DI­O­NÍ­SIO ROCHA NA TRIENAL UMA VÉNIA TARDIA MAS MERECIDA

Jornal Cultura - - ARTES -

Uma cha­ve de ou­ro pa­ra uma das igu­ras in­con­tor­ná­veis da mú­si­ca an­go­la­na. As­sim se po­de de inir a ho­me­na­gem, que já tar­da­va, da or­ga­ni­za­ção da III Trienal de Lu­an­da ao mú­si­co Di­o­ní­sio Rocha. Mo­men­tos úni­cos que jus­ti ica­ram a es­co­lha do ar­tis­ta pa­ra o en­cer­ra­men­to do ci­clo de ho­me­na­gens do mês de Ju­lho.

Mú­si­co, in­ves­ti­ga­dor, pro­mo­tor e agen­te cul­tu­ral, Di­o­ní­sio Rocha é um dos no­mes de re­fe­rên­cia das ar­tes an­go­la­nas. Pa­ra tal, o ar­tis­ta de­ci­diu não de­cep­ci­o­nar o pú­bli­co e os deu o me­lhor das su­as cri­a­ções. Com Joy Ar­tur e Ni­ci­nha Rocha, a sua ilha, Di­o­ní­sio Rocha jus­ti icou, pe­la re­cep­ção po­si­ti­va da au­di­ên­cia, ter si­do o in­di­ca­do pa­ra com­ple­tar o trio de “gran­de­zas” de Ju­lho do pro­jec­to, que já le­vou ao pal­co da Trienal o “rei” Eli­as dya Ki­mu­e­zo e Car­los La­mar­ti­ne.

Na pro­pos­ta que apre­sen­tou ao pú­bli­co que acor­reu ao Pa­lá­cio de Fer­ro no dia 28, sex­ta-fei­ra pas­sa­da, Di­o­ní­sio Rocha abriu o es­pec­tá­cu­lo com “Lu­an­dos ao Lu­ar”, acom­pa­nha­do por Miguel Cor­reia na per­cus­são, Ro­mão Tei­xei­ra na ba­te­ria, Ma­so­xi Kim na di­can­za, Xi­co Mad­ne e Ni­no Gro­ba nos te­cla­dos, Quin­ti­no na vi­o­la rit­mo, Mi­as Ga­lhe­ta na vi­o­la bai­xo, Tedy Nsin­gui na gui­tar­ra so­lo e co­ros de Mis­ter Kim, Beth Ta­vi­ra e Dor­gan No­guei­ra.

Ape­sar do rit­mo con­ta­gi­an­te, pro­por­ci­o­na­do pe­los ins­tru­men­tis­tas, era o homenageado que ao sol­tar a voz ga­nha­va mais a ad­mi­ra­ção do pú­bli­co. “Ca­sa­cos de Far­do”, com as me­mó­ri­as do Mar­çal, “Ma­di Ma­di”, te­ma em kim­dun­du que dis­pen­sa apre­sen­ta­ções, “La­men­to 1970”, so­bre a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca an­tes da in­de­pen­dên­cia, fo­ram os es­co­lhi­dos an­tes da pau­sa.

Depois da Ban­da Mo­vi­men­to ter fei­to o pú­bli­co dan­çar com “Nga­na An­tó­nio”, Di­o­ní­sio Rocha re­gres­sou ao pal­co pa­ra brin­dar o pú­bli­co com “Ma­mã Ne­gra”, “Eu Que­ro Mar” e “Mu­lher An­go­la­na”, es­te úl­ti­mo acom­pa­nha­do por Ni­ci­nha Rocha, que tam­bém deu voz ao re­gis­to “Ai Com­pa­dre”, le­van­do o pú­bli­co a le­van­tar-se e a ar­ris­car to­ques de dan­ça.

Após o fre­ne­sim, no­va pau­sa. Mi­nu­tos depois o homenageado vol­ta ao pal­co e dá aos fãs “Mi­nha Ci­da­de”, um sam­ba-can­ção à nos­sa ma­nei­ra, “Pem­ba La­ka”, um re­gis­to fol­clo­re, “Xi­co Mo­ci­to Ne­gro” e “Wá­be­te­le Wan­gui­be­te­le Kiá”, a úl­ti­ma da noi­te.

A VOZ E O PER­CUR­SO

“Nun­ca é tar­de pa­ra ho­me­na­ge­ar alguém e mais va­le tar­de do que nun­ca. São mui­tos anos de tra­ba­lho ár­duo. Por­tan­to, não é pu­ra vai­da­de, mas sim mé­ri­to pró­prio. Ho­je, de cer­ta for­ma, tar­dam as ho­me­na­gens, as con­si­de­ra­ções e ou­tros res­pei­tos e vé­ni­as que de fac­to não são sen­ti­dos aos que mui­to ize­ram pe­la mú­si­ca an­go­la­na. Ago­ra, de re­pen­te um gru­po de ami­gos re­cor­dou o que ve­nho fa­zen­do há mui­tos anos, ao que agra­de­ço à equi­pa da trienal”, des­ta­ca Di­o­ní­sio Rocha.

Com 65 anos de car­rei­ra mu­si­cal, o ar­tis­ta cha­ma aten­ção pa­ra a im­por­tân­cia de um mú­si­co ex­plo­rar mais as ex­pres­sões nas su­as exi­bi­ções, não só atra­vés da le­tra, mas tam­bém do ges­to.

Di­o­ní­sio Rocha, au­tor de “Mu­con­da Lem­ba”, “Sem­ba Sam­ba­do”, “Ci­da­de Lin­da”, “Mu­lher An­go­la­na”, “Rum­ba Ne­gra” e o dan­çan­te “Pem­ba La­ta”, é na­tu­ral de Ben­gue­la, on­de deu os pri­mei­ros pas­sos no mundo da mú­si­ca.

Na ter­ra das “acá­ci­as ru­bras” fez par­te do gru­po in­fan­til “Ngo­la Es­tre­la de Ben­gue­la”. Em Lu­an­da, aos 11 anos, in­gres­sou no “Bo­ta Fogo”, depois “Os Kim­ban­das do Rit­mo” e “Os Ne­go­lei­ros do Rit­mo” e mais tar­de apos­tou na car­rei­ra in­di­vi­du­al. “Lu­an­dos ao Lu­ar” (2000) e “Mu­lher An­go­la­na” (2013) são os seus tra­ba­lhos pu­bli­ca­dos a so­lo.

Co­mo in­te­gran­te dos Ne­go­lei­ros do Rit­mo, par­ti­ci­pou no sin­gle “Ai Com­pa­dre” (1964) e em te­mas co­mo “Ri­qui­ta”, “Mu­kon­da Diá Lem­ba” e “Mi­nha ci­da­de”. Em 2006, o con­jun­to gra­va o CD “Sei que Que­res Par­tir”. Ao lon­go da sua car­rei­ra tra­ba­lhou com no­mes de re­fe­rên­cia da mú­si­ca an­go­la­na, da sua e ou­tras ge­ra­ções, com des­ta­que pa­ra Car­li­tos Vi­ei­ra Di­as, Ru ino Ci­pri­a­no, Edu­ar­do Paim, Be­ti­nho Fei­jó, Zé Fi­ni­nho e Esaú Bap­tis­ta.

DEPOIMENTOS

No inal, a sa­tis­fa­ção era vi­sí­vel no ros­to de to­dos, ar­tis­tas con­vi­da­dos e pú­bli­co. Pa­ra Ni­ci­nha Rocha “foi uma ho­me­na­gem merecida”. “Co­mo ilha e fã é sem­pre uma hon­ra es­tar ao seu la­do. Ho­je se no­tou uma coi­sa di­fe­ren­te, tal­vez por ser uma ho­me­na­gem in­di­vi­du­al. Ele con­ti­nua o mesmo, não mu­dou mui­to em pal­co nem co­mo pes­soa nes­tes anos to­dos de con­vi­vên­cia en­quan­to mú­si­co e igu­ra li­ga­da aos mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al”, dis­se.

Di­o­ní­sio Jr., ilho do homenageado, acres­cen­ta que foi um ges­to cer­to da III Trienal lem­brar os fei­tos do seu pai e em boa ho­ra, por­que já tem mais de 60 anos de car­rei­ra. “Foi um show que cor­res­pon­deu as ex­pec­ta­ti­vas, ape­sar de ser ape­nas em uma ho­ra. Ago­ra pre­ci­sa­mos é de em­pre­sá­ri­os qu­em in­vis­tam mais em mú­si­cos com po­ten­ci­al”, con­vi­da.

JU­LHO NA TRIENAL

Com voz e vi­o­lão, Ân­ge­lo Boss foi uma das sur­pre­sas des­te mês da Trienal de Lu­an­da. Sá­ba­do e pe­la pri­mei­ra vez na­que­le es­pa­ço, o mú­si­co re­cri­ou os su­ces­so que ao lon­go de dé­ca­das o tor­na­ram um dos no­mes de re­fe­rên­cia do mer­ca­do na­ci­o­nal.

Em­bo­ra pou­co vis­to nos pal­cos na­ci­o­nais, Ân­ge­lo Boss pro­vou que ain­da con­se­gue en­can­tar os fãs, em te­mas co­mo “Pau­la Sexy”, “Big Boss”, “Ga­to Pre­to”, “Kim­bo Kuia”, “Cu­pi­do” e “Be­be­dei­ra”. Ape­sar de al­guns te­mas te­rem si­do in­ter­pre­ta­dos com vi­o­lão, o mú­si­co foi acom­pa­nha­do nou­tros por Mayo Sna­ke (te­cla­do), K.D ( gui­tar­ra bai­xo), Yar­ke Spin ( gui­tar­ra so­lo), Da­lú Ro­gée (per­cus­são), Síl­vio Nas­ci­men­to “Vi­vi­to” (di­kan­za), Dor­gan No­guei­ra e Betty Ta­vi­ra (co­ros).

Ou­tra re­fe­rên­cia do mês é o en­cer­ra­men­to do pro­jec­to “Mú­si­ca An­go­la­na”, que icou sob a res­pon­sa­bi­li­da­de do gru­po Kam­ba Dya Mu­e­nho, que na quin­ta-fei­ra úl­ti­ma, dia 27, ter­mi­nou em gran­de uma ini­ci­a­ti­va de três me­ses.

Des­de a sua ci­ra­ção, em Maio, par­ti­ci­pa­ram no pro­jec­to, além do Kam­ba Dya Mu­e­nho, os gru­pos Ki­tu­xi, Ngua­mi Ma­ka e Sem­ba Mu­xi­ma. O ob­jec­ti­vo foi res­ga­tar e va­lo­ri­zar mais a mú­si­ca de raiz. Os es­pec­tá­cu­los eram re­a­li­za­dos to­das as quin­tas-fei­ras, de for­ma que es­te seg­men­to mu­si­cal al­can­ças­se, não ape­nas o seu pú­bli­co, mas tam­bém uma pla­teia me­nos fa­mi­li­a­ri­za­da com es­ta rít­mi­ca.

Lu­tui­ma Se­bas­tião (hun­go, puí­ta e voz), Agos­ti­nho An­tó­nio (ngo­ma so­lo), Mar­ti­nho Fer­nan­do (di­kan­za), Ma­nu­el Ca­ri­on­go (ngo­ma ba­se) e An­tó­nio Nu­nes (mu­kin­do) fo­ram os pro­ta­go­nis­tas do con­cer­to, que se cen­trou nos ál­buns “ITA” (1996), “Kan­goia” (1998) e “Ua Ji­za” (2004).

Além da mú­si­ca, o pal­co da Trienal tam­bém foi mar­ca­do es­te mês pe­lo te­a­tro, que ga­nhou vi­da no “frio do ca­cim­bo” com as ac­tu­a­ções de vá­ri­os gru­pos. Um dos des­ta­ques foi o Nú­cleo Ar­tes Pi­ta­bel, que apre­sen­tou, na quin­ta-fei­ra úl­ti­ma, o dra­ma “O Pre­ço do Fa­to II”, a sequên­cia da pe­ça “O Pre­ço do Fa­to”, es­pec­tá­cu­lo que já tem mais de dez anos.

VA­LO­RI­ZAR A ME­MÓ­RIA

No inal do es­pec­tá­cu­lo, com o pú­bli­co a dei­xar o es­pa­ço, co­me­ça a in­cer­te­za de qu­em du­ran­te me­ses foi a Trienal de Lu­an­da as­sis­tir a con­cei­tu­a­dos e no­vos no­mes da mú­si­ca an­go­la­na mos­tra­rem o seu me­lhor.

Com es­tes úl­ti­mos “sus­pi­ros” da Trienal ica a pre­o­cu­pa­ção de que po­de­re­mos vol­tar ao va­zio de uma qua­se to­tal fal­ta de me­mó­ria da mú­si­ca an­go­la­na fei­ta até an­tes da dé­ca­da de 90.

O pro­jec­to, cri­a­do exac­ta­men­te pa­ra acu­dir que gran­des da mú­si­ca an­go­la­na icas­sem fo­ra de um cir­cui­to de in­clu­são co­mo tem si­do a trienal, por Sin­di­ka Do­ko­lo, Fer­nan­do Al­vim e Ma­ri­ta Sil­va, que não me­di­ram es­for­ços nem tão pou­co pou­pa­ram bol­sos ao de inir, a ní­vel da mú­si­ca, pa­ra es­tas ho­me­na­gens da­rem “vi­da” ao slo­gan “res­ga­tar a me­mó­ria”.

O ob­jec­ti­vo era cla­ro: Dar à ju­ven­tu­de a opor­tu­ni­da­de de re­a­pren­der o seu con­cei­to de mú­si­ca an­go­la­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.