CRI­AR

1.º Pas­so →Dis­po­ni­bi­li­zar o tex­to

Jornal Cultura - - LETRAS -

Cri­ar cri­ar cri­ar no es­pí­ri­to cri­ar no mús­cu­lo cri­ar no ner­vo cri­ar no homem cri­ar na mas­sa cri­ar cri­ar com olhos se­cos Cri­ar cri­ar so­bre a pro­fa­na­ção da lo­res­ta so­bre a for­ta­le­za im­pu­di­ca do chi­co­te cri­ar so­bre o per­fu­me dos tron­cos ser­ra­dos cri­ar cri­ar com olhos se­cos Cri­ar cri­ar gar­ga­lha­das so­bre oes­cár­ni­o­da pal­ma­tó­ria co­ra­gem nas pon­tas das bo­tas dos ro­cei­ros for­ça no es­fran­ga­lha­do das por­tas vi­o­len­tas ir­me­za no ver­me­lho san­gue da in­se­gu­ran­ça cri­ar cri­ar com olhos se­cos Cri­ar cri­ar Es­tre­las so­bre o ca­mar­te­lo guerreiro paz so­bre o cho­ro das crianças paz so­bre o su­or so­bre a lá­gri­ma do contrato paz so­bre o ódio cri­ar cri­ar com olhos se­cos Cri­ar cri­ar li­ber­da­des nas es­tra­das es­cra­vas al­ge­mas de amor nos ca­mi­nhos pa­ga­ni­za­dos do amor sons fes­ti­vos so­bre o ba­lan­ceio dos cor­pos em for­ça si­mu­la­das Cri­ar cri­ar amor com os olhos se­cos. 2.º Pas­so → ler o tex­to (de­cla­mar) – in­di­vi­du­al­men­te, de­pois de o pro­fes­sor o ter fei­to. 3.º Pas­so → cha­mar aten­ção aos dis­cen­tes que, na aná­li­se do tex­to poé­ti­co, se­gun­do a Nova En­ci­clo­pé­dia Te­má­ti­ca – Literatura e ar­te (Sd:26), de­ve­mos con­si­de­rar a for­ma, o con­teú­do e a ex­pres­si­vi­da­de da lin­gua­gem. For­ma

Como es­tá com­pos­to o po­e­ma? Como se clas­si icam as es­tro­fes quan­to ao nu­me­ro de sí­la­bas?

Clas­si ique os ver­sos quan­to à sí­la­ba mé­tri­ca (É acon­se­lhá­vel tra­ba­lhar, ini­ci­al­men­te, com uma só es­tro­fe).

R: O po­e­ma em aná­li­se es­tá com­pos­to por seis es­tro­fes, com nú­me­ro de ver­sos ir­re­gu­la­res. A pri­mei­ra e a quin­ta es­tro­fes con­têm cin­co ver­sos, de­no­mi­nam-se quin­ti­lha; a se­gun­da pos­sui seis, re­ce­be o no­me de sex­ti­lha; a ter­cei­ra e a quar­ta es­tão cons­ti­tuí­das por se­te ver­sos, cha­mam-se sé­ti­ma e na sex­ta, por si­nal, a úl­ti­ma, há dois ver­sos – dís­ti­co. No po­e­ma, os ver­sos são lon­gos e cur­tos. Al­guns ri­mam, po­rém a ri­ma é me­ló­di­ca. Ex.: Cri/ar/ cri/ar cri/ar/ no es/pí/ri/to/ cri/ar/ no/ mús/cu/lo/ cri/ar/ no/ ner/vo cri/ar/ no/ ho/mem/ cri/ar /na/ ma/ssa cri/ar cri/ar/ com/ os o/lhos/ se/cos

Es­ta es­tro­fe, quan­to à sí­la­ba mé­tri­ca, é ir­re­gu­lar, ou se­ja, é as­si­mé­tri­ca, por­que os ver­sos não têm os mes­mos nú­me­ros de sí­la­bas mé­tri­cas. Por exem­plo, o pri­mei­ro ver­so con­tém três sí­la­bas mé­tri­cas, en­quan­to o se­gun­do tem 16 sí­la­bas mé­tri­cas...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.