NA­TAL RA­ZÃO DE FÉ OU FE­RI­A­DO CO­MER­CI­AL?

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - MÁ­RIO ARAÚ­JO

Des­de tem­pos ime­mo­ri­ais que o Na­tal é ce­le­bra­do co­mo ani­ver­sá­rio de Je­sus Cris­to, o pro­fe­ta mai­or, pois trou­xe a paz en­tre os homens; o re­co­nhe­ci­men­to do bem e do mal por aque­les que ado­ra­vam deu­ses, co­bra­vam im­pos­tos in­jus­tos e mal­tra­ta­vam es­cra­vos, mos­tran­do-lhes que to­dos so­mos iguais di­an­te de Deus. Na Mo­der­ni­da­de, vem-se cons­ta­tan­do que o con­su­mis­mo exa­cer­ba­do tem ofus­ca­do a ori­gi­nal es­sên­cia do Na­tal que, tra­di­ci­o­nal­men­te, se con­subs­tan­ci­a­va na frui­ção da har­mo­nia fa­mi­li­ar e na pro­mo­ção do afec­to aos mais ne­ces­si­ta­dos.

Des­co­nhe­ce- se o dia exac­to do nas­ci­men­to de Je­sus. Por is­so, na An­ti­gui­da­de, o Na­tal era ce­le­bra­do em da­tas dis­se­me­lhan­tes. En­tre­tan­to, no sé­cu­lo IV, o 25 de De­zem­bro foi es­ta­tuí­do co­mo da­ta ofi­ci­al de festejo. Pa­ra es­ta ofi­ci­a­li­za­ção, te­rá con­tri­buí­do o fac­to de, na Ro­ma An­ti­ga, o 25 de De­zem­bro ser o dia em que os ro­ma­nos ce­le­bra­vam o iní­cio da es­ta­ção de In­ver­no. As­sim, crê­se exis­tir uma re­la­ção ló­gi­ca en­tre es­te acon­te­ci­men­to sa­zo­nal e a ins­ti­tui­ção do Na­tal nes­se dia.

Des­de tem­pos ime­mo­ri­ais que o Na­tal é ce­le­bra­do co­mo ani­ver­sá­rio de-Je­sus Cris­to, o pro­fe­ta mai­or, pois trou­xe a paz en­tre os homens; o re­co­nhe­ci­men­to do bem e do mal por aque­les que ado­ra­vam deu­ses, co­bra­vam im­pos­tos in­jus­tos e mal­tra­ta­vam es­cra­vos, mos­tran­do-lhes que to­dos so­mos iguais di­an­te de Deus.

Na Mo­der­ni­da­de, vem- se cons­ta­tan­do que o con­su­mis­mo exa­cer­ba­do tem ofus­ca­do a ori­gi­nal es­sên­cia do Na­tal que, tra­di­ci­o­nal­men­te, se con­subs­tan­ci­a­va na frui­ção da har­mo­nia fa­mi­li­ar e na pro­mo­ção do afec­to aos mais ne­ces­si­ta­dos.

Con­co­mi­tan­te­men­te, as fa­mí­li­as vão ten­do me­nos dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra a con­fra­ter­ni­za­ção; ra­ra­men­te se ob­ser­va a mon­ta­gem do pre­sé­pio; as pes­so­as já pou­co se in­te­res­sam pe­la Mis­sa do Ga­lo ou por ou­tras ini­ci­a­ti­vas pa­ro­qui­ais. Além dis­so, com a ve­ri icá­vel de­ses­tru­tu­ra­ção das fa­mí­li­as, em mui­tas ca­sas o Na­tal não é co­me­mo­ra­do, o que con­tri­bui pa­ra a per­da do seu sen­ti­do ge­nuí­no, uma vez que os seus mem­bros se en­con­tram dis­tan­ci­a­dos, mui­tos acre­di­tan­do mais no fei­ti­cis­mo e me­nos na pre­sen­ça de Deus e do seu Fi­lho Je­sus Cris­to!

Acres­cem a es­sa anor­ma­li­da­de os da­dos es­ta­tís­ti­cos que re­ve­lam que, no pe­río­do na­ta­lí­cio, o ín­di­ce de cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta dis­pa­ra. Ora, as pes­so­as cu­jos pa­ren­tes fa­le­cem por mo­ti­vos as­sas­si­nos vêm per­den­do a von­ta­de pa­ra a co­me­mo­ra­ção da qua­dra.

Re­cen­te­men­te, o Pa­pa Fran­cis­co afir­mou al­go mui­to pró­xi­mo dis­to: « O Na­tal vai per­den­do a sua ver­da­dei­ra sig­ni­fi­ca­ção, nes­te mun­do de con­su­mis­mo e de vi­o­lên­cia. »

Na ver­da­de, a glo­ba­li­za­ção vem es­va­zi­an­do o sig­ni ica­do sim­bó­li­co do nas­ci­men­to de Je­sus. Mui­tas pes­so­as ce­le­bram a épo­ca na­ta­lí­cia, mas pou­cas co­me­mo­ra­ram o ani­ver­sa­ri­an­te! O 25 de De­zem­bro é ti­do co­mo um fe­ri­a­do mais lai­co do que re­li­gi­o­so, fe­ri­do pe­la com­po­nen­te co­mer­ci­al!

Na era da nos­sa in­fân­cia, o Na­tal im­pu­nha-se co­mo uma oca­sião pa­ra a ora­ção e glo­ri ica­ção da­que­le que nas­ceu pa­ra aben­ço­ar e sal­var a hu­ma­ni­da­de do pe­ca­do. Ho­je, vêem-se anún­ci­os de idei­as pa­ra de­co­ra­ções e pre­sen­tes, mas nun­ca o mo­ti­vo que le­gi­ti­ma es­sas idei­as: ce­le­bra-se, tro­cam-se pre­sen­tes, mas pou­cos agra­de­cem o mo­ti­vo re­li­gi­o­so da co­me­mo­ra­ção. As­sim, é co­mo par­ti­ci­par­mos du­ma fes­ta ape­nas pa­ra apa­re­cer­mos bo­ni­tos, co­nhe­cer­mos gen­te no­va, co­mer­mos, be­ber­mos e di­ver­tir­mo-nos, mas sem nos im­por­tar­mos com o an itrião des­se mes­mo fes­tim…

Nes­te ca­pí­tu­lo, cer­tas mar­cas em­pre­sa­ri­ais, pa­ra pu­bli­ci­tar pro­du­tos con­su­mí­veis, so­cor­rem-se à es­tra­té­gia de mar­ke­ting da in­ven­ção da Mãe Na­tal, re­du­zin­do-lhe o ves­tuá­rio pa­ra evi­den­ci­ar os en­can­tos dos atri­bu­tos ísi­cos!Acre­di­ta­mos ser es­te mo­do de es­tar na vi­da que con­duz à pa­ga­ni­za­ção das so­ci­e­da­des. Efec­ti­va­men­te, es­sa pa­ga­ni­za­ção dis­se­mi­na o pen­sa­men­to de que a quan­ti­da­de e a ca­res­tia de pre­sen­tes que ofer­ta­mos ou re­ce­be­mos e a far­tu­ra em nos­sa me­sa são o mais im­por­tan­te, des­cu­ran­do a dis­po­ni­bi­li­za­ção de tem­po pa­ra con­vi­ver­mos com os fa­mi­li­a­res com quem es­ta­mos me­nos ve­zes du­ran­te o ano.

Con­tra­ri­a­men­te, a qua­dra na­ta­lí­cia de­ve pro­por­ci­o­nar uma re le­xão so­bre o que de po­si­ti­vo e ne­ga­ti­vo foi acon­te­cen­do no seio fa­mi­li­ar, pers­pec­ti­van­do o ano se­quen­te. De­ve ser­vir tam­bém pa­ra aper­fei­ço­ar­mos os nos­sos pen­sa­men­tos e ati­tu­des, a im de per­do­ar­mos, abra­çar­mos e amar­mos o pró­xi­mo co­mo Je­sus nos amou, ou, pe­lo me­nos, co­mo a nós pró­pri­os!

Dou­tra for­ma, ica mui­to di ícil acre­di­tar na ma­gia na­ta­lí­cia, quan­do, du­ran­te to­do o ano, não con­se­gui­mos ter um ges­to de ca­ri­nho, de gra­ti­dão, de amor ao pró­xi­mo, es­pe­ran­do so­men­te pe­la qua­dra na­ta­lí­cia pa­ra as­sim pro­ce­der­mos!

É ina­diá­vel que ca­da um de nós, bem co­mo as ins­ti­tui­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas co­mo o Mi­nis­té­rio da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça e o Mi­nis­té­rio da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al, pro­mo­va­mos ini­ci­a­ti­vas pa­ra res­ga­tar­mos os va­lo­res na­ta­lí­ci­os que se con­subs­tan­ci­am na pro­mo­ção do per­dão, da re­con­ci­li­a­ção e da ca­ri­da­de. Nes­te con­tex­to, é cru­ci­al o de­sem­pe­nho das igrejas pa­ra a mo­ra­li­za­ção das fa­mí­li­as, sen­do que a har­mo­ni­za­ção das mes­mas per­mi­ti­rá a re­cu­pe­ra­ção dos tra­di­ci­o­nais va­lo­res na­ta­lí­ci­os: ale­gria, paz e es­pe­ran­ça, pa­ra o bem e fe­li­ci­da­de de to­dos!

Só des­ta for­ma con­tra­ri­a­re­mos a ten­dên­cia la­ten­te e pu­jan­te de se con­si­de­rar o 25 de De­zem­bro co­mo uma fon­te de lu­cro pa­ra os mais ri­cos e de gas­tos su­pér­flu­os pa­ra os de­mais ci­da­dãos. Só vi­ven­do o Na­tal com o co­ra­ção cren­te e so­li­dá­rio se ob­tém a le­gi­ti­mi­da­de pa­ra afir­mar o que a mai­o­ria das pes­so­as apre­goa anu­al e le­vi­a­na­men­te: « O Na­tal é to­dos os di­as » ; « O Na­tal é sem­pre que o Ho­mem qui­ser!»

Vir­gem com o Me­ni­no, ar­te etío­pe, no Mu­seu Na­ci­o­nal da Etió­pia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.