ES­CA­LA­DA AO MOR­RO DO MOCO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - AMIL­KAR FERIA FLO­RES

O cu­ba­no A Amil­kar Flo­re­ses su­biu ao Mor­roM do Mo­çoo e tr traz gra­va­da na me­mó­ri­aia ca­da pe­ga­da pa­raa che­gar atéa ao seu ex­tre­mo,, que as evo­ca,ev co­mom um hu­mil­de suspiro.sus­pir

1. Em mais de uma opor­tu­ni­da­de, pre­ten­di co­lo­car no meu cur­rí­cu­lo a qu­an­ti­da­de de mon­ta­nhas que su­bi na mi­nha vi­da. Mas es­ta pre­ten­são, tam­bém, pa­re­ceu-me ri­dí­cu­la, to­da a vez que da­ni­fi­ca­ria um acon­te­ci­men­to de in­de­ci­frá­vel trans­cen­dên­cia es­pi­ri­tu­al. Em to­do o ca­so, de­ve­ria es­cla­re­cer, ao me­nos pa­ra mim mes­mo, que su­bir uma mon­ta­nha não é pro­pri­a­men­te um des­por­to, em ter­mos es­tri­ta­men­te téc­ni­cos, tal co­mo um even­to cul­tu­ral, tão- pou­co me atre­ve­ria a qua­li­fi­cá- lo me­ra­men­te de tu­ris­mo.

Em Cu­ba, su­bi to­das as mon­ta­nhas que pu­de, ten­tan­do com is­so es­ca­lar as que ima­gi­nei; in­clu­si­ve o mon­te Olim­po, no vi­zi­nho planeta Mar­te. Mui­tas ve­zes, pa­ra acal­mar es­sa es­tra­nha pro­pen­são às al­tu­ras, che­guei a pen­sar que um cor­po ce­les­te, co­mo a Ter­ra, pu­des­se ser, em si mes­mo, uma mon­ta­nha or­bi­tan­do ao re­dor do Sol. Mas nun­ca foi su­fi­ci­en­te. Sem­pre fi­cam al­guns al­tos que rom­pem a nor­ma da su­per­fí­cie, aque­les que fi­cam, de mo­do en­ga­no­sa­men­te in­sig­ni­fi­can­te, mais per­to de ou­tros cor­pos ce­les­tes.

Já an­tes de vi­a­jar pa­ra An­go­la co­nhe­cia a exis­tên­cia de um lu­gar pro­e­mi­nen­te cha­ma­do Mor­ro do Moco, um sí­tio que ul­tra­pas­sa­va em al­tu­ra tu­do o que ti­nha su­bi­do com an­te­ce­dên­cia na mi­nha hu­mil­de ex­pe­ri­ên­cia de mon­ta­nhis­ta ama­dor. Uma vez na Áfri­ca, ti­nha-o tão lo­ca­li­za­do no ma­pa e na mi­nha men­te, que ti­ves­se re­sul­ta­do qua­se uma aber­ra­ção sair de An­go­la sem me con­fron­tar isi­ca­men­te com uma ideia tão ele­va­da. So­men­te sa­bia que o mor­ro vi­via sua im­po­nen­te e fres­ca mo­nu­men­ta­li­da­de na pro­vín­cia do Hu­am­bo, nas pro­xi­mi­da­des da lo­ca­li­da­de do Uso­ke, fron­tei­ra com Ben­gue­la, e que a sua al­ti­tu­de se ele­va­va até os 2.620 me­tros so­bre o ní­vel do mar. Por sor­te, pa­ra os im­pa­ci­en­tes­neu­ró­ni­os de uma es­pe­ra que já du­ra­va três anos, a mi­nha noi­va Mar­ce­la se con­ver­teu na me­lhor cúm­pli­ce de um pro­pó­si­to que pas­sou a ser co­mum. To­do es­se amon­to­a­do de ener­gia men­tal, que atraía a pos­si­bi­li­da­de de nos apro­xi­mar do Sol sem que der­re­tes­se a ce­ra de nos­sas ex­pec­ta­ti­vas, pas­sou por uma in­ter­mi­ná­vel ila de pro­pos­tas a ami­gos, pa­ra vi­si­tar es­se abrup­to e enig­má­ti­co pa­ra­dig­ma da oro­gra ia afri­ca­na. In­fe­liz­men­te, a ini­ci­a­ti­va não ren­deu fru­to en­tre as de­ze­nas de con­vi­da­dos, mas não dei­xá­mos de plan­tar a ideia.

2. Gre­tel e Edu­lo, re­a­li­za­do­ra au­di­o­vi­su­al e en­ge­nhei­ro, res­pec­ti­va­men­te, dis­se­ram que sim, com uma pron­ti­dão tão as­som­bro­sa, que Mar­ce­la e eu não po­día­mos acre­di­tar na in­de­ci­são dos nos­sos ami­gos. Lo­go,pre­su­mi­mos que an­das­sem aque­les dois atrás do mes­mo ob­jec­ti­vo há mui­to tem­po. De­pois de tan­to pro­cu­rar sem êxi­to, era ló­gi­co ver aqui­lo com cer­ta sus­pei­ta, mas, no im do nos­so as­som­bro, não nos res­tou se­não acei­tá-lo: tí­nha­mos com­pa­nhei­ros de vi­a­gem. En­con­tra­mo-nos com eles em Ben­gue­la, dois di­as an­tes da es­ca­la­da, de on­de vi­a­ja­mos até as ime­di­a­ções do Hu­am­bo no to­do-o-ter­re­no do Edu­lo, o qual se mos­trou ser um ex­pe­ri­en­te con­du­tor. No dia se­guin­te, par­ti­mos pa­ra a ba­se do mor­ro por ca­mi­nhos de di ícil aces­so e sob uma tem­pes­tu­o­sa chu­va, que pa­re­cia nos ad­ver­tir dos ri­go­res de nos­so ob­jec­ti­vo. Qu­an­do che­ga­mos à al­deia do Cad­jon­de, o fe­nó­me­no cli­má­ti­co per­sis­tia. Os vi­zi­nhos ex­pli­ca­ram que a chu­va era uma re­si­den­te ha­bi­tu­al du­ran­te es­ta es­ta­ção, de mo­do que nos acos­tu­ma­mos ra­pi­da­men­te à hú­mi­da cir­cuns­tân­cia. Com a mai­or ime­di­a­tez pos­sí­vel, fo­mos con­du­zi­dos pe­ran­te o So­ba lo­cal, a quem Edu­lo Ba­ta­lha en­tre­gou uns pre­sen­tes de cor­te­sia (vi­nho, sa­bão, fós­fo­ros, sal e cer­ta qu­an­ti­da­de de di­nhei­ro). Se­gun­do a tra­di­ção, o So­ba de­ve au­to­ri­zar e dar os seus bons au­gú­ri­os pa­ra que a in­cur­são cor­ra da me­lhor ma­nei­ra, ao mes­mo tem­po que atri­buía um guia pa­ra fa­ci­li­tar as com­ple­xi­da­des da es­ca­la­da. Pa­ra nos­sa sur­pre­sa, mui­to boa, por cer­to, mui­to pou­cos re­si­den­tes da al­deia fa­la­vam o por­tu­guês com lui­dez. Só al­guns jo­vens, que ti­nham es­ta­do tem­po­ral­men­te fo­ra do res­trin­gi­do âm­bi­to ru­ral, ex­pres­sa­vam-se no idi­o­ma o ici­al do país; o res­to, prin­ci­pal­men­te os mais ve­lhos, fa­la­vam uma va­ri­an­te re­gi­o­nal do Um­bun­do, um for­mo­so idi­o­ma que se afer­ra à vi­da nes­tes com­par­ti­men­ta­dos lu­ga­res. Pe­ran­te a chu­va im­pe­tu­o­sa, e por su­ges­tão de nos­sos an itriões, não res­tou ou­tra al­ter­na­ti­va se­não es­pe­rar, em ten­das de cam­pa­nha, até ao dia se­guin­te, pa­ra su­bir. Mar­ce­la e eu, no aper­ta­do re­cin­to de ny­lon que nos fa­ci­li­ta­ram Gre­tel e Edu­lo, caí­mos na con­ta de nos­sa im­pro­vi­sa­da ex­pe­ri­ên­cia, pois nos­sos com­pa­nhei­ros de vi­a­gem nos pro­ve­ram de to­dos os re­cur­sos pa­ra ata­car o ac­to poé­ti­co que es­tá­va­mos vi­ven­do.

3. A noi­te de 31 de De­zem­bro foi uma de­li­ran­te pro­va de re­sis­tên­cia. O frio e one­vo­ei­ro, que se il­tra­vam pe­las pa­re­des e o chão da ten­da, lo­ca­li­za­da no cam­po de fu­te­bol da al­deia, tor­na­ram qua­se im­pos­sí­vel que pu­dés­se­mos dor­mir. Se­gun­do o nos­so guia, por or­dem do So­ba, de­ve­ría­mos par­tir por vol­ta­das qua­tro da ma­nhã do pri­mei­ro dia do ano; mas a nos­sa bús­so­la não apa­re­ceu até as se­te em pon­to. Lo­go de­pois de um fru­gal ca­fé da ma­nhã, ape­nas um sor­vo de ca­fé e umas co­lhe- ra­das de aveia, par­ti­mos. O guia se em­pe­nha­va uma e ou­tra vez em nos con­du­zir até o “Mor­ro Pe­que­no”, de 2.400 me­tros. Com igual in­sis­tên­cia, e qua­se co­mo se não es­cu­tas­se su­as pa­la­vras, eu lhe re­pe­tia que que­ría­mos ir ao “Gran­de”, ao ver­da­dei­ro. Se­me­lhan­te frau­de, de­pois de tan­to tem­po de es­pe­ra, não va­li­am du­zen­tos me­tros me­nos. Su­bi­ta­men­te, o guia cha­mou ou­tro mo­ço, cha­ma­do Si­mão, pa­ra que nos con­du­zis­se até o mor­ro ver­da­dei­ro. Com di­li­gen­te in­ves­ti­du­ra, “o fal­so guia” se des­po­jou de seu ca­sa­co, ca­pa, ca­che­col e bo­tas de água, pa­ra en­tre­gá-los for­mal­men­te ao ou­tro. Ven­do aque­le tres­pas­se de po­de­res, me ge­lou o san­gue, pois o úni­co que le­va­va em ci­ma era um sué­ter, não mui­to den­so, e um gor­ro de io de lã ajus­ta­do à ca­be­ça. Mar­ce­la es­ta­va ou­tro tan­to des­pro­vi­da, e am­bos cal­çá­va­mos sa­pa­tos na­da ade­qua­dos pa­ra a epo­peia ver­ti­cal, mo­lha­dos des­de o dia an­te­ri­or. Lo­go de­pois de ca­mi­nhar uns qua­ren­ta mi­nu­tos, até on­de co­me­ça­va a au­tên­ti­ca as­cen­são, já não sen­tia que es­ti­ves­se tão en­so­pa­do co­mo ti­nha ama­nhe­ci­do. Co­mo saí­dos do na­da, dois me­ni­nos de on­ze ou do­ze anos co­me­ça­ram a nos acom­pa­nhar com a des­tre­za de ca­bri­tos mon­ta­nhe­ses. Si­mão os in­ter­pe­lou em seu idi­o­ma, ao que eles res­pon­de­ram, ao que pa­re­cia, com rá­pi­da eloquên­cia, con­ver­ten­do-se em nos­sas es­col­tas in­se­pa­rá­veis. O guia nos

Mor­ro Moco

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.