A UTO­PIA DOS LOUCOS NO REI­NO DAS CASUARINAS

Jornal Cultura - - LETRAS -

No ro­man­ce de Jo­sé Luís Men­don­ça pu­bli­ca­do em 2014, O Rei­no das Casuarinas, dá-se voz a vá­ri­as igu­ras mar­gi­na­li­za­das das ru­as de Lu­an­da. En­tre in­di­gen­tes, va­ga­bun­dos, pá­ri­as e alei­ja­dos, o nar­ra­dor Nku­lu (an­ti­go com­ba­ten­te de guerra mu­ti­la­do) vai apre­sen­tan­do os se­te per­so­na­gens­fun­da­do­res do rei­no utó­pi­co: Pri­mi­ti­vo, Rai­nha Eu­ta­ná­sia, Po­vo do Vol­vo, Ra­zões da Cruz Ver­me­lha, Pro­fe­ta, Kat­chim­bam­ba, e PAM.

To­das es­tas igu­ras são con­si­de­ra­das so­ci­al­men­te lou­cas, uma vez que, por vá­ri­as ra­zões, fo­ram en­vi­a­das pa­ra o Hos­pi­tal Psi­quiá­tri­co de Lu­an­da, de on­de fu­gi­ram vi­san­do per­pe­tu­ar uma na­ção qui­mé­ri­ca na ilha da ca­pi­tal an­go­la­na. Es­ta ati­tu­de ra­di­ca no ca­riz ale­gó­ri­co do ro­man­ce: após a sua lei­tu­ra, ica­mos ple­na­men­te con­ven­ci­dos que são os per­so­na­gens loucos a pen­sar de ma­nei­ra cor­rec­ta, ao pas­so que os des­ti­nos de An­go­la são – na re­a­li­da­de – di­ri­gi­dos pe­los ver­da­dei­ros loucos.

Gos­ta­ría­mos aqui de es­ta­be­le­cer co­ne­xão com um en­saio de Pi­res La­ran­jei­ra acer­ca da po­e­sia de um au­tor ade­qua­do nes­ta ma­té­ria, o an­go­la­no An­tó­nio Ja­cin­to, vá­ri­as ve­zes ci­ta­do e pa­ra­fra­se­a­do no li­vro de Men­don­ça. Em «Marx, La­can, e Fou­cault ha­vi­am de gos­tar da su­bal­ter­ni­da­de e pré-lou­cu­ra em An­tó­nio Ja­cin­to», La­ran­jei­ra re­al­ça que a lou­cu­ra do po­e­ta se re­ve­la “um pa­ta­mar de hu­ma­ni­da­de igual ao da­que­les que não são atin­gi­dos por es­sa ener­gia ge­ra­do­ra de um es­ta­do de ex­cep­ção, um pa­ta­mar de ac­tu­a­ção no mun­do que não di­fe­re de ou­tros mo­dos de ac­tu­a­ção, se­não pe­la sua pe­cu­li­a­ri­da­de de re­la­ção com o sig­ni ican­te, com o dis­cur­so, co­mo se dis­cur­so não fos­se o dis­cur­so do Ou­tro, mas o dis­cur­so do mes­mo, do en­si­mes­ma­men­to, de uma es­pé­cie de au­tis­mo ab­so­lu­to (no ca­so da es­qui­zo­fre­nia), o que per­mi­ti­ria to­do o ti­po de dis­cur­so, por mais im­pre­vi­sí­vel que pos­sa ser.” (LA­RAN­JEI­RA, 2015: 59)

Ora, é pre­ci­sa­men­te es­ta pe­cu­li­a­ri­da­de de dis­cur­so que po­de­mos ob­ser­var nos per­so­na­gens loucos de O Rei­no das Casuarinas. Pa­ra lá do prin­cí­pio de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção que pre­si­de um arqué­ti­po tão em­ble­má­ti­co co­mo o «Po­e­ma da ali­e­na­ção» (“o meu po­e­ma sou eu-bran­co\mon­ta­do em mim­pre­to\a ca­val­gar pe­la vi­da”) de An­tó­nio Ja­cin­to, o Rei­no em cau­sa ten­ta evi­den­ci­ar uma pos­si­bi­li­da­de de de­sa­li­e­na­ção, vis­to a cons­ci­ên­cia dis­cur­si­va dos seus per­so­na­gens-fun­da­do­res, so­ci­al e po­li­ti­ca­men­te, ser tam­bém uma cons­ci­ên­cia li­ber­ta­do­ra, pro­fé­ti­ca, e vi­si­o­ná­ria.

Por con­se­guin­te, os per­so­na­gens do ro­man­ce de­mons­tram co­nhe­cer a si­tu­a­ção his­tó­ri­ca e so­ci­al em que se en- con­tram, le­gi­ti­man­do a ini­ci­a­ti­va em­pre­en­de­do­ra do Rei­no co­mo res­pos­ta cri­a­ti­va à sua con­di­ção ex­ter­na e in­ter­na de ali­e­na­dos. Es­ta “ex­pres­são da ali­e­na­ção” (LA­RAN­JEI­RA: 56) é le­va­da a ca­bo não ape­nas na re­bel­dia do ato de fun­da­ção do Rei­no, mas, igual­men­te, pe­lo pró­prio Jo­sé Luís Men­don­ça, ao en­gen­drar, de for­ma tão sui ge­ne­ris, es­ta Uto­pia dos Loucos nu­ma co­mu­ni­da­de li­vre­men­te ima­gi­na­da.

A lou­cu­ra do Rei­no das Casuarinas não se tra­ta, por­tan­to, de um re­cur­so sim­ples­men­te ide­a­lis­ta, mas an­tes de raiz mar­ca­da­men­te on­to­ló­gi­ca, pois, co­mo es­cre­veu Fou­cault: “o homem tem aces­so a si mes­mo co­mo ser ver­da­dei­ro; mas es­te ser ver­da­dei­ro não lhe é da­do se­não na for­ma de ali­e­na­ção” (FOU­CAULT, 1972: 548). Is­to tor­na-se evi­den­te no inal da obra, quan­do um dos ele­men­tos do Rei­no das Casuarinas, o sem-abri­go Kat­chim­bam­ba, co­mo for­ma de pro­tes­to con­tra o pri­mei­ro pro­ces­so elei­to­ral da na­ção, en­ve­ne­na o ca­fé con­ser­va­do nu­ma ve­lha la­ta de lei­te Ni­do, par­ti­lha­da por to­dos, sui­ci­dan­do-se e as­sas­si­nan­do os res­tan­tes ci­da­dãos. Vi­si­vel­men­te, es­te ani­qui­la­men­to pre­me­di­ta­do sim­bo­li­za uma cons­ci­ên­cia de im­pos­si­bi­li­da­de de re­a­li­za­ção dos pres­su­pos­tos so­nha­dos pe­los ele­men­tos fun­da­do­res do Rei­no.

“Não é doi­do quem quer”, po­de ler­se nu­ma fra­se de Jac­ques La­can, uti­li­za­da co­mo epí­gra­fe por An­tó­nio Ja­cin­to nou­tro po­e­ma sin­to­má­ti­co («Lou­cu­ra»), e que nos re­me­te pa­ra a pul­são de mor­te con­ti­da no ar­ro­jo exis­ten­ci­al dos cri­a­do­res, ma­ni­fes­tan­do-se em pos­ses­sões exa­cer­ba­das e ati­tu­des dis­rup­ti­vas, mui­tas ve­zes ten­den­tes a con­tra­dis­cur­sos de­sa ia­do­res – gé­ne­ro de li­be­los que, no ro­man­ce em cau­sa, se en­con­tram in­se­ri­dos nos ex­trac­tos do blo­co-de-no­tas obli­te­ra­do de Pri­mi­ti­vo.

Por ou­tro la­do, se nos re­por­tar­mos a ou­tra fra­se la­pi­dar de La­can re­fe­ri­da por Pi­res La­ran­jei­ra (“O ser do homem, não so­men­te não po­de ser com­pre­en­di­do sem a lou­cu­ra, mas ele não se­ria o ser do homem se não con­ti­ves­se em si a lou­cu­ra co­mo li­mi­te da sua li­ber­da­de”), per­ce­be­mos que a lou­cu­ra é uma ine­vi­ta­bi­li­da­de re­sul­tan­te do pro­ces­so cri­a­ti­vo de pro­cu­ra da ver­da­de e do ser.

As­sim, po­de­mos afe­rir da nar­ra­ti­va de Jo­sé Luís Men­don­ça que os fun­da­do­res do Rei­no das Casuarinas se apre­sen­tam im­buí­dos de uma lou­cu­ra que de­se­ja ar­den­te­men­te cri­ar uma na­ção ide­al, par­tin­do do pro­jec­to fa­lha­do de um país afri­ca­no no qu­al são mar­gi­na­li­za­dos. Con­tu­do, um dos fun­da­do­res, ao ser afas­ta­do da cor­ri­da pa­ra Pri­mei­ro-Mi­nis­tro, to­ma cons- ci­ên­cia que o Rei­no – da­do o seu ca­rác­ter utó­pi­co - não po­de­rá cum­prir as eta­pas de cons­tru­ção a que se propôs, ge­ran­do-se uma la­cu­na de sen­ti­do na su­bal­ter­ni­da­de da sua lou­cu­ra, in­ter­mi­tên­cia psi­co­ló­gi­ca trans­for­ma­da nu­ma pul­são de mor­te “co­mo com­pen­sa­ção pa­ra a pri­va­ção da li­ber­da­de ab­so­lu­ta do ser”. (LA­RAN­JEI­RA: 62)

Nu­ma úl­ti­ma ins­tân­cia, os ci­da­dãos da na­ção das casuarinas sa­bem que foi de­vi­do a es­te gé­ne­ro de ou­sa­di­as an­ti­po­der que “João Bap­tis­ta e Tho­mas Mo­re per­de­ram as ca­be­ças”, sen­do o bri­tâ­ni­co re­fe­ri­do co­mo mo­de­lo, vis­to re­pre­sen­tar o pri­mei­ro ideó­lo­go do So­ci­a­lis­mo Utó­pi­co. Por is­so, se a da­ta de fun­da­ção do Rei­no é pos­tu­la­da por Jo­sé Luís Men­don­ça a 11 de No­vem­bro de 1985, o au­tor di icil­men­te po­de­ria for­jar me­lhor sim­bo­lis­mo, por opo­si­ção, pa­ra o de­sa­pa­re­ci­men­to pre­ma­tu­ro do no­vo país: a mor­te dos ci­da­dãos-fun­da­do­res ocor­re exac­ta­men­te no dia 14 de Abril de 1987, ou se­ja, o Dia da Ju­ven­tu­de, em me­mó­ria de Ho­ji ya Hen­da, he­rói da lu­ta de li­ber­ta­ção. _______________________

Pau­lo Bran­co Li­ma Bi­bli­o­gra ia

(Mes­tran­do em Li­te­ra­tu­ra de

Lín­gua Por­tu­gue­sa: In­ves­ti­ga­ção e En­si­no – Uni­ver­si­da­de de Coim­bra)

_______________

FOU­CAULT, Mi­chel, His­toi­re de la fo­lie, Pa­ris, Gal­li­mard, 1972

LA­RAN­JEI­RA, Pi­res, Marx, La­can, e Fou­cault ha­vi­am de gos­tar da su­bal­ter­ni­da­de e pré-lou­cu­ra em An­tó­nio Ja­cin­to, in An­tó­nio Ja­cin­to e a sua épo­ca. A mo­der­ni­da­de das li­te­ra­tu­ras afri­ca­nas em lín­gua por­tu­gue­sa, Lis­boa, Cen­tro de Li­te­ra­tu­ras e Cul­tu­ras Lu­só­fo­nas e Eu­ro­pei­as – Fa­cul­da­de de Letras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, 2015, pp. 55-65

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.