MOISÉS KAFALA

REQUIEM PA­RA UM CANTADOR DE HIS­TÓ­RIA(S)

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - ADRI­A­NO DE ME­LO JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA e

Angola per­deu uma das vo­zes cu­jo tra­ba­lho ele­vou a tro­va na­ci­o­nal. Um cantador de His­tó­ria(s) que tra­du­ziu na can­ção par­te da His­tó­ria de Angola e mui­tas his­tó­ri­as que atra­ves­sa­ram a sua mar­cha nes­te mun­do. Moisés Kafala.

Um cantador de His­tó­ria(s). As­sim se po­de de inir aque­le a quem ho­je ren­de­mos ho­me­na­gem. Moisés Kafala tra­du­ziu na can­ção par­te da His­tó­ria de Angola e mui­tas his­tó­ri­as que atra­ves­sa­ram a sua mar­cha nes­te mun­do. Se, co­mo dis­se Pes­soa, “a tro­va é o va­so de lo­res que o po­vo põe à ja­ne­la da sua al­ma”, en­tão o mú­si­co con­se­guiu, ao lon­go da sua car­rei­ra, can­tar o es­pí­ri­to dos an­go­la­nos, em te­mas cu­jas le­tras re lec­tem a iden­ti­da­de, a ri­que­za das tra­di­ções e afri­ca­ni­da­de.

Es­cre­ver ver­sos pa­ra a al­ma e ilu­mi­ná-los com a gui­tar­ra é um de­sa io pa­ra qu­al­quer cri­a­dor. É um gé­ne­ro que, co­mo dis­se Fer­nan­do Pes­soa es­pe­lha o me­lhor da mú­si­ca. Es­te mês, o país per­deu uma das vo­zes, cu­jo tra­ba­lho, em anos, ele­vou a tro­va na­ci­o­nal.

Num du­e­to, os Ir­mãos Kafala (ou Kafala Brothers) le­va­ram à World Mu­sic o me­lhor da tro­va na­ci­o­nal. Con­quis­ta­ram um es­pa­ço e con­se­gui­ram man­tê­lo ao lon­go dos anos, com fãs de vá­ri­as ge­ra­ções. Um fei­to que pre­ci­sa ser re­cor­da­do e lem­bra­do com frequên­cia, por re­pre­sen­tar o le­ga­do de um gé­ne­ro mu­si­cal mui­to pró­prio, exal­ta­do du­ran­te anos por po­e­tas co­mo Jor­ge Ama­do. “É atra­vés da Tro­va que o po­vo to­ma con­tac­to com a po­e­sia e sen­te a sua for­ça. Por is­so mes­mo, a Tro­va e o Tro­va­dor são imor­tais”. É cer­to que não vi­ve­re­mos pa­ra sem­pre, mas o “pe­so” do le­ga­do dei­xa­do às ge­ra­ções vin­dou­ras, atra­vés do tra­ba­lho, é uma for­ma de per­pe­tu­ar quem fo­mos e bus­car um lu­gar no “hall” da imor­ta­li­da­de. Moisés Kafala me­re­ce um lu­gar no pan­teão dos cri­a­do­res an­go­la­nos. Em­bo­ra os Ir­mãos Kafala não te­nham si­do co­mo os tro­va­do­res ou os com­po­si­to­res iti­ne­ran­tes do iní­cio do sé­cu­lo XX, que per­cor­ri­am as ci­da­des, can­tan­do ba­la­das tra­di­ci­o­nais, as su­as mú­si­cas ica­ram co­nhe­ci­das a par­tir dos anos 80 e 90, em es­pe­ci­al pe­la mu­si­ca­li­za­ção de po­e­mas de au­to­res con­sa­gra­dos, co- mo “Re­nún­cia Im­pos­sí­vel”, de Agostinho Ne­to. Em mú­si­cas que evo­cam sen­sa­ções, im­pres­sões e emo­ções ema­na­das de sons, har­mo­ni­as e rit­mos, vo­cá­bu­los me­ta­fó­ri­cos, em kim­bun­do, um­bun­du e por­tu­guês, os “Kafala Brothers” con­se­gui­ram re­fa­zer a be­le­za da po­e­sia, por anos, e dei­xar um vas­to tra­ba­lho, no cam­po da tro­va, a ser me­lhor ino­va­do pe­las pró­xi­mas ge­ra­ções de tro­va­do­res.

A tro­va, en­quan­to poema au­tó­no­mo de qua­tro ver­sos com ri­ma e sen­ti­do com­ple­to, es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­do à

po­e­sia des­de a Ida­de Mé­dia, on­de era si­nó­ni­mo de poema e le­tra de mú­si­ca. Ho­je, a jo­vem ge­ra­ção de au­to­res an­go­la­nos do gé­ne­ro têm pro­cu­ra­do se as­so­ci­ar aos de­cla­ma­do­res e po­e­tas pa­ra cri­ar uma no­va sim­bi­o­se e re­vo­lu­ção. É uma ini­ci­a­ti­va lou­vá­vel, mas que ain­da pre­ci­sa de apoi­os e in­cen­ti­vos pa­ra vin­car e aju­dar a man­ter no ac­ti­vo a “har­mo­nia da gui­tar­ra e da voz”.

Pa­ra os Kafala Brothers’, es­ta har­mo­nia es­te­ve as­sen­te du­ran­te anos na li­tur­gia re­li­gi­o­sa, mas, com o tem­po, mui­tos dos te­mas pas­sa­ram a ter um cu­nho mais hu­ma­nis­ta e so­ci­al. Co­mo des­ta­cou o go­ver­na­dor do Ben­go, João Mi­ran­da, no elo­gio fú­ne­bre de Moisés Kafala, as su­as mú­si­cas tam­bém ica­ram mar­ca­das por evo­car a dor, o so­fri­men­to, a con li­tu­a­li­da­de ét­ni­ca e amo­ro­sa, “a eter­na es­pe­ran­ça de um mun­do me­lhor, on­de a har­mo­nia so­ci­al, po­lí­ti­ca, tri­bal e re­gi­o­nal era pos­sí­vel.”

Moisés Kafala, que foi a en­ter­rar dia 5, no ce­mi­té­rio do Ben ica, em Luanda, mor­reu, no dia 1, na Na­mí­bia, ví­ti­ma de do­en­ça, foi, pa­ra o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, um “des­ta­ca­do ho­mem de cul­tu­ra, que pau­tou a sua vi­da ar­tís­ti­ca a de­fen­der e va­lo­ri­zar a iden­ti­da­de cul­tu­ral angolana, com a cri­a­ção de can­ções que mar­ca­ram o quo­ti­di­a­no.”

Além de mú­si­co e tam­bém di­rec­tor da Cul­tu­ra no Ben­go, Jo­sué de Cam­pos (de no­me pró­prio) te­ve uma lon­ga pas­sa­gem pe­lo sec­tor da Cul­tu­ra on­de foi de­le­ga­do da União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res em Ben­gue­la e mem­bro da co­mis­são de ava­li­a­ção de pro­jec­tos cul­tu­rais e ar­tís­ti­cos do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra.

Ao lon­go da sua car­rei­ra ar­tís­ti­ca, os Ir­mãos Kafala cri­a­ram três obras dis­co­grá icas, que se tor­na­ram re­fe­rên­ci­as in­con­tor­ná­veis na evo­lu­ção da tro­va angolana: “Ngo­la”, gra­va­do e apre­sen­ta­do na In­gla­ter­ra, em 1988, “Sa­li­po”, pro­du­zi­do nos EUA, em 1995, e “Bál­sa­mo”, fei­to em Fran­ça, em 2000.

No pas­sa­do dia 10, a Fun­da­ção An­tó­nio Agostinho Ne­to atri­buiu-lhe, a tí­tu­lo pós­tu­mo, o tí­tu­lo ho­no­rí ico da Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, pe­lo seu con­tri­bu­to à exal­ta­ção da mú­si­ca na­ci­o­nal.

“Po­e­sia da al­ma”

Dar vi­da à po­e­sia, com uma gui­tar­ra e voz é um de­sa io pa­ra qu­al­quer um que quei­ra ser mú­si­co. Em Angola, mes­mo en­tre os ar­tis­tas de re­no­me, são pou­cos os que con­se­guem re­a­li­zar es­te de­sa io. Por­tan­to, a tro­va re­pre­sen­ta o pri­mei­ro pas­so na “cons­tru­ção” de fu­tu­ros bons mú­si­cos.

Po­rém, ape­sar de exis­ti­rem pro­jec­tos co­mo o Fes­ti­val Na­ci­o­nal de Tro­va e ou­tros que aju­dem a pro­mo­ver es­te gé­ne­ro, as­sim co­mo a des­co­brir jo­vens ta­len­tos, é pre­ci­so ain­da um tra­ba­lho mais acen­tu­a­do em tor­no des­te gé­ne­ro, ac­tu­al­men­te pou­co re­fe­ren­ci­a­do na mú­si­ca angolana.

No­mes so­nan­tes da tro­va, co­mo os Kafala Brothers, Duo Ca­nho­to, Ruy Min­gas, Wal­de­mar Bas­tos, Ga­bri­el Tchi­e­ma, To­tó, Ân­ge­la Fer­rão e Fi­li­pe Mu­ken­ga con­se­gui­ram, du­ran­te al­guns anos, tra­zer no­va vi­ta­li­da­de ao gé­ne­ro.

Po­rém, as ino­va­ções dos ar­ran­jos tec­no­ló­gi­cos ou a “as­cen­são” do mer­ca­do das ban­das, têm re­ti­ra­do par­te do pres­tí­gio des­tes cri­a­do­res, que ize­ram/fa­zem da voz e da gui­tar­ra a ma­ni­fes­ta­ção re­al da sua ar­te.

Nes­ta era da su­pre­ma­cia tec­no­ló­gi­ca, do com­por­ta­men­to glo­ba­li­za­do e do van­guar­dis­mo a qu­al­quer pre­ço, co­mo de­fen­deu o es­cri­tor bra­si­lei­ro Sér­gio Ber­nar­do, a tro­va re­sis­te, mas con­ti­nua a en­con­trar inú­me­ras di icul­da­des.

Ape­sar de, co­mo de­fen­de o pró­prio Sér­gio Ber­nar­do, “os au­to­res já não es­ta­rem pre­sos a te­mas ixos co­mo nas can­ti­gas de exal­ta­ção a cam­pa­nhas mi­li­ta­res, fei­tos re­ais ou mes­mo um re­la­to da vi­da quo­ti­di­a­na”, a tro­va angolana ain­da con­ti­nua com um nú­me­ro re­du­zi­do de pra­ti­can­tes.

“Sta­tus” so­ci­al

Me­lho­rar a con­di­ção do ar­tis­ta an­go­la­no, em par­ti­cu­lar no cam­po so­ci­al, é uma lu­ta que pre­ci­sa ser tra­va­da por to­dos os in­te­gran­tes da so­ci­e­da­de, em es­pe­ci­al aque­les que vêm o bri­lho das ar­tes co­mo al­go ex­cep­ci­o­nal.

A mor­te de Moisés Kafala, por do­en­ça, é um pro­ble­ma que não a li­ge so­men­te uma clas­se, mas sim to­dos, e ape- sar dos es­for­ços de di­ver­sas ins­ti­tui­ções li­ga­das ao sec­tor e do pró­prio Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, o ar­tis­ta ain­da con­ti­nua a ser vis­to co­mo um pe­din­te, uma ima­gem de­plo­rá­vel a ser in­ver­ti­da.

Em­bo­ra as cul­pas pos­sam ser atri­buí­das aos pró­pri­os mú­si­cos, que ain­da têm mui­to pa­ra apren­der so­bre os seus di­rei­tos e co­mo os fa­zer va­ler, a ou­tra par­te da res­pon­sa­bi­li­da­de de­ve ser in­cu­ti­da aos agen­tes e pro­mo­to­res des­tes que na­da fa­zem em sua de­fe­sa.

A qu­es­tão da saú­de, as­sim co­mo a ha­bi­ta­ção, de­vem cons­tar en­tre as pri­o­ri­da­des das ins­ti­tui­ções que ve­lam pe­los ar­tis­tas an­go­la­nos, por­que são fun­da­men­tais e têm si­do as prin­ci­pais di icul­da­des des­tes nas úl­ti­mas dé­ca­das, em es­pe­ci­al ago­ra com a cri­se eco­nó­mi­ca mun­di­al.

As su­as mú­si­cas tam­bém fi­ca­ram mar­ca­das por evo­ca­rem a eter­na es­pe­ran­ça de um mun­do me­lhor, on­de a har­mo­nia so­ci­al, po­lí­ti­ca, tri­bal e re­gi­o­nal era pos­sí­vel

Moisés Kafala

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.