OS “SENHORES DO VENTO” COSTUMES DOS HEREROS EM EX­PO­SI­ÇÃO DE AR­TE

Jornal Cultura - - ARTES -

ADRI­A­NO DE ME­LO

Quem fo­ram os Hereros? Qual o seu pa­pel na His­tó­ria de An­go­la? Es­ta e ou­tras dú­vi­das fo­ram res­pon­di­das pe­lo ar­tis­ta plás­ti­co Thó Si­mões que, de­pois de me­ses de pes­qui­sa, apre­sen­tou o re­sul­ta­do do seu tra­ba­lho em “Senhores do Vento”, uma ex­po­si­ção de pin­tu­ra so­bre co­ra­gem e de­ter­mi­na­ção de um po­vo.

Aber­ta ao pú­bli­co no pas­sa­do dia 27, a mos­tra, pa­ten­te na ga­le­ria Mov’Art, em Lu­an­da, pro­me­te le­var, qual­quer um dos seus vi­si­tan­tes, por uma vi­a­gem pe­la his­tó­ria dos hereros e al­guns dos seus de­sa ios mais mar­can­tes, com ba­se no he­roís­mo de Sa­mu­el Mahe­re­ro.

Qu­an­do qu­es­ti­o­na­do so­bre “quem são os ‘Senhores do Vento’?”, o ar­tis­ta dis­se que eram os 24 mil hereros que fu­gi­ram com me­do de ica­rem con ina­dos aos cam­pos de con­cen­tra­ção, dos quais mil, sob a li­de­ran­ça de Sa­mu­el Mahe­re­ro che­ga­ram até o Botswa­na.

A ba­se de to­do o tra­ba­lho é a tra­ves­sia que es­te po­vo - de ori­gem Ban­tu, tra­di­ci­o­nal­men­te pas­to­ris - efec­tu­ou pe­lo de­ser­to do Ka­laha­ri (Na­mí­bia), qu­an­do o te­nen­te ge­ne­ral ale­mão LotharVonT­rotha ten­tou os eli­mi­nar, de­vi­do a ques­tão das ter­ras do su­do­es­te afri­ca­no. Es­te con li­to que qua­se le­vou a com­ple­ta ex­tin­ção dos hereros es­tá ago­ra des­cri­to em di­ver­sas te­las, em acrí­li­co e nou­tras téc­ni­cas, cu­jas co­res são uma das pre­do­mi­nân­ci­as.

Com vá­ri­os tra­ços da ar­te ur­ba­na, o ar­tis­ta pro­cu­ra dar vi­da a in­con­for­mi­da­de de um po­vo pe­ran­te a co­lo­ni­za­ção, a sua gu­er­ra con­tra o in­va­sor e a di­vi­são e ex­pro­pri­a­ção de ter­ra, mas en­qua­dran­do o as­sun­to tam­bém as re le­xões dos tem­pos de ho­je. “A de­ter­mi­na­ção de um po­vo que mes­mo pe­ran­te a ad­ver­si­da­de não de­sis­tiu é al­go que im­pres­si­o­na qual­quer um”, dis­se, des­ta­can­do que en­quan­to ar­tis­ta vê es­ta mo­ti­va­ção co­mo pi­lar pa­ra a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de me­lhor.

Pa­ra Thó Si­mões, o te­ma da ex­po­si­ção - cu­jo en­fo­que prin­ci­pal é a ne­gri­tu­de, a co­lo­ni­za­ção, a ex­pro­pri­a­ção de ter­ras ou até mes­mo de cul­tu­ras - ape­sar de ter a sua ba­se no pas­sa­do, é e con­ti­nua a ser bas­tan­te ac­tu­al. A úni­ca va­riá­vel, acres­cen­ta, são as re le­xões que as pes­so­as po­dem fa­zer ao vi­si­tar a mos­tra, co­mo “o que le­va o ho­mem a ex­plo­rar o seu se­me­lhan­te”. “Des­de o iní­cio do Mun­do es­te te­ma tem si­do uma cons­tan­te. Ho­je trou­xe a abor­da­gem do as­sun­to atra­vés da His­tó­ria de um po­vo - co­mo qua­se to­dos os do Sul do país - que me fas­ci­na mui­to, de­vi­do a sua cul­tu­ra e de­ter­mi­na- ção pa­ra ven­cer as di icul­da­des”, con­ta.

Cons­tan­te­men­te em bus­ca das cau­sas e mo­ti­va­ções que le­vam as pes­so­as a agi­rem des­ta ou da­que­la for­ma, o ar­tis­ta pro­me­teu con­ti­nu­ar a pro­cu­rar por res­pos­tas pa­ra as su­as in­da­ga­ções, al­gu­mas das quais mui­to co­muns. Em­bo­ra a sua pes­qui­sa es­te­ja mais vi­ra­da pa­ra os po­vos do Sul de An­go­la, Thó Si­mões tam­bém tem cu­ri­o­si­da­de de co­nhe­cer mais so­bre o seu pas­sa­do, “co­mo an­go­la­no, pes­soa e afri­ca­no”. “En­quan­to não es­ti­ver sa­tis­fei­to com as res- pos­tas os te­mas dos meu tra­ba­lhos vão ser sem­pre os mes­mos.”

De­pois de me­ses a se­guir o ras­to dos hereros, o ar­tis­ta, que acre­di­ta mui­to na sua in­tui­ção, nas vi­bra­ções e na cu­ri­o­si­da­de, pro­me­te con­ti­nu­ar a de­sen­vol­ver o seu tra­ba­lho em te­mas que aju­dem as pes­so­as a co­nhe­ce­rem mais so­bre a cul­tu­ra e His­tó­ria de de­ter­mi­na­dos po­vos, cu­jo acer­vo his­tó­ri­co-cul­tu­ral é vas­to, mas cor­rem o ris­co de se­rem “en­go­li­dos” e es­que­ci­dos den­tro do fe­nó­me­no glo­ba­li­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.