A LENDA DA LAGOA DE XINJAMBUMBA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - (A lenda foi re­co­lhi­da por Pe­dro Ân­ge­lo da Cos­ta Pe­rei­ra e con­ta­da por Zwa­ki ( Jo­a­quim) Nza­ji de 85 anos de ida­de, na­tu­ral da Ka­sam­ba, Ki­len­da.)

A ac­tu­a­li­za­ção do con­too re­me­te-rnos pa­ra um apo­tex­too em que o mó­bil da li­ção a ti­rar é que a re­par­ti­ção­ti­ção de bens nu­ma co­mu­ni­da­de de­vee ser um ac­to­ac par­ti­ci­pa­ti­vo­vo sob pe­na de ser in­te­rin­ter­pre­ta­da­er­pre­ta­da co­mo in­jus­ta ou de­si­gual­de­si­gual.

A lenda que con­ta­mos a se­guir foi pu­bli­ca­da nu­ma 1ª edi­ção de 2013 num li­vro in­ti­tu­la­do Len­das da Ki­len­da, de Pe­dro Ân­ge­lo e Jo­se­fa Mi­ge, edi­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra/INIC, em co­me­mo­ra­ção do Dia da Cul­tu­ra Na­ci­o­nal.

A es­tó­ria in­se­re-se no con­jun­to de Tex­tos Po­pu­la­res Tra­di­ci­o­nais den­tro da clas­si ica­ção de tex­tos sin­li­te­rá­ri­os pro­pos­ta por Pin­to-Cor­reia.

A es­tó­ria apre­sen­ta­da é uma ver­são (fa­ne­ro­tex­to) que se po­de re­su­mir no se­guin­te:

• Um Ho­mem tem du­as mu­lhe­res que, por sua vez, têm os res­pec­ti­vos ilhos e vi­vem to­dos em har­mo­nia – Si­tu­a­ção Ini­ci­al.

• Um ano de se­ca traz con­si­go a fal­ta de ali­men­tos – Per­tur­ba­ção;

• O Ho­mem pro­cu­ra mi­ni­mi­zar a si­tu­a­ção e num úl­ti­mo es­for­ço re­par­te, por sua úni­ca ini­ci­a­ti­va, os ali­men­tos que lhe res­tam – Trans­for­ma­ção;

• A mu­lher que se sen­te pre­ju­di­ca­da por uma re­par­ti­ção que as­su­me co­mo de­si­gual, pois fei­ta sem a par­ti­ci­pa­ção das par­tes, aban­do­na a ca­sa com os ilhos e alon­ga-se pe­la ma­ta lon­ge dos ou­tros ha­bi­tan­tes – Re­so­lu­ção;

• No sí­tio on­de se aco­lheu, mor­reu e lá nas­ceu uma lagoa com um in­ter­di­to: As mu­lhe­res não po­dem be­ber di­rec­ta­men­te da lagoa, a água tem de lhes ser for­ne­ci­da por ho­mem – Si­tu­a­ção Fi­nal. A Fun­ção de ní­vel im­plí­ci­to: Con­cluin­do: Os in­ter­di­tos es­tão pre­sen­tes em to­das as cul­tu­ras e re­tra­ta­dos em di­ver­sos gé­ne­ros de literatura oral. Re­pa­re-se no in­ter­di­to do mi­to da gé­ne­se re­la­ta­do na Bí­blia em que o pri­mei­ro ho­mem não po­de co­mer um dos fru­tos que Deus, o seu criador, lhe co­lo­cou no jar­dim do Éden. Os in­ter­di­tos sur­gem co­mo es­tra­té­gi­as que re­gu­lam o com­por­ta­men­to hu­ma­no, aler­tam pa­ra o res­pei­to a re­gras, a nor­mas de vi­da.

Por ou­tro la­do a ac­tu­a­li­za­ção do con­to re­me­te-nos pa­ra um apo­tex­to em que o mó­bil da li­ção a ti­rar é que a re­par­ti­ção de bens nu­ma co­mu­ni­da­de de­ve ser um ac­to par­ti­ci­pa­ti­vo sob pe­na de ser in­ter­pre­ta­da co­mo in­jus­ta ou de­si­gual. As so­ci­e­da­des, e a fa­mí­lia é um mi­cro­cos­mo que in­cor­po­ra em si to­das as res­pon­sa­bi­li­da­des as­su­mi­das pe­los mem­bros da so­ci­e­da­de, har­mo­ni­zam-se por­que se es­pe­ra que ca­da par­te do todo cum­pra com equi­da­de a par­te que lhe ca­be. Quan­do há que­bra des­se com­pro­mis­so abre-se a por­ta a ati­tu­des que po­de­rão ser ti­das co­mo ex­ces­si­vas mas le­gi­ti­ma­das pe­la re­ac­ção na­tu­ral e uni­ver­sal à re­pa­ra­ção do sen­ti­men­to de in­jus­ti­ça que se ins­ta­la.

1

Nu­ma al­deia vi­via um ho­mem cha­ma­do Zam­ba, bas­tan­te em­pre­en­de­dor, que ami­gou du­as mu­lhe­res, a Do­na­na e a Sam­ba.

A Do­na­na era a pri­mei­ra mu­lher e o ho­mem cons­truiu-lhe uma ca­sa à di­rei­ta da sua on­de vi­via com os seus três ilhos ain­da cri­an­ças. O mais ve­lho dos ilhos era uma menina com dez anos.

À Sam­ba, a se­gun­da mu­lher, ele cons­truiu, à es­quer­da da sua, uma ca­sa on­de es­ta foi vi­ver e, com o an­dar dos tem­pos, po­vo­ou-a tam­bém com três cri­an­ças sen­do a mais ve­lha uma menina com oi­to anos.

O ho­mem e as su­as mu­lhe­res eram mui­to tra­ba­lha­do­res.

Ano após ano as la­vras, no mo­men­to cer­to, eram se­me­a­das cui­da­do­sa­men­te de mo­do a que os ce­lei­ros es­ta­vam sem­pre car­re­ga­dos com mi­lho e ma­ko­ka com re­ser­vas su ici­en­tes pa­ra su­prir as ne­ces­si­da­des en­quan­to as no­vas co­lhei­tas não es­ti­ves­sem pron­tas pa­ra se­rem uti­li­za­das.

A vi­da de­cor­ria de um mo­do agra­dá­vel, sem gran­des so­bres­sal­tos.

A chu­va, o ca­lor, o ca­cim­bo, as co­lhei­tas, as quei­ma­das, a ca­ça, su­ce­di­am-se no mo­men­to cer­to e pes­so­as, ani­mais, plan­tas e coi­sas har­mo­ni­za­vam-se.

Na­que­le ano o ho­mem abriu no­vas la­vras na ma­ta já que as cri­an­ças es­ta­vam a cres­cer e com mais ne­ces­si­da­des.

Já ti­nham pas­sa­do du­as lu­as depois das quei­ma­das te­rem aca­ba­do. Mesmo a ca­ça já se ti­nha afas­ta­do de novo e o tem­po de pre­pa­rar as la­vras ti­nha che­ga­do.

O céu es­cu­re­cia pa­ra os la­dos do Ki­rim­bu, co­mo acon­te­ce to­dos os anos quan­do che­ga a ápo­ca das chu­vas.

2

Nas noi­tes an­te­ri­o­res ou­vi­ram-se tro­vões.

A chu­va de­ve es­tar a che­gar pa­ra fer­ti­li­zar os cam­pos.

Os di­as pas­sam e os si­nais nos céus ame­a­çam chu­vas, mas em vez de es­tas re­ga­rem a ter­ra os ven­tos le­van­tam-se e atra­em os cor­vos (ki­lom­be­lom­be) e jun­tos afas­tam-nas pa­ra ou­tras ter­ras (diz-se, lá pa­ra as ter­ras pla­nál­ti­cas da Ki­ba­la).

Ao im da tar­de inal­men­te, depois de mui­to ven­to e rai­os e tro­vões, a chu­va caiu rá­pi­da, e os cam­pos en­che­ram­se de bra­ços apres­sa­dos a lan­çar o mi­lho à ter­ra.

Os re­ben­tos de mi­lho já têm vin­te cen­tí­me­tros e só mesmo de ma­nhã ce­do é que se er­guem di­rei­tos, pois já há qua­se du­as se­ma­nas que caiu aque­la pan­ca­da de água e depois dis­so só a hu­mi­da­de do se­re­no e o ven­to.

O im do ano es­tá a che­gar, apro­xi­ma-se o pe­río­do das no­vas se­men­tei­ras, e a pri­mei­ra co­lhei­ta per­deu-se com­ple­ta­men­te. Só al­gum mi­lho se­me­a­do nas bai­xas, pe­la cri­an­ças, vai dar al­gu­mas pou­cas es­pi­gas pa­ra se co­me­rem fres­cas.

3

O ce­lei­ro de mi­lho já se abriu e os grãos são apro­vei­ta­dos um a um e mesmo os iphu­bu (ca­ro­los) são apro­vei­ta­dos par­ci­mo­ni­o­sa­men­te pa­ra dar aos ani­mais.

O pe­que­no ca­cim­bo es­te ano veio agres­te. O ar es­tá se­co e as nas­cen­tes co­me­çam a se­car uma a uma.

Os iphu­bu apro­vei­tam-se ago­ra pa­ra jun­tar à ma­ko­ka, na bo­ca do pi­lão, pa­ra fa­zer a fu­ba cui­da­do­sa­men­te re­par­ti­da por to­dos.

O tem­po das gran­des chu­vas não traz na­da de novo. O céu apre­sen­ta nu­vens que ame­a­çam chu­va mas na­da. Só ven­to. Ven­to ca­da vez mais se­co. Os ce­lei­ros es­tão es­go­ta­dos e as bai­xas do fei­jão ma­cun­de e de ba­ta­ta-do­ce es­tão tam­bém a icar se­cas.

Co­mo não cho­veu, todo o ca­pim já es­tá se­co, e as quei­ma­das sur­gi­ram bem mais ce­do es­te ano.

A ca­ça afas­tou-se, e os ho­mens pas­sam di­as e di­as na ma­ta pa­ra re­gres­sa­rem com pe­que­nos e ma­gros jiphu­ku (ra­tos) que mal dão pa­ra ali­men­tar os ilhos mais no­vos.

Ar­ran­cam-se os úl­ti­mos pés de man­di­o­quei­ra.

Diz-se que pa­ra os la­dos do Ebo os ga­fa­nho­tos sur­gi­ram co­mo uma nu­vem bai­xa es­cu­re­cen­do o dia e dei­xan­do atrás um ras­to de ter­ra quei­ma­da.

Os ce­lei­ros en­che­ram-se de ca­ba­ças com ga­fa­nho­tos mas por mui­to pou­co tem­po.

4

O ho­mem sen­ta-se pen­sa­ti­vo, só e às es­con­di­das, não quer que as mu­lhe­res nem os ilhos adi­vi­nhem no seu ros­to as an­gús­ti­as e dú­vi­das do seu pen­sa­men­to pre­o­cu­pa­do com a so­bre­vi­vên­cia da fa­mí­lia.

Depois de uma noi­te mal dor­mi­da e agi­ta­do pe­los la­men­tos dos ilhos

mais no­vos, Zam­ba de­ci­de mais uma vez par­tir pa­ra a ca­ça, mas des­ta vez di­ri­ge-se pa­ra as bai­xas do Ke­za.

Sai an­tes do sol nas­cer e le­va a sua ca­ta­na, a za­gaia e uma ca­ba­ça com água de­ter­mi­na­do a re­gres­sar ape­nas quan­do con­se­guis­se co­mi­da pa­ra dar aos seus ilhos.

O dia cla­re­ou e Zam­ba ain­da na­da ti­nha en­con­tra­do. O ca­pim es­tá se­co, o ar agres­te vai fus­ti­gan­do-o mas na­da o de­mo­ve dos seus pro­pó­si­tos.

De­am­bu­la can­sa­do por uma pai­sa­gem se­ca e de­so­la­do­ra on­de pa­re­ce não exis­tir ne­nhu­ma for­ma de vi­da.

A noi­te apro­xi­ma-se ra­pi­da­men­te, e nem um ra­to só con­se­guiu ver. Zam­ba es­tá de­ses­pe­ra­do. Ao lon­ge na pai­sa­gem, re­cor­ta­do no lus­co fus­co do im do dia, vis­lum­bra a si­lhu­e­ta pro­me­te­do­ra dum em­bon­dei­ro.

Apro­xi­ma-se les­to e vê du­as mukwas no chão.

Re­co­lhe-as e lim­pa a po­ei­ra e a ter­ra que o ven­to em sua or­gia de­po­si­tou su­jan­do as su­as cas­cas de pê­lo cas­ta­nho, cur­to e ma­cio, que pro­te­gem com se­gu­ran­ça os go­mos agri­do­ces que ele ima­gi­na já a se­rem par­ci­mo­ni­o­sa­men­te re­par­ti­dos pe­los ilhos e apre­ci­a­dos com in ini­to pra­zer.

Com as du­as ca­ba­ças de mukwa pen­du­ra­das à cin­tu­ra co­mo se fos­sem ra­pa­cas, re­gres­sa a ca­sa.

5

Era qua­se ma­nhã quan­do Zam­ba che­gou a ca­sa.

Su­as mu­lhe­res dor­mi­am, e sem as acor­dar en­trou em ca­sa de ca­da uma de­las e de­po­si­tou em lu­gar bem vi­sí­vel as mukwas.

Depois de fei­to is­to, en­trou no seu quar­to. Des­piu-se, pas­sou pe­lo seu cor­po can­sa­do um pa­no mo­lha­do pa­ra se re­fres­car e dei­xou-se cair em sua es­tei­ra ten­do ador­me­ci­do lo­go de se­gui­da.

6

O dia se­guin­te, es­tra­nha­men­te, ini­ci­ou-se cal­mo.

Co­mo ha­bi­tu­al­men­te, as cri­an­ças, uma a uma, fo­ram acor­dan­do e depois de se pre­pa­ra­rem, sem tro­ca­rem pa­la­vras, saí­ram pa­ra o quin­tal e com as vas­sou­ras de bis­sa­pas de fo­lhas de pal­mei­ra (kye­ze) var­re­ram os res­pec­ti­vos quin­tais à fren­te e atrás da ca­sa.

As mu­lhe­res, ca­da uma em sua ca­sa, depois de cui­da­do­sa­men­te te­rem aber­to as res­pec­ti­vas ca­ba­ças de mukwa, cha­ma­ram os seus ilhos e por eles re­par­ti­ram os go­mos e es­tes ize­ram uma re­fei­ção ma­ti­nal co­mo já não fa­zi­am há mui­to tem­po.

A ma­nhã já ia al­ta quan­do as cri­an­ças das du­as mu­lhe­res, li­ber­tas dos tra­ba­lhos e já depois de te­rem ma­ta­bi­cha­do, se jun­ta­ram, an­si­o­sas por tro­ca­rem as no­vi­da­des tra­zi­das pe­lo pai que che­ga­ra, sem con­ta­rem, nes­sa ma­dru­ga­da.

A me­nor das seis cri­an­ças, ilha de Sam­ba, não par­ti­lha­va a eu­fo­ria dos ir- mãos. Os três ilhos de Do­na­na mos­tra­vam-se bem mais lo­qua­zes que as res­tan­tes cri­an­ças. Os mais ve­lhos da Sam­ba pa­re­ci­am con­tra­fei­tos ao par­ti­lhar a eu­fo­ria dos seus ir­mãos e à me­di­da que es­tes mais ex­te­ri­o­ri­za­vam a ale­gria que lhes pro­por­ci­o­nou o con­su­mo dos go­mos de mukwa mais a me­nor se des­gos­ta­va.

– A mãe Do­na­na deu-nos go­mos de mukwa que o pai trou­xe. Os go­mos eram tão do­ces! – Di­zi­am, sem con­ter a sua ale­gria.

A cri­an­ça me­nor, num aces­so con­vul­so de lá­gri­mas cor­re pa­ra ca­sa lo­go se­gui­da dos seus dois ir­mãos en­quan­to os res­tan­tes, ilhos de Do­na­na, can­ta­vam:

– O Pa­pá gos­ta de nós! O Pa­pá trou­xe mukwa tão do­ce!

7

Sam­ba, pre­o­cu­pa­da, ain­da pen­sa­do em quan­tas re­fei­ções irá fa­zer com o que lhe res­ta da mukwa que Zam­ba lhe trou­xe­ra nes­sa ma­dru­ga­da, agi­ta­se com a en­tra­da tem­pes­ti­va dos ilhos.

A mais no­vi­ta cho­ra con­vul­si­va­men­te. As lá­gri­mas e o ra­nho sol­tam­se mo­lhan­do com­ple­ta­men­te a ca­ri­ta e abrin­do car­rei­ri­nhos por on­de se pre­ci­pi­tam até aos can­tos da bo­ca, des­li­zan­do daí, con­tor­nan­do o quei­xo e en­so­pan­do a go­la de­sa­bo­to­a­da do bi­be.

– A mukwa que o Pa­pá nos deu não pres­ta! – Bal­bu­ci­ou, en­tre so­lu­ços, a pe­que­ni­ta.

– É ver­da­de ma­mã. – Dis­se a mais ve­lha. – A mukwa que o Pa­pá deu à mãe Do­na­na é do­ce e a nos­sa é amar­ga. Sam­ba por um ins­tan­te pa­rou. Pas­sa­do es­se ins­tan­te eter­no, do ros­to de Sam­ba de­sa­pa­re­ce­ram to­dos os tra­ços de pre­o­cu­pa­ção, de an­gús­tia, que o ti­nham en­som­bra­do nos úl­ti­mos di­as dan­do lu­gar a vin­cos pro­fun­dos de de­ter­mi­na­ção. O seu ros­to en­ve­lhe­ce­ra dé­ca­das.

– Do­ni­ka, pre­pa­ra as coi­sas que po­des le­var e põe num sa­co. O vos­so pai es­co­lheu de qu­em gos­ta. Nós já não per­ten­ce­mos a es­ta ca­sa. Vamos em­bo­ra. – Dis­se, com ex­tre­ma de­li­ca­de­za, Sam­ba.

O Sol ain­da ia al­to quan­do Sam­ba, com os seus três ilhos, aban­do­nou a ca­sa e, sem nun­ca se ter vol­ta­do pa­ra trás, de­sa­pa­re­ceu pe­lo ca­mi­nho de pé pos­to que mui­tas ou­tras ve­zes fo­ra pi­sa­do a ca­mi­nho da la­vra e ago­ra a en­ca­mi­nha­va não sa­bia pa­ra on­de mas sem re­gres­so.

8

Sam­ba an­da­va em pas­so se­gu­ro mas len­to pa­ra que a sua ilha Do­ni­ka, que se­guia atrás, a pu­des­se acom­pa­nhar.

A ilha me­nor dor­mia nas su­as cos­tas e a ou­tra ia bem se­gu­ra na sua mão di­rei­ta.

Já era noi­te mas à luz do lu­ar e depois de há mui­to ter aban­do­na­do o car­rei­ro que tan­tas ve­zes a le­va­ra à la­vra, an­da­va sem per­cal­ços e com gran­de de­ter­mi­na­ção, co­mo se sou­bes­se exac­ta­men­te qu­al era o seu des­ti­no.

Depois de mui­to an­dar, es­te es­tra­nho, in­sig­ni ican­te e gran­di­o­so, cor­po do­lo­ro­so da hu­ma­ni­da­de, vis­lum­bra a si­lhu­e­ta mais es­cu­ra du­ma fron­do­sa ár­vo­re e de­la se apro­xi­ma.

Sam­ba pre­pa­ra, com fo­lhas e ca­pim, as al­co­vas on­de ela e seus ilhos irão pas­sar o res­to da noi­te aga­sa­lha­dos pe­los bra­ços ge­ne­ro­sos da ár­vo­re que os aco­lhe­ra.

Dei­ta-se depois de ter ve­ri ica­do cui­da­do­sa­men­te o so­no das cri­an­ças e ador­me­ce lo­go de se­gui­da.

Vai al­to o dia. À luz cla­ra do sol, ali, na­que­le sí­tio on­de os pás­sa­ros tes­te­mu­nham que es­te­ve Sam­ba e seus ilhos a dor­mir, es­praia-se des­de es­se dia a su­per ície es­pe­lha­da da lagoa de Xinjambumba.

Con­tam os mais ve­lhos e é ajui­za­do dar-lhes cré­di­to, que as mu­lhe­res que pas­sam por es­sas pa­ra­gens não po­dem ti­rar água pa­ra se des­se­den­ta­rem. Só os ho­mens o po­dem fa­zer. As mu­lhe­res têm de se so­cor­rer dos prés­ti­mos dum ho­mem ou de um ilho ho­mem pa­ra que es­tes ti­rem a água e lhes dêem e só as­sim po­dem be­ber água da lagoa do Xinjambumba.

A lagoa de Xinjambumba es­tá lo­ca­li­za­da no mu­ni­cí­pio da Qui­len­da nas pro­xi­mi­da­des do rio Lon­ga mas exac­ta­men­te no seu úl­ti­mo ter­ço

PE­DRO ÂN­GE­LO

Li­vro Len­das da Ki­len­da de Pe­dro Ân­ge­lo e Jo­se­fa Mi­ge foi edi­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra em co­me­mo­ra­ção do Dia da Cul­tu­ra Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.