“PÔR EM EVI­DÊN­CIA OS SINTOMSINTOMAS CO­MUNS DA CUL­TU­RA”

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - MA­TA­DI MAKOLA

A III Trienal de Lu­an­dau­an­da es­ten­der-est­se--á pe­lo ano de 2017 e te­rát mai­or abran­gên­cia na or­ga­ni­za­çã e ac­tu­a­ção,ac co­mom a pers­pec­ti­va de ser fo­ca­da pa­ra ou­trou­tra­sas ci­da­des do in­te­ri­or.in A Tri­e­na­li­e­nal po­de­rá­po­der ser, des­se mo­do, “um meio de pôr em evi­dên­cia os sin­to­mas­si­no co­munsc da cul­tu­ra, mes­mo com­ple­ta­men­te dif­di­fe­ren­tes do pon­too de vis­ta da sua ma­triz cul­tu­ral, quer na sua con­vi­vên­cia e es­pe­ci­fi­ci­da­des” afir­ma Fer­nan­do Al­vim, vi­ce-pre­si­den­te da Fun­da­ção Sin­di­ka Do­ko­lo

Va­len­do-se da sua con­cep­ção or­gâ­ni­ca, a III Trienal de Lu­an­da vol­tar a abrir as por­tas aos aman­tes da cul­tu­ra ain­da na pri­mei­ra quin­ze­na de Ja­nei­ro de 2017. Nes­ta en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao CUL­TU­RA, Fer­nan­do Al­vim, vi­ce-pre­si­den­te da Fun­da­ção Sin­di­ka Do­ko­lo, con ir­ma que se es­ten­de­rá por seis me­ses e que te­rá mai­or abran­gên­cia na or­ga­ni­za­ção e ac­tu­a­ção, co­mo a pers­pec­ti­va de ac­tu­ar em ci­da­des do in­te­ri­or, in­tro­du­zir-se nas co­mu­ni­da­des por via de pro­jec­tos gi­ra-bair­ro e tam­bém a re­a­li­za­ção, em Lu­an­da, de um fó­rum das ar­tes vi­su­ais.

Jor­nal CUL­TU­RA - É uma res­sa­ca da III Trienal?

Fer­nan­do Al­vim

- Não é bem res­sa­ca. Por res­sa­ca, é bem ver­da­de, po­de ser con­si­de­ra­da quan­do nós ul­tra­pas­sa­mos o li­mi­te e es­ta­mos res­sa­ca­dos de uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to for­te e que psí­qui­ca e isi­ca­men­te nos po­de ter al­te­ra­do. Ob­vi­a­men­te, há coi­sas po­si­ti­vas nes­tas al­te­ra­ções, por­que te­mos mais co­nhe­ci­men­tos e ex­pe­ri­ên­ci­as, de­pois te der­mos mais de 100 mil pes­so­as a vi­si­tar num es­pa­ço de um ano to­dos os programas. Não po­de dei­xar de ser um even­to que in­te­ra­giu não só com o pú­bli­co, mas tam­bém com mais de 2 mil ar­tis­tas. Foi mui­to in­te­res­san­te ter­mos fei­to uma trienal ex­ten­si­va e or­gâ­ni­ca, no sen­ti­do de po­der al­te­rar o cor­po, ci­da­de, pais, con­ti­nen­te ou mun­do. E in­vés de ser­mos uma trienal rí­gi­da, fo­mos uma trienal des­de sem­pre in­clu­si­va e, em si­mul­tâ­neo, abran­gen­te, se­guin­do as­sim um pa­râ­me­tro ba­si­lar da Fun­da­ção Sin­di­kaDo­ko­lo.

Por­que na al­tu­ra quan­do pen­sa­mos, com An­dré Min­gas, Sin­di­kaDo­ko­lo e par­cei­ros, foi jus­ta­men­te pa­ra es­ta­be­le­cer­mos uma pri­mei­ra tem­pe­ra­tu­ra cri­an­do um ci­clo de even­tos mais acen­tu­a­dos nas ar­tes vi­su­ais, pa­ra que pos­sa­mos en­tão iden­ti icar to­dos os pa­râ­me­tros ne­ces­sá­ri­os, me­lho­rar e per­mi­tir cri­ar uma for­ma es­tá­vel dos me­ca­nis­mos, es­pa­ços e lu­ga­res on­de os ar­tis­tas exer­çam o seu tra­ba­lho, não nu­ma ques­tão mu­se­o­ló­gi­ca mas sim nu­ma ques­tão de amos­tra. Acho que tu­do is­so, até ho­je, é o que tem si­do fei­to, não só al­te­ra a pró­pria fun­da­ção e trienal mas as pes­so­as que tra­ba­lham ne­la, por­que é uma du­ra­ção in­te­rac­ti­va.

JC- Co­mo icou ex­pres­so o le­ma da uto­pia à re­a­li­da­de nes­se um ano de ac­ti­vi­da­de?

FA-

Se dis­sés­se­mos an­tes da trienal ter co­me­ça­do que iría­mos fa­zer em 365 di­as mais de dois mil e qua­tro­cen­tos ar­tis­tas e mil e seis­cen­tos even­tos, cla­ro que iri­am con­si­de­rar utó­pi­co. Mes­mo quan­do acon­te­ceu o ZWA, mui­tos mú­si­cos vi­nham ter con­nos­co apre­en­si­vos por­que pen­sa­vam que não iria ser pos­sí­vel ter oi­to con­cer­tos diá­ri­os em cin­co di­as se­gui­dos, to­ta­li­zan­do qu­a­ren­ta con­cer­tos e gas­tos ava­li­a­dos em qu­a­ren­ta mi­lhões de kwan­zas. Quan­do se faz is­so, é por­que tí­nha­mos cer­te­za que sa­bía­mos fa­zer. Mui­ta gen­te não ti­nha re­pa­ra­do que to­da a equi­pa da Sin­di­kaDo­ko­lo an­da a fa­zer es­te exer­cí­cio há mais de dez anos, não só cá mas em Ve­ne­za, Ni­te­rói, Por­to, Baía. E se es­te ano foi as­sim, ima­gi­nem da­qui a dez anos. Es­ta é a pri­mei­ra no­ta. A se­gun­da, que é on­de ela se ins­pi­ra, é a his­tó­ri­ca, daí a re­le­vân­cia da fra­se “da es­cra­va­tu­ra ao apartheid”. A mes­ma ci­vi­li­za­ção que era uma con­fe­de­ra­ção de rei­na­dos, é le­va­da co­mo es­cra­va pa­ra vá­ri­os lu­ga­res do mun­do. O que is­so im­pli­ca? A se­pa­ra­ção das fa­mí­li­as e al­te­ra­ção, in­clu­si­ve, da di­nâ­mi­ca des­tas so­ci­e­da­des. É uma tris­te­za pro­fun­da. E é es­ta mes­ma ci­vi­li­za­ção que aca­ba com o apartheid. Eu pen­so que a his­tó­ria de­ve ser nar­ra­da. E se não há quem a nar­re, a his­tó­ria im­põe-se.

JC- Faz par­te da sua vi­são de cu­ra­dor? FA-

Na mi­nha con­cep­ção de cu­ra­do­ria, por­que eu pre iro des­cons­truir es­sa pa­la­vra do que icar seu re­fém, en­tão pre iro uma cu­ra­do­ria or­gâ­ni­ca. Por­que a his­tó­ria é um fac­to, tem­po­ra­ri­a­men­te de me­mó­ria, ou po­de ser um fac­to ixo. Sem me­mó­ria não há his­tó­ria. E a cul­tu­ra é co­mo se fos­se o uni­ver­so, que en­glo­ba a nos­sa for­ma de ves­tir e pen­sar e to­da a nos­sa tra­jec­tó­ria pe­lo pla­ne­ta ter­ra. Não po­de­rá um trienal de lu­an­da ser uma trienal em Lu­an­da. Po­de­rá ser, pe­lo ca­rác­ter des­ta trienal, por aqui­lo que foi pen­sa­do, um meio de pôr em evi­dên­cia os sin­to­mas co­muns da cul­tu­ra, mes­mo com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes do pon­to de vis­ta da sua ma­triz cul­tu­ral, quer na sua con­vi­vên­cia e es­pe­ci ici­da­des. Não qui­se­mos dei­xar que acon­te­ces­se uma es­pé­cie de apartheid tem­po­ral, na dis- tin­ção en­tre os no­vos e os ve­lhos, cri­an­ças, os co­nhe­ci­dos e não co­nhe­ci­dos. Con­se­gui­mos fa­zer pre­va­le­cer, de uma for­ma ex­tre­ma­men­te har­mo­ni­o­sa e pa­cí ica, di­fe­ren­tes ge­ra­ções, es­ti­los e for­mas de pen­sar. E é on­de, de uma cer­ta ma­nei­ra, as pes­so­as atin­gi­ram a uto­pia. Eu pen­so que a uto­pia é per­ma­nen­te, ela é exis­ten­ci­al. Nin­guém po­de ser do­no de uma uto­pia. Ou, não há uma ge­ra­ção que po­de ser con­si­de­ra­da a úni­ca da uto­pia. Em qual­quer ser que nas­ça, a uto­pia es­tá pre­sen­te, por­que ela é uma con­di­ção do de­se­jo da re­a­li­da­de.

JC- Mas a mú­si­ca foi a mais evi­den­ci­a­da… FA -

Pri­mei­ro é uma ques­tão de jus­ti­ça. Se­ria in­jus­to não dei­xa-la em evi­dên­cia. To­dos os mú­si­cos que pas­sa­ram nes­ta trienal, con­si­de­ran­do ge­ra­ções an­te­ri­o­res, foi tam­bém pa­ra jus­ta­men­te, da es­cra­va­tu­ra ao apartheid, não ser aci­den­tal ter­mos ido bus­car o que te­mos de mais remoto mas que ain­da é pra­ti­ca­do. Per­ce­beu-se tam­bém as li­ga­ções en­tre as ge­ra­ções. No ca­so da trienal, é um pro­jec­to que, por ser or­gâ­ni­co, é sus­cep­ti­vel à al­te­ra­ção. Quan­do de­se­nha­mos, acer­ta­mos que dois ter­ços iri­am ser pré-de­se­nha­do e um ter­ço iria ser or­gâ­ni­co. Mas acon­te­ceu o in­ver­so: dois ter­ços fo­ram pro­pos­tas por gru­pos ex­ter­nos, mú­si­cos e pro­du­ção. Por­que a cul­tu­ra é is­so mes­mo, é mo­vi­men­to, ela não é ixa. Já na se­gun­da trienal ví­nha­mos tra­ba­lhan­do nis­so. Cri­a­mos uma nar­ra­ti­va que se mos­trou per­fei­ta­men­te apli­cá­vel nes­ta ter­cei­ra. Is­so fez de­la mais in­clu­si­va e abran­gen­te, ten­do a ca­pa­ci­da­de de in­tro­du­zir mé­to­dos que con­si­gam tor­nar per­ma­nen­te o exer­cí­cio de amos­tra de ar­te e cul­tu­ra. São ob­jec­ti­vos e que­re­mos atin­gir es­ta nor­ma­li­da­de.

JC – O que nos po­de di­zer so­bre a re­cu­pe­ra­ção de pe­ças de ar­te afri­ca­na? FA -

Es­te pro­jec­to foi de­se­nha­do e con­du­zi­do pe­lo pa­tro­no da fun­da­ção e é um dos pro­jec­tos cen­trais. Mes­mo as in­ten­ções cri­a­das são mui­tas ve­zes me­tá­fo­ras que ilus­tram es­te pen­sa­men­to, re­la­ci­o­na­do com a es­té­ti­ca e al­ma das pes­so­as e os ob­jec­tos e a al­ma das pes­so­as nos ob­jec­tos, que é um con­cei­to mui­to cen­tral da­qui­lo que é o pen­sa­men­to ar­tís­ti­co-cul­tu­ral do Sin­di­kaDo­ko­lo. Pôr is­so em evi­dên­cia, tam­bém, não é só uma ques­tão es­té­ti­ca mas um ac­to de po­lí­ti­ca cul­tu­ral, que, fun­da­men­tal­men­te, per­mi­te lo­go cri­ar um mo­vi­men­to de in­te­res­se e de es­tu­do des­sas obras afri­ca­nas que fo­ram le­va­das, rou­ba­das e al­te­ra­das e que ti­ve­ram um im­pac­to im­por­tan­te

FER­NAN­DO AL­VIM

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.