IM­PREN­SA NA­CI­O­NAL FA­ROL DA CUL­TU­RA ANGOLANA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - JANUÁRIO MARIMBALA

O Jor­na­lis­mo e a Li­te­ra­tu­ra ga­nha­ram uma ele­va­da ex­pres­são em Angola, no Sé­cu­lo IX, gra­ças à exic­tên­cia de uma in­dús­tria grá­fi­ca mui­to de­sen­vol­vi­da, com ex­pe­rién­cia acu­mu­la­da des­de que che­ga­ram os pri­mei­ros pre­los me­câ­ni­cos a Luanda e São Sal­va­dor do Con­go (Mban­za Con­go), no iní­cio do Sé­cu­lo XVI.

O Jor­na­lis­mo e a Li­te­ra­tu­ra ga­nha­ram uma ele­va­da ex­pres­são em Angola, no Sé­cu­lo IX, gra­ças à exis­tên­cia de uma in­dús­tria grá ica mui­to de­sen­vol­vi­da, com ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da des­de que che­ga­ram os pri­mei­ros pre­los me­câ­ni­cos a Luanda e São Sal­va­dor do Con­go (Mban­za Con­go), no iní­cio do Sé­cu­lo XVI. Mes­tres ti­pó­gra­fos ger­mâ­ni­cos e por­tu­gue­ses cri­a­ram au­tên­ti­cas es­co­las da “ar­te de im­pri­mis­são”, o que jus­ti icou o lan­ça­men­to do pri­mei­ro jor­nal, o Bo­le­tim do Go­ver­no-Ge­ral da Pro­vín­cia de Angola, que co­me­çou a cir­cu­lar no dia 13 de Se­tem­bro de 1845, era go­ver­na­dor Pe­dro Ale­xan­dri­no da Cu­nha, um o ici­al da Ma­ri­nha de Guer­ra.

O jor­nal era im­pres­so em ofi­ci­na pró­pria, que de­mo­rou 20 anos a ser mon­ta­da. O Go­ver­no de Lis­boa or­de­nou a cri­a­ção do Bo­le­tim Ofi­ci­al, mas for­ças mais ra­di­cais da cor­te acha­vam que era pe­ri­go­so avan­çar com es­se projecto. E ti­nham ra­zão. Du­as dé­ca­das de­pois da cri­a­ção da Im­pren­sa do Go­ver­no de Angola, nas­ceu a cha­ma­da Im­pren­sa Li­vre, com um pe­rió­di­co im­pres­so em ofi­ci­na pró­pria. Em bre­ve, nas pá­gi­nas dos jor- nais pri­va­dos era rei­vin­di­ca­da a in­de­pen­dên­cia e co­me­çou a ser for­ja­do um pro­fun­do sen­ti­men­to de angolanidade, que ga­nhou a sua ex­pres­são má­xi­ma no Mo­vi­men­to Va­mos Des­co­brir Angola, um sé­cu­lo de­pois.

No dia 6 de De­zem­bro de 1866, co­me­çou a cir­cu­lar em Luanda o pri­mei­ro jor­nal pri­va­do, com con­sis­tên­cia e con­ti­nui­da­de, que te­ve co­mo fun­da­do­res os ad­vo­ga­dos An­tó­nio Ur­ba­no Mon­tei­ro de Cas­tro e Al­fre­do Jú­lio Cor­tês Mân­tua. O tí­tu­lo era A Ci­vi­li­za­ção da Áfri­ca Por­tu­gue­sa e o sub­tí­tu­lo Se­ma­ná­rio de­di­ca­do a tra­tar dos in­te­res­ses ad­mi­nis­tra­ti­vos, eco­nó­mi­cos, agrí­co­las e in­dus­tri­ais de Angola e S. To­mé.

Além dos dois ad­vo­ga­dos, o jor­nal te­ve ain­da co­mo fun­da­do­res João Fe­li­ci­a­no Pe­der­nei­ra, co­mer­ci­an­te de Pun­goAn­don­go, Fe­li­ci­a­no da Sil­va Oli­vei­ra, co­mer­ci­an­te de Cam­bam­be e Fran­cis­co An­tó­nio Pi­nhei­ro Bayão, fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, de Luanda. Foi o prin­cí­pio de um jor­na­lis­mo de com­ba­te, ser­vi­do por jor­na­lis­tas an­go­la­nos, que na épo­ca es­ta­vam ao ní­vel do me­lhor que exis­tia na Im­pren­sa de lín­gua por­tu­gue­sa, en­tre eles, Aran­tes Bra­ga,Jo­sé de Fon­tes Pe­rei­ra, Sant’An­na Pal­ma, Au­gus­to Bas­tos e o prín­ci­pe do jor­na­lis­mo de lín­gua por­tu­gue­sa,Pe­dro da Pai­xão Fran­co. Os do­cu- men­tos que ates­tam a ori­gem da Im­pren­sa do Go­ver­no de Angola fo­ram co­li­gi­dos e pu­bli­ca­dos por uma co­mis­são do Mu­seu de Angola, em 1950,pre­si­di­da por Mas­ca­re­nhas Gai­vão e da qual fa­zi­am par­te, en­tre ou­tros, o no­tá­vel his­to­ri­a­dor Al­ber­to de Le­mos e o pa­dre Ma­nu­el da Ne­ves, um dos men­to­res da re­vo­lu­ção do 4 de Fe­ve­rei­ro, nes­sa al­tu­ra có­ne­go da Sé de Luanda. Qua­se to­da a do­cu­men­ta­ção o ici­al ti­nha si­do co­li­gi­da por Au­gus­to Bas­tos, o an­go­la­no pro­di­gi­o­so que mar­cou de uma for­ma in­de­lé­vel, o jor­na­lis­mo, a li­te­ra­tu­ra, a mú­si­ca, as ar­tes plás­ti­cas, a ci­ên­cia e a po­lí­ti­ca.

DE­CRE­TO DA FUN­DA­ÇÃO

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos Ne­gó­ci­os da Ma­ri­nha e Ul­tra­mar, Vi­ei­ra de Cas­tro, pre­pa­rou o De­cre­to­que a rai­nha as­si­nou. Man­da cri­ar “de­bai­xo da Ins­pec­ção de ca­da Go­ver­no-Ge­ral, um Bo­le­tim no qual se pu­bli­quem as Or­dens, Pe­ças O ici­ais, Ex­trac­tos dos De­cre­tos Re­gu­la­men­ta­res en­vi­a­dos pe­lo res­pec­ti­vo Mi­nis­té­rio aos Go­ver­nos do Ul­tra­mar, bem co­mo no­tí­ci­as ma­rí­ti­mas, pre­ços cor­ren­tes, In­for­ma­ções Es­ta­tís­ti­cas e tu­do o que for in­te­res­san­te pa­ra co­nhe­ci­men­to Pú­bli­co”.

O di­plo­ma le­gal foi as­si­na­do no Pa­ço das Ne­ces­si­da­des, em Lis­boa, em 7 de De­zem­bro de 1836. Es­te do­cu­men­to lan­çou a Im­pren­sa em Angola, mas o pri­mei­ro bo­le­tim só foi im­pres­so em 13 de Se­tem­bro de 1845, no­ve anos mais tar­de, de­pois de mui­ta in­sis­tên­cia do go­ver­na­dor Pe­dro Ale­xan­dri­no da Cu­nha.

No dia em que saiu a pú­bli­co o pri­mei­ro nú­me­ro do Bo­le­tim do Go­ver­noGe­ral da Pro­vín­cia de Angola (Bo­le­tim O ici­al), o go­ver­na­dor en­vi­ou um o ício pa­ra Lis­boa re­cla­man­do o en­vio “de uma im­pren­sa com­ple­ta” e mes­tres ti­pó­gra­fos. O equi­pa­men­to que es­ta­va em Luanda,per­ma­ne­ceu de­ma­si­a­dos anos en­cai­xo­ta­do e foi ata­ca­do pe­la fer­ru­gem e o sa­la­lé.

O go­ver­na­dor não da­va des­can­so ao Go­ver­no de Lis­boa e em 22 de Se­tem­bro de 1845, en­vi­ou no­vo ofí­cio ao Mi­nis­té­rio da Ma­ri­nha e do Ul­tra­mar pe­din­do “cai­xas de com­po­si­ção em jo­go com­ple­to de al­tas e bai­xas”. As “al­tas” são maiús­cu­las e as “bai­xas” as mi­nús­cu­las.

Pe­dro Ale­xan­dri­no da Cu­nha, can­sa­do de es­pe­rar a che­ga­da dos ti­pó­gra­fos, em 11 de Abril de 1846 en­vi­ou um o ício on­de re­cla­ma­va ape­nas um com­po­si­tor por­que en­con­trou em Luanda al­guns mes­tres ti­pó­gra­fos que con­tra­tou di­rec­ta­men­te. Em 15 de Maio, a Im­pren­sa Na­ci­o­nal de Lis­boa in­for­mou o

go­ver­na­dor que ia en­vi­ar pa­ra Luanda os com­po­si­to­res João da Sil­va To­jei­ro e Jo­sé da Cos­ta.

ES­CO­LA DE TI­PÓ­GRA­FOS

Nes­ta épo­ca, a Im­pren­sa Na­ci­o­nal de Lis­boa era uma es­co­la de ti­pó­gra­fos e as su­as mo­der­nas ins­ta­la­ções ti­nham ilu­mi­na­ção a gás. Es­te mo­de­lo foi re­pro­du­zi­do, três dé­ca­das mais tar­de, em Luanda, na Im­pren­sa do Go­ver­no de Angola, ho­je Im­pren­sa Na­ci­o­nal.

Em o ício de 3 de Ju­nho de 1846, o di­rec­tor da Im­pren­sa Na­ci­o­nal de Lis­boa in­for­ma o go­ver­na­dor Pe­dro Ale­xan­dri­no da Cu­nha que “es­tão pron­tos os uten­sí­li­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra com­por e im­pri­mir o Bo­le­tim O ici­a­le os mes­tres ti­pó­gra­fos po­dem em­bar­car pa­ra Luanda no pri­mei­ro va­por”. Angola te­ve de pa­gar o equi­pa­men­to em qua­tro pres­ta­ções men­sais. Diz o do­cu­men­to: “Acha-se pron­to e en­cai­xo­ta­do um pre­lo de fer­ro, ro­los e de­mais uten­sí­li­os, ti­pos e ou­tros ob­jec­tos ti­po­grá icos in­dis­pen­sá­veis pa­ra fa­zer a com­po­si­ção e im­pres­são do Bo­le­tim O ici­al de Angola. O pre­ço to­tal é de 600$000 reis a pa­gar em qua­tro pres­ta­ções men­sais”.

O Bo­le­tim do Go­ver­no-Ge­ral da Pro­vín­cia de Angola saía a pú­bli­co, to­dos os sá­ba­dos, há mais de um ano. O go­ver­na­dor ar­ran­jou equi­pa­men­tos e mes­tres ti­pó­gra­fos em Luanda. Fi­nal­men­te, em 13 de Abril de 1847, o se­cre­tá­rio-ge­ral de Pe­dro Ale­xan­dri­no da Cu­nha, João de Re­bo­re­do, in­for­mou a Fa­zen­da que foi re­ce­bi­do o pre­lo em fer­ro, ti­pos e de­mais ob­jec­tos pa­ra a Im­pren­sa do Go­ver­no de Angola.

Em 1849, o no­vo go­ver­na­dor, Acá­cio da Sil­vei­ra, en­vi­ou ao Mi­nis­té­rio da Ma­ri­nha e Ul­tra­mar uma lis­ta de ma­te­ri­ais que es­ta­vam a fa­zer fal­ta: “Um in­ter­duo mo­der­no, mais as li­nhas e cha­ma­di­nhas. Uma pan­dec­ta mo­der­na, li­nhas e cha­ma­di­nhas. Tex­to, cha­ma­di­nhas, bre­viá­rio miú­do, li­nhas e cha­ma­di­nhas. Dois pon­tos de tex­to. Le­tra cor­po 18 nú­me­ro dois. Zin­co pa­ra as gra­vu­ras. Le­tra de cor­po 22 nú­me­ro um. Cur­si­vo de Pa­ran­go­na. Qua­dra­dos de tex­to (ocos). Um pre­lo me­câ­ni­co em fer­ro, me­sa e os ro­los. Uma for­ma pa­ra fa­zer os ro­los. Mais seis ar­re­teis de tin­ta de im­pri­mir e cai­xo­tes”.

A fá­bri­ca de im­pres­são e com­po­si­ção cres­cia à me­di­da do su­ces­so do bo­le­tim, que­ain­da em 1845, da­va uma no­tí­cia so­ci­al: A As­sem­bleia de Luanda, on­de se jun­ta­va a al­ta bur­gue­sia eu­ro­peia e afri­ca­na, ia dar um bai­le em ho­me­na­gem ao go­ver­na­dor Pe­dro Ale­xan­dri­no da Cu­nha.

Mais tar­de, pu­bli­ca­va um anún­cio co­mer­ci­al. O co­mer­ci­an­te Va­len­tim Jo­sé Pe­rei­ra da­va no­ta pú­bli­ca de que era com­pra­dor de fo­lhas de ta­ba­co. Em 1846, o Bo­le­tim O ici­al da­va a sua pri­mei­ra no­tí­cia cul­tu­ral. O Te­a­tro Pro­vi­dên­cia, ali na Rua dos Mer­ca­do­res, le­va­va à ce­na a pe­ça “O Fu­gi­ti­vo da Bas­ti­lha”. Des­de en­tão, pas­sou a ser um ver­da­dei­ro jor­nal, mas con­tro­la­do pe­lo Go­ver­no-Ge­ral. Por is­so, os in­te­lec­tu­ais afri­ca­nos e eu­ro­peus da épo­ca de­ci­di­ram cri­ar a Im­pren­sa Li­vre, em opo­si­ção à Im­pren­sa O ici­al.

OFER­TA DE UMA TIPOGRAFIA

Em 9 de Maio de 1849, me­nos de qua­tro anos de­pois de ser edi­ta­do o pri­mei­ro nú­me­ro do Bo­le­tim O ici­al,ogo­ver­na­dor agra­de­ceu a Ar­sé­nio Pom­pí­lio Pom­peu do Car­po, a “ofer­ta de uma ti­po­gra ia com­ple­ta, pa­pel e tin­tas” pa­ra a Im­pren­sa do Go­ver­no de Angola”. O do­a­dor era um ma­dei­ren­se que foi de­por­ta­do pa­ra Angola por ter par­ti­ci­pa­do nu­ma re­vol­ta dos li­be­rais, no Fun­chal. Com a do­a­ção ga­nhou a li­ber­da­de ple­na e tor­nou-se um dos mais ri­cos co­mer­ci­an­tes de Angola, além de jor­na­lis­ta, dra­ma­tur­go e ac­tor.

A Im­pren­sa do Go­ver­no de Angola ti­nha ao seu ser­vi­ço equi­pa­men­to, pa­pel e tin­ta, do me­lhor que exis­tia no mun­do, tu­do im­por­ta­do de Lon­dres por Pom­peu do Car­po, que co­mo “cor- res­pon­den­te co­mer­ci­al”, ti­nha gran­des ne­gó­ci­os na ca­pi­tal bri­tâ­ni­ca.

A al­ta qua­li­da­de da ti­po­gra ia le­vou a que pro­pri­e­tá­ri­os de jor­nais pri­va­dos re­cor­res­sem aos seus ser­vi­ços. Mas pa­ra is­so, ti­nham de pe­dir au­to­ri­za­ção ao Mi­nis­té­rio da Ma­ri­nha e do Ul­tra­mar. O Go­ver­no de Lis­boa, por de­cre­to de 8 de Se­tem­bro de 1855, dez anos de­pois do iní­cio da ac­ti­vi­da­de da o ici­na grá ica, no­me­ou o pri­mei­ro di­rec­tor da Im­pren­sa do Go­ver­no de Angola: An­tó­nio Jo­sé da Sil­va Fer­rei­ra.

UM JOR­NAL ESTRANGULADO

Er­nes­to Ma­re­cos, Al­fre­do de Sar­men­to e Fran­cis­co Tei­xei­ra da Sil­va, fun­da­do­res do jor­nal lu­an­den­se “A Au­ro­ra”, en­vi­a­ram um re­que­ri­men­to ao Go­ver­no, so­li­ci­tan­do que o pe­rió­di­co fos­se pro­du­zi­do na o ici­na on­de era com­pos­to e im­pres­so o Bo­le­tim O ici­al. A pre­ten­são foi de­fe­ri­da em 2 de Maio de 1856, mas com uma con­di­ção: to­dos os tex­tos ti­nham de ser en­vi­a­dos pre­vi­a­men­te ao se­cre­tá­rio-ge­ral, Ma­nu­el Al­ves de Cas­tro Fran­ci­na.

“Não há nis­to ideia de uma cen­su­ra li­te­rá­ria – Vos­sas Se­nho­ri­as o pen­sa­rão as­sim, bem cer­ta­men­te: há só a jus­ta e le­gí­ti­ma in­ten­ção de pre­ve­nir que pos­sa apa­re­cer no pe­rió­di­co ma­té­ria es­tra­nha ao seu projecto (…) o que de­ve­ria pro­du­zir a ime­di­a­ta sus­pen­são do mes­mo, na con­for­mi­da­de da Lei Re­gu­la­do­ra da Im­pren­sa”, es­cre­ve Fran­ci­na no seu des­pa­cho. Mas o es­tran­gu­la­men­to foi ain­da mais aper­ta­do. O se­cre­tá­rio- ge­ral do Go­ver­no de Angola exi­giu tam­bém “a ex­pres­sa de­cla­ra­ção de que o pe­rió­di­co não tra­ta­rá de ques­tões po­lí­ti­cas”. O jor­nal co­me­çou a cir­cu­lar ape­nas com no­ti­ciá­rio li­te­rá­rio e tex­tos de en­tre­te­ni­men­to. Pou­co tem­po de­pois en­cer­rou. Co­mo nas­ceu estrangulado, te­ve uma vi­da efé­me­ra.

Es­ta po­si­ção o ici­al jus­ti ica um fac­to: os gran­des jor­nais da Im­pren­sa Li­vre ti­nham ti­po­gra ia pró­pria e ex­ce­len­tes mes­tres ti­pó­gra­fos. O Mer­can­til, era um jor­nal com gran­de qua­li­da­de grá ica e com seis pá­gi­nas! Pos­suía pre­lo pró­prio, nas su­as o ici­nas da Rua Di­rei­ta, ao Bun­go.

Em 18 de Se­tem­bro de 1867 nas­ceu o jor­nal se­ma­ná­rio O Com­mer­cio de Lo­an­da, tam­bém com ti­po­gra ia pró­pria. Em 1873, é edi­ta­do o se­ma­ná­rio Cru­zei­ro do Sul. Es­te jor­nal, on­de pon­ti ica­va o pa­dre Cas­ta­nhei­ra Ne­ves e Ur­ba­no de Cas­tro, já te­ve co­mo fun­da­do­res jor­na­lis­tas afri­ca­nos. Ti­nha igual­men­te o ici­nas pró­pri­as.

Al­fre­do Tro­ni veio de Coim­bra pa­ra Luanda ser­vir o Po­der Ju­di­ci­al. Mas em bre­ve se re­be­lou con­tra o go­ver­na­dor e sua cor­te. Tro­ni, em 7 de Ju­lho de 1878, fun­dou o Jor­nal de Lo­an­da, com ti­po­gra ia pró­pria e se­de na Rua Di­o­go Cão. Quan­do os seus afa­ze­res de ad­vo­ga­do o obri­ga­ram a aban­do­nar a trin­chei­ra do jor­nal, con­tra­tou um jor­na­lis­ta de pri­mei­ra água, La­dis­lau Ba­ta­lha, na épo­ca, um dos mais bri­lhan­tes arau­tos do so­ci­a­lis­mo. Em 1888, da ti­po­gra ia pri­va­da de Tro­ni saía o ce­le­bér­ri­mo jor­nal Mu­ku­a­ri­mi. As o ici­nas grá icas do Bun­go pas­sa­ram a cha­mar-se Ty­po­graphia do Mu­ku­a­ri­mi.

No ano de 1872, a Ma­ço­na­ria fun­dou A De­fe­za de Angola (1903), um bi-se­ma­ná­rio, ser­vi­do por jor­na­lis­tas pro is­si­o­nais. O jor­nal ti­nha ti­po­gra ia pró­pria de gran­de qua­li­da­de, com­pra­da por subs­cri­ção pú­bli­ca.

A Im­pren­sa do Go­ver­no de Angola pas­sou a “Na­ci­o­nal” e foi ha­bi­tar uma na­ve in­dus­tri­al mo­der­na, cons­truí­da em ter­re­nos ad­ja­cen­tes ao Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al, on­de fun­ci­o­na­va um par­que de di­ver­sões. Ain­da ho­je ha­bi­ta o mes­mo es­pa­ço. Em 4 de Maio de 1875, foi apro­va­do o pri­mei­ro re­gu­la­men­to da em­pre­sa. Nes­ta fa­se, já ti­nha vá­ri­os pre­los, ilu­mi­na­ção a gás e era uma ex­ce­len­te es­co­la de ti­pó­gra­fos.

O go­ver­na­dor Jo­sé Bap­tis­ta de An­dra­de man­dou or­ga­ni­zar uma mos­tra das ac­ti­vi­da­des de Angola, pa­ra de­pois ser le­va­da à gran­de Ex­po­si­ção Co­lo­ni­al em Lis­boa. O ex­ce­len­te ca­tá­lo­go foi pro­du­zi- do na Im­pren­sa Na­ci­o­nal e os seus ope­rá­ri­os cri­a­ram vi­tri­nas e ex­po­si­to­res.

O PRI­MEI­RO PIN­TOR

A Im­pren­sa Na­ci­o­nal es­tá na ori­gem da gran­de ex­po­si­ção so­bre Angola, aber­ta ao pú­bli­co em Luanda, no edi ício da Au­la Pro is­si­o­nal, Ci­da­de Al­ta, que in­cluiu ar­tes plás­ti­cas. Nas su­as o ici­nas foi com­pos­to e im­pres­so o ca­tá­lo­go. Mas os seus ope­rá­ri­os fo­ram os gran­des obrei­ros da mos­tra.

Na pá­gi­na 79 do ca­tá­lo­go foi re­pro­du­zi­da uma te­la do ar­tis­ta Ju­lião Fé­lix Ma­cha­do, “um ra­paz na­tu­ral de Luanda” que, se­gun­do o go­ver­na­dor da épo­ca, Jo­sé Bap­tis­ta de An­dra­de, “de­no­ta a mais al­ta vo­ca­ção”. Não se en­ga­nou. Mais tar­de tor­nou-se um ca­ri­ca­tu­ris­ta no­tá­vel, que con­quis­tou a im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal e in­te­grou as mais im­por­tan­tes pu­bli­ca­ções hu­mo­rís­ti­cas da épo­ca, em Lis­boa, Pa­ris e Rio de Ja­nei­ro.

O dia 30 de Ou­tu­bro de 1884 é his­tó­ri­co pa­ra as ar­tes plás­ti­cas an­go­la­nas. Pe­la pri­mei­ra vez, um ar­tis­ta “in­dí­ge­na de Angola” mos­trou pu­bli­ca­men­te as su­as obras. Na ex­po­si­ção, Ju­lião Fé­lix Ma­cha­do apre­sen­tou uma pai­sa­gem im­pres­si­o­nis­ta, “uma ce­na da vi­da no cam­po”, tam­bém im­pres­si­o­nis­ta, e uma agua­re­la, re­pre­sen­ta­do “As Ar­mas da Ci­da­de de Lo­an­da”

Dois anos an­tes, o seu ir­mão, Pe­dro Fé­lix Ma­cha­do, po­e­ta e ro­man­cis­ta, pu­bli­cou em Lis­boa o li­vro de po­e­mas Sor­ri­sos e De­sa­len­tos, on­de se re­ve­lou um ins­pi­ra­do par­na­si­a­no. É tam­bém au­tor do ro­man­ce Sce­nasd'Afri­ca. Mas va­mos apre­sen­tar aque­le que foi o mai­or ar­tis­ta plás­ti­co an­go­la­no, até 1930, ano em que fa­le­ceu.

Ju­lião Fé­lix Ma­cha­do nas­ceu em Luanda a 19 de Ju­nho de 1863. Quan­do con­cluiu os es­tu­dos se­cun­dá­ri­os, par­tiu pa­ra a Uni­ver­si­da­de de Coim­bra e de­pois ma­tri­cu­lou-se na Uni­ver- si­da­de de Lis­boa. Não há no­tí­cia de que te­nha con­cluí­do qu­al­quer cur­so su­pe­ri­or. Mas ce­do mos­trou ex­cep­ci­o­nais qua­li­da­des co­mo pin­tor, de­se­nhis­ta e ca­ri­ca­tu­ris­ta. Foi alu­no do pin­tor Jo­sé Ma­lhoa e co­la­bo­rou com Ra­fa­el Bor­da­lo Pi­nhei­ro. Em 1988, seu pai, Fé­lix da Cos­ta, um dos mais ri­cos co­mer­ci­an­tes de Angola, fa­le­ceu em Luanda. Ju­lião her­dou uma for­tu­na que dis­si­pou na boé­mia lis­bo­e­ta e a inan­ci­ar jor­nais hu­mo­rís­ti­cos.

O seu ex­cep­ci­o­nal ta­len­to le­vou-o a ser acei­te, de bra­ços aber­tos, pe­los mem­bros do Gru­po do Leão d’Ou­ro, en­tre os quais se des­ta­ca­vam Fi­a­lho d' Al­mei­da, Ra­fa­el Bor­da­lo Pi­nhei­ro ou Co­lum­ba­no. Por es­ta via che­gou à im­pren­sa li­be­ral da épo­ca, co­mo ca­ri­ca­tu­ris­ta. Co­la­bo­rou nos jor­nais O Di­a­bo Co­xo, a Re­vis­ta Ilus­tra­da, Co­mé­dia Por­tu­gue­sa, Diá­rio Ilus­tra­do e Pon­tos nos ii, en­tre ou­tros. Quan­do sur­giu a cé­le­bre re­vis­ta Ilus­tra­ção Por­tu­gue­sa, o no­me do ar­tis­ta an­go­la­no igu­rou en­tre os co­la­bo­ra­do­res mais no­tá­veis.

No iní­cio do Sé­cu­lo XX, Ju­lião Fé­lix Ma­cha­do foi pa­ra Pa­ris, on­de tra­ba­lhou co­mo ca­ri­ca­tu­ris­ta na im­pren­sa. Es­ta ex­pe­ri­ên­cia foi mal su­ce­di­da e o ar­tis­ta an­go­la­no par­tiu pa­ra a Ar­gen­ti­na, mas o na­vio fez es­ca­la no Rio de Ja­nei­roe ali de­sem­bar­cou. Em pou­co tem­po,re­vo­lu­ci­o­nou a ca­ri­ca­tu­ra bra­si­lei­ra. Os seus tra­ba­lhos fo­ram pu­bli­ca­dos em pe­rió­di­cos im­por­tan­tes co­mo a Ga­ze­ta de No­tí­ci­as, Jor­nal do Bra­sil ou O País.

No Bra­sil era o “nú­me­ro um” e a par­tir do Rio de Ja­nei­ro pu­bli­cou tra­ba­lhos de ele­va­da qua­li­da­de na im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal, so­bre­tu­do em jor­nais ale­mães, fran­ce­ses e ita­li­a­nos. Quan­do re­gres­sou a Por­tu­gal tra­ba­lhou pa­ra os mais im­por­tan­tes ór­gãos da Im­pren­sa Por­tu­gue­sa, en­tre os quais o jor­nal O Sé­cu­lo, ou o Co­mér­cio do Por­to Ilus­tra­do.

Ju­lião Fé­lix Ma­cha­do, pa­ra além de ca­ri­ca­tu­ris­ta e ilus­tra­dor, foi igual­men­te ce­nó­gra­fo, jor­na­lis­ta e dra­ma­tur­go. Fa­le­ceu a 1 de Se­tem­bro de 1930.

O pri­mei­ro jor­nal an­go­la­no (Bo­le­tim O ici­al) nas­ceu em Se­tem­bro de 1845 e qua­tro anos de­pois, em 1849, o po­e­ta ben­gue­len­se Jo­sé da Sil­va Maia Fer­rei­ra pu­bli­cou o li­vro Es­pon­ta­nei­da­des da Mi­nha Al­ma­com o su­ges­ti­vo sub­tí­tu­lo Às Se­nho­ras Afri­ca­nas. Em ro­da­pé a mar­ca im­por­tan­te: Lo­an­da Im­pren­sa do Go­ver­no 1949. A Im­pren­sa Na­ci­o­nal tem a sua mar­ca in­de­lé­vel no pri­mei­ro li­vro de po­e­mas pu­bli­ca­da em Áfri­ca, es­cri­to por um an­go­la­no. O seu con­tri­bu­to pa­ra a Cul­tu­ra Angolana é ines­ti­má­vel.

Má­qui­na ti­po­grá­fi­ca de 1949

Ju­lião Fé­lix Ma­cha­do

Cai­xa ti­po­grá­fi­ca com pe­ças mó­veis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.