A AL­MA DO PO­VO E A CUL­TU­RA VE­GE­TAL

TULIVASA MUHUKA (ATÉ AMA­NHÃ)

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA (RE­POR­TA­GEM E FO­TOS)

Qu­em sai de Lu­an­da em di­rec­ção ao Sum­be, en­con­tra sem­pre, de­pois da pon­te do rio Ke­ve, três ou qua­tro ar­te­sãos a ven­der os seus ban­cos de bim­ba, ou mu­lhe­res exi­bin­do lu­an­dos de qui­pun­go, que é uma es­pé­cie de plan­ta de ta­lo com­pri­do que cres­ce abun­dan­te nas mar­gens do rio. A nos­sa vi­a­gem não foi de ne­gó­ci­os, mas sim cul­tu­ral. E a be­le­za dos ca­mi­nhos por on­de pas­sá­mos é um fres­co na­tu­ral pin­ta­do pe­las mãos da Vi­da. Mas o mais in­te­res­san­te foi pro­cu­rar nas co­mu­ni­da­des mais re­mo­tas do Lubango, Na­mi­be e Ma­lan­je, resquí­ci­os da tra­di­ção ban­tu e ou­tros ele­men­tos que for­ma­tam as re­la­ções e cer­tas ac­ti­vi­da­des lo­cais.

Tulivasa muhuka (até ama­nhã). Com es­ta fra­se na lín­gua do po­vo Nya­ne­ka, nos des­pe­di­mos da pro­vín­cia da Fen­da da Tun­da­va­la, nu­ma ter­ça-fei­ra, dia 14 de Mar­ço, no co­me­ço de um pé­ri­plo cul­tu­ral pe­las pro­vín­ci­as do Lubango, Na­mi­be e Ma­lan­je, fo­to­gra­fan­do na ber­ma das es­tra­das o fres­co na­tu­ral pin­ta­do pe­las mãos da Vi­da. Mas o mais in­te­res­san­te foi pro­cu­rar nas co­mu­ni­da­des mais re­mo­tas resquí­ci­os da tra­di­ção ban­tu e ou­tros ele­men­tos que for­ma­tam as re­la­ções e cer­tas ac­ti­vi­da­des lo­cais.

Qu­em sai de Lu­an­da em di­rec­ção ao Sum­be, en­con­tra sem­pre, de­pois da pon­te do rio Ke­ve, três ou qua­tro ar­te­sãos a ven­der os seus ban­cos de bim­ba, ou mu­lhe­res exi­bin­do lu­an­dos de qui­pun­go, uma plan­ta de ta­lo com­pri­do que cres­ce abun­dan­te nas mar­gens do rio.

Do Sum­be até Ben­gue­la, são mais seis ho­ras de es­tra­da, de­vi­do aos tro­ços car­co­mi­dos pe­la ero­são na­tu­ral e o ro­lar dos pneus. E tam­bém por­que eu e a mi­nha com­pa­nhei­ra de vi­a­gem, a jor­na­lis­ta su­e­ca e tam­bém di­rec­to­ra da ONG “O Fu­tu­ro nas nos­sas Mãos”, uma mu­lher com mui­ta vi­vên­cia de Áfri­ca e so­bre­tu­do de An­go­la, sem­pre jo­vi­al e ac­ti­va, ao pon­to de ser tam­bém de­ten­to­ra de uma edi­to­ra, a “Pan­ta Rei” que já pu­bli­cou au­to­res an­go­la­nos tra­du­zi­dos pe­la própria, não fo­mos até aos con ins de An­go­la pa­ra cor­rer a al­ta ve­lo­ci­da­de, co­mo o fa­zi­am os vi­a­jan­tes com qu­em cru­zá­mos.

Ben­gue­la ser­viu ape­nas de pon­to de trân­si­to. Na ma­nhã do dia 10 de Mar­ço, par­ti­mos pa­ra o Lubango, on­de ar­ri­bá­mos no co­me­ço da tar­de. Qu­em vai ao Lubango e não vê a Fen­da da Tun­da­va­la não viu a mai­or tor­re de pe­dra que a Na­tu­re­za es­cul­piu em An­go­la. Ha­via ne­vo­ei­ro. Nas pe­dras, in­te­me­rá­ri­as ca­bras re­pou­sa­vam. Os pás­sa­ros eram os do­nos da ver­ti­gem da fen­da. À en­tra­da, de­pois da es­tra­da re­cen­te­men­te re­cons­truí­da e em­pe­dra­ra, po­dia ler-se a lá­pi­de: “FEN­DA DA TNDAVALA, Lubango, Huí­la, pai­sa­gem na­tu­ral e cul­tu­ral clas­si ica­da. Por De­cre­to Exe­cu­ti­vo nº 5/GAB/MINCULT/12, de 09 de Agos­to de 2012.”

Dia 11, Sá­ba­do, pi­sá­mos o so­lo hú­mi­do de chu­va de Pa­lan­ca II e Tchan­ga­la­la, com os nos­sos an itriões da ADRA – Agên­cia pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral e Am­bi­en­te. Ro­sé­ria Wandy Lu­cas é uma jo­vem de 30 anos de ida­de, que tem da­do o seu con­tri­bu­to em prol do de­sen­vol­vi­men­to ru­ral na pro­vín­cia da Huí­la. É ela que, no seu sor­ri­so per­ma­nen­te, nos fa­la da as­so­ci­a­ção de cam­po­ne­ses que con­gre­ga 40 mem­bros, 25 mu­lhe­res e 15 ho­mens, ca­da um de­les com a sua la­vra e aos quais a ADRA es­tá en­si­nar um mé­to­do de pro­du­zir ali­men­tos a par­tir da ba­ta­ta-do­ce (bo­li­nhos) e da abó­bo­ra.

In­se­ri­da na ADRA des­de 2 de Mar­ço de 2014 co­mo téc­ni­ca de de­sen­vol­vi­men­to co­mu­ni­tá­rio, é ela a res­pon­sá­vel do pro­jec­to Di­rei­to da Mu­lher à Ter­ra, que abor­da vá­ri­as te­má­ti­cas tais co­mo: as ques­tão jus­ti­ça e equi­da­de de gé­ne­ro, o uso e a pos­se de ter­ras por mu­lhe­res, o po­ten­ci­a­men­to eco­nó­mi­co das fa­mí­li­as, di­ri­gi­do às mu­lhe­res, al­fa­be­ti­za­ção, apoio na ob­ten­ção de do­cu­men­tos pes­so­as, etc. O pro­jec­to Di­rei­to da Mu­lher à Ter­ra es­tá a ser im­ple­men­ta­do em dois mu­ni­cí­pi­os da Pro­vín­cia da Huí­la (Hum­pa­ta com 11 al­dei­as e Gam­bos com 4 al­dei­as fa­zen­do as­sim um to­tal de 15 al­dei­as).

Ro­sé­ria Wandy abor­dou con­nos­co as­pec­tos cul­tu­rais li­ga­dos à vi­da das mu­lhe­res:

E ico (fes­ta que se ce­le­bra quan­do a ra­pa­ri­ga en­tra pa­ra a fa­se da pu­ber­da­de);

Coi – adul­té­rio ou po­li­an­dria (prá­ti­ca a que as mu­lhe­res são sub­me­ti­das pa­ra en­ri­que­cer o ma­ri­do)

So­bre os as­pec­tos cul­tu­rais que mais pre­o­cu­pam e di icul­tam o de­sen­vol­vi­men­to da mu­lher na pro­vín­cia, Ro­sé­ria des­ta­cou:

O Coi – por ser uma pra­ti­ca que ex­põe a mu­lher ao gran­de ris­co de con­trair o VHI/SI­DA, DTS e ITS, is­to por­que o es­po­so não se im­por­ta com o nú­me­ro de ho­mens com os quais ela vai se en­vol­ven­do, o im­por­tan­te é que ele os apa­nhe pa­ra pe­dir mul­ta (bois). Nor­mal­men­te tem si­do uma com­bi­na en­tre o ca­sal.

O não di­rei­to à he­ran­ça por par­te dos ilhos e es­po­sa quan­do o ma­ri­do ou pai mor­re (na tra­di­ção Mwi­la, quan­do o ma­ri­do mor­re, a es­po­sa e os ilhos são co­ber­tos no ros­to e a fa­mí­lia do fa­le­ci­do re­ti­ra to­dos os bens, dei­xan­do as­sim a viú­va e os ór­fãos na rua e sem na­da), o her­dei­ro le­gi­ti­mo tem que ser o so­bri­nho da par­te da ir­mã. Os ilhos que não her­dam na­da do pai, mui­tas das ve­zes vão à ci­da­de à pro­cu­ra de no­vas opor­tu­ni­da­des e os ra­pa­zes aca­bam por ser de­lin­quen­tes e as me­ni­nas pros­ti­tu­as. Des­ta for­ma, as co­mu­ni­da­des ru­rais vão ican­do mais fra­cas por­que a mai­or par­te da po­pu­la­ção é cons­ti­tuí­da por ve­lhos.

A não ce­dên­cia de par­ce­las de ter­ras às mu­lhe­res faz com que elas se sub­me­tam a maus tra­tos e, se o ma­ri­do mor­rer, ela vol­ta pa­ra a ca­sa dos pais.

FES­TAS DO MAR

Dia 12, Do­min­go, acor­dou so­a­lhei­ro e fo­mos ao Na­mi­be. O mais be­lo nes­ta vi­a­gem co­me­ça na des­ci­da da Ser­ra da Le­ba, dei­xan­do o carro ser en­ro­la­do pe­la ser­pen­te de as­fal­to com as su­as 56 cur­vas, cu­jo no­me icou da en­ge­nhei­ra que fez par­te da equi­pa de cons­tru­ção ro­do­viá­ria, Ma­ria Ali­ce Le­ba.

Meio ca­mi­nho an­da­do, nas­ce à nos- sa fren­te o de­ser­to, areia e mais areia, até se che­gar à ci­da­de do pei­xe e do ca­ran­gue­jo gran­de, o Na­mi­be.

Ali ob­ser­vá­mos a fei­ra in­te­gra­da nas Fes­tas do Mar, even­to anu­al da ci­da­de por­tuá­ria e pes­quei­ra. Nes­sa fei­ra, en­con­trá­mos artesanato di­ver­so, li­vros ex­pos­tos e dois cri­a­do­res de po­e­sia. O pri­mei­ro, com obra já pu­bli­ca­da é o jo­vem Hél­der Ca­cu­lo, que ali es­ta­va a pro­mo­ver a sua obra O Sor­ri­so da Dor. O ou­tro era João Ar­tes, tam­bém ar­te­são de san­dá­li­as, que nos re­ci­tou de cor o seu po­e­ma “Me Acei­ta co­mo eu Sou”.

De re­gres­so, ago­ra a su­bir a Ser­ra da Le­ba, fo­mos co­lhi­dos pe­la chu­va. A meio da mon­ta­nha, a ne­bli­na sur­pre­en­deu a nos­sa mar­cha. Li­ga­das as lu­zes in­ter­mi­ten­tes e os fa­róis do carro, lá su­bi­mos len­ta­men­te, cru­zan­do com os veí­cu­los que dei­xa­vam o Lubango.

SOSOYO, SOYO

A ter­cei­ra eta­pa foi a pro­vín­cia de Ma­lan­je. A vi­a­gem foi tran­qui­la, com uma bre­ve pa­ra­gem à en­tra­da de Nda­la­tan­do, pa­ra um al­mo­ço fru­gal, de­pois de uma se­ma­na na ca­pi­tal.

Foi nu­ma Quin­ta-fei­ra, dia 23 de Mar­ço que, di­ri­gi­dos pe­la ADRA, nos sen­tá­mos à som­bra de uma mangueira na al­deia cha­ma­da Mban­zi do Sa­ti, mu­ni­cí­pio de Can­gan­da­la.

An­tó­nio Correia, de 78 anos, An­tó­nio Mu­qui­xe, 56, Fran­cis­co Ven­da, 65, e Armando Ki­tum­ba, 50, fo­ram os nos­sos an itriões no Sa­ti. Nes­ta al­deia, à

noi­ti­nha, o rio, o co­e­lho, a le­bre e ou­tros per­so­na­gens de mi­so­so (es­tó­ri­as do po­vo) sen­tam-se à ro­da do fo­ga­rei­ro, na sa­la das ca­sas on­de se reú­ne a fa­mí­lia, e ali se re­cons­tro­em nar­ra­ti­vas que o tem­po nun­ca apa­ga.

- Sosoyo, soyo - , diz o mais-ve­lho An­tó­nio Correia. – O Co­e­lho fez um pe­di­do ao Leão: “Tenho óbi­to na mi­nha ca­sa. Em­pres­ta-me um boi.”

Quan­do aca­bou o óbi­to do Co­e­lho, o Leão foi co­brar a dí­vi­da. Res­pon­deu­lhe o Co­e­lho: “Avô Leão, vo­cê ica ain­da cal­mo. Eu vou pro­cu­rar, quan­do achar o boi, vou to en­tre­gar.”

O Co­e­lho con­vi­da to­dos os ani­mais da ma­ta, di­zen­do-lhes: “Ama­nhã, na mi­nha ca­sa, tem fes­ta.” De se­gui­da, vai dar o alar­me ao Leão: “Leão, ama­nhã, vai ter à mi­nha ca­sa, pa­ra te pa­gar a tua dí­vi­da.”

As­sim que os ani­mais che­ga­ram, jun­tou-os to­dos num quintal fe­cha­do e deu-lhes be­bi­da. En­tre­tan­to, o Leão che­ga. Diz o Co­e­lho: “Avô Leão, aqui es­tá o que te de­vo. Apa­nha os ani­mais que guar­dei pa­ra ti no meu quintal. As­sim, sal­do a mi­nha dí­vi­da pa­ra con­ti­go.”

No Sa­ti, diz-nos Correia, já não exis­tem ba­tu­ques, to­das as fes­tas são ani­ma­das com apa­re­lha­gem. Mes­mo as­sim, os ji­sa­bu (pro­vér­bi­os) ain­da são trans­mi­ti­dos aos mais no­vos:

“Kan­gu­lo ka tu­tun­da kia vu­lu, san­ga ni kim­bun­gu.” (o por­co que pas­seia mui­to, aca­ba por se en­con­trar com um ani­mal fe­roz).

“Quan­do o rio es­tá cheio, vo­cê não ten­ta atra­ves­sá-lo, te apa­nham no ja­ca­ré.” (o que é do ou­tro não se po­de me­xer, se me­xer é cri­me).

An­tó­nio Mu­qui­xe fa­la das cu­ras se­gun­do a tra­di­ção. O kim­ban­da tem um pa­pel re­le­van­te na cu­ra de de­ter­mi­na­dos ma­les. Quan­do uma cri­an­ça nas­ce tor­ta, de­ve-se cha­mar o kim­ban­da. Se vi­er com a ca­be­ça gran­de, tam­bém tem o seu re­mé­dio, en­quan­to é re­cém nas­ci­da. Quan­do sa­em jin­gon­go ( gémeos), o kim­ban­da faz uma pe­que­na ce­ri­mó­nia fes­ti­va. Che­ga com uma más­ca­ra com ros­to hu­ma­no e dá a ki­ji­la, so­bre co­mo é que se de­ve edu­car os gémeos até cres­ce­rem. A ki­ji­la: o pri­mei­ro a re­ce­ber o ali­men­to é aque­le cu­ja ca­be­ça saiu pri­mei­ro. O ves­tuá­rio tem de ser igual pa­ra os dois.

Con­cei­ção Lu­ci­a­no, mais co­nhe­ci­da por Sany, tem 17 anos e é mãe de um be­bé, Ki­ka, de dois anos. Can­ta uma can­ção de em­ba­lar: “A ne­né que cho­ra/ na mi­nha va­ran­da/ vai cha­mar a mãe de­la/ pra lhe dar chu­pe­ta (bis). Ne­né, ca­la mbo­ra/ nos­sa ca­sa é de ca­pim/ no dia que vai sair/ va­mos mbo­ra na ma­mã.”

MARIMBEIROS DA KATEPA

Sex­ta-fei­ra à tar­de, 24 de Mar­ço, en­con­trá­mos Pe­dro Ba­lan­ga, 39 anos, à nos­sa es­pe­ra no bair­ro da Katepa. Ele e a gran­de ma­rim­ba de 20 ca­ba­ças nos con­vi­dan­do pa­ra uma fes­ta. Um con­jun­to ar­tís­ti­co de qua­tro to­ca­do­res e qua­tro dan­ça­ri­nas. In­te­gran­tes do gru­po Bai­xa de Cas­san­ge, fun­da­do em 1986, pe­los pais de­les. Dos pais, apren­de­ram a ar­te de to­car e tam­bém a de te­cer ma­rim­bas: - As ca­ba­ças de vá­ri­as di­men­sões - A ba­se que va­ria de 18 a 20 te­clas ou tá­bu­as, e

- Os “jun­dan­ji”, as ba­que­tas pa­ra per­cus­são, du­as por to­ca­dor.

O gru­po já es­te­ve um dia na Gui­né Equa­to­ri­al, por oca­sião do CAN. Can­tam as can­ções do an­ti­ga­men­te, sem­pre em kim­bun­do. E as­sim can­ta­ram pa­ra o jor­nal Cul­tu­ra, no quintal, com uma imen­sa mo­le de vi­zi­nhos cu­ri­o­sos, ves­ti­dos com a in­du­men­tá­ria de mar­ca. Pe­dro Ba­lan­ga, o che­fe da or­ques­tra, Fer­nan­do Teixeira e Adão Teixeira, os três na per­cus­são, en­to­a­ram três can­ções, en­quan­to Ma­ria João Ban­ze­la, de 40 anos, e Del ina Vic­tor, de 34, fa­zi­am o gosto ao pé e às an­cas en­vol­tas em mu­xi­ques, ou pa­nos al­mo­fa­da­dos que co­bri­am as sai­as.

A nos­sa vi­a­gem de re­gres­so à re­dac­ção do jor­nal, co­me­çou no Sá­ba­do, dia 25, com pas­sa­gem por Ka­lan­du­la, pois ir Ma­lan­je e não apre­ci­ar a es­pu­ma das que­das, é co­mo ir a Ro­ma e não ver o Pa­pa.

No Kwan­za-Nor­te fo­mos co­lhi­dos pe­la ma­jes­ta­de das mon­ta­nhas, o can­to ru­mo­re­jan­te dos ri­os sob as pon­tes e as al­dei­as per­di­das nas en­cos­tas, uni­das à ter­ra e ao verde das lo­res­tas. De­pois, foi um tra­jec­to cal­mo até Lu­an­da, que nos viu che­gar qua­se pe­lo im da tar­de, a tem­po de guar­dar os tro­féus da vi­a­gem, man­di­o­ca, car­ne de ca­bri­to, um ga­lo que nos ofe­re­ce­ram em Mban­zi do Sa­ti, um pé de ro­sa de por­ce­la­na e du­as mú­cu­as fe­cha­das no seu bo­jo de cas­ca es­ver­de­a­da que Gu­nil­la Wim­berg le­va­ria pa­ra a Suécia, ela que gos­ta bué dos em­bon­dei­ros, mas não lhes co­nhe­cia o fru­to.

Pai­sa­gem ru­ral de Pa­lan­ca II

Ca­sal de cam­po­ne­ses Nya­ne­ka de Tchan­ga­la­la.

Po­e­ta João Ar­tes

Est átua da Pei­xei­ra do Na­mi­be

Ro­sé­ria Wendy, da ADRA

Dan­ça­ri­nas de ma­rim­ba.

Com os cam­po­ne­ses de Ma­lan­je

Bair­ro de Ban­zi do Sa­ti, em Ma­lan­je

Marimbeiros da Katepa do gru­po Bai­xa de Cas­san­je

Tan­que de guer­ra des­truí­do, à saí­da de Nda­la­tan­do

Gu­nil­la e o re­pó rter jun­to às que­das de Ka­lan­du­la

Sany com seu fi­lho Ki­ka

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.