DESEMPOEIRAR AS TRADIÇÕES E PRO­MO­VER A IN­DE­PEN­DÊN­CIA DAS MU­LHE­RES

Jornal Cultura - - LETRAS -

Uma es­treia é sem­pre um acon­te­ci­men­to, em qual­quer âm­bi­to da vi­da hu­ma­na. No con­to an­go­la­no, co­mo nos ou­tros gé­ne­ros e sub­gé­ne­ros li­te­rá­ri­os, as mu­lhe­res es­cri­to­ras con­ti­nu­am em ex­tre­ma mi­no­ria. Com es­te li­vro, Ko­ko­lodyamyyMi­gue­li­tus (An­tó­nia Do­min­gos) tor­na-se a mais re­cen­te es­cri­to­ra an­go­la­na, en­cor­pan­do a es­cri­ta de au­to­ria fe­mi­ni­na e alar­gan­do a te­má­ti­ca e am­bi­ên­cia do con­to, ao apro­vei­tar co­nhe­ci­men­tos de ori­gem cas­ti­ça pa­ra re­cri­ar es­te­ti­ca­men­te vi­vên­ci­as­no in­te­ri­or de Ma­lan­ge e na gran­de ci­da­de de Lu­an­da.É im­por­tan­te, por is­so, con­ti­nu­ar a ter uma vi­são pa­tri­mo­ni­al quan­to à literatura an­go­la­na, dei­xan­do lo­res­cer os vá­ri­os mo­dos de abor­dar a es­cri­ta. Nes­te ca­so, co­mo se ve­rá, o pe­so da es­cri­ta “tra­di­ci­o­na­lis­ta” faz-se sen­tir na ur­ba­ni­da­de da crí­ti­ca e na apro­pri­a­ção das his­tó­ri­as pró­pri­as em es­tó­ri­as de apro­vei­ta­men­to e exem­plo.

A no­va autora tem si­do do­cen­te do en­si­no bá­si­co, mé­dio e su­pe­ri­or, em Coim­bra e Lu­an­da, e é dou­to­ran­da da Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, no Pro­gra­ma de Literatura de Lín­gua Por­tu­gue­sa – In­ves­ti­ga­ção e En­si­no. O seu dou­to­ra­men­to fo­ca-se­em ro­man­ces an­go­la­nos cu­jo en­re­do, meio so­ci­al e as­pec­tos cul­tu­rais se si­tu­am no in­te­ri­or de An­go­la ou, pas­san­do-se em am­bi­en­te ur­ba­no, re­le­vam de tradições an­ti­gas, cas­ti­ças, an­tro­po­lo­gi­ca­men­te cam­pe­si­nas, es­tu­dan­do des­de Ós­car Ri­bas, Ua­nhen­gaXi­tu ou Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so até Ci­ka­ka­ta Mba­lun­du. Em­bo­ra não fa­zen­do par­te do seu ob­jec­to de es­tu­do, po­de-se acres­cen­tar Ja­cin­to de Le­mos ou Go­ci­an­te Pa­tis­sa co­mo ou­tros es­cri­to­res que ras­trei­am as vi­vên­ci­as po­pu­la­res do mus­se­que ou de re­giões in­te­ri­o­ra­nas. An­tó­nia Do­min­gos tem cons­ci­ên­cia de a es­cri­ta so­bre am­bi­en­tes ur­ba­nos (que mos­tra vi­vên­ci­as as­pi­ran­do a al­gu­ma mun­da­ni­da­de) ser mar­ca da mo­der­ni­da­de, mas não ab­di­ca do apren­di­za­do da cul­tu­ra de ra­di­ca­ção ru­ral, tra­di­ci­o­nal, oral. Não há di­co­to­mia ou an­ta­go­nis­mo. An­tes uma ver­da­dei­ra fu­são de pro­ces­sos, fru­to da as­si­mi­la­ção de téc­ni­cas mui­to di­fe­ren­ci­a­das, de qu­em per­cor­reu um ex- ten­so ca­mi­nho de vi­da e, depois de dar tes­te­mu­nho dos ma­le íci­os de cer­tas cren­ças en­quis­ta­das no co­ra­ção da et­ni­ci­da­de (co­mo no li­vro que pu­bli­cou so­bre a fei­ti­ça­ria, re­sul­tan­te da sua dis­ser­ta­ção de mes­tra­do), vem ago­ra mos­trar co­mo com­por­ta­men­tos so­ci­ais mes­qui­nhos e atro ia­do­res po­dem pro­vo­car atra­sos de­gra­dan­tes nas as­pi­ra­ção das mu­lhe­res à ci­da­da­nia de ple­nos di­rei­tos e po­de­res.

Ten­do nas­ci­do e sen­do cri­a­da na lo­ca­li­da­de de Ca­cu­so (Ma­lan­ge), a autora trans­por­ta pa­ra as su­as es­tó­ri­as uma ma­té­ria ic­ci­o­nal de­ve­do­ra des­se en­tor­no de que se rei­vin­di­ca – o do in­te­ri­or – em que as pes­so­as se de­di­cam à agri­cul­tu­ra nas pe­que­nas la­vras e cri­a­ção de ani­mais de ca­po­ei­ra equin­ta­lão. É por is­so que a gra­ça da lin­gua­gem ad­vém me­nos da li­ção de Lu­an­di­no Vi­ei­ra do que de Ua­nhen­ga Xi­tu, e mui­to me­nos de uma apren­di­za­gem li­vres­ca do que do ma­ne­jo de uma lín-

Li­vro de es­treia de An­tó­nia Do­min­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.