SO­BRE A IM­POR­TÂN­CIA DA LI­TE­RA­TU­RA

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

(OBVIOUS MAGAZINE)

Es­te ar­ti­go vi­sa a dis­cor­rer so­bre a Li­te­ra­tu­ra, li­mi­tan­do-se a apre­sen­tar a ideia de que ela, em­bo­ra, com mui­ta frequên­cia, tra­ta­da co­mo al­go de pou­ca im­por­tân­cia, é ca­paz de fa­zer com que seus lei­to­res de­sen­vol­vam uma po­si­ção ac­ti­va di­an­te da re­a­li­da­de na qual es­tão in­se­ri­dos. Li­te­ra­tu­ra é in­ves­ti­men­to!

De mo­do ge­ral, a Li­te­ra­tu­ra, ain­da, é com­pre­en­di­da co­mo al­go de pou­ca ou ne­nhu­ma im­por­tân­cia. “Não há por que “gas­tar” tem­po com ela!”, ou­ve-se por aí. Aque­les que in­ves­tem ne­la, en­quan­to lei­to­res ou es­cri­to­res, em cer­tas oca­siões, são até es­tig­ma­ti­za­dos. Ocor­re tam­bém o fa­to de que, em­bo­ra se­ja a ins­ti­tui­ção es­co­lar um dos con­tex­tos on­de a Li­te­ra­tu­ra mais de­ve­ria es­tar, é on­de, com mui­ta frequên­cia, ela me­nos se acha. Is­so, por­que mui­tos edu­ca­do­res, se é que as­sim po­de­mos cha­má-los, jul­gam ser a Li­te­ra­tu­ra des­pos­suí­da de sig­ni ica­dos e de ob­jec­ti­vos téc­ni­cos, is­to é, não pro­mo­ve apren­di­za­gem. Quan­do, de fa­to, é uti­li­za­da, es­tá acom­pa­nhan­do uma se­gun­da ac­ti­vi­da­de cu­jo ca­rác­ter é téc­ni­co, exac­to, ob­jec­ti­vo e/ou pe­da­gó­gi­co.

So­mos, en­tão, le­va­dos a dis­cor­dar dis­so e di­zer que a Li­te­ra­tu­ra tem, sim, sig­ni ica­dos e ob­jec­ti­vos téc­ni­cos, sen­do ca­paz de pro­mo­ver apren­di­za­gem. Seus lei­to­res con­se­guem de­sen­vol­ver su­as ca­pa­ci­da­des de es­cri­ta, já que são abor­da­dos por men­sa­gens e in­da­ga­ções de di­fe­ren­tes con­teú­dos que a cri­a­ção li­te­rá­ria lhes ofe­re­ce. Con­se­guem de­sen­vol­ver su­as com­pe­tên­ci­as de lei­tu­ra, des­de que se­jam evi­den­ci­a­dos ele­men­tos tais quais a en­re­do, tem­po, es­pa­ço, per­so­na­gens, pe­cu­li­a­ri­da­des de ca­da cri­a­ção li­te­rá­ria, con­tex­tu­a­li­za­ção em re­la­ção ao es­ti­lo de épo­ca e in­di­vi­du­al, bem co­mo ele­men­tos re­la­ci­o­na­dos à pró­pria cri­a­ção li­te­rá­ria, a sa­ber, ima­gens, pe­cu­li­a­ri­da­des de ora­li­da­de e rit­mo de nar­ra­ti­va. Não me­nos, con­se­guem de­sen­vol­ver a ca­pa­ci­da­de da ora­li­da­de, já que eles pas­sam a li­dar com vi­vên­ci­as de ter­cei­ros (Sil­va, 2003).

Além de pos­suir có­di­gos te­má­ti­cos, ide­o­ló­gi­cos, lin­guís­ti­cos e es­ti­lís­ti­cos, faz com que, de­vi­do a pos­suir co­mo ba­se a lei­tu­ra, ocor­ra uma abor­da­gem in­ter­dis­ci­pli­nar ca­paz de de­mons­trar aos seus lei­to­res as “mo­ti­va­ções his­tó­ri­cas, so­ci­ais, po­lí­ti­cas, ilo­só icas e psi­co­ló­gi­cas...” que a in­te­gram. Is­so im­pli­ca di­zer que a Li­te­ra­tu­ra é um fe­nó­me­no mul­ti­di­men­si­o­nal, re­ve­la­dor de pa­ra­do­xos e am­bi­gui­da­des con­cer­nen­tes à re­a­li­da­de de que faz par­te (Sil­va, 2003). Com efei­to, seus lei­to­res se iden­ti icam com os per­so­na­gens e, en­tão, li­dam com si­tu­a­ções das mais di­fe­ren­tes, o que lhes faz atri­buir sig­ni ica­dos às su­as vi­das. De­sen­vol­vem a ca­pa­ci­da­de de li­dar com si­tu­a­ções da vi­da re­al pe­las quais já fo­ram afec­ta­dos ou não, oca­si­o­nan­do no­vas vi­vên­ci­as. Em ou­tras pa­la­vras, a Li­te­ra­tu­ra tam­bém edu­ca.

Cri­ar e re­cri­ar re­a­li­da­des

A Li­te­ra­tu­ra faz com que, ao in­vés de in­di­ví­du­os, seus lei­to­res se­jam su­jei­tos ac­ti­vos, já que es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­da ao ac­to de ler, res­pon­sá­vel por pro­mo­ver crí­ti­ca, re le­xão e in­ter­ro­ga­ção, lo­go, há a des­cons­tru­ção de co­nhe­ci­men­tos cris­ta­li­za­dos fun­da­men­ta­dos em pers­pec­ti­vas es­te­re­o­ti­pa­das. Jun­to a is­so, é pos­sí­vel di­zer que a Li­te­ra­tu­ra po­de ser com­pre­en­di­da co­mo uma ma­nei­ra de po­si­ci­o­nar e re­ve­lar­se po­li­ti­ca­men­te, uma vez que pos­si­bi­li­ta a seus lei­to­res cri­ar e re­cri­ar su­as re­a­li­da­des, sem pre­ci­sa­rem so­bre­pu­jar su­as vi­vên­ci­as (Sil­va, 2003).

Di­an­te dis­so, cum­pre di­zer que a Li­te­ra­tu­ra po­de ser com­pre­en­di­da em du­as pers­pec­ti­vas. A pri­mei­ra é in­di­vi­du­al, por­que pro­mo­ve a cri­a­ção de fan­ta­si­as, fa­zen­do com que seus lei­to­res es­te­jam di­an­te de dois ima­gi­ná­ri­os e du­as vi­vên­ci­as in­te­ri­o­res, bem co­mo pro­mo­ve po­si­ci­o­na­men­to in­te­lec­tu­al, por­que o tex­to li­te­rá­rio faz com que o sa­ber se­ja cons­truí­do. “Nes­se sen­ti­do, o tex­to li­te­rá­rio in­tro­duz um uni­ver­so que, por mais dis­tan­ci­a­do da ro­ti­na, le­va o lei­tor a re lec­tir so­bre seu quo­ti­di­a­no e a in­cor­po­rar no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as”, con­for­me res­sal­ta Iser (1993, apud Zil­ber­man, 2008). Faz com que seus lei­to­res des­per­tem al­te­ri­da­de sem abri­rem mão de su­as sub­jec­ti­vi­da­des e his­tó­ri­as. Não se es­que­cem de “su­as pró­pri­as di­men­sões, mas ex­pan­de(m) as fron­tei­ras do co­nhe­ci­do, que ab­sor­ve(m) atra­vés da ima­gi­na­ção e de­ci­fra(m) por meio do in­te­lec­to.”. A se­gun­da pers­pec­ti­va é so­ci­al, in­ti­ma­men­te re­la­ci­o­na­da à pers­pec­ti­va in­di­vi­du­al, por­que faz com que seus lei­to­res so­ci­a­li­zem su­as ex­pe­ri­ên­ci­as, com­pa­rem su­as con­clu­sões com ou­tros lei­to­res, apre­sen­tan­do seus pon­tos de vis­ta. Nes­se sen­ti­do, po­de­mos per­ce­ber que a Li­te­ra­tu­ra pro­mo­ve o diá­lo­go, que por sua vez pro­mo­ve tro­cas ex­pe­ri­en­ci­ais, não sen­do, por­tan­to, uma pro­du­ção ego­cên­tri­ca (ZIL­BER­MAN, 2008).

En im, te­mos de as­su­mir que, re­al­men­te, não é uma ta­re­fa fá­cil fa­zer com que a Li­te­ra­tu­ra se­ja, ca­da vez mais, acei­ta pe­la so­ci­e­da­de, su­as ins­ti­tui­ções e seus in­te­gran­tes. Não é na­da fá­cil de­mons­trar sua im­por­tân­cia no de­sen­vol­vi­men­to de seus lei­to­res e, com efei­to, as con­tri­bui­ções que ela for­ne­ce. Tal­vez se­ja pe­lo fa­to de que seus re­sul­ta­dos não se­rem tan­gí­veis e em cur­to pra­zo, du­as ca­rac­te­rís­ti­cas ex­tre­ma­men­te con­si­de­ra­das ac­tu­al­men­te. No en­tan­to, não po­de­mos, nun­ca, es­que­cer que a Li­te­ra­tu­ra tam­bém é prá­ti­ca edu­ca­do­ra, que in­ves­tir em sua pro­pa­ga­ção be­ne ici­a­rá a to­dos. É ne­ces­sá­rio ter per­sis­tên­cia. ______________ Re­fe­rên­ci­as SIL­VA, I., M., M. Li­te­ra­tu­ra em Sa­la de Au­la: da te­o­ria li­te­rá­ria à prá­ti­ca es­co­lar. Anais do Even­to PG Le­tras: 30 anos, v. 1, n° (1), 514-527, 2003.

Zil­ber­man, R. O pa­pel da li­te­ra­tu­ra na es­co­la. Re­vis­ta Via Atlân­ti­ca, n°. 1, 11-22, dez.2008. ___________________

JONATHAS RA­FA­EL Es­cre­ver é ato: às ve­zes, subs­tan­ti­vo; às ve­zes, ver­bo. Às ve­zes, aliás, es­cre­ver é ato, por as­sim di­zer, hí­bri­do: subs­tan­ti­vo mais ver­bo e vi­ce-ver­sa. En­tão, ca­be a ca­da um de nós de­ci­dir, de acor­do com nos­sas con­vic­ções, qual de­les em­pre­gar e em quais cir­cuns­tân­ci­as. .

Oce­an - Pawel Kuczyns­ki

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.