OS HANDICAPS À GESTÃO DOS DI­REI­TOS DE AU­TOR EM AN­GO­LA

Jornal Cultura - - ARTES -

O di­rei­to de au­tor em An­go­la é cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te con­sa­gra­do e pro­te­gi­do por Lei.

En­tão por que car­ga d’água é que con­ti­nu­am os ar­tis­tas em An­go­la a ver na­vi­os, quan­do to­ca a ho­ra de re­ta­lhar o bo­lo que ge­ra a sua ac­ti­vi­da­de cri­a­ti­va ?

As ex­pe­ri­ên­ci­as acu­mu­la­das no de­cur­so des­ses lon­gos anos em que na­ve­ga­mos nes­se tur­bu­len­to e si­nu­o­so per­cur­so per­mi­te afe­rir com bas­tan­te pro­pri­e­da­de que o di­rei­to de au­tor em An­go­la con­ti­nua a ser uma mi­ra­gem, por­que es­ta­mos co­lec­ti­va­men­te equi­vo­ca­dos e des­nor­te­a­dos e, por is­so, pre­sos em ter­re­no mo­ve­di­ço, nu­ma frustrante e do­lo­ro­sa inér­cia. Porquê? Pri­mei­ro: por­que, fa­zer a gestão co­lec­ti­va, co­e­ren­te e e ici­en­te de di­rei­tos de au­tor dos mú­si­cos, dan­ça­ri­nos, te­a­tris­tas, es­cri­to­res, pin­to­res e co­ne­xos, si­mul­ta­ne­a­men­te, im­pli­ca a im­plan­ta­ção de sub­sis­te­mas or­ga­ni­za­ti­vos cor­res­pon­den­tes, com a res­pec­ti­va mo­bi­li­za­ção de equi­pa­men­tos e de mei­os inan­cei­ros e hu­ma­nos. Is­so cus­ta mui­to ca­ro, pa­ra além de uma com­ple­xa e gi­gan­tes­ca má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va. Is­so nun­ca foi pos­sí­vel fa­zer-se em An­go­la.

Se­gun­do: por­que os ac­tu­ais mo­de­los de re­pre­sen­ta­ção da clas­se ar­tís­ti­ca, em ma­té­ria de di­rei­tos de au­tor, es­tão, ho­je, sa­tu­ra­dos e ob­so­le­tos.

Os mo­de­los ac­tu­ais fo­ram con­ce­bi­dos num am­bi­en­te po­lí­ti­co e cul­tu­ral di­fe­ren­te, on­de im­pe­ra­va o Es­ta­do pro­vi­dên­cia e uma per­cep­ção eco­nó­mi­ca hí­bri­da dos va­lo­res ar­tís­ti­co-cul­tu­rais.

Daí que os ar­tis­tas te­nham si­do to­dos co­lo­ca­das no mes­mo sa­co, sem ter em con­ta as es­pe­ci ici­da­des das su­as sub­clas­ses ar­tís­ti­cas, nem os cri­té­ri­os de mé­ri­to pro is­si­o­nal.

Ter­cei­ro: por­que não há, em An­go­la um am­bi­en­te es­tru­tu­ran­te or­ga­ni­za­ti­vo e ici­en­te, ca­paz de des­per­tar e ama­du­re­cer a Clas­se ar­tís­ti­ca e a so­ci­e­da­de, e tor­nar o nos­so Es­ta­do mais enér­gi­co e pro ícuo, no sen­ti­do da pro­mo­ção e de­fe­sa efec­ti­va dos in­te­res­ses dos ar­tis­tas, em ma­té­ria dos di­rei­tos de au­tor. Daí que, pa­ra­do­xal­men­te, uns tan­tos abu­tres vão de­bi­can­do e se en­chen­do do tra­ba­lho cri­a­ti­vo do ar­tis­ta em An­go­la, en­quan­to a es­tes é-lhes re­ser­va­do um fu­tu­ro in­cer­to e de in­di­gên­cia so­ci­al. Fa­lha­mos ! Te­mos de re­a­brir e re­fres­car as nos­sas men­tes, pa­ra co­ra­jo­sa­men­te re­ver os prin­cí­pi­os as­so­ci­a­ti­vos her­da­dos da ve­lha con­jun­tu­ra, pa­ra que nos li­vre­mos de as­so­ci­a­ções man­cas, on­de a equi­da­de e ou­tros va­lo­res as­so­ci­a­ti­vos não po­dem fa­zer mo­ra­da, por cho­que de in­te­res­ses e so­bre­po­si­ção vo­lun­tá­ria ou in­vo­lun­tá­ria de uns gru­pos so­bre os ou­tros.

Os ar­tis­tas pre­ci­sam de ser mais ac­tu­an­tes e e ici­en­tes, na de­fe­sa dos seus in­te­res­ses em ma­té­ria de gestão dos seus di­rei­tos de au­tor.

Pa­ra já, e por tu­do que icou di­to, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce nou­tras pa­ra­gens do mun­do, os mú­si­cos, os pin­to­res, os es­cri­to­res, os dan­ça­ri­nos e os te­a­tris­tas de­ve­rão ter as su­as pró­pri­as or­ga­ni­za­ções pa­ra ge­rir os di­rei­tos de au­tor dos seus mem­bros. Ins­pi­re­mo-nos na SACEM (uma das mai­o­res EGC do mun­do) e de mui­tos exem­plos em Áfri­ca, e por­que não em Por­tu­gal e no Bra­sil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.