ELEUTÉRIO SANCHES DEU UM CON­TRI­BU­TO IN­DIS­PEN­SÁ­VEL AO DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO CUL­TU­RAL DE AN­GO­LA

Jornal Cultura - - ARTES -

Par­ti­ci­pou em vá­ri­as ex­po­si­ções co­lec­ti­vas, em Lu­an­da e no mun­do. Fez Teatro Ra­di­o­fó­ni­co na an­ti­ga Emis­so­ra Ofi­ci­al.

Em 1962 in­gres­sou na ESBAL e faz a li­cen­ci­a­tu­ra em Pin­tu­ra na Es­co­la Su­pe­ri­or de Be­las Ar­tes de Lis­boa. Du­ran­te 10 anos exer­ceu o car­go de Mo­ni­tor de Pin­tu­ra no De­par­ta­men­to de Er­go­te­ra­pia do Hos­pi­tal Jú­lio de Ma­tos em Lis­boa.

Foi pro­fes­sor de Ar­tes Plás­ti­cas - Ofi­ci­na de Ar­tes no En­si­no Se­cun­dá­rio Ofi­ci­al. O seu no­me é ci­ta­do na En­ci­clo­pé­dia Lu­so- Bra­si­lei­ra de Cul­tu­ra "Ver­bo".

Eleutério Sanches te­ve um per­cur­so cul­tu­ral mui­to ac­ti­vo re­ve­lan­do sem­pre nos seus tra­ba­lhos uma for­te com­po­nen­te de na­ci­o­na­lis­mo, ten­do pro­du­zi­do vá­ri­as obras nas múl­ti­plas dis­ci­pli­nas ar­tís­ti­cas que do­mi­na­va, fa­zen­do exal­ta­ções à an­go­la­ni­da­de e no res­ga­te das tra­di­ções do nos­so po­vo.

Sanches que era tam­bém es­cul­tor, can­tor e po­e­ta, es­ta­va do­en­te nos úl­ti­mos tem­pos, pa­ra além das ar­tes, de­di­cou- se tam­bém à do­cên­cia uni­ver­si­tá­ria por mais de 40 anos.

O ar­tis­ta foi um dos ex­po­en­tes má­xi­mos das ar­tes plás­ti­cas, fru­to da sua de­di­ca­ção e en­tre­ga a es­se o ício. Aliás, em 2004, o ex-mi­nis­tro da Cul­tu­ra Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so ti­nha enal­te­ci­do os fei­tos des­te gran­de pin­tor que par­te pa­ra a eter­ni­da­de.

Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so fez es­te re­co­nhe­ci­men­to no Sa­lão In­ter­na­ci­o­nal de Ex­po­si­ções do Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral, por oca­sião da aber­tu­ra da mos- tra de 106 pin­tu­ras de­no­mi­na­da “Ci­clos”, do lan­ça­men­to do Li­vro “Uni­ver­so Trans­ver­so” e do dis­co do re­fe­ri­do ar­tis­ta plás­ti­co.

Se­gun­do Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so, Eleutério Sanches era “um pin­tor com gran­de ca­pa­ci­da­de in­ven­ti­va que deu um con­tri­bu­to in­dis­pen­sá­vel ao de­sen­vol­vi­men­to­cul­tu­ral de An­go­la”.

À se­me­lhan­ça do tam­bém ar­tis­ta an­go­la­no já fa­le­ci­do há mais de dez anos, Vic­tor Tei­xei­ra (Vi­tex), Sanches dei­xa mar­cas in­de­lé­veis nas ar­tes plás­ti­cas em An­go­la e em Por­tu­gal, país em que vi­veu nos úl­ti­mos anos.

Em Ju­lho de 2015, em Lu­an­da, Eleutério Sanches expôs na Ga­le­ria de Ar­tes do Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês a mos­tra de pin­tu­ra, de­se­nho e se­ri­gra ia com o tí­tu­lo “Elogio da Ma­té­ria”.

A ex­po­si­ção con­tem­pla­va 29 obras en­tre pin­tu­ra nas mo­da­li­da­des já re­fe­ren­ci­a­das, ilus­tran­do o seu per il mul­ti­fa­ce­ta­do e os vá­ri­os ci­clos em que di­vi­diu e sis­te­ma­ti­zou gran­de par­te do seu tra­ba­lho.

PER­DA IR­RE­PA­RÁ­VEL

O se­cre­tá­rio-ge­ral da União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas Plás­ti­cas (UNAP), An­tó­nio Tomás Ana (Eto­na), em de­cla­ra­ções a O PAÍS, la­men­tou a mor­te do ar­tis­ta, su­bli­nhan­do que foi um ho­mem de “di­men­são ar­tís­ti­ca e hu­ma­na mui­to gran­de”. Re­cor­dou que Eleutério Sanches foi um dos fun­da­do­res da UNAP, ape­sar de vi­ver fo­ra de An­go­la, es­te­ve sem­pre li­ga­do à clas­se, tan­to nos bons co­mo nos maus mo­men­tos des­ta agre­mi­a­ção ar­tís­ti­ca.

Eleutério e sua ir­mã Lily Tchium­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.