O TEM­PO-ES­PA­ÇO AN­GO­LA­NO EM INÁ­CIO RE­BE­LO DE AN­DRA­DE

Jornal Cultura - - LETRAS -

Fa­lan­do de um es­cri­tor an­go­la­no que ex­pri­miu o ser atra­vés da lin­gua­gem li­te­rá­ria, nun­ca vi­rá ao ca­so a lo­rar re­cor­rên­ci­as cos­mo­ló­gi­cas re­por­tan­do New­ton ou Eins­tein... To­da­via, nem por is­so o au­tor te­lú­ri­co, agró­no­mo de for­ma­ção e mis­ter aca­dé­mi­co, que foi Iná­cio Re­be­lo de An­dra­de, dei­xa­rá de ser, a meu ver, um ver­da­dei­ro “ca­se study”, pe­lo que ne­le, pe­la me­mó­ria e lin­gua­gem des­cri­tas nu­ma obra co­pi­o­sa, que abar­ca qua­se to­dos os gé­ne­ros li­te­rá­ri­os, se in­se­re nas Con is­sões de San­to Agos­ti­nho, se­gun­do as quais “pen­sar o tem­po sig­ni ica a obri­ga­ção de pen­sar na lin­gua­gem que o diz e ne­le se diz.”

Quem leu os nu­me­ro­sos li­vros re­pre­sen­ta­dos por ro­man­ces, con­tos, me­mó­ri­as e po­e­mas que ele es­cre­veu, to­dos cen­tra­dos num te­ma úni­co – o Hu­am­bo e as su­as gen­tes – não dei­xa­rá de con­si­de­rar que, ne­le, o tem­po foi me­di­do pe­lo es­pa­ço em que de­cor­re­ram as coi­sas, pro­du­zin­do uma in­te­ri­o­ri­da­de psí­qui­ca que, no pen­sa­men­to agos­ti­ni­a­no, “abriu um no­vo cam­po de re­fle­xão: o da tem­po­ra­li­da­de da nos­sa con­di­ção es­pe­cí­fi­ca de se­res que não só nas­cem e mor­rem ‘ no’tem­po, mas, so­bre­tu­do, que sa­bem, que têm cons­ci­ên­cia des­sa sua con­di­ção tem­po­ral e mortal.” Pa­ra San­to Agos­ti­nho, tal co­mo pa­ra Iná­cio, que era um cren­te con­fes­so, eter­ni­da­de, só a de Deus... E ele ti­nha cons­ci­ên­cia des­sa re­la­ti­vi­da­de. Co­mo con­fes­sa num bre­ve po­e­ma do li­vro O que Dis­pa­ro em Ver­so: “Ao fim de tan­tos anos, / não sei se tu­do aqui­lo que es­cre­vi/ va­leu en­tão a pe­na; / se me­re­ceu o tem­po de lei­tu­ra/ ou foi coi­sa pe­que­na/e má li­te­ra­tu­ra.”

Se for ver­da­de, co­mo es­cre­veu Edu­ar­do Lou­ren­ço, que“A li­te­ra­tu­ra mo­di icou des­de o iní­cio a re­la­ção dos ho­mens con­si­go mes­mos. An­tes: cri­ou-lhes uma ima­gem sem a qu­al se po­de di­zer que não ti­nham ima­gem”, no es­cri­tor Iná­cio Re­be­lo de An­dra­de es­sa cri­a­ção deu-se com a as­sun­ção da ima­gem de um Hu­am­bo fei­to al­ma, pá­tria ou má­tria de quem se a ir­ma pe­la me­mó­ria e sau­da­de de um pa­raí­so per­di­do, ou por­ven­tu­ra adi­a­do, a crer nas úl­ti­mas pa­la­vras de La­men­to de um Exi­la­do: “Quan­do re­cor­do a mi­nha ter­ra, cheia de luz, de co­res, de sons, de chei­ros e de sa­bo­res, quan­do a evo­co e lhe re­cu­pe­ro pe­la me­mó­ria a di­men­são in in­dá­vel – to­ma-me cá o pei­to um aba­ti­men­to tão gran­de, que eu só que­ro é aca­bar de vez com es­te exí­lio e vol­tar pa­ra lá!”

Mas não vol­tou... Saí­do com a fa­mí­lia da ci­da­de en­tão cha­ma­da No­va Lis­boa, nos me­a­dos de 1975, quan­do lo­cal­men­te a guerra ci­vil tor­nou, pa­ra ele e ou­tros ilhos do Hu­am­bo, a vi­da in­su­por­tá­vel, sob uma cons­tan­te ame­a­ça que não dis­tin­guia os bons e os maus ilhos da ter­ra-ma­ter, a pon­te aé­rea es­ta­be­le­ci­da in ex­tre­mis fez de Lis­boa o “por­to de abri­go” que ele só pen­sou apro­vei­tar co­mo re­cur­so até ao ter­mo da guerra fra­ti­ci­da que de­vas­sa­ra a sua ter­ra na­tal. En­tre­tan­to, al­go mais, e tam­bém cho­can­te, acon­te­ceu: a ca­mi­nho do Cen­tro de Saú­de que fun­da­ra nos ar­re­do­res da ci­da­de pa­ra ser­vir o po­vo, o “mé­di­co dos po­bres” Da­vid Ber­nar­di­no é as­sas­si­na­do pe­los guer­ri­lhei­ros da UNITA; na mes­ma al­tu­ra, ou­tros ami­gos pró­xi­mos, tam­bém co­no­ta­dos com o MPLA, são igual­men­te ví­ti­mas do mes­mo ini­mi­go; mais tar­de ain­da, em 1977, o ami­go, co­le­ga agró­no­mo e com­pa­nhei­ro nas li­des edi­to­ri­ais da “Co­lec­ção Bai­lun­do”, o jor­na­lis­ta, cro­nis­ta e po­e­ta Er­nes­to La­ra (Fi­lho), mor­re em ple­na ci­da­de já des­truí­da num aci­den­te de vi­a­ção. En­ter­ra­do qua­se ano­ni­ma­men­te em cam­pa ra­sa, aca­ba­ra de es­cre­ver um po­e­ma trá­gi­co, mas ain­da es­pe­ran­ço­so, in­ti­tu­la­do sim­ples­men­te “Hu­am­bo”, que ter­mi­na as­sim:

Em teu chão re­ga­do pe­lo san­gue dos que tom­ba­ram, on­de apo­dre­cem ca­dá­ve­res, hão- de lo­rir dá­li­as ro­xas co­mo as que co­lhi on­tem

no meu quin­tal (…) Du­ran­te a me­ta­de da sua vi­da que o ixou a Por­tu­gal, no­me­a­da­men­te no Mon­te Estoril, com pe­río­dos de au­sên­cia em fun­ção do seu mis­ter de pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, na Fran­ça, Bra­sil e Ma­cau, Iná­cio es­cre­veu até fa­le­cer, com 82 anos, de do­en­ça pro­lon­ga­da, na ma­nhã de 14 de Maio de 2017 (co­mo se es­pe­ras­se pe­lo ter­mo das fes­ti­vi­da­des de Fá­ti­ma, pa­ra não fe­rir os de­vo­tos…), tu­do quan­to era pos­sí­vel es­cre­ver, em His­tó­ria e So­ci­o­lo­gia, so­bre o Hu­am­bo e a ci­da­de que se cha­mou No­va Lis­boa. In­clu­si­va­men­te, ele man­ti­nha um blog sig­ni ica­ti­va­men­te in­ti­tu­la­do “Mu­kan­das do Mon­te Estoril” e o e- mail “ir­de­a­dohu­am­bo”. E sem­pre ixa­do nu­ma Sau­da­de que não cedeu às vi­sões pes­si­mis­tas de ou­tros con­ter­râ­ne­os no­tá­veis, de nas­ci­men­to, co­mo o gran­de ra­di­a­lis­ta Se­bas­tião Co­e­lho, e de cir­cuns­tân­cia ( pe­la ado­les­cên­cia e pri­mei­ra ex­po­si­ção no An­du­lo) o não me­nos gran­de pin­tor e po­e­ta Al­ba­no Neves e Sou­sa, exi­la­do o pri­mei­ro em Buenos Aires e o se­gun­do em Salvador da Bahia – to­dos po­den­do di­zer o mes­mo que dis­se­ram Se­bas­tião e Al­ba­no num en­con­tro pro­gra­ma­do no Bra­sil: ”Já que não pos­so es­tar em An­go­la, An­go­la es­tá em mim.”

No fun­do, to­dos eles ad­mi­tin­do que de­pois de um tem­po ou­tros tem­pos vi­ri­am, a Sau­da­de do pas­sa­do vi­vi­do, pen­sa­do e tra­ba­lha­do com amor ia ven­cen­do o Pre­sen­te que em 1998 ain­da o po­e­ta Da­vid Mes­tre re­ver­tia num pre­fá­cio ao li­vro de Iná­cio Quan­do o Hu­am­bo era No­va Lis­boa:

No­va Atlân­ti­da, per­dão, No­va Lis­boa sub­mer­giu des­te mo­do, tra­gi­ca­men­te in­se­pul­ta, na His­tó­ria. (…) Na­da res­tou de pé, eu pró­prio as­sis­ti na te­le­vi­são de Lu­an­da ao pâ­ni­co da po­pu­la­ção ci­vil fu­gin­do pe­las ru­as e tom­ban­do sob a me­tra­lha com os par­cos ha­ve­res à ca­be­ça, mu­lhe­res e cri­an­ças cor­ren­do pa­ra la­do ne­nhum, pa­ra o ca­pim, pa­ra o ma­to, grá­vi­das pa­rin­do no ca­mi­nho, gen­te des­fa­le­cen­do à mín­gua, à se­de, à mor­te anun­ci­a­da pe­lo voo pa­ci­en­te e cir­cu­lar dos abu­tres.

Em 2001, Iná­cio con ia-me um pos­fá­cio às su­as Re­vi­si­ta­ções no Exí­lio, em que con­cluo:

En im, co­nhe­ci­do, ho­je, o inal da “his­tó­ria”, não fal­ta quem cha­me Uto­pia aos “sonhos” e “es­pe­ran­ças” que mo­bi­li­za­ram o au­tor e mui­tos por­tu­gue­ses, an­go­la­nos e lu­so- an­go­la­nos, por pa­la­vras e ac­tos não ne­ces­sa­ri­a­men­te re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os, no “com­ba­te con­tra al­gu­mas ini­qui­da­des”. Não eram uto­pis­tas: ti­nham “os pés in­ca­dos na ter­ra” e a con­vic­ção ir­me de que, ex­tir­pa­das as er­vas ruins e im­pe­din­do os pre­da­do­res, ha­via to­das as hi­pó­te­ses de al­can­çar uma co­lhei­ta ex­ce­len­te. E, as­sim, o “ inal” da his­tó­ria se­ria ou­tro.

Qui­ses­sem os deu­ses.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.