A DI­VI­SÃO DA FRON­TEI­RA AN­GO­LA CON­GO-KINSHASA

CON­FE­RÊN­CIA DE BER­LIM

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - JOÃO MAVINGA | MBAN­ZA CON­GO

A fron­tei­ra do Lu­vo, ao in­vés do li­mi­te ini­ci­al acor­da­do na Con­fe­rên­cia de Ber­lim em 1885, que se si­tu­a­va em Ma­ta­di, so­freu um re­cuo até ao rio Bui­la.

“Pe­la trai­ção dos mis­si­o­ná­ri­os, o rei do Con­go, Ntó­te­la, di­ci­diu en­cer­rar as mis­sões ca­tó­li­cas e pro­tes­tan­tes du­ran­te um sé­cu­lo”

A fron­tei­ra do Lu­vo, an­tes da re­a­li­za­ção da Con­fe­rên­cia de Ber­lim em 1885, ti­nha os mar­cos his­tó­ri­cos que di­ta­vam a di­vi­são da RDC com An­go­la, ixas na ci­da­de por­tuá­ria de Ma­ta­di, con­cre­ta­men­te, no tra­ça­do ma­rí­ti­mo do rio Zai­re.

Re­za his­tó­ria que a ci­da­de con­go­le­sa de Ma­ta­di, an­tes, per­ten­cia a An­go­la. A Con­fe­rên­cia de Ber­lim é o fó­rum pe­lo qual o ci­da­dão Bel­ga iden­ti ica­do por Stan­ley anun­ci­ou, o ici­al­men­te, a per­so­na­gem que des­co­briu a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e por An­go­la, o por­tu­guês Di­o­go Cão que fez his­tó­ria da des­co­ber­ta do país atra­vés da foz do rio Zai­re em 1482.

Os re­la­tos do his­to­ri­a­dor Pe­dro Matos ex­pres­sam o no­me de Nkum­ba Un­gu­di, co­mo an­ti­ga de­sig­na­ção de Mban­za Con­go. Na al­tu­ra, hou­ve cho­ques en­tre a Igre­ja Ca­tó­li­ca e a Pro­tes­tan­te. Tu­do por­que o an­ti­go rei do Con­go, co­nhe­ci­do por Ntó­te­la e bap­ti­za­do por D. Ál­va­ro, era anal­fa­be­to.

“Não sa­bia ler nem es­cre­ver” ex­pli­cou Pe­dro Matos, pa­ra quem o rei de­le­ga­va po­de­res na épo­ca pa­ra o pa­dre ca­pu­chi­nho D. Bar­ro­so as­su­mir os tra­ba­lhos ad­mi­nis­tra­ti­vos com a ela­bo­ra­ção de do­cu­men­tos o ici­ais em no­me do rei. Ven­do ta­ma­nha en­vol­vên­cia do te­ma ao rei, D. Bar­ro­so de­ci­diu por con­ta e ris­co, re­di­gir um do­cu­men­to, que de inia a si­na­li­za­ção da di­vi­são fron­tei­ri­ça com a RDC.

O do­cu­men­to, foi re­di­gi­do pe­lo Pa­dre ca­pu­chi­nho à re­ve­lia, is­to é, sem o co­nhe­ci­men­to do rei do Con­go, D. Ál­va­ro, que tam­bém não do­mi­na­va o te­or ver­da­dei­ro da car­ta. O Pa­dre ca­pu­chi­nho, ao ler o con­teú­do plas­ma­do na car­ta ao rei do Con­go, fê-lo de for­ma en­ga­no­sa ao che­fe má­xi­mo do rei­na­do, jus­ti ican­do com pa­la­vras, me­ra­men­te, de es­trei­ta­men­to de re­la­ções en­tre Bel­gas e Mban­za Con­go, o que era fal­so.

O pa­dre Ca­pu­chi­nho, que as­su­mia o pa­pel de por­ta-voz, usou es­tra­té­gi­as pa­ra con­ven­cer o rei do Con­go a acei­tar, co­mo sen­do o ici­al o do­cu­men­to que ela­bo­rou pa­ra ser apre­sen­ta­do na con­fe­rên­cia de Ber­lim, on­de es­ta­vam pre­sen­tes to­dos os con­sig­na­tá­ri­os do pro­ces­so da di­vi­são das fron­tei­ras co­mo se dos­si­er do con li­to dos Gran­des La­gos se tra­tas­se.

“Apre­sen­ta­da a car­ta fal­sa os par­ti­ci­pan­tes na Con­fe­rên­cia, não ize­ram ou­tra coi­sa se­não apro­var por una­ni­mi­da­de o do­cu­men­to do pa­dre, cu­jo te­or, na ver­da­de, não era do do­mí­nio do rei Ntó­te­la, per­so­na­gem que ti­nha voz au­to­ri­za­da pa­ra a re­so­lu­ção de qual­quer pro­ble­ma na­que­la épo­ca” ex­pli­cou o his­to­ri­a­dor Pe­dro Matos.

Aper­ce­ben­do-se da ac­ti­tu­de mal­va­da, o rei do Con­go, D. Ál­va­ro, e o seu con­se­lhei­ro fi­ca­ram en­fu­re­ci­dos com o com­por­ta­men­to do pa­dre ca­pu­chi­nho Bar­ro­so.

“O con­fli­to en­tre ca­tó­li­cos e pro­tes­tan­tes de­veu- se à trai­ção pro­ta­go­ni­za­da pe­lo ca­pu­chi­nho D. Bar­ro­so que ela­bo­rou um do­cu­men­to à re­ve­lia, co­mo de au­to­ria de rei do Con­go se tra­tas­se, que de­fi­niu du­ran­te a con­fe­rên­cia de Ber­lim, os li­mi­tes fron­tei­ri­ços que se­pa­ra­ram Con­go de An­go­la até ho­je, num pro­ces­so ori­en­ta­do por Bel­gas e por­tu­gue­ses” con­ta a nos­sa fon­te.

Co­mo me­di­da con­tra a trai­ção do pa­dre ca­pu­chi­nho Bar­ro­so, o rei do Con­go, Ntó­te­la, or­de­nou o en­cer­ra­men­to ime­di­a­to das mis­sões ca­tó­li­cas e pro­tes­tan­tes, uma punição que du­rou cer­ca de um sé­cu­lo.

Con­fe­rên­cia de Ber­lim

As­sim, co­mo era pla­no se­cre­to plas­ma­do na car­ta do pa­dre ca­pu­chi­nho, os por­tu­gue­ses fi­xa­ram es­ta­cas de madeira nos li­mi­tes acor­da­dos ao pas­so que os Bel­gas pro­du­zi­ram pi­la­res de ci­men­to e fer­ro que fi­xa­ram nos lo­cais in­di­ca­dos. Co­mo um azar nun­ca vem só, na épo­ca das quei­ma­das de la­vras, as ma­dei­ras que de­li­mi­ta­vam a RDC com An­go­la de­sa­pa­re­ce­ram pu­ra e sim­ples­men­te, en­quan­to os pi­la­res da RDC per­ma­ne- cem até ho­je. Por es­ta ra­zão, tal co­mo alu­diu o nos­so en­tre­vis­ta­do, a fron­tei­ra do Lu­vo, ao in­vés de es­tar no li­mi­te ini­ci­al acor­da­do na Con­fe­rên­cia de Ber­lim em 1885, que se si­tu­a­va em Ma­ta­di, na li­nha di­vi­só­ria do rio Zai­re, so­freu um re­cuo de gran­de dis­tan­ci­a­men­to a par­tir de Ma­ta­di até ao rio Bui­la, en­tre a lo­ca­li­da­de do Qui­ló­me­tro cin­co e PETECE.

“A gran­de ques­tão é que os bel­gas co­bi­ça­vam Ma­ta­di, de­vi­do à pre­sen­ça do mar e do por­to in­ter­na­ci­o­nal que o Con­go não ti­nha na épo­ca” re­fe­riu Pe­dro Matos que, de se­gui­da, fa­lou da uni­da­de que exis­tia en­tre a pro­vín­cia do Zai­re e a re­gião do Bai­xo Con­go, em con­for­mi­da­de aos usos e cos­tu­mes co­muns e os ca­sa­men­tos en­tre os po­vos.

Con­vi­vên­cia so­ci­al

An­tes da Con­fe­rên­cia de Ber­lim, a cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens de um la­do pa­ra o ou­tro, era fei­ta de for­ma re­gu­lar, sem qual­quer dis­tin­ção e con­tro­lo en­tre os dois po­vos, pois o co­lo­no, quan­do en­trou no Zai­re, en­con­trou em Mban­za Con­go um Es­ta­do bem or­ga­ni­za­do tan­to a ní­vel das igre­jas co­mo no rei­na­do do rei Ntó­te­la.

“An­tes da Con­fe­rên­cia de Ber­lim os po­vos do Con­go e de Mban­za Con­go, vi­si­ta­vam-se e fa­la­vam a mes­ma lín­gua, o ki­kon­go, ca­sa­vam-se e eram li­vres” dis­se, pe­remp­to­ri­a­men­te, o his­to­ri­a­dor à nos­sa re­por­ta­gem. Com a per­da da re­gião de Ma­ta­di, as au­to­ri­da­des bel­gas, na in­ten­ção de nor­ma­li­zar as re­la­ções de co­o­pe­ra­ção be­lis­ca­das na al­tu­ra e com­pen­sar os por­tu­gue­ses, en­fu­re­ci­dos pe­la trai­ção do pa­dre ca­pu­chi­nho, de­ci­di­ram en­tre­gar a re­gião di­a­man­tí­fe­ra das Lun­das, pa­ra per­ten­cer a An­go­la. “As Lun­das per­ten­ci­am à RDC” dis­se.

Após do de­sa­pa­re­ci­men­to dos mar­cos his­tó­ri­cos da fron­tei­ra, o ser­vi­ço de imi­gra­ção con­go­lês es­ta­va lo­ca­li­za­do na re­gião de Son­go­lo­lo, a 20 qui­ló­me­tros do ac­tu­al pos­to do Lu­vo. Re­za a his­tó­ria, o li­mi­te fron­tei­ri­ço da RDC, em 1962, após das es­ca­ra­mu­ças da an­ti­ga gu­er­ra co­lo­ni­al, en­cos­tou à ac­tu­al zo­na de PETECE, on­de es­tá até ho­je.

“O li­mi­te de PETECE não é o ici­al, é ile­gal, por­que as du­as pon­tes en­tre Lu­vo e Ma­lan­ga, an­tes, per­ten­ci­am An­go­la. On­de es­tá o mer­ca­do do Con­go, an­tes era ter­re­no neu­tro. A al­te­ra­ção sur­giu des­de 1962 até à da­ta pre­sen­te” dis­se Pe­dro Matos.

Quan­do a po­pu­la­ção do Zai­re, Ben­go e Uí­ge fu­gia pa­ra o an­ti­go Con­go Le­o­pold­vil­le, os por­tu­gue­ses, em per­se­gui­ção, che­ga­vam até à via prin­ci­pal do Con­go na zo­na do qui­ló­me­tro cin­co, on­de se es­ta­be­le­cem as di­rec­ções a Ma­ta­di e à ca­pi­tal Kinshasa.

De­pois da In­de­pen­dên­cia

Um ano de­pois da pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, em 1976, o go­ver­no ins­ta­lou-se na fron­tei­ra do Lu­vo, on­de co­lo­cou um ba­ta­lhão de mi­li­ta­res de guar­da fron­tei­ra, pa­ra pre­ve­nir no­vas vi­o­la­ções de fron­tei­ra. De 1976 a 1986 a fron­tei­ra icou fe­cha­da, por ques­tões de se­gu­ran­ça. A úni­ca via uti­li­za­da pa­ra as vi­si­tas de fa­mí­li­as de am­bos os la­dos si­tu­a­va-se no mu­ni­cí­pio fron­tei­ri­ço do Nó­qui.

Me­ses de­pois do blo­queio que du­rou 20 anos, o go­ver­no an­go­la­no ne­go­ci­ou com a sua con­gé­ne­re do Con­go-Kinshasa, pa­ra a re­a­ber­tu­ra da fron­tei­ra do Lu­vo. Pe­la par­te an­go­la­na o acor­do foi as­si­na­do pe­lo co­mis­sá­rio Kum­bi die Za­bo e pe­la par­te do Con­go o go­ver­na­dor do bai­xo Con­go Nzu­zi wa Mbom­bo, fru­to da des­lo­ca­ção a Kinshasa do en­tão pre­si­den­te Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to.

No dia 23 de Agos­to de 1986, o acor­do da re­a­ber­tu­ra da fron­tei­ra do Lu­vo foi al­can­ça­do, cu­jo mer­ca­do trans­fron­tei­ri­ço na al­tu­ra foi ori­en­ta­do pa­ra a efec­ti­va­ção de tran­sac­ções co­mer­ci­ais à ba­se de per­mu­tas. “Te­nho lei­te Ni­do, re­ce­bo uma gra­de de cer­ve­ja do Con­go” dis­se.

As re­la­ções fo­ram evo­luin­do des­de 1977 até à da­ta pre­sen­te e já pas­sa­ram na ad­mi­nis­tra­ção do Lu­vo qual­quer coi­sa co­mo 10 con­su­la­dos ( ad­mi­nis­tra­do­res e dois ad­jun­tos). An­tes da in­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, Lu­vo era co­nhe­ci­do co­mo pos­to de Nkos­sa. Mas ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te, Lu­vo já con­gre­ga­va os ser­vi­ços de imi­gra­ção.

A fron­tei­ra aco­lhe mais de 50 mil pes­so­as por se­ma­na

JOÃO MA­VIN­GA|LU­VO

Aca­dé­mi­co Pe­dro Ma­tos con­ta a his­tó­ria do Lu­vo

En­chen­te no dia do mer­ca­do do Lu­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.