LÍNGUASÍNGUAS NA­CI­O­NAIS E EDUCAÇEDUCAÇÃO AÇÃO FI­NAN­CEI­RA CEI­RA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - JOÃO N’GOLA TRINDADE

Num pri­mei­ro mo­men­to, tem-em-se a im­pres­sãoim­pr de que a ale­ga­da «po­bre­za de vo­ca­bu­lár­vo­ca­bu­lá­ri­o­so­ca­bu­lá­ri­os» das lín­guas na­ci­o­nais in­vi­a­bi­li­za­ri­aia a trans­mis­são­tr de con­cei­tos eco­nó­mi­cos co­mo­o­mo pou­pan­ça, cré­di­to,cr etc., que se­ri­am des­co­nhe­ci­do­so­nhe­ci­dos pe­los fa­lan­tes­fa­lan das lín­guas ban­tu em An­go­la.ngo­la. Es­ta se­rá­ser a ra­zão pe­la qu­al elas te­nham si­do ex­cluí­das­cluí­das do pro­gra­ma­pr de Edu­ca­ção Fi­nan­cei­raa que vi­sa, en­tre­en ou­tros, a in­clu­são fi­nan­cei­ra de to­do­so­dos os ci­da­dãos an­go­la-an­go­la-an­go­la nos.nos.

IN­TRO­DU­ÇÃO

Con­si­de­ran­do a di­ver­si­da­de lin­guís­ti­ca em An­go­la, e os ob­jec­ti­vos pros­se­gui­dos pe­lo pro­gra­ma de Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra pro­pu­se­mo-nos re­flec­tir em tor­no da se­guin­te ques­tão: se­rão as lín­guas na­ci­o­nais um «cons­tran­gi­men­to» pa­ra a Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra em An­go­la?

Num pri­mei­ro mo­men­to, tem- se a im­pres­são de que a ale­ga­da «po­bre­za de vo­ca­bu­lá­ri­os » das lín­guas na­ci­o­nais in­vi­a­bi­li­za­ria a trans­mis­são de con­cei­tos eco­nó­mi­cos co­mo pou­pan­ça, cré­di­to, etc., que se­ri­am des­co­nhe­ci­dos pe­los fa­lan­tes das lín­guas ban­tu em An­go­la. Es­ta se­rá a ra­zão pe­la qu­al elas te­nham si­do ex­cluí­das do re­fe­ri­do pro­gra­ma que vi­sa, en­tre ou­tros, a in­clu­são fi­nan­cei­ra de to­dos os ci­da­dãos an­go­la­nos.

Im­por­ta es­cla­re­cer que es­ta não é a pri­mei­ra vez que nos pro­nun­ci­a­mos so­bre es­te as­sun­to, pois, uma ver­são se­me­lhan­te ao tex­to que se­gue foi en­tre­gue à quem de di­rei­to, há cer­ca de dois anos, com o pro­pó­si­to de des­per­tar os res­pon­sá­veis do re­fe­ri­do pro­gra­ma so­bre a im­por­tân­cia das lín­guas na­ci­o­nais pa­ra a Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra em An­go­la.

Por ou­tro la­do, não pre­ten­de­mos de for­ma al­gu­ma des­cre­di­bi­li­zar o pro­gra­ma em cau­sa. Pe­lo con­trá­rio. Dis­cu­ti-lo na pers­pec­ti­va que me­lhor con­vi­er aos es­pe­ci­a­lis­tas em Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Letras (His­tó­ria, An­tro­po­lo­gia, Lin­guís­ti­ca, Eco­no­mia, etc.) po­de­rá tra­zer ou­tros sub­sí­di­os que cer­ta­men­te aju­da­rão a me­lho­rá-lo e a al­can­çar os seus ob­jec­ti­vos.

CON­TRA AR­GU­MEN­TO

Os de­fen­so­res da te­se aci­ma apre­sen­ta­da ali­nham no pen­sa­men­to de que so­men­te por meio das lín­guas eu­ro­pei­as é pos­sí­vel trans­mi­tir os con­cei­tos aci­ma ci­ta­dos, e ou­tros co­nhe­ci­dos pe­los eco­no­mis­tas. Tal­vez se­ja es­te o mo­ti­vo pe­lo qu­al as lín­guas na­ci­o­nais te­nham si­do ex­cluí­das do re­fe­ri­do pro­gra­ma que, en­tre ou­tros, vi­sa pro­mo­ver a in­clu­são inan­cei­ra de to­dos os ci­da­dãos an­go­la­nos, in­de­pen­den­te­men­te da sua ori­gem et­no­lin­guís­ti­ca, es­tra­to so­ci­al, etc., etc..

Na ver­da­de, a ideia se­gun­do a qu­al a "mul­ti­pli­ci­da­de de lín­guas na­ci­o­nais" cons­ti­tui um dos "cons­tran­gi­men­tos" pa­ra a Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra em An­go­la sus­ci­ta uma bre­ve re le­xão so­bre um dos pe­río­dos da His­tó­ria de An­go­la – o co­lo­ni­a­lis­mo - du­ran­te o qu­al as au­to­ri­da­des co­lo­ni­ais por­tu­gue­sas, des­pre­o­cu­pa­das com o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co-so­ci­al e cul­tu­ral dos an­go­la­nos, su­bal­ter­ni­za­ram as lín­guas na­ci­o­nais que as­so­ci­a­vam ao "cão" – qua­li ica­ti­vo atri­buí­do ao “in­dí­ge­na” pe­lo co­lo­ni­a­lis­ta por­tu­guês in­cum­bi­do da mis­são de ele­vá-lo à con­di­ção de “ci­vi­li­za­do”.

O al­can­ce des­te es­ta­tu­to exi­gia o cum­pri­men­to de uma série de obri­ga­ções, den­tre as quais a luên­cia na lín­gua por­tu­gue­sa por meio da qu­al es­ta­be­le­ci­am-se re­la­ções de po­der e sub­mis­são en­tre “co­lo­ni­za­do­res e co­lo­ni­za­dos” (CI­PRI­A­NO 2004:16).

Não ad­mi­ra que as cha­ma­das "lín­guas de cães" (CI­PRI­A­NO 2004:16)ti­ves­sem ape­nas ex­pres­são nas zo­nas ru­rais (KUKANDA 2003:363) que al­ber­ga­vam a mai­or par­te da po­pu­la­ção an­go­la­na ex­cluí­da do sis­te­ma inan­cei­ro ali­a­do à ex­plo­ra­ção inan­cei­ra de An­go­la, sub­me­ti­da igual­men­te à do­mi­na­ção cul­tu­ral.

Ora, com a con­quis­ta da in­de­pen­dên­cia (1975), e da paz (2002), a ex­pan­são dos ser­vi­ços ban­cá­ri­os pa­ra as zo­nas ru­rais, ain­da na sua fa­se ini­ci­al, com vis­ta ao fo­men­to da pro­du­ção lo­cal, ur­ge a ne­ces­si­da­de de se pen­sar na pos­si­bi­li­da­de de se edu­car inan­cei­ra­men­te o ci­da­dão na sua lín­gua ma­ter­na. Mas, se­rá pos­sí­vel al­can­çar es­te ob­jec­ti­vo?

CON­CEI­TO DE EDU­CA­ÇÃO FI­NAN­CEI­RA

A Edu­ca­ção é um pro­ces­so de trans­mis­são e re­cep­ção de co­nhe­ci­men­tos e in­for­ma­ções úteis pa­ra a vi­da. En­vol­ve co­mu­ni­ca­ção – ac­to no qu­al a lín­gua per­mi­te a in­ter­li­ga­ção en­tre o emis­sor e o re­cep­tor da men­sa­gem e a in­ter- com­pre­en­são en­tre am­bos. É tam­bém um pro­ces­so que con­sis­te na di­fu­são, re­cep­ção e uso da "in­for­ma­ção inan­cei­ra de for­ma mais e ici­en­te e de mo­do mais ade­qua­do"; "con­tri­bui [de] mo­do mais e ici­en­te, pa­ra a for­ma­ção de in­di­ví­du­os e de so­ci­e­da­des res­pon­sá­veis, [e] com­pro­me­ti­dos com o fu­tu­ro".

Ora, a trans­mis­são da in­for­ma­ção so­bre exis­tên­cia de pro­du­tos e ser­vi­ços, pres­su­põe o do­mí­nio da lín­gua lo­cal, de uso diá­rio pe­lo ci­da­dão com o ob­jec­ti­vo de se atin­gir o ob­jec­ti­vo prin­ci­pal Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra: a com­pre­en­são da in­for­ma­ção vei­cu­la­da so­bre a exis­tên­cia e uti­li­da­de dos pro­du­tos ban­cá­ri­os, su­as van­ta­gens e be­ne íci­os pa­ra os seus con­su­mi­do­res.

Sen­do a edu­ca­ção um pro­ces­so de in­te­rac­ção fo­ca­do na trans­mis­são e aqui­si­ção de co­nhe­ci­men­tos e in­for­ma­ção inan­cei­ra, a lín­gua lo­cal, co­mo ve­re­mos, de­sem­pe­nha um pa­pel mui­to im­por­tan­te na apro­xi­ma­ção en­tre a Ban­ca e os ci­da­dãos que re­si­dem nas zo­nas ru­rais nas quais se ve­ri ica a au­sên­cia dos Ban­cos Co­mer­ci­ais.

EDU­CA­ÇÃO FI­NAN­CEI­RA NUM PAÍS MUL­TI­CUL­TU­RAL

A lín­gua, já o dis­se­mos, é o ca­nal que per­mi­te o lu­xo de idei­as e com o qu­al se trans­mi­te a edu­ca­ção; es­tá pre­sen­te nos pro­ces­sos de pro­du­ção e pro­mo­ção dos bens in­dis­pen­sá­veis à so­bre­vi­vên­cia do homem; re­por­ta fac­tos eco­nó­mi­cos, co­mo a agri­cul­tu­ra, pro­ta­go­ni­za­dos pe­lo homem que além de agen­te eco­nó­mi­co é por­ta­dor de va­lo­res cul­tu­rais.

Na lín­gua um­bun­du o ter­mo eli­lon­gi­so traz con­si­go os sen­ti­dos de en­si­no e apren­di­za­gem, ao pas­so que a pa­la­vra olom­bon­go sig­ni ica di­nhei­ro.

As­sim sen­do, se ao pri­mei­ro ter­mo as­so­ci­ar­mos o olom­bon­go, te­re­mos a no­ção/ideia de Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra.

Es­te pro­ces­so ga­nha uma di­men­são cul­tu­ral con­subs­tan­ci­a­da na uti­li­za­ção e va­lo­ri­za­ção da lín­gua lo­cal que por si­nal é o ex­po­en­te má­xi­mo da cul­tu­ra de um po­vo; o uso das lín­guas lo­cais ga­ran­te a sua so­bre­vi­vên­cia no mun­do em que o do­mí­nio inan­cei­ro se tra­duz igual­men­te na im­po­si­ção das lín­guas es­tran­gei­ras.

Na ver­da­de, os con­cei­tos eco­nó­mi­cos não são des­co­nhe­ci­dos pe­los ban­tus que ha­bi­tam o ter­ri­tó­rio an­go­la­no. Os tes­te­mu­nhos lin­guís­ti­cos das co­mu­ni­da­des ét­ni­cas exis­ten­tes em An­go­la, ana­li­sa­dos por vá­ri­os es­tu­di­o­sos (TCHIKALE 2011, RIBAS 2014), sus­ten­tam o ar­gu­men­to de que os ban­tus pos­su­em no­ção de con­cei­tos eco­nó­mi­cos co­mo pou­pan­ça, ra­ci­o­na­li­da­de, gestão, etc..

“KASOLEKA OHETA HOKULUKO”

O con­su­mis­mo de­sen­fre­a­do en­ten- di­do aqui co­mo cul­tu­ra da gas­tan­ça te­rá si­do um dos fac­to­res que con­tri­buiu pa­ra que mui­tos an­go­la­nos não pu­des­sem (1) acu­mu­lar pou­pan­ças, (2) in­ves­ti-las, por exem­plo, na aber­tu­ra de uma con­ta a pra­zo em no­me dos seus ilhos pa­ra que pu­des­sem usu­fruir de ju­ros as­sim que atin­gis­sem a idade adul­ta, ou ain­da (3) su­prir al­gu­mas ne­ces­si­da­des.

As­sim sen­do, ape­la-se ao in­di­ví­duo pa­ra que te­nha o há­bi­to de pou­par os seus re­cur­sos inan­cei­ros pa­ra que fu­tu­ra­men­te pos­sa su­prir as su­as ne­ces­si­da­des e re­sol­ver ou­tros pro­ble­mas. Tra­tan­do-se de um che­fe de fa­mí­lia, a ob­ser­vân­cia des­te prin­cí­pio ga­ran­te a co­ber­tu­ra das despesas li­ga­das a ali­men­ta­ção, ves­tuá­rio, for­ma­ção es­co­lar dos ilhos, e não só, pois, “ia ‘ixi: «ngi­dia, ngi­ze­ke­sa, nza­la ien­da ki­me­ne­me­ne»”. Ou se­ja, “quem gu­ar­da pre­vi­ne-se” (RIBAS 2009:180).

“KʼOLOMBONGO KAKULI UKAMBA”

A ob­ten­ção de um cré­di­to den­tro de um pra­zo cur­to – ob­jec­ti­vo pros­se­gui­do por mui­tos ci­da­dãos - é um fac­to que em al­guns ca­sos de­cor­re da aju­da do ami­go que, na qua­li­da­de de tra­ba­lha­dor de um ban­co, agi­li­za o pro­ces­so cu­ja con­clu­são se ma­te­ri­a­li­za com a con­ces­são do va­lor so­li­ci­ta­do.

A ten­dên­cia do be­ne iciá­rio se­rá de, em al­guns ca­sos, pen­sar que o em­prés­ti­mo lhe fo­ra con­ce­di­do pe­lo ami­go, es­que­cen­do-se do com­pro­mis­so as­su­mi­do com o Ban­co no qu­al es­te tra­ba­lha. Nes­te ca­so, a re­la­ção pri­vi­le­gi­a­da que o cli­en­te man­têm com o seu ami­go não po­de ser mo­ti­vo pa­ra que ique aco­mo­da­do, is­to é, sem pa­gar as pres­ta­ções, con­ven­ci­do de que o seu ami­go usa­rá a sua «in luên­cia» a seu fa­vor. Dí­vi­da, é va­lor que tem que ser pa­go. Eis o mo­ti­vo pe­lo qu­al se diz que “ami­gos, ami­gos. Ne­gó­ci­os à par­te”(TCHIKALE 2011:73).

“MO­NA UA KINEMA, MA­MA NI TATA U-UM-IJIA”

O ne­gó­cio as­se­me­lha-se ao be­bé cu­jo cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to é ga­ran­ti­do pe­lo cui­da­do que lhe fo­rem de­di­ca­dos pe­la mãe. O prin­cí­pio apli­ca-se ao ne­gó­cio que re­gis­ta­rá cres­ci­men­to ape­nas se for ge­ri­do pes­so­al e di­rec­ta­men­te pe­lo seu do­no.

Uma gestão ri­go­ro­sa, sé­ria e pro is-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.