ZIZI EX­PÕE “NGUIMBI” LU­AN­DA, LUANDO, LUAR, LUNAR

Jornal Cultura - - ARTES - MA­TA­DI MAKOLA

Aber­ta em Lu­an­da no pas­sa­do dia 8 na Ga­le­ria ELA, “Nguimbi” é uma con­tri­bui­ção, co­mo clas­si­fi­ca a ar­tis­ta, de mais de 15 obras que bi­o­gra­fam a ci­da­de de Lu­an­da. Tem no tra­ce­ja­do e na com­po­si­ção pic­tó­ri­ca uma re­le­van­te dis­tân­cia com os seus dois tra­ba­lhos an­te­ri­o­res, Retrospectiva do in- ma­gi­ná­rio Ie II, em que de­nun­cia um mis­to de ten­dên­ci­as das su­as ex­pe­ri­ên­ci­as na Eu­ro­pa com as su­as ori­gens afri­ca­nas, dan­do va­zão a obras acen­tu­a­da­men­te sub­jec­ti­vis­tas.

Em “Nguimbi, tal­vez por se tra­tar de um tra­ba­lho te­má­ti­co, o re­sul­ta­do é cla­ri­vi­den­te e ho­mo­gé­neo. Mis­tu­ra, óleo e acrí­li­co so­bre te­la são as téc­ni­cas usa­das pe­la ar­tis­ta pa­ra a com­po­si­ção des­tes tra­ba­lhos que du­ra­ram me­nos de dois anos a se­rem con­cluí­dos.

No seu olhar de ar­tis­ta, os cor­pos são a ci­da­de. As pes­so­as ter­mi­nam os pré­di­os, e es­tes são ex­ten­sões das pes­so­as, sem pos­sí­vel li­nha de li­mi­te en­tre as du­as en­ti­da­des. Mas es­ta se­nho­ra Lu­an­da que di­a­ri­a­men­te vi­ven­cia- mo­sé tra­zi­da num azul in­sis­ten­te, tal­vez o azul do seu mar à vol­ta, es­ten­di­do co­mo um luando on­de se re lec­te a lua e os seus ha­bi­tan­tes pes­cam so­nhos lu­na­res. Mas tam­bém dá-nos, nas co­res e tra­ce­ja­dos, a can­du­ra de uma cri­an­ça a sor­rir ou a cho­rar.

Em “Nguimbi”, pe­la for­ma co­mo cons­trói as ima­gens, es­tão em evi­dên­ci­as asin luên­ci­as­que Zizi so­fre do cu­bis­mo, mas misturado com mui­to do tra­ço de Ma­lan­ga­ta­na. Des­te ar­tis­ta, Zizi diz: “Con­si­de­ro um ar­tis­ta ine­vi­tá­vel den­tro da mi­nha obra”, co­mo se fos­se qua­se es­pon­tâ­nea a for­ma co­mo a sua cri­a­ção di­a­lo­ga com a de Ma­lan­ga­ta­na. Mas tam­bém é um mis­to de vá­ri­as in luên­ci­as de ar­tis­tas da Lín­gua Por­tu­gue­sa que foi abar­can­do den­tro e fo­ra de Áfri­ca, co­mo se po­de es­ta­be­le­cer diá­lo­go com a es­té­ti­ca do mo­vi­men­to mo­der­nis­ta de ar­tis­tas plás­ti­cos bra­si­lei­ros.

Co­mo sur­giu a ex­po­si­ção? Diz-nos que foi de um con­vi­te da par­te da pro­du­ção, de Adri­a­no Maia, que abra­çou a ideia de pin­tar a nguimbi (Lu­an­da), à pro­cu­ra de uma pro­pos­ta e ex­pe­ri­ên­cia es­té­ti­ca que nos le­vas­se não só a um olhar re le­xi­vo so­bre a pró­pria ci­da­de mas tam­bém a des­co­brir e cri­ar no­vas for­mas de en­ca­rar o te­ci­do da ci­da­de. “Foi rá­pi­da, in­fe­liz­men­te. Foi em tem­po record”, re­al­ça. Mas o re­sul­ta­do es­tá lon­ge de ser in­fe­liz, e o mis­té­rio da cri­a­ção tem dis­so. Ela pró­pria não es­con­de que tam­bém se ad­mi­ra com o re­sul­ta­do. Qu­e­ria um te­ma que es­ti­ves­se à mão e que a de­sa ias­se. Quis fa­ze-lo rá­pi­do. Re­fa­zer o que tem in­te­ri­o­ri­za­do to­dos os di­as quan­do sai à rua. Foi uma cri­a­ção au­to­má­ti­ca, mas que exi­giu um va­gar cons­tan­te en­tre as ru­as pren­da­das e me­nos pren­da­das da ci­da­de, e tam­bém uma pin­tu­ra do gri­to já rou­co da zun­guei­ra, ou de to­da a me­tá­fo­ra ima­gé­ti­ca que a chu­va cau­sa quan­do in­va­de o mus­se­que e sai à to­na to­dos os pa­ra­do­xos pos­sí­veis da mo­der­ni­da­de.

_________________________

de ZIZI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.