

"No por­tu­guês con­tem­po­râ­neo só se usa a pas­si­va pro­no­mi­nal quan­do não vem ex­pres­so o agen­te, no­me­a­da­men­te em fra­ses do ti­po 'ven­deM-SE ca­sas' e 'com­praM-SE imó­veis', con­si­de­ran­do CA­SAS e IMÓ­VEIS co­mo os su­jei­tos das for­mas ver­bais VEN­DEM e COM­PRAM, ra­zão por que na lin­gua­gem cui­da­da se evi­ta dei­xar o ver­bo no sin­gu­lar". Foi pos­sí­vel, tam­bém, à se­me­lhan­ça do que vi­mos aci­ma, en­con­trar­mos tal cha­ma­da de aten­ção em Eva­nil­do Be­cha­ra, Mo­der­na Gra­má­ti­ca Por­tu­gue­sa.

À en­tra­da da rua da Uni­ver­si­da­de Je­an Pi­a­get, Luanda, Vi­a­na, Ka­pa­lan­ga, es­tá es­tam­pa­do, aí mes­mo no pré­dio do Ban­co BIC, o se­guin­te: 'Ven­de­se apar­ta­men­tos'.

Ora, já te­mos, de fac­to, du­as fra­ses to­tal­men­te di­fe­ren­tes.

A pri­mei­ra, con­sa­gra­da pe­la gra­má­ti­ca; a se­gun­da, efec­ti­va­men­te con­sa­gra­da pe­lo uso. Ven­deM-se ca­sas? Quem ven­de o quê? Se­rá que as pró­pri­as ca­sas ven­dem-se a si mes­ma?! É no­tó­rio, ca­ro lei­tor, o pro­ble­ma se­mân­ti­co, sin­tác­ti­co e prag­má­ti­co cau­sa­do pe­la pró­pria gra­má­ti­ca?

Con­tex­tu­a­li­zan­do, ape­sar de a gra­má­ti­ca tra­di­ci­o­nal re­co­men­dar o uso do ver­bo no plu­ral, jul­gan­do e de­fen­den­do co­mo a for­ma mais "cor­rec­ta", sa­be-se que, em Angola, tal re­gra é, de­ve­ras, com­ple­ta­men­te des­res­pei­ta­da e anu­la­da, pois é, si­tu­a­ci­o­nal­men­te fa­lan­do, di icí­li­mo en­con­trar­mos as­pec­tos do que se dis­se aci­ma nu­ma ter­ra tão be­la cha­ma­da Angola. Por aqui, uti­li­za-se, des­de lon­ge, fra­ses em que o ver­bo VEN­DER apa­re­ce, in­du­bi­ta­vel­men­te, no sin­gu­lar, mas as­su­min­do uma no­va or­dem ca­nó­ni­ca. A tí­tu­lo ilus­tra­ti­vo, co­mo exem­plo, te­mos: Ven­de-se ca­sas. Na­que­le exem­plo, os fa­lan­tes só têm de­mons­tra­do que, em cer­tos enun­ci­a­dos se­me­lhan­tes, es­ta­mos di­an­te da or­dem 'ver­bo-ob­jec­to', con­tra­ri­an­do o que a pres­cri­ção gra­ma­ti­cal diz. A in­ver­são sin­tác­ti­ca do su­jei­to, pa­ra Mar­cos Bag­no (1997:156), con­fe­re à fra­se uma ele­gân­cia in­crí­vel, bem co­mo um re­al­ce mai­or ao ac­to exer­ci­do.

En­quan­to a gra­má­ti­ca ana­li­sa aque­la fra­se na or­dem "ver­bo-su­jei­to", os fa­lan­tes, por sua vez, por uma qu­es­tão de in­tui­to, ana­li­sam na or­dem ca­nó­ni­ca "ver- bo-ob­jec­to", fa­zen­do com que ha­ja dois olha­res di­fe­ren­tes a um só enun­ci­a­do. De um la­do, es­tá a ido­sa gra­má­ti­ca com as su­as rou­pas ve­lhas à es­pe­ra de uma do­ac­ção; por ou­tro la­do, es­tão os fa­lan­tes, se­res com­ple­ta­men­te com­pe­ten­tes no que tan­ge à re­a­li­za­ção prag­má­ti­ca, sin­tác­ti­ca e se­mân­ti­ca da sua lín­gua. In­ver­ten­do, sin­tac­ti­ca­men­te fa­lan­do, não há ra­zão por que, em­bo­ra a gra­má­ti­ca não apro­ve, em­pre­gar o ver­bo no plu­ral. Com aque­la in­ver­são, o fa­lan­te faz com que pro­ble­mas ao ní­vel sin­tác­ti­co, se­mân­ti­co e prag­má­ti­co se­jam ine­xis­ten­te, con­fe­rin­do, de igual mo­do, uma ex­pres­si­vi­da­de mais co­e­ren­te, re­al­çan­do, é cla­ro, a ideia de que há, por trás da­que­la fra­se, um ser su­jei­tís­si­mo des­co­nhe­ci­do.

Em "ven­de-se ca­sas", dá-se a ideia de que há al­guém que es­te­ja por trás dis­so e que — na re­a­li­da­de — a sua ca­ra é, com cer­te­za, des­co­nhe­ci­da.

As­sim, pa­ra a gra­má­ti­ca, é um er­ro cras­so — só pa­ra não di­zer que é cri­me — es­cre­ver ou fa­lar 'ven­de-se ca­sas', pois o su­jei­to do ver­bo VEN­DER, se­gun­do ela, é 'ca­sas' que, por si­nal, en­con­tra-se no plu­ral. Lo­go, pa­ra que es­te­ja cor­rec­ta, de­ve-se, tra­di­ci­o­nal­men­te, em­pre­gar, tam­bém, o ver­bo "ven­der" no plu­ral.

Ten­do-se es­ta­be­le­ci­do o ce­ná­rio aci­ma, apraz-nos di­zer, na qua­li­da­de de es­tu­dan­te (s) e aman­te(s) de lín­gua por­tu­gue­sa, mor­men­te o por­tu­guês fa­la­do em Angola, que no nos­so país — ter­ra que tam­bém é/foi de Njin­ga Mban­di e Ngo­la Ki­lu­an­ji —, ac­tu­al­men­te, tal avi­so gra­ma­ti­cis­ta, ou se­ja, tal re­gra gra­ma­ti­cal, pa­ra os fa­lan­tes, é co­mo se fos­se Deus pa­ra os ateus: sem im­por­tân­cia e com uma inu­ti­li­da­de ex­tre­ma.

Na mes­ma li­nha­gem, to­ma­mos co­mo exem­plo a se­guin­te sen­ten­ça frá­si­ca:

'Fe­cha­ram-se as cri­an­ças'. Nes­te exem­plo, pa­ra a gra­má­ti­ca, se­guin­do a or­dem 'ver­bo-su­jei­to', 'cri­an­ças' é o su­jei­to do ver­bo 'fe­char'. A inal, fo­ram elas que se fe­cha­ram?! Não há, por aí, um pro­ble­ma se­mân­ti­co? Meu Deus! Em equi­va­lên­cia, te­ría­mos: 'Cri­an­ças fo­ram fe­cha­das'. Não há, de fac­to, du­as fra­ses to­tal­men­te di­fe­ren­tes?! Não se­ria, e me­lhor, di­zer que "fe­chou-se as cri­an­ças", re­me­ten­do pa­ra ideia da or­dem 'ver­bo­ob­jec­to', vis­to que aí "se" as­su­me, e sem som­bras de dú­vi­das, o ín­di­ce de su­jei­to in­de­ter­mi­na­do, re­me­ten­do, uma vez mais, pa­ra ideia de que há al­guém, em­bo­ra se des­co­nhe­ça, que as te­nha fe­cha­do? Pois... Mas não é as­sim que a 'mú­mia' gra­ma­ti­cal pen­sa.

Va­mos ana­li­sar, por ora, es­tas du­as fra­ses:

1a. Nes­se 'Stand' se ven­de uns car­ros bons;

2a. Nes­se ' Stand' se ven­dem uns car­ros bons.

Ve­ri ica-se, na pri­mei­ra fra­se, quan­to à aná­li­se in­tui­ti­va que os fa­lan­tes têm fei­to, a or­dem ca­nó­ni­ca 'su­jei­to-ver­bo'. Na se­gun­da fra­se, no­ta-se, cla­ra­men­te, de acor­do com a tra­di­ção gra­ma­ti­cal, a or­dem 'ver­bo-su­jei­to'.

Ora, se­gun­do a gra­má­ti­ca, a pri­mei­ra fra­se é, de­ve­ras, agra­ma­ti­cal. A se­gun­da, é cla­ro, de acor­do com ela, é a cor­rec­tís­si­ma, vis­to que há con­cor­dân­cia en­tre o ver­bo e su­jei­to.

A pri­mei­ra fra­se, aque­la que a ido­sa e ca­du­ca tra­di­ção gra­ma­ti­cal con­si­de­ra er­ro ten­do em con­ta aque­la or­dem, efec­ti­va­men­te tra­duz uma so­no­ri­da­de as­saz na­tu­ral em re­la­ção à fra­se dois com o seu su­jei­to, se­gun­do a gra­má­ti­ca, in­ver­ti­do sin­tac­ti­ca­men­te:

Nes­se 'Stand' se ven­dem (ver­bo) uns car­ros bons(su­jei­to).

Na pri­mei­ra fra­se com a or­dem 'ver­bo-ob­jec­to' ana­li­sa­da in­tui­ti­va­men­te pe­los fa­lan­tes, no Bra­sil, de acor­do com o nos­so Pro­fes­sor, Au­tor, Es­cri­tor e So­ci­o­lin­guis­ta (obs.: gra­fou-se com ini­ci­al maiús­cu­la por uma qu­es­tão de res­pei­to e con­si­de­ra­ção), Mar­cos Bag­no, a par­tí­cu­la "se" as­su­me, ape­sar do tra­di­ci­o­na­lis­mo não ad­mi­tir e re­co­nhe­cer, a fun­ção sin­tác­ti­ca de um ' pro­no­me-su­jei­to'. Aque­la fra­se nú­me­ro um, enun­ci­a­do que a gra­má­ti­ca con­si­de­ra er­ra­do e de­sa­con­se­lha o seu uso, ape­sar de os fa­lan­tes e o prag­ma­tis­mo lin­guís­ti­co con­sa­gra­rem-na, tor­na ou não a fra­se mais ex­pres­si­va e co­e­ren­te em com­pa­ra­ção à fra­se se­cun­dá­ria? Cla­ro que sim.

Pa­ra se com­pro­var is­so, pa­ra Mar­cos Bag­no, já que na se­gun­da fra­se ve­ri ica­se uma in­ver­são sin­tác­ti­ca do su­jei­to, tor­na-se re­le­van­te co­lo­car a fra­se dois na sua or­dem ca­nó­ni­ca, a im de se ana­li­sar, se­man­ti­ca­men­te, o re­sul­ta­do inal:

Fra­se 3: Nes­se 'Stand' uns car­ros bons se ven­dem.

Re­pa­re, ca­ro lei­tor, o pro­ble­ma se­mân­ti­co, em­bo­ra sin­tac­ti­ca­men­te a fra­se (3) es­te­ja cor­rec­ta, cau­sa­do pe­la gra­má­ti­ca. Afi­nal, ' uns car­ros se ven­dem'? Não é, ve­ri­di­ca­men­te fa­lan­do, en­gra­ça­do? Po­de sor­rir, ca­ro lei­tor! Es­tá à von­ta­de!

É pos­sí­vel um car­ro se ven­der (per­ce­ba a ló­gi­ca da qu­es­tão!), ca­ro lei­tor? O car­ro por si só é ca­paz de se ven­der? A fra­se três (3), a ve­lha gra­má­ti­ca tra­di­ci­o­nal con­si­de­ra de cor­rec­ta mas que, com o su­jei­to e ver­bo na po­si­ção ca­nó­ni­ca, as­su­me, pa­ra o nos­so au­tor, se­man­ti­ca­men­te, um pa­pel có­mi­co — é cla­ro que só se­rá có­mi­co pa­ra al­guém que con­se­guir ana­li­sar cri­ti­ca e pro­fun­da­men­te. (ri­sos)

Após a apre­sen­ta­ção dos exem­plos aci­ma, Mar­cos Bag­no, em A lín­gua de Eu­lá­lia, No­ve­la So­ci­o­lin­guís­ti­ca, num olhar ' lin­guís­ti­co- gra­ma­ti­cal', com fun­da­men­ta­ções pre­ci­sas e con­vin­cen­tes, con­clui:

"Jun­tan­do nos­sas três ex­pli­ca­ções — a ma­nu­ten­ção da “or­dem canô­ni­ca” SVO da lín­gua, a au­sên­cia de sen­ti­do das fra­ses com ver­bo no plu­ral e a in­ten­ção que go­ver­na as es­co­lhas do fa­lan­te, po­de­mos di­zer que:

1.°) o pro­no­me 'se' em fra­ses des­te ti­po não é uma “par­tí­cu­la apas­si­va­do­ra”, mas sim o su­jei­to da ora­ção, e por es­tar no sin­gu­lar, o ver­bo tam­bém de­ve es­tar no sin­gu­lar;

2.°) con­se­quen­te­men­te, o ver­bo no plu­ral tor­na a fra­se in­co­e­ren­te, dei­xa-a sem sen­ti­do, iló­gi­ca;"

3.°) fra­ses des­te ti­po não es­tão na “voz pas­si­va”, mas sim na voz ac­ti­va por­que cor­res­pon­dem a uma cla­ra in­ten­ção da par­te do fa­lan­te de en­fa­ti­zar a ac­ção pra­ti­ca­da. Mais de­ta­lhes em A lín­gua de Eu­lá­lia, no­ve­la so­ci­o­lin­guís­ti­ca, de Mar­cos Bag­no, 1997.

Fo­to­gra­fia de Van

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.