MBAN­ZA KON­GO PA­TRI­MÓ­NIO DA HU­MA­NI­DA­DE

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - ADRIANO DE ME­LO |

A ex­pec­ta­ti­va­ex­pecx­pec­ta­ti­va eraa mui­ta, an­te­sa­nes dos es­pe­ci­a­lis­tas da UNESCOUNESCO anun­ci­a­re­ma­nun­ci­ar que An­go­la tem,em, des­de o pas­sa­do dia 8 de Ju­lho de 2017, um bem histhis­tó­ri­coo e cul­tu­ral­cul­tur na lis­ta do pa­tri­mó­ni­oi­mó­nio da Hu­ma­ni­da­de.Hu­ma­ni­da­de Ago­ra,a, o de­sa­fio é mai­or par­pa­ra os téc­ni­co­sos e es­pe­ci­a­lis­tas an­go­la­nos em an­tro­po­lo­gi­a­an­tro­po­lo­ga­nia e his­tó­ria. É pre­ci­so­e­ci­so um mai­or tra­ba­lho­tra­ba­lho de di­vul­ga­ção pa­ra­par mai­or va­lo­ri­za­çãov da ex-ca­pi­tal do Rei­noR do Kon­gon­go e des­ta ffor­ma atrai­rair to­dot o po­ten-po­ten­ci­al­ci­al tu­rís­ti­co­tur que ou­tro­sos pa­tri­mó­ni­os­pa mun­di­ais,, em vvá­ri­os paí­ses, fa­ze­mem ala­van­ca­ra­la as eco­no­mi­a­se­co­no­mi­as.ono­mi­as.

De­pois de anos de lu­ta, vá­ri­as ten­ta­ti­vas, mui­to es­for­ço e imen­so tra­ba­lho de pes­qui­sa, pros­pec­ção e re­co­lha de da­dos, eis que, ago­ra, a cul­tu­ra an­go­la­na pas­sa a ser par­te es­sen­ci­al da His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de. A inal, tra­ta-se, co­mo é ób­vio, de uma his­tó­ria e um pa­tri­mó­nio ini­gua­lá­vel. Mban­za Kon­go foi e con­ti­nu­a­rá a ser, com es­te re­co­nhe­ci­men­to, a ca­pi­tal dos an­ti­gos Reis do Con­go, um rei­na­do que se es­ten­dia dos Con­gos (Braz­za­vil­le e Li­bre­vil­le) até o Ga­bão, e al­ber­ga­va uma vas­ta tra­di­ção, ho­je mais en­rai­za­da en­tre os an­go­la­nos, mas que ago­ra cons­ta da lis­ta dos bens a se­rem pro­te­gi­dos por to­dos.

Um ga­nho sem fron­tei­ras e cu­jos lu­cros só o tem­po, num pe­río­do mé­dio ou lon­go, vão po­der mos­trar a ca­da uma das pes­so­as, en­tre na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, que aju­da­ram a ma­te­ri­a­li­zar o pro­jec­to.

O anún­cio o ici­al foi fei­to sá­ba­do. A ex­pec­ta­ti­va era mui­ta, an­tes dos es­pe­ci­a­lis­tas da UNES­CO anun­ci­a­rem que An­go­la tem, des­de o pas­sa­do dia 8 de Ju­lho de 2017, um bem his­tó­ri­co e cul­tu­ral na lis­ta do pa­tri­mó­nio da Hu­ma­ni­da­de. Ago­ra, a pers­pec­ti­va é no­va pa­ra os téc­ni­cos e es­pe­ci­a­lis­tas an­go­la­nos em an­tro­po­lo­gia e his­tó­ria. É pre­ci­so um mai­or tra­ba­lho de di­vul­ga­ção pa­ra mai­or va­lo­ri­za­ção da ex-ca­pi­tal do Rei­no do Kon­go e des­ta for­ma atrair to­do o po­ten­ci­al tu­rís­ti­co que ou­tros pa­tri­mó­ni­os mun­di­ais, em vá­ri­os paí­ses, fa­zem ala­van­car as eco­no­mi­as, co­mo Par­que uKhah­lam­ba Dra­kens­berg, na Áfri­ca do Sul, a Gran­de Mu­ra­lha, na Chi­na, as Pi­râ­mi­des de Gi­zé, no Egip­to, a Es­tá­tua da Li­ber­da­de, nos EUA, a Fa­cha­da da Pai­xão - Tem­plo Ex­pi­a­tó­rio da Sa­gra­da Fa­mí­lia, na Es­pa­nha, o Par­te­non, na Gré­cia, o Taj Mahal, na Ín­dia, ou o Ki­li­man­ja­ro, na Tan­zâ­nia.

Em­bo­ra ca­da um dos mo­nu­men­tos his­tó­ri­cos da Hu­ma­ni­da­de te­nha “o seu pe­so e a sua me­di­da”, as­sim co­mo a pró­pria im­por­tân­cia pa­ra o mun­do, Mban­za Kon­go, a par­tir de ago­ra, vai atrair a aten­ção de to­dos pa­ra as su­as po­ten­ci­a­li­da­des cul­tu­rais e le­var mui­tos dos pes­qui­sa­do­res a co­nhe­cer mais um pou­co so­bre a His­tó­ria de um po­vo in lu­en­te, que co­me­çou a so­frer mu­dan­ças pro­fun­das após a che­ga­da dos por­tu­gue­ses. É uma opor­tu­ni­da­de pa­ra des­co­brir mais so­bre as ori­gens dos Kon­gos, an­tes da co­lo­ni­za­ção, e des­ta for­ma aca­bar com “cer­tas his­tó­ri­as er­ra­das”, co­mo de­fen­dem mui­tos his­to­ri­a­do­res na­ci­o­nais, so­bre o mo­do de vi­da dos afri­ca­nos.

Com a ele­va­ção de Mban­za Kon­go cri­as­se mais es­pa­ço pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de con­tar a his­tó­ria de Áfri­ca, mas pre­ci­sa­men­te dos an­go­la­nos, a par­tir da pers­pec­ti­va dos pró­pri­os, pois foi es­sa mes­ma his­tó­ria e a sua in luên­cia pa­ra o con­ti­nen­te no sé­cu­lo XIV.

Os apoi­os ago­ra, vi­rão de vá­ri­os la­dos, uma vez que o re­co­nhe­ci­men­to da UNES­CO abre por­tas pa­ra no­vos de­sa ios, em es­pe­ci­al no do­mí­nio da pro­tec­ção do cen­tro his­tó­ri­co de Mban­za Kon­go, que, ao con­trá­rio de mui­tos bens da Hu­ma­ni­da­de em Áfri­ca, não foi in­cluí­do na lis­ta do pa­tri­mó­nio em pe­ri­go, gra­ças ao es­for­ço do Exe­cu­ti­vo, atra­vés do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e do Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Zai­re. Os mu­ní­ci­pes e as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais tam­bém têm mui­to mé­ri­to nes­ta ques­tão, já que mes­mo an­tes do tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção dos es­pe­ci­a­lis­tas o res­pei­to por de­ter­mi­na­dos mo­nu­men­tos lo­cais foi sem­pre uma re­a­li­da­de en­tre os na­tu­rais.

Ain­da des­co­nhe­ci­da de mui­tos, Mban­za Kon­go tem pon­tos de atrac­ção tu­rís­ti­ca que fo­ram, por anos, o “car­tão pos­tal” da an­ti­ga ca­pi­tal do Rei­no do Con­go e ago­ra de­vem ser di­vul­ga­dos no­va­men­te aos an­go­la­nos, em es­pe­ci­al os jo­vens, e ao Mun­do. En­tre as re­fe­rên­ci­as lo­cais des­ta­ca-se o Pa­lá­cio Re­al (ac­tu­al­men­te é o es­pa­ço que deu ori­gem ao Mu­seu dos Reis do Con­go), a mi­le­nar ár­vo­re sa­gra­da Ya­la Nkuwu, o Lum­bu (Tri­bu­nal Con­su­e­tu­di­ná­rio), as missões ca­tó­li­ca e evan­gé­li­ca, o Ku­lum­bim­bi (an­ti­ga Sé Ca­te­dral e com ba­se nas in­for­ma­ções do Va­ti­ca- no a mais an­ti­ga ca­te­dral fei­ta na Áfri­ca Aus­tral), o ce­mi­té­rio dos Reis do Con­go e o Tú­mu­lo de Do­na Mpo­lo (a mãe de um dos reis).

“A an­ti­ga ca­pi­tal do Rei­no do Con­go re­ve­la, mais do que em qu­al­quer ou­tro lo­cal na Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na, as pro­fun­das mu­dan­ças cau­sa­das pe­la in­tro­du­ção do cris­ti­a­nis­mo e a che­ga­da dos por­tu­gue­ses à Áfri­ca cen­tral”, con­si­de­ra­ram os es­pe­ci­a­lis­tas da UNES­CO aquan­do do anún­cio o ici­al, que ser­viu ain­da pa­ra in­for­mar os ou­tros 20 no­vos mo­nu­men­tos na lis­ta do Pa­tri­mó­nio Mun­di­al, que pas­sa a con­tar com 1.073 sí­ti­os de in­te­res­se da hu­ma­ni­da­de.

Pro­jec­tos

Os téc­ni­cos an­go­la­nos, an­tes co­or­de­na­dos por Só­nia Do­min­gos, tam­bém co­me­çam a tra­çar no­vas es­tra­té­gi­as, não só pa­ra a me­lhor pre­ser­va­ção do acer­vo de Mban­za Kon­go, co­mo à ins­cri­ção de no­vos sí­ti­os e lo­cais his­tó­ri­cos na lis­ta do pa­tri­mó­nio. Tchi­tun­du Hu­lo, com as su­as gru­tas mi­le­na­res, é uma das mais co­gi­ta­das.

Po­rém, e de acor­do com as re­co­men­da­ções saí­das da reu­nião do Co­mi­té do Pa­tri­mó­nio Mun­di­al, re­a­li­za­do na ci­da­de Cra­có­via, Po­ló­nia, ur­ge, ago­ra, a cri­a­ção de um cen­tro na­ci­o­nal ou re­gi­o­nal de pes­qui­sa e de for­ma­ção nas áre­as de pro­tec­ção e va­lo­ri­za­ção

Mi­nis­tra da Cul­tu­ra tra­ba­lha na Pro­vin­cia do Zai­re

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.