MA­RIA BELMIRA TECE ME­MÓ­RI­AS

COM EMO­ÇÕES, MI­TOS E EXPRESSIVIDADES DO COR­PO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA -

Com re­cur­so a ma­te­ri­ai­si­ais e téc­ni-ttéc­ni­cas­cas di­ver­sas, co­mo­o­mo apli­ca­ção em te­ci­do, te­ce­la­gem,ela­gem, su­por­su­por­te em li­nho na­tu­ral, bor­da­dos­da­dos e ccor­das de si­sal, MA­RIA BELMIRAA rein­ven-rrein­ven­ta­ta de for­ma har­mo­ni­o­sa, mo­ni­o­sa, cri­a­ti­va­cr e ori­gi­nal, o diá­lo­go en­tre­en­tr tre tra­di­ção e con­tem­po­ra­nei­da­de.con­tem­po­ra­nei­da­de anei­da­de.

Inau­gu­ra­da no dia 6 de Se­tem­bro no CA­MÕES/CEN­TRO CUL­TU­RAL POR­TU­GUÊS a ex­po­si­ção in­di­vi­du­al de Te­ce­la­gem e Ta­pe­ça­ria TECENDO ME­MÓ­RI­AS, da con­cei­tu­a­da ar­tis­ta angolana MA­RIA BELMIRA, pres­ta uma ho­me­na­gem a al­gu­mas mu­lhe­res im­por­tan­tes da sua vi­da, co­mo a sua avó e a sua mãe, “pes­so­as que mar­ca­ram a cons­tru­ção da sua per­so­na­li­da­de e iden­ti­da­de”. Pres­ta tam­bém ho­me­na­gem a ou­tras mu­lhe­res que a ins­pi­ra­ram e in­cen­ti­va­ram a pros­se­guir o ca­mi­nho da ar­te, co­mo as ar­tis­tas, Mar­ce­la Cos­ta e Ana Sou­sa San­tos. In­clui ain­da nes­ta ho­me­na­gem “to­das as pes­so­as que fa­zem da ar­te o seu su­por­te de sub­sis­tên­cia, de afec­to, e de va­lo­ri­za­ção da me­mó­ria co­lec­ti­va de um po­vo”.

Em TECENDO ME­MÓ­RI­AS, a ar­tis­ta apre­sen­ta 10 obras iné­di­tas de Te­ce­la­gem e Ta­pe­ça­ria, pro­du­zi­das nos úl­ti­mos seis anos, qua­tro de­las con­cluí­das no cor­ren­te ano. Com re­cur­so a ma­te­ri­ais e téc­ni­cas di­ver­sas, co­mo apli­ca­ção em te­ci­do, te­ce­la­gem, su­por­te em li­nho na­tu­ral, bor­da­dos e cor­das de si­sal, MA­RIA BELMIRA rein­ven­ta de for­ma har­mo­ni­o­sa, cri­a­ti­va e ori­gi­nal, o diá­lo­go en­tre tra­di­ção e con­tem­po­ra­nei­da­de.

Nes­te seu tra­ba­lho, a ar­tis­ta re­tra­ta o quo­ti­di­a­no da mu­lher e a sua re­la­ção com a na­tu­re­za, pro­cu­ran­do re­ve­lar a har­mo­nia do ser hu­ma­no no seu ha­bi­tat na­tu­ral. Ci­tan­do pa­la­vras da ar­tis­ta “pre­ten­do tra­du­zir as mi­nhas vi­vên­ci­as an­go­la­nas, as emo­ções, os mi­tos, e as expressividades do cor­po, atra­vés de téc­ni­cas do bor­da­do, apli­ca­ção em te­ci­do, te­ce­la­gem e ta­pe­ça­ria com ma­té­ri­as de ibras na­tu­rais e in­dus­tri­ais, te­ci­dos de li­nho na­tu­ral e in­dus­tri­ais, nu­ma sim­bi­o­se en­tre o tra­di­ci­o­nal e o mo­der­no”. “Tra­go uma pro­pos­ta que é uma vi­são glo­bal que pre­ten­de cons­truir uma iden­ti­da­de de ta­pe­ça­ria fei­ta por uma angolana, par­ti­ci­pan­do, as­sim, no res­ga­te da va­lo­ri­za­ção de téc­ni­cas tra­di­ci­o­nais, nu­ma pers­pec­ti­va da sua con­tem­po­ra­nei­da­de”.

SO­BRE A AR­TIS­TA

MA­RIA BELMIRA nas­ceu em Luanda em 1967, on­de fez o en­si­no pri­má­rio e pré- uni­ver­si­tá­rio. Em 1985, con­cluiu o Cur­so de Te­ar, Gra­vu­ra, De­se­nho, Pin­tu­ra e Ce­râ­mi­ca na Es­co­la do “Bar­ra­cão” em Luanda. Em 1986, con­cluiu o 2 º cur­so de Te­ar Ar­tís­ti­co, pro­mo­vi­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de For­ma­ção Ar­tís­ti­ca e pe­la Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Cul­tu­ra de Angola. De 1988 a 1991, foi mo­ni­to­ra do Te­ar da Ofi­ci­na Têx­til da Es­co­la Mé­dia de Ar­tes Plás­ti­cas do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de For­ma­ção Ar­tís­ti­ca e Cul­tu­ral. De 1992 a 1994, tra­ba­lhou na Ofi­ci­na Têx­til e Ce­râ­mi­ca da Es­co­la Pro­fis­si­o­nal de Ofí­ci­os Ar­tís­ti­cos de Vi­la No­va de Cer­vei­ra em Por­tu­gal. Em 2011, con­cluiu a li­cen­ci­a­tu­ra em Es­tu­dos Cul­tu­rais na Uni­ver­si­da­de Fer­nan­do Pes­soa no Por­to.

Ac­tu­al­men­te, fre­quen­ta o Mes­tra­do em Es­tu­dos Cul­tu­rais/ An­tro­po­lo­gia So­ci­al na Uni­ver­si­da­de Fer­nan­do Pes­soa no Por­to.

Ao lon­go do seu per­cur­so ar­tís­ti­co de mais de 30 anos, a ar­tis­ta, par­ti­ci­pou em múl­ti­plas ex­po­si­ções em Angola, Por­tu­gal, Es­pa­nha e Egip­to, en­tre ou­tros paí­ses.

Ma­ria Belmira

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.