ANNIE FLORE BATCHIELLILYS NO CCBA AS LÁ­GRI­MAS DA FLOR CANTANTE

Jornal Cultura - - Artes -

MATADI MAKOLA

De gui­tar­ra em pu­nho, de pés des­cal­ços, ves­ti­da de pa­no afri­ca­no que a dei­xa­vam à von­ta­de nos mo­vi­men­tos, sor­ri­so leve, olhar ras­tei­ro e pro­fun­do, se lhe sai uma voz ina que pa­re­ce vir de um co­ra­ção de­sar­ma­do. Can­ta com ir­me­za, e man­te­ve a so­li­dez des­ta ati­tu­de quan­do não con­se­guiu se­gu­rar as lá­gri­mas e o can­to se mis­tu­rou com um cho­ro si­len­ci­o­so, por­que nos pa­re­ce­ria que ao can­tar por fo­ra cho­ra­va por den­tro, de co­ra­ção ras­ga­do; co­mo se ao to­car cor­da a cor­da da gui­tar­ra atra­ves­sas­se pal­mo a pal­mo do Ga­bão que le­va no seu co­ra­ção e tan­to nos dis­se que ama­va, um amor de­sa­ba­fa­do pa­la­vra a pa­la­vra nas su­as can­ções, e por is­so, por­que já não mais po­de aguen­tar, cho­ra.

O Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-An­go­la aco­lheu, na noi­te do dia 16 de De­zem­bro de 2016, a can­to­ra ga­bo­ne­sa Annie Flore Batchiellilys. Veio a con­vi­te da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos-FESA e da UNES­CO, im­buí­da no lan­ça­men­to em An­go­la da cam­pa­nha de jo­vens pa­ra a cul­tu­ra de paz na Áfri­ca Cen­tral e cu­jo le­ma é: “Pa­la­vras Di­fe­ren­tes, uma só Lín­gua: A Paz”.

Es­te no­me po­de ser des­co­nhe­ci­do pa­ra o pú­bli­co lu­an­den­se, um pou­co por cul­pa das ten­dên­ci­as im­pos­tas. É uma mu­lher ar­tis­ta que me­re­ce to­do o res­pei­to, e que tal­vez a nova va­ga de can­to­res e com­po­si­to­res de­ves­se bus­car co­mo arqué­ti­po do seu ide­al ar­tís­ti­co. Sem sa­ber mui­tas pa­la­vras em por­tu­guês, Annie es­for­çou-se em de­se­jar aos pre­sen­tes fe­liz na­tal, em­bo­ra o gran­de pre­sen­te te­nha já si­do a sua vi­si­ta e con­se­quen­te con­tac­to di­rec­to com a sua mú­si­ca, até en­tão des­co­nhe­ci­da e mui­to pou­co to­ca­da nas rá­di­os. Is­so faz lem­brar uma crí­ti­ca que um po­e­ta ize­ra num des­tes de­ba­tes pro ícu­os, quan­do dis­se mais ou me­nos as­sim: “Porquê nos nos­sos mei­os de co­mu­ni­ca­ção a mú­si­ca afri­ca­na tem um pro­gra­ma es­pe­ci­al e as ou­tras, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te es­tran­gei­ra, pa­re­cem es­tar en­qua­dra­das na ro­ti­na nor­mal das emis­sões?”. Se pa­ra atrair o pú­bli­co jo­vem ou não, a ver­da­de é que so­mos nós, to­dos os afri­ca­nos, os prin­ci­pais le­sa­dos. Es­ta con­ver­sa é aqui cha­ma­da por­que, em con­di­ções nor­mais, de gen­te que se in­te­res­sa por si e sa­be res­pei­tar os seus ar­tis­tas, o CCBA de­ve­ria ser pe­que­no pa­ra aco­lher Annie. Não foi bem as­sim: so­bra­ram lu­ga­res va­zi­os. Aon­de es­ta­va a ju­ven­tu­de de ar­tis­tas e aman­tes das ar­tes na noi­te do dia 16? Annie te­ria sor­ri­do mais, vi­bra­do mais, da­do mais, e mui­tos ar­tis­tas te­ri­am vis­to ne­la a opor­tu­ni­da­de de apren­der uma per­for­man­ce em pal­co re­ple­ta de so­bri­e­da­de, can­du­ra e se­re­ni­da­de in­tra­du­zí­veis, por­que mes­mo di­an­te de um pú­bli­co can­ta de um mo­do tão im­per­tur­bá­vel co­mo se es­ti­ves­se a sós con­si­go mes­ma.

Na opor­tu­ni­da­de que ti­ve­mos, ques­ti­o­na­mo-la se a mú­si­ca que can­ta, sem­pre re­che­da de mend­sa­gens de paz, po­de ser­vir de ins­tru­men­to e icaz na con­so­li­da­ção da paz e na mu­dan­ça de cons­ci­ên­cia tan­to da ge­ra­ção jo­vem co­mo no seio dos mais ve­lhos. Dis­se: “Nes­ta al­tu­ra, emo­ci­o­nal­men­te não es­ta­mos bem, por­que há mais can­ções que mos­tram mais a rai­va do que a paz. É nor­mal que, quan­do as pes­so­as es­tão nu­ma si­tu­a­ção di ícil co­mo a guer­ra, se­ja a rai­va a pri­mei­ra for­ma de se ex­pri­mir. É por is­so que é im­por­tan­te fa­zer mui­to es­for­ço e le­var o ho­mem a uma in­tros­pe­ção, e can­tar ca­da vez mais for­te pa­ra que a paz vol­te. Eu can­to pa­ra o hu­ma­no, e é pre­ci­so tra­zer is­so con­si­go quan­do se fa­la pa­ra o ou­tro”.

Ela can­ta nu­ma lín­gua tra­di­ci­o­nal do Ga­bão e em fran­cês, e brin­dou-nos com “Ko­ku­lou” (que em por­tu­guês quer di­zer per­dão), “Qu­e­re­mos a paz”, em que diz que a paz é ser o ou­tro, o ou­tro que vi­ve na nos­sa men­te, li­vre de se ex­pli­car e vi­ver na di­ver­si­da­de…, “Ga­bão, Meu amor”, em que não evi­tou as lá­gri­mas, “Je t'in­vi­te”, “Be­le­za da Vi­da”, mu­si­ca cri­a­da pro­po­si­ta­da­men­te pa­ra a oca­sião e que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção do an­go­la­no Jack Nkan­ga, de­ram-nos a co­nhe­cer Annie. So­bre o pas­sar o tes­te­mu­nho à ju­ven­tu­de, lem­brou que foi exac­ta­men­te as­sim co­mo fa­zi­am com ela há mais de vin­te anos. Annie e Jack cri­a­ram um te­ma com in­si­nu­an­tes ten­dên­ci­as a blu­es e funck, sen­do que a sua mú­si­ca se agar­ra nes­tas ti­po­lo­gi­as e acres­cen­ta-se as par­ti­cu­la­ri­da­des dos rit­mos do Ga­bão e to­do um ta­len­to que de­la des­pon­ta.

Annie é tão so­men­te me­lhor voz fe­mi­ni­na do Ko­ra Mu­sic Awards de 2002. Co­me­çou can­tan­do em rá­di­os e pro­gra­mas de te­le­vi­são, até ga­nhar a aten­ção de Pi­er­re Aken­den­gué, que a ini­cia na mú­si­ca e mais tar­de dá avan­ços em Fran­ça. A sor­te ain­da lhe re­ser­va­va Oli­ver Ngo­ma, que tam­bém viu ne­la ta­len­to e dis­ci­pli­na, mo­ti­vos que le­va­ram es­te gran­de se­nhor da mú­si­ca afri­ca­na a cus­te­ar na to­ta­li­da­de o pri­mei­ro cd de Annie.

Annie

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.