EU, INSECTO: AS ESCULTURAS DE MIKE LIBBY

Jornal Cultura - - NAVEGAÇÕES -

TAJANA (OBVIOUS MAGAZINE)

Es­ca­ra­ve­lhos, abe­lhas, ga­fa­nho­tos, bor­bo­le­tas, ara­nhas, es­cor­piões - se os dis­pen­sa vi­vos, tal­vez con­si­ga apre­ci­ar-lhes a be­le­za bem guar­da­dos den­tro du­ma cam­pâ­nu­la de vi­dro, co­mo má­qui­nas an­ti­gas num mu­seu que tan­to é de ar­te, co­mo de his­tó­ria na­tu­ral, co­mo de en­ge­nha­ria.

Em mui­tos il­mes de ic­ção ci­en­tí ica, es­ta é a con­cre­ti­za­ção de um dos mai­o­res pe­sa­de­los hu­ma­nos: in­sec­tos-ro­bots. Cri­a­tu­ras que jun­tam uma ana­to­mia na­tu­ral ul­tra-re­sis­ten­te ao po­der po­ten­ci­al­men­te des­tru­ti­vo da tec­no­lo­gia (nes­te ca­so, nas mãos - ou an­tes, nas pa­tas - er­ra­das). O pe­sa­de­lo ica com­ple­to quan­do lhe acres­cen­ta­mos o me­do ir­ra­ci­o­nal de mui­tos de nós pe­ran­te es­tas pe­que­nas cri­a­tu­ras.

Mas aqui não se tra­ta de en­xa­mes as­sas­si­nos vin­dos de Mar­te pa­ra nos des­truir, nem dos tri­pods da Guer­ra dos Mun­dos: es­tes são es­pé­ci­mes frá­geis, re­ais, na­tu­rais, so­li­tá­ri­os, que o ar­tis­ta Mike Libby trans­for­ma, equi­pan­do-os com pe­que­nas pe­ças me­câ­ni­cas que lhes dão es­te as­pec­to ci­ber­né­ti­co.

É uma opor­tu­ni­da­de pa­ra con­fir­mar­mos que há in­sec­tos es­pec­ta­cu­lar­men­te bo­ni­tos. Es­ca­ra­ve­lhos lu­mi­no­sos, bor­bo­le­tas exi­bi­ci­o­nis­tas, li­bé­lu­las ele­gan­tís­si­mas - e até as mais mo­des­tas abe­lhas ou os ga­fa­nho­tos. Os in­sec­tos, um dos mo­ti­vos re­cor­ren­tes na de­li­ca­da ar­te ja­po­ne­sa, dei­xa­ram es­co­la tam­bém, por exem­plo, na Ar­te No­va oci­den­tal. Ain­da as­sim, en­ca­rar um insecto re­al co­mo uma obra de ar­te não é pa­ra to­dos.

A ideia de equi­par os in­sec­tos com pe­ças me­câ­ni­cas sur­giu a Libby há al­guns anos, de­pois de ter en­con­tra­do um es­ca­ra­ve­lho mor­to. A be­le­za do ani­mal e a for­ma co­mo as su­as vá­ri­as par­tes se ar­ti­cu­la­vam fo­ram o pon­to de par­ti­da pa­ra es­te tra­ba­lho: Libby es­va­zia os in­sec­tos (no ca­so dos es­ca­ra­ve­lhos) e co­la no seu in­te­ri­or pe­que­nas pe­ças dos me­ca­nis­mos de re­ló­gi­os, mas tam­bém de com­po­nen­tes elec­tró­ni­cos e até de má­qui­nas de cos­tu­ra e ou­tros apa­re­lhos.

Um tra­ba­lho de mi­nú­cia que re­sul­ta nes­tas cri­a­tu­ras a meio ca­mi­nho en­tre uma jóia e um apa­re­lho de al­ta pre­ci­são. No ca­so de ani­mais co­mo bor­bo­le­tas ou abe­lhas, as pe­ças são co­la­das no exo­es­que­le­to do ani­mal. Não ica­mos com in­sec­tos a fun­ci­o­nar mo­vi­dos a cor­da, mas a su­ges­tão do me­ca­nis­mo e das su­as pos­si­bi­li­da­des es­tá lá.

Mas porquê os in­sec­tos? Libby diz­nos, em en­tre­vis­ta por email, que em cri­an­ça nun­ca co­lec­ci­o­nou in­sec­tos e que “nem os in­sec­tos nem a ci­ber­né­ti­ca sur­gem em ne­nhum do meu tra­ba­lho an­te­ri­or”. So­bre o que o mo­ti­va, acres­cen­ta: “Fa­ço is­to há tan­to tem­po que às ve­zes me es­que­ço do porquê. Em par­te é o de­sa io, é um tra­ba­lho de fac­to com­pli­ca­do, so­bre­tu­do nu­ma área tão pe­que­na, mas se fun­ci­o­nar do pon­to de vis­ta vi­su­al, é aí que es­tá a gra­ti ica­ção. Tam­bém gos­to de fa­zer as pes­so­as pa­rar e pres­tar aten­ção, e usa­rem a sua pró­pria ima­gi­na­ção”. E qual a re­la­ção des­te In­sectLab com os ou­tros pro­jec­tos ar­tís­ti­cos de Libby? “O In­sectLab per­mi­te-me fa­zer uma coi­sa co­nhe­ci­da, fa­zer al­gu­ma coi­sa a par­tir de bi­chos mor­tos e re­ló­gi­os par­ti­dos, mas o meu ou­tro tra­ba­lho é mui­to mais aber­to. Há al­guns te­mas de his­tó­ria na­tu­ral em que os pro­jec­tos se cru­zam, bem co­mo o pro­ces­so de re­con­ci­li­ar e fa­zer cor­res­pon­der coi­sas que se ca­lhar não com­bi­nam de for­ma mui­to fá­cil (ou de­ma­si­a­do fá­cil!)”.

Libby tra­ba­lha com ani­mais que lhe che­gam de to­do o mun­do, mui­tos de­les atra­vés de ven­de­do­res de in­sec­tos ( é ver­da­de, exis­tem mes­mo). Pre­pa­rar um des­tes bi­chos po­de de­mo­rar en­tre 2 di­as e 2 se­ma­nas, e o ar­tis­ta ge­ral­men­te tra­ba­lha em vá­ri­os ao mes­mo tem­po. “As ara­nhas e as li­be­li­nhas são as mais di­fí­ceis”, a ir­ma.

A Libby in­te­res­sa a fu­são en­tre as­pec­tos apa­ren­te­men­te dis­tan­tes: a for­ma or­gâ­ni­ca, na­tu­ral, dos ani­mais ali­a­da à tec­no­lo­gia é um io que nos li­ga tan­to ao pas­sa­do quan­to ao fu­tu­ro.

Sa­be­mos que os in­sec­tos es­tão na Ter­ra há mais tem­po do que nós, e pro­va­vel­men­te ica­rão por cá de­pois de os se­res hu­ma­nos e os ou­tros ma­mí­fe­ros te­rem de­sa­pa­re­ci­do. Es­ta re­sis­tên­cia, am­pli­a­da pe­las ca­pa­ci­da­des tec­no­ló­gi­cas, e a ideia de que os in­sec­tos - so­bre­tu­do os que agem de for­ma or­ga­ni­za­da - po­dem do­mi­nar o mun­do é um fan­tas­ma que ecoa nas nos­sas men­tes.

Dum pon­to de vis­ta mais ci­en­tí ico, mui­ta en­ge­nha­ria tem pro­cu­ra­do ins­pi­ra­ção e pis­tas nos in­sec­tos - es­tu­dan­do o seu mo­vi­men­to e o seu de­sign à pro­cu­ra de so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas tec­no­ló­gi­cos, so­bre­tu­do os que es­tão re­la­ci­o­na­dos com o voo.

Os in­sec­tos de Mike Libby já es­ti­ve­ram ex­pos­tos em vá­ri­as ga­le­ri­as e po­dem ser com­pra­dos di­rec­ta­men­te ao ar­tis­ta, atra­vés do con­tac­to por email. Libby tam­bém acei­ta en­co­men­das es­pe­cí icas. Os seus cli­en­tes, diz-nos, são pes­so­as de to­do o ti­po, que “sim­ples­men­te gos­tam de sen­tir es­te fas­cí­nio”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.