O RO­MAN­CIS­TA EN­QUAN­TO JO­VEM

Jornal Cultura - - LETRAS -

Es­cre­vo is­to pa­ra mim. Quem o ler, fá-lo-á por aca­so. E tal se jus­ti ica por­que, nes­ta di­ta so­ci­e­da­de da in­for­ma­ção em que vi­ve­mos, on­de mui­tos cul­ti­vam co­nhe­ci­men­tos, se tor­na mui­tas ve­zes im­por­tan­te con­den­sar as in­for­ma­ções que va­mos ad­qui­rin­do. Nes­te que­si­to, e co­mo acom­pa­nho mui­tos jo­vens es­cri­to­res an­go­la­nos, a mim sem­pre in­te­res­sou o atre­vi­men­to des­tes pe­lo ro­man­ce, gé­ne­ro li­te­rá­rio bas­tan­te con­sa­gra­do.

E, as­sim re­pi­to, es­cre­vo is­to pa­ra mim por­que me ape­te­ce re­su­mir o que te­nho li­do so­bre es­te atre­vi­men­to. Tu­do pa­ra que não me es­que­ça. Quem o ler, fá-lo-á por aca­so.

Gé­ne­ro nar­ra­ti­vo ic­ci­o­nal em pro­sa, o ro­man­ce é mais lon­go que a no­ve­la e o con­to, e es­ta di­men­são obri­ga a que o tem­po e o es­pa­ço se­jam ca­te­go­ri­as mais ela­bo­ra­das, em que as per­so­na­gens são apre­sen­ta­das com mai­or den­si­da­de psi­co­ló­gi­ca.

Com efei­to, é ti­do as­sim co­mo um dos gé­ne­ros li­te­rá­ri­os mais com­ple­xos, não ad­mi­ra que mui­tos jo­vens es­cri­to­res, an­go­la­nos e não só, co­me­cem pe­la po­e­sia ou pe­lo con­to, uma nar­ra­ti­va pro­sai­ca mais cur­ta e me­nos den­sa.

Foi per­gun­ta­do a Jo­sé Sa­ra­ma­go que con­se­lho da­ria a um as­pi­ran­te a es­cri­tor. “E eu res­pon­di co­mo sem­pre: não ter pres­sa (co­mo se eu não a ti­ves­se ti­do nun­ca) e não per­der tem­po (co­mo se eu não o ti­ves­se per­di­do ja­mais). E ler, ler, ler, ler”, dis­se o es­cri­tor, que mais tar­de vi­ria par­ti­lhar es­ta ex­pe­ri­ên­cia vi­vi­da a 9 de Ju­lho de 1993 num dos seus cin­co diá­ri­os que se lêem agra­da­vel­men­te.

Ao re­fe­rir-se à pres­sa em pu­bli­car, o con­sa­gra­do es­cri­tor por­tu­guês, que hon­rou a nos­sa lín­gua com o úni­co No­bel, lem­bra-nos a ne­ces­si­da­de de se tra­zer ao pú­bli­co obras com va­lor, que só a ma­tu­ri­da­de as­sim o jus­ti icas­se. E tal ne­ces­si­da­de é ain­da mai­or quan­do se tra­ta do ro­man­ce.

Mas porquê não de­ve ter pres­sa? Nu­ma re­cen­te en­tre­vis­ta pu­bli­ca­da na re­vis­ta por­tu­gue­sa Vi­são, a jor­na­lis­ta e es­cri­to­ra Inês Pe­dro­sa, lem­brou, re­fe­rin­do-se à Au­gus­ti­na Bes­sa-Luís, que “an­tes dos 50 nin­guém tem his­tó­ria. Acho que não se en­con­tram gé­ni­os na ic­ção an­tes dos 35 anos. Ao con­trá­rio da po­e­sia, que es­ta­tis­ti­ca­men­te é uma ar­te de ju­ven­tu­de, a ic­ção é da ma­tu­ri­da­de. É mais ou me­nos co­mo os 100 me­tros são pa­ra os atle­tas no­vos e a ma­ra­to­na pa­ra os mais ve­lhos”.

Sen­do o ro­man­ce um dos gé­ne­ros mais com­ple­xos, que exi­ge ma­tu­ri­da­de, co­mo nos lem­bra Inês Pe­dro­sa, en­ten­de­mos ago­ra o con­se­lho de Sa­ra­ma­go em não ter­mos pres­sa em pu­bli­car. Mas, en­ten­de­re­mos mais ain­da se re­ler­mos al­guns tre­chos da en­tre­vis­ta do es­cri­tor An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes à re­vis­ta Vi­são, na edi­ção de 16 de De­zem­bro des­te 2015. “É ver­da­de, não se po­de es­cre­ver um bom ro­man­ce an­tes de ter vi­vi­do. Po­e­sia po­de ser. Olhe, eu com (24) es­sa ida­de só es­cre­via mer­da. Nun­ca ti­ve pres­sa em pu­bli­car. Es­sa qua­li­da­de eu te­nho”. An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes, que aca­ba de lan­çar a Na­tu­re­za dos Deu­ses, é um dos gran­des es­cri­to­res da lín­gua por­tu­gue­sa, não ad­mi­ra que se­ja um ha­bi­tu­al can­di­da­to ao pré­mio No­bel. E lem­bran­do um es­cri­tor fran­cês, Gus­ta­ve Flau­bert, au­tor do ma­ra­vi­lho­so Ma­da­me Bo­vary, Lo­bo An­tu­nes diz: “É pre­ci­so vas­cu­lhar to­da a vi­da so­ci­al pa­ra ser um ver­da­dei­ro ro­man­cis­ta, vis­to que o ro­man­ce é a his­tó­ria pri­va­da das na­ções”.

Vis­to as­sim, no­ta-se a res­pon­sa­bi­li­da­de que se exi­ge quan­do al­guém se põe a es­cre­ver um ro­man­ce. Ma­tu­ri­da­de e ida­de não são pa­la­vras as­so­ci­a­das, são uma só. E fa­lan­do em vas­cu­lhar a vi­da so­ci­al pa­ra se ser um ver­da­dei­ro ro­man­cis­ta, lem­bro-me ago­ra do ma­ra­vi­lho­so e ines­que­cí­vel es­cri­tor fran­cês Mar­cel Proust que, nos seus ro­man­ces À la Re­cher­che du Temps Per­du, apro­vei­tou mui­ta da sua ex­pe­ri­ên­cia do meio fa­mi­li­ar e so­ci­al em que vi­veu. Proust não re­la­ta­va a “vi­di­nha”, ou que se en­con­tra­va mais à mão, mas in­tro­du­zia epi­só­di­os da sua vi­da, mais ou me­nos trans­pos­tos e bas­tan­te re­e­la­bo­ra­dos pe­la me­mó­ria. A is­to se cha­ma ma­tu­ri­da­de que se exi­ge na ic­ção, so­bre­tu­do no ro­man­ce.

E es­ta tal ma­tu­ri­da­de não se re­su­me na ida­de, é pre­ci­so vi­da, pois a “vi­di­nha” não in­te­res­sa: “A mai­or des­gra­ça que po­de acon­te­cer a um es­cri­tor é co­me­çar pe­la li­te­ra­tu­ra, em vez de co­me­çar pe­la vi­da. Co­ra-se de ver­go­nha, de­pois, di­an­te das in­ge­nui­da­des im­pres­sas, que são cu­ei­ros su­jos e pre­ten­dem ser li­vros. Só a ex­pe­ri­ên­cia, a dor e o tra­ba­lho tra­zem a dig­ni­da­de que uma obra li­te­rá­ria exi­ge. Mes­mo que não se te­nha gé­nio, po­de-se, en­tão, ter com­pos­tu­ra. E se­ja qual for a du­ra­ção do que se es­cre­ve, uma coi­sa ao me­nos os vin­dou­ros po­de­rão res­pei­tar: a no­bre­za do que vão ler”, es­cre­veu no seu diá­rio, no dia 18 de Maio de 1946, o não me­nos im­por­tan­te es­cri­tor Mi­guel Tor­ga.

Tor­ga, co­mo lhe cha­mo qua­se de for­ma ín­ti­ma, tem si­do uma es­co­la. Gran­de par­te da sua po­e­sia foi pu­bli­ca­da nos seus sa­bo­ro­sos diá­ri­os, que gra­ça à mi­nha ami­ga Isa­bel Co­e­lho, mos che­ga­ram à mão. Pa­ra mim, se há es­cri­tor que me­re­cia o No­bel an­tes do Sa­ra­ma­go, era sem som­bras de dú­vi­da o au­tor dos be­lís­si­mos Con­tos da Mon­ta­nha. Tor­ga é in­des­cri­tí­vel, é da­que­les es­cri­to­res que se res­pei­ta e pon­to inal.

Mas ain­da não é pon­to inal no que se re­fe­re à ma­tu­ri­da­de pa­ra a ic­ção. E a es­ta dis­cus­são é im­por­tan­te cha­mar um ou­tro mes­tre do ro­man­ce, se ca­lhar aque­le que te­rá re­de ini­do os pa­râ­me­tros da li­te­ra­tu­ra mo­der­na: Ja­mes Joy­ce. En­ga­nam-se aque­les que acham que tra­re­mos aqui o clás­si­co Ulis­ses; pois an­tes des­te be­lís­si­mo ro­man­ce, Joy­ce es­cre­veu “Re­tra­to do Ar­tis­ta Quan­do Jo­vem”, uma obra que nar­ra a evo­lu­ção de Stephen De­da­lus, des­de a in­fân­cia, pas­san­do pe­la ju­ven­tu­de até o iní­cio da vi­da adul­ta. O jo­vem se re­be­la con­tra a for­ma­ção ca­tó­li­ca, ques­ti­o­na­do os va­lo­res da fa­mí­lia, igre­ja, his­to­ria e pá­tria. Lon­ge de ser uma his­tó­ria co­mum de pas­sa­gem pa­ra a mai­o­ri­da­de, Re­tra­to do Ar­tis­ta Quan­do Jo­vem traz em ca­da es­tá­gio da nar­ra­ti­va a evo­lu­ção da ida­de e ma­tu­ri­da­de in­te­lec­tu­al de Stephen. Nes­ta obra de in­ven­ti­vi­da­de e ri­que­za ima­gi­na­ti­va sur­pre­en­den­tes, re­ve­lam-se já a ne­ces­si­da­de de o ro­man­cis­ta ques­ti­o­nar a vi­da, vi­ven­do-a, pois co­mo es­cre­veu Ri­car­do Reis, he­te­ró­ni­mo de Fer­nan­do Pes­soa: “Sá­bio é o que se con­ten­ta com o es­pec­tá­cu­lo do mun­do”. E tal es­pec­tá­cu­lo de­ve ser vi­vi­do e ques­ti­o­na­do co­mo fez Stephen De­da­lus, pois as­sim, en­quan­to a ida­de avan­ça, a ma­tu­ri­da­de se acer­ta. Acer­ta-se pa­ra que não se fa­le mais em pres­sa quan­do se for pu­bli­car. E no­to is­to em Ono­fre dos San­tos. O au­tor de “O As­tró­no­mo de He­ro­des”, que não mais pa­rou des­de que co­me­çou a pu­bli­car con­tos no jor­nal O País, quan­do ain­da era se­ma­ná­rio, sen­te-se con ian­te na ic­ção e, por mais que me lem­bre a pro­sa bas­tan­te “ima­gi­na­ti­va” de Hen­ri­ques Abran­ches, o res­pei­ta­do e in lu­en­te ju­ris­ta an­go­la­no co­lo­ca mui­to da sua ex­pe­ri­ên­cia na nar­ra­ti­va. E aqui já não se le­van­ta a sus­pei­ção da pres­sa, pois se a ida­de não for su ici­en­te pa­ra jus­ti icar a ne­ces­si­da­de de es­cre­ver, ao me­nos a ex­pe­ri­ên­cia, co­mo lem­bra Tor­ga, dá-lhe a dig­ni­da­de que uma obra li­te­rá­ria exi­ge.

A es­cri­to­ra ni­ge­ri­a­na Chi­ma­man­da Ngo­zi Adi­chie

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.