POR­TU­GUÊS AN­GO­LA­NO: O QUE É?

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

En­ten­de-se por Por­tu­guês An­go­la­no o con­jun­to de to­das as va­ri­an­tes do por­tu­guês fa­la­do nas de­zoi­to pro­vín­ci­as de An­go­la. Ndom­ble (2014, pag. 149), de­fi­ne-o co­mo sen­do"(...) a va­ri­an­te da lín­gua por­tu­gue­sa fa­la­da e es­cri­ta em An­go­la‘’. O con­tac­to per­ma­nen­te des­sas va­ri­an­tes com as lín­guas afri­ca­nas de An­go­la con­fe­rem-lhe um no­vo ros­to, fa­zen­do com que ha­ja as­pec­tos par­ti­cu­la­res do por­tu­guês oral de An­go­la.

En­ten­de-se por Por­tu­guês An­go­la­no o con­jun­to de to­das as va­ri­an­tes do por­tu­guês fa­la­do nas de­zoi­to pro­vín­ci­as de An­go­la. Ndom­be­le (2014, pág. 149), de ine-o co­mo sen­do ‘’(...) a va­ri­an­te da lín­gua por­tu­gue­sa fa­la­da e es­cri­ta em An­go­la‘’.

O con­tac­to per­ma­nen­te des­sas va­ri­an­tes com as lín­guas afri­ca­nas de An­go­la con­fe­rem-lhe um no­vo ros­to, fa­zen­do com que ha­ja as­pec­tos par­ti­cu­la­res do por­tu­guês oral de An­go­la. "O por­tu­guês fa­la­do em An­go­la en­con­tra-se em per­ma­nen­te trans­for­ma­ção. A própria di­nâ­mi­ca da lín­gua, as in­ter­fe­rên­ci­as lin­guís­ti­cas, a cri­a­ção de no- vas pa­la­vras e expressões for­ja­das pe­lo gé­nio in­ven­ti­vo po­pu­lar, cer­tos des­vi­os à nor­ma por­tu­gue­sa im­pri­mem­lhe uma no­va for­ça, vin­cu­lan­do-a e adap­tan­do-a ca­da vez mais à re­a­li­da­de do país". (Ire­ne, 2010, apud Ndom­be­le, 2014, pág. 149)

Es­te en­tro­sa­men­to faz com que ha­ja dis­tin­ção en­tre o que por aqui é fa­la­do em de­tri­men­to do que se fo­ra se fa­la. Em­bo­ra não ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­do, em­bo­ra não te­nha um cu­nho po­lí­ti­co e nor­ma­ti­vo (pe­lo me­nos ex­ter­no, pois já pos­sui uma gra­má­ti­ca interna), ao con­trá­rio do que mui­to en­ga­no­sa e equi­vo­ca­da­men­te se a ir­ma, tal va- ri­an­te exis­te; só diz o con­trá­rio qu­em ca­re­ce de uma boa vi­são e de uma má for­ma­ção lin­guís­ti­ca. Va­ri­an­te es­sa que é fa­la­da por uma boa par­te de An­go­la­nos, so­bre­tu­do aque­les com sta­tus so­ci­al, es­co­lar e eco­nó­mi­co dis­tin­to da ‘’eli­te an­go­la­na’’.

Den­tro des­sa va­ri­an­te, o ca­lão, co­mo uma va­ri­a­ção lin­guís­ti­ca, é mui­to pre­do­mi­nan­te. Em ou­tras pa­la­vras, o ca­lão tem for­te­men­te con­tri­bui­do, mas à mo­da de­le, pa­ra o for­ta­le­ci­men­to e en­gran­de­ci­men­to da va­ri­an­te lin­guís­ti­ca em abor­da­gem.

Há, em An­go­la, à se­me­lhan­ça das lín­guas ban­tu lo­cais, de­ter­mi­na­das va­ri­an­tes do por­tu­guês de An­go­la. As­sim, as­sis­te- se, o que é mui­to nor­mal, ( a) al­gu­mas dis­cre­pân­ci­as no que diz res­pei­to à pro­só­dia, à se­mân­ti­ca e ao cam­po le­xi­cal den­tro das nos­sas va­ri­an­tes ( quan­to ao por­tu­guês). Por exem­plo, em Ma­lan­je (Ma­lan­ji) e em Lu­an­da ( Luwan­da), uti­li­za- se dois lé­xi­cos di­fe­ren­tes ( nai­le e mi­ca) com o pro­pó­si­to de se re­fe­rir, se­man­ti­ca­men­te, à mes­ma ideia: um fio me­ra­men­te de plás­ti­co usa­do pe­las nos­sas cri­an­ças, a fim de fa­zer com que o pa­pa­gaio, por in­ter­mé­dio da­que­le fio, vá pa­ra lon­ge. Em­bo­ra uti­li­zas­sem lé­xi­cos di­fe­ren­tes, no­tou­se que o pa­pel se­mân­ti­co não di­fe­re. Ou­tro exem­plo, nas va­ri­e­da­des do sul do país, aí mes­mo nas zo­nas dos ovim­bun­du, há uma ten­dên­cia enor­me de al­guns fa­lan­tes, na ora­li­da­de, de­vi­do a cer­tos fac­to­res e tal­vez uma gran­de in­fluên­cia psi­co­ló­gi­ca ou re­gi­o­nal, re­cor­rem pa­ra tro­ca de al­gu­mas "le­tras", por exem­plo em "en­Ten­der", por ou­tras "enDen­der", em­bo­ra es­cre­ves­sem cor­rec­ta­men­te "en­ten­der". Em mui­tos ca­sos, do pon­to de vis­ta psi­co­ló­gi­co, a dis­le­xia e a dis­la­lia sur­gem fre­quen­te­men­te.

Por não ser ain­da uma va­ri­an­te con­ven­ci­o­na­li­za­da, os di­fe­ren­tes mo­dos de fa­lar, que pa­ra Bag­no (2007) têm, do pon­to de vis­ta ci­en­tí ico, uma boa ex­pli­ca­ção, al­guns mi­li­ta­res de ban­tas bran­cas dis­far­ça­dos de pro­fes­so­res e que têm a gra­má­ti­ca co­mo um quar­tel ge­ne­ral (é as­sim, pe­lo me­nos, que o meu ami­go, Osvaldo, diz), por se de­no­tar as­pec­tos sin­tác­ti­cos, mor­fo­ló­gi­cos, fo­né­ti­cos, le­xi­cais e se­mân­ti­cos dis­cre­pan­tes da lín­gua do co­lo­ni­za­dor, ou se­ja, do pa­drão ex­ter­no vi­gen­te em An­go­la, vêem co­mo er­ro. Há até al­guém que tris­te­men­te, tal­vez por des­co­nhe­cer a Lin­guís­ti­ca, cha­me de um ‘’li­xo’’ e tan­tos ou­tros no­mes de­pre­ci­a­ti­vos, ar­ro­gan­tes, fei­os e pre­con­cei­tu­o­sos por aí. Er­ra­do, na ver­da­de, é a con­cep­ção que eles têm a res­pei­to. Fa­lan­do ain­da da­que­les tra­di­ci­o­na­lis­tas, nota-se uma pre­gui­ci­te lin­guís­ti­ca no que diz res­pei­to ao es­tu­do do por­tu­guês fa­la­do em An­go­la. Ca­da gra­má­ti­ca dos nos­sos tra­di­ci­o­na­lis­tas, a nos­so ver, é só mais um "copy-past" da­que­las do oci­den­te. É só mais uma có­pia au- tên­ti­ca das de­mais gra­má­ti­cas exis­ten­tes (é a coi­sa mais fá­cil de se fa­zer!). Uns até, sem ver­go­nha, pas­sam a vi­da a ca­çar er­ros de por­tu­guês em car­ta­zes, em de­ba­tes na tv ou na rá­dio, al­guns des­vi­os or­to­grá icos em jor­nais, al­guns fa­la­res que se de­mons­tram es­tra­nhos, que pa­ra ci­ên­cia, de acor­do ain­da com Bag­no (2007, pp. 112-113 ), não exis­te, com o pro­pó­si­to de de­pre­ci­ar e es­tig­ma­ti­zar to­do aque­le que co­me­te um cri­me ao ní­vel da gra­má­ti­ca (é is­so que eles di­zem, en­ga­na­da­men­te, é cla­ro!). Quan­to a is­so, fa­lan­do mes­mo em car­ta­zes, por exem­plo aí na Es­ta­la­gem, ar­re­do­res de Vi­a­na, há um car­taz que faz alu­são a uma Clí­ni­ca de Of­ta­mo­lo­gia, no qual se nota em pon­to gran­de o mais ve­lho Sa­lu Gon­çal­ves, ra­di­a­lis­ta, co­mo ros­to uti­li­za­do pa­ra que a Clí­ni­ca, por in­ter­mé­dio da­que­la publicidade, ga­nhe mais ‘’pa­ci­en­tes’’.

No car­taz, mais abai­xo, en­con­tra-se o no­me da­que­la igu­ra pú­bli­ca gra­fa­da da se­guin­te for­ma: ‘’Sa­lú Gon­çal­ves’’. Do pon­to de vis­ta pro­só­di­co, não se nota er­ro al­gum em ‘’Sa­lú’’, em­bo­ra se gra­fas­se "Sa­lú" com um acen­to agu­do na se­gun­da sí­la­ba. Ape­sar da exis­tên­cia da­que­le si­nal, pro­nun­cia-se mes­mo "Sa­lu" e nun­ca "Sa­ló", por exem­plo. Do pon­to de vis­ta or­to­grá ico, sim, nota-se um er­ro de acen­tu­a­ção, que não é ta­xa­ti­va­men­te de por­tu­guês, por­que, pe­lo ‘’U’’ de Sa­lU ser já tó­ni­co, não há ra­zão por que se de­ve acen­tu­ar gra ica­men­te.

Lá mais pa­ra fren­te, é pos­sí­vel, qua­se se­me­lhan­te ao ca­so que an­te­ri­or­men­te re­por­ta­mos, en­con­trar es­tam­pa­do, aí na SGO - Vi­a­na, o se­guin­te: ‘’Se­jam-bem vin­do‘’. Do pon­to de vis­ta da fa­la, a co­mu­ni­ca­ção lui, sem che­gar mes­mo a apre­sen­tar pro­ble­mas se­mân­ti­cos ou de qual­quer coi­sa pa­re­ci­da. Não é me­ra­men­te um er­ro (quan­to àque­la ver­ten­te, é cla­ro!). To­da­via, no pla­no grá ico da lín­gua, há uma in­cor­rec­ção no que diz res­pei­to à co­lo­ca­ção do hí­fen en­tre a le­xão ver­bal (se­jam) e o ele­men­to a se­guir (bem). E não há, do pon­to de vis­ta co­mu­ni­ca­ti­vo, al­guém que pos­sa en­ten­der o opos­to da­que­la nota.

Vol­tan­do pa­ra o pon­to aci­ma, pre­ci-

sa­mos, e é ur­gen­te, de uma va­ri­an­te lo­cal pa­dro­ni­za­da, de uma va­ri­an­te nos­sa, que não dis­cri­mi­na o que por aqui se fa­la. Em­bo­ra mui­tos ape­los se te­nha lan­ça­do e que o nos­so Es­ta­do, to­do do­en­tio, ain­da es­te­ja a mar­car pas­sos de tar­ta­ru­ga ( só pa­ra não di­zer que es­tá pa­ra­do) a fim de per­ce­ber, di­ga­mos, que há uma ne­ces­si­da­de enor­me de olhar­mos pa­ra o nos­so país lin­guis­ti­ca­men­te. Há, ain­da, uma ou­tra ne­ces­si­da­de: afu­gen­tar­mos, de uma vez por to­das ( per­mi­tam- me), es­te fan­tas­ma co­lo­ni­al lin­guís­ti­co. Tal­vez não ha­ja is­so, até ago­ra, por­que o nos­so Nguer­no (é as­sim que mui­tos ovim­bun­du, um gru­po et­no­lin­guís­ti­co de An­go­la, pro­nun­ci­am o no­me Go­ver­no) ain­da acha tal lín­gua, es­sa que o po­der po­lí­ti­co obri­ga-nos a apren­der na es­co­la, uma lín­gua ‘’ ci­vi­li­za­da’’, ‘’ eman­ci­pa­do­ra’’, etc., tal co­mo se lê abai­xo:

"A lín­gua eu­ro­peia es­co­lhi­da co­mo o ici­al de­sem­pe­nha­ria um im­por­tan­te pa­pel na cons­tru­ção des­sa iden­ti­da­de, a inal as na­ções afri­ca­nas eram re­sul­ta­dos do cho­que cul­tu­ral eu­ro­peu e afri­ca­no. No en­tan­to, não po­de­mos nos es­que­cer de que es­sa lín­gua di­ta eu­ro­peia, não era mais tão eu­ro­peia, já que em so­lo afri­ca­no so­freu in luên­ci­as e trans­for­ma­ções, for­man­do mui- tas ve­zes uma no­va lín­gua, co­mo o cri­ou­lo de Mau­rí­cio, Sei­che­les a Ca­bo Verde ou uma va­ri­a­ção da lín­gua eu­ro­peia. (Sil­va, 2009, apud Ndom­be­le, 2014, pág. 140)

‘’ Es­sa es­co­lha foi ba­se­a­da no que Ma­ri­a­ni cha­ma de “ide­o­lo­gia do dé icit lin­guís­ti­co nas lín­guas afri­ca­nas” (MA­RI­A­NI, 2007:241), is­to é, na ideia de que a lín­gua eu­ro­peia é “eman­ci­pa­da, eman­ci­pa­do­ra e de­sen­vol­vi­da, en­quan­to as lín­guas afri­ca­nas são ti­das co­mo pri­mi­ti­vas, tra­di­ci­o­nais e sub­de­sen­vol­vi­das” . Ou se­ja, pa­ra as eli­tes, as lín­guas eu­ro­pei­as es­tão mais pre­pa­ra­das e têm in­clu­si­ve um po­ten­ci­al mai­or pa­ra re­pre­sen­tar a re­a­li­da­de do mun­do atu­al, com seus avan­ços tec­no­ló­gi­cos e ci­en­tí icos. Tal me­di­da ba­seia-se na con­cep­ção cen­tris­ta oci­den­tal de mun­do e a lín­gua eu­ro­peia aqui é vis­ta co­mo um ins­tru­men­to ci­vi­li­za­tó­rio e co­mo cri­té­rio pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca’’. (idem)

Pa­ra is­so, tor­na-se as­saz re­le­van­te, não ain­da de um pon­to de vis­ta nor­ma­ti­vo, des­cre­ver lin­guis­ti­ca­men­te o por­tu­guês que por aqui se fa­la e, só as­sim, após de se le­van­tar tan­tas hi­pó­te­ses, olhar­mos pa­ra ver­ten­te nor­ma­ti­va.

AL­GU­MAS CA­RAC­TE­RÍS­TI­CAS (e divergências en­tre o Por­tu­guês Eu­ro­peu e de An­go­la) DO POR­TU­GUÊS FA­LA­DO EM AN­GO­LA

1- No por­tu­guês fa­la­do em An­go­la, pe­lo me­nos nas va­ri­e­da­des de Lu­an­da e Ma­lan­je, a su­pres­são da de­si­nên­cia ver­bal ou no­mi­nal de cer­tas pa­la­vras é com­ple­ta­men­te, à se­me­lhan­ça do que se vê no Por­tu­guês Bra­si­lei­ro e Mo­çam­bi­ca­no, no­tó­ria. Os tra­di­ci­o­na­lis­tas di­zem que os an­go­la­nos gos­tam mui­to de co­mer o"S" e o "R" em si­tu­a­ção fi­nal. Exs.: a) Nós es­ta­mo(×) bem; b) Vou *fa­lá(×) de­pois. c) Vou *fa­zê(×) mes­mo. 2- A con­cor­dân­cia frá­si­ca, por ve­zes, não se de­no­ta, por exem­plo, em to­dos os con­ti­tuin­tes frá­si­cos (SN, SV, etc.). O de­ter­mi­nan­te (ou qual­quer pro­no­me) que ini­cia a fra­se, às ve­zes, é que in­di­ca que a fra­se es­tá no plu­ral, em­bo­ra os de­mais cons­ti­tuin­tes es­te­jam, nal­guns ca­sos, no sin­gu­lar. Nou­tros ca­sos, quan­to ao gé­ne­ro, não se de­no­ta uma li­ga­ção en­tre o fe­mi­ni­no × fe­mi­ni­no (elA é mui­to boM na­qui­lo que faz; A mi­nhA blu­sA é pre­tO), mas­cu­li­no × mas­cu­li­no, etc.

3- As­sis­te-se, tam­bém, a uma tro­ca de re­gên­cia ver­bal quan­to à nor­ma (es­tran­gei­ra) vi­gen­te em An­go­la. En­quan­to o pa­drão eu­ro­peu diz que os ver­bos A,B, C e D re­gem, por exem­plo, sim­ples­men­te as pre­po­si­ções K,T, G e P, res­pec­ti­va­men­te; no por­tu­guês an­go­la­no aca­bam por ga­nhar uma no­va or­dem, fa­zen­do com que se co­lo­que pa­ra trás a or­dem es­ta­be­le­ci­da pe­lo PE. Pa­ra is­so, pres­te­mos aten­ção pa­ra o ca­so do ver­bo ‘’IR’’ (e ou­tros):

- No PE, no sen­ti­do de se des­lo­car de um lu­gar pa­ra o ou­tro, vai-se A.

a) Eu vou À (a[prep.] + a [det. art. fem.]=à) es­co­la;

- No sen­ti­do de se des­lo­car de um lu­gar pa­ra o ou­tro a im de uma tem­po­ra­da enor­me, o PE exi­ge que se de­ve ir PA­RA. b) Vou PA­RA Kashi­tu (Ca­xi­to). - No sen­ti­do de "em di­rec­ção a um pon­to", o PE exi­ge que se vai EM c) Vá EM fren­te. Ora, no por­tu­guês fa­la­do em An­go­la, de­cer­to que acon­te­ce o con­trá­rio, pois sem­pre que há uma ideia de mo­vi­men­to de um pon­to pa­ra o ou­tro, não se faz ques­tão, em­bo­ra não se­ja ta­xa­ti­va­men­te, de se co­lo­car em cau­sa o que vi­mos nos pon­tos A,B e C, pois, por aqui, vai-se mes­mo EM, PA­RA e A, sem le­var em con­ta o que o PE exi­ge quan­to à es­ta­dia per­ma­nen­te, tem­po­rá­ria, en im. Em An­go­la, to­do e qual­quer mo­vi­men­to de um lo­cal (ou di­rec­ção) pa­ra ou­tro in­di­ca ir EM, ir A e ir PA­RA. Em­bo­ra se no­tas­se tal dis­cre­pân­cia en­tre o PE e o PA, a ideia de pro­ble­mas co­mu­ni­ca­ti­vos, na va­ri­an­te an­go­la­na, não é no­tó­rio.

4 - No PE, o ver­bo as­sis­tir, no sen­ti­do de ver, pre­sen­ci­ar e tes­te­mu­nhar, pe­de a pre­po­si­ção sim­ples A. As­sim, pa­ra o PE, as­sis­te-se Às no­ve­las, Aos il­mes, etc.

No sen­ti­do de aju­dar e pres­tar as- sis­tên­cia é um ver­bo tran­si­ti­vo di­rec­to. Lo­go, os mé­di­cos as­sis­tem o do­en­te.

Fa­ce ao que aci­ma se es­ta­be­le­ceu, apraz-nos di­zer que, no sen­ti­do de ver e pres­tar aju­da, con­tra­ri­an­do o PE, o ver­bo as­sis­tir é sim­ples­men­te tran­si­ti­vo di­rec­to, em­bo­ra se no­te, com pou­ca frequên­cia, ou­tro la­do da mo­e­da. Em ou­tras pa­la­vras, no PA, tal ver­bo dis­pen­sa aqui­lo que, nor­ma­ti­va­men­te, o PE le­va em con­ta.

Ex.: As­sis­ti on­tem, no Zap Vi­va, o jo­go do Pe­tro × 1.° D' Agos­to.

5- O pro­no­me VO­CÊ, em­bo­ra al­guns tra­di­ci­o­na­lis­tas di­zem que per­ten­ce à ter­cei­ra pes­soa e ou­tros, con­tra­ri­an­do-os (é o ca­so de D' Sil­vas Fi­lho, 2011; e Mag­nus Bergs­trom, 1997; Bag­no, 2006), di­zem que per­ten­ce à se­gun­da pes­soa. As­sim, no por­tu­guês fa­la­do em An­go­la, é uti­li­za­do, nal­guns ca­sos, co­mo um pro­no­me-su­jei­to da se­gun­da pes­soa e com a le­xão ver­bal tam­bém na se­gun­da pes­soa. Ex.: Vo­cê dis­ses­te o quê? 6- O PE diz que o ver­bo ‘’nas­cer’’ é in­tran­si­ti­vo. Por ou­tras pa­la­vras, não exi­ge um ob­jec­to di­rec­to ou in­di­rec­to pa­ra lhe com­ple­tar a ac­ção. Mas, na va­ri­e­da­de an­go­la­na, é às ve­zes uti­li­za­do co­mo um ver­bo que exi­ge um agen­te e um pa­ci­en­te. Dou­tra for­ma, é usa­do co­mo um ver­bo tran­si­ti­vo.

Ex.: A An­tó­nia nas­ceu um be­bé lin­do.

Tal co­mo acon­te­ce em La­tim e em Por­tu­guês (eu­ro­peu), há ver­bos que no PE são in­tran­si­ti­vos, mas que na va­ri­e­da­de an­go­la­na não, vi­ce-ver­sa.

7- En­quan­to no PE o ver­bo ‘’cor­te­jar’’ equi­va­le a uma ou­tra coi­sa, na va­ri­an­te an­go­la­na equi­va­le tam­bém a uma ou­tra coi­sa. Ex.: De­ves cor­te­jar bem o to­ma­te, ilha. Há mui­to que se fa­lar a res­pei­to. En­tre­tan­to, jul­ga­mos apre­sen­tar sim­ples­men­te o que se viu.

________________

Re­fe­rên­ci­as Bi­bli­o­grá icas:

BAG­NO, Mar­cos. (2006) A lín­gua de Eu­lá­lia : no­ve­la so­ci­o­lin­guís­ti­ca. 15a. ed. São Pau­lo: Con­tex­to.

BAG­NO, Mar­cos. (2007) Pre­con­cei­to Lin­guís­ti­co — o que é, co­mo se faz. 49a. ed. São Pau­lo: Loyo­la.

BERGS­TROM, Mag­nus. (1997) Pron­tuá­rio Or­to­grá ico E Guia da Lín­gua Por­tu­gue­sa. Lis­boa: No­tí­ci­as.

FI­LHO, D' Sil­vas. (2011) Pron­tuá­rio de Er­ros Cor­ri­gi­dos de Por­tu­guês. 4a. ed. Lu­an­da: Tex­tos Edi­to­res.

NDOM­BE­LE, Edu­ar­do D. T. (2014). Po­lí­ti­cas Lin­guís­ti­cas em An­go­la: uma re le­xão so­bre a iden­ti­da­de so­ci­o­lin­guís­ti­ca na­ci­o­nal. (Te­se de Dou­to­ra­men­to em Lin­guís­ti­ca). Uni­ver­si­da­de San Lo­ren­zo, San Lo­ren­zo.

Ca­e­ta­no de Sou­sa João Cam­bam­be

é um jo­vem na­tu­ral de Ma­lan­je. Fez o En­si­no Mé­dio na Es­co­la de For­ma­ção de Pro­fes­so­res de Ma­lan­je, op­ção Lín­gua Por­tu­gue­sa e EMC. Ac­tu­al­men­te, é re­si­den­te em Lu­an­da, Vi­a­na; li­cen­ci­an­do em En­si­no do Por­tu­guês e Lín­guas Na­ci­o­nais, na Uni­ver­si­da­de Je­an Pi­e­a­get.

CA­E­TA­NO CAM­BAM­BE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.