PROJECTO OLONGOMBE MBE EX­PÕE EM LUANDA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA -

En­cer­rou, dia 1 de Se­tem­bro, no CA­MÕES, Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, a Ex­po­si­ção Co­lec­ti­va Iti­ne­ran­te dos ar­tis­tas An­tó­nio Ole, An­tó­nio Gon­ga, Má­rio Ten­di­nha, Ma­son­gui Afon­so, Pau­lo Ama­ral, Pau­lo Kus­sy, sob a égi­de do projecto OLONGOMBE (os bois).

Seis con­sa­gra­dos ar­tis­tas plás­ti­cos an­go­la­nos jun­ta­ram- se em tor­no de uma ideia, da qual re­sul­tou um projecto ar­tís­ti­co a que de­ram o no­me de OLONGOMBE ( ma­na­da de ga­do em um­bun­do), con­cre­ti­za­do nu­ma ex­po­si­ção co­lec­ti­va e iti­ne­ran­te que reu­ni­rá obras de pin­tu­ra, de­se­nho, es­cul­tu­ra e ins­ta­la­ção, uni­das pe­la te­má­ti­ca co­mum em tor­no do “Ga­do”, nu­ma ho­me­na­gem aos po­vos pas­to­ris do Sul de Angola.

Ao evo­car as co­mu­ni­da­des pas­to­ris do Sul de Angola, de que os Ku­va­le são pa­ra­dig­ma, OLONGOMBE re­me­te- nos, in­con­tor­na­vel­men­te pa­ra a obra do es­cri­tor, his­to­ri­a­dor, an­tro­pó­lo­go e po­e­ta an­go­la­no Ruy Du­ar­te de Car­va­lho, a quem os seis ar­tis­tas tam­bém pre­ten­dem ho­me­na­ge­ar com es­te tra­ba­lho.

O projecto OLONGOMBE de­sen­vol­ve os tra­ba­lhos ar­tís­ti­cos em tor­no do GA­DO, igu­ra cen­tral e ri­que­za mai­or dos po­vos Ku­va­le, tão bem des­cri­to por Ruy Du­ar­te de Car­va­lho na sua obra “Vou lá vi­si­tar pas­to­res”, que trans­for­ma em po­e­sia “me­mó­ri­as his­tó­ri­cas, mi­gra­ções, pas­ta­gens, so­los, cli­mas, per­cur­sos mi­le­na­res, ru­mos tra­ça­dos por ge­ra­ções, há mui­to ex­tin­tas, le­ga­dos e des­ti­nos, num quo­ti­di­a­no ani­ma­do pe­la ur­gên­cia vi­ril das tran­su­mân­ci­as”.

OLONGOMBE re­cor­da a im­por­tân­cia des­te mo­do de ex­plo­ra­ção ani­mal, fun­da­do na mo­bi­li­da­de/cir­cu­la­ção do ga­do. Um equi­lí­brio en­tre pas­tos, água, ma­na­da, for­ça de tra­ba­lho e con­su­mo. To­da uma eco­no­mia a gra­vi­tar à vol­ta do ga­do. Da pai­sa­gem ao con­su­mo do lei­te. A car­ne do ga­do con­su­mi­da de for­ma mais res­tri­ti­va e com­ple­men­tar, nos ca­sos de mor­te na­tu­ral do ga­do, por do­en­ça, por aci­den­te ou de aba­te ri­tu­al pa­ra cul­tos e sa­cri­fí­ci­os. “Ca­da re­gião, ca­da mús­cu­lo, ca­da mem­bra­na, ca­da tri­pa e ca­da os­so do boi tem no­me, tem sig­ni­fi­ca­do, tem des­ti­no e es­tá li­ga­do a al­gu­ma fun­ção ri­tu­al”.

Seis ar­tis­tas de ge­ra­ções di­fe­ren­tes, oriun­dos de lu­ga­res di­fe­ren­tes do país, com per­cur­sos ar­tís­ti­cos, ex­pe­ri­ên­ci­as e his­tó­ri­as de vi­da di­fe­ren­tes, em­bar­ca­ram na aven­tu­ra OLONGOMBE re­cons­truí­ram os ca­mi­nhos per­di­dos da tran­su­mân­cia. Pri­mei­ro em Mo­çâ­me­des, de­pois no Lu­ban­go, a se­guir em Ben­gue­la. Fi­nal­men­te, o projecto OLONGOMBE che­ga a Luanda, on­de en­cer­rou es­ta vi­a­gem no CA­MÕES.

Crâ­neo de boi pin­ta­do

Es­quer­da: Má­rio Ten­di­nha, Mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Di­rec­to­ra do Ca­mões, Pau­lo Kus­sy e Pau­lo Ama­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.