UCCLA ACOLHEU LAN­ÇA­MEN­TO DO LI­VRO “LUANDA - AVE­NI­DA DOS COMBATENTES”

Jornal Cultura - - LETRAS -

De­cor­reu, no dia 13 de De­zem­bro, o lan­ça­men­to do li­vro “Luanda - Ave­ni­da dos Combatentes” da au­to­ria de San­dra Poul­son, no au­di­tó­rio da UCCLA, num even­to or­ga­ni­za­do pe­lo CEMD - Cír­cu­lo de Es­cri­to­res Mo­çam­bi­ca­nos na Diás­po­ra.

Del­mar Maia Gon­çal­ves, que fez o pre­fá­cio do li­vro, sa­li­en­tou “ter uma au­to­ra an­go­la­na edi­ta­da pe­los Cír­cu­lo de Es­cri­to­res Mo­çam­bi­ca­nos na Diás­po­ra” e no pa­pel da lu­so­fo­nia co­mo aqui­lo que “va­mos cons­truin­do com pe­que­nos even­tos, que se con­cre­ti­zam na prá­ti­ca, e não icam pe­la te­o­ria, e quan­do se fa­la em lu­so­fo­nia” de­ve-se pen­sar, tam­bém, em paí­ses afri­ca­nos que fa­lam por­tu­guês, daí a pu­bli­ca­ção de qual­quer “au­tor não mo­çam­bi­ca­no” pe­lo CEMD”.

“Es­pe­ro que es­te se­ja o pri­mei­ro de mui­tos ou­tros li­vros” a ir­mou San­dra Poul­son. Pa­ra a au­to­ra, a Ave­ni­da dos Combatentes - atu­al­men­te Ave­ni­da Co­man­dan­te Va­ló­dia - no li­vro é ape­nas fo­ca­da a “es­qui­na di­rei­ta se­bas­ti­a­na” on­de tem des­de ani­ma­ção 24 ho­ras por dia, ao som das vi­a­tu­ras e dos mo­ra­do­res, aos pre­gões dos ven­de­do­res, à ven­da de il­mes e fru­ta, aos chei­ros, re­lem­bran­do uma ár­vo­re on­de “vi­vi­am” cri­an­ças e dos ti­ros que exis­ti­am, na fal­ta de to­po­ní­mia, pa­ra re­for­çar que o li­vro é re le­xo “do que vi e não con­si­go es­cre­ver do que não ve­jo, e do que não sin­to, e do que não chei­ro”.

A ca­pa foi ela­bo­ra­da pe­la fi­lha de San­dra Poul­son que afir­mou ter ti­do a “sur­pre­sa, mui­to boa, que foi per­ce­ber que a San­dra Poul­son mãe an­da­va a es­cre­ver pe­lo quin­tal so­bre as mes­mas coi­sas que eu an­da­va a de­se­nhar e an­da­va a cri­ar, por Lon­dres, e es­ta ca­pa aca­ba por ser um de­sa­fio por­que os nos­sos tra­ba­lhos e o nos­so con­teú­do, a nos­sa men­sa­gem e a for­ma de nos co­lo­car­mos en­quan­to cri­a­do­ras, en­con­tra-se no es­pa­ço de uma for­ma mui­to ín­ti­ma” por­que as his­tó­ri­as abor­da­das no li­vro são “his­tó­ri­as que eu vi­vi e, ao ler es­te li­vro, aper­ce­bo- me que al­gu­mas coi­sas que não en­ten­dia eram sim mui­to cla­ras e que eu per­gun­ta­va, e me eram ex­pli­ca- das” de uma for­ma mais “do­ce”.

Na ca­pa, a per­so­na­gem cen­tral é uma “mu­lher com três se­tes de sei­os” que tra­du­zem uma “ho­me­na­gem mi­nha à mi­nha mãe, a es­ta mu­lher com sei­os com me­mó­ria” e que são os “três ilhos que fo­ram edu­ca­dos na es­qui­na di­rei­ta se­bas­ti­a­na” e os três sei­os tra­du­zem o pas­sar do tem­po e da me­mó­ria. Es­ta ca­pa é “não só uma ilustração, que se pas­sa nes­ta obra, mas é mui­to a ilustração da mi­nha pers­pe­ti­va so­bre es­te sí­tio, es­te tem­po”.

San­dra Poul­son é na­tu­ral de Luanda, An­go­la, on­de nas­ceu a 3 de ju­lho de 1962. Ain­da mui­to jo­vem foi lo­cu­to­ra da Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la. No prin­cí­pio da dé­ca­da de oi­ten­ta, es­tu­dou no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as Edu­ca­ti­vas em Lis­boa, no pri­mei­ro cur­so do Ma­gis­té­rio Pri­má­rio.

Tra­ba­lhou em vá­ri­as em­pre­sas em Por­tu­gal e em An­go­la, on­de se li­cen­ci­ou em Di­rei­to, na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de An­go­la. Atu­al­men­te é Ad­vo­ga­da de pro is­são, com es­cri­tó­rio em Luanda. É co­or­de­na­da da DAR, Dis­tri­bui­ção de Amor e Ri­que­za (es­pi­ri­tu­al), gru­po cri­a­do por si, em que or­ga­ni­za ações de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al, no­me­a­da­men­te ape­tre­cha­men­to de pe­que­nas bi­bli­o­te­cas em es­co­las, se­mi­ná­ri­os, hos­pi­tais de as­so­ci­a­ções, em mu­ni­cí­pi­os lon­gín­quos do ter­ri­tó­rio an­go­la­no.

Par­ti­ci­pa em vá­ri­as an­to­lo­gi­as e re­vis­tas com tex­tos, so­bre cos­tu­mes e tra­di­ção oral an­go­la­na re­sul­ta­do da sua pes­qui­sa de cam­po. É co­la­bo­ra­do do jor­nal an­go­la­no de Ar­tes e Le­tras, Cul­tu­ra.

De An­go­la che­ga-nos es­te ins­pi­ra­do li­vro de Cró­ni­cas da mul­ti­fa­ce­ta­da, em­pre­en­de­do­ra e ex­pe­ri­men­ta­da au­to­ra an­go­la­na San­dra Poul­son. Uma as­sí­dua fre­quen­ta­do­ra e par­ti­ci­pan­te dos me­an­dros li­te­rá­ri­os lu­só­fo­nos em An­go­la e Por­tu­gal. Mais do que cró­ni­cas, es­tes tex­tos são pe­que­nas, mas sig­ni ica­ti­vas, “ex­plo­sões” con­den­sa­das de for­ma a se en­qua­dra­rem nos es­pa­ços dos jor­nais, re­vis­tas ou bo­le­tins a que nor­mal­men­te se des­ti­na­vam.

Se­rá, com efei­to, a pri­mei­ra an­go­la­na a edi­tar uma obra in­di­vi­du­al com o Cír­cu­lo de Es­cri­to­res Mo­çam­bi­ca­nos na Diás­po­ra (CEMD) e sem dú­vi­da tam­bém uma hon­ra e um pri­vi­lé­gio, por ir­mos alar­gan­do e in­ter­na­ci­o­na­li­zan­do as nos­sas ac­ti­vi­da­des no es­pa­ço da CPLP.

A ca­rac­te­rís­ti­ca fun­da­men­tal das cul­tu­ras afri­ca­nas em que a an­go­la­na se in­se­re é a sua ora­li­da­de e a cru­ci­al im­por­tân­cia do seu re­gis­to uma ne­ces­si­da­de sem­pre ac­tu­al. A cró­ni­ca nas­ce des­sa tra­di­ção de en­si­na­men­to e apren­di­za­gem atra­vés da trans­mis­são e re­gis­to de sa­be­res e va­lo­res de um bom ob­ser­va­dor in­qui­e­to e es­cri­tor.

A “ora­li­da­de” é, nes­te ca­so, tan­to o efei­to co­mo a cau­sa de um mo­do de es­tar so­ci­al, por­que cla­ra­men­te de­nun­cia as re­la­ções so­ci­ais es­pe­cí icas, pri­vi­le­gi­an­do tam­bém cer­tos fac­to­res de es­tra­ti ica­ção ou de di­fe­ren­ci­a­ção so­ci­al, é a ini­ci­a­ção e di­fu­são de co­nhe­ci­men­tos do ob­ser­va­dor mais aten­to que vai ide­li­zan­do lei­to­res e que cons­ti­tui uma “es­pé­cie” de ob­ser­va­tó­rio iti­ne­ran­te em que os pro­ta­go­nis­tas são a cro­nis­ta - es­cri­tor, os ob­ser­va­dos (al­vos de ob­ser­va­ção e ac­ção, e ain­da to­dos os fe­nó­me­nos ob­ser­va­dos que afec­tam o seu quo­ti­di­a­no). Te­rá, por­tan­to, uma fun­ção pro­fun­da­men­te so­ci­a­li­zan­te e so­ci­a­li­za­do­ra.

Há na es­cri­ta des­tas cró­ni­cas uma cla­ra in­ten­ci­o­na­li­da­de pró - ac­ti­va pa­ra a so­ci­e­da­de an­go­la­na.

Na li­te­ra­tu­ra uni­ver­sal, uma cró­ni­ca é uma nar­ra­ção cur­ta e in­ci­si­va, pro­du­zi­da es­sen­ci­al­men­te pa­ra ser vei­cu­la­da na im­pren­sa es­cri­ta, se­ja das pá­gi­nas cri­a­ti­vas e in­for­ma­ti­vas de um jor­nal, de uma re­vis­ta, de um bo­le­tim ou mes­mo apre­sen­ta­das nu­ma rá­dio.

Cla­ro que pa­ra bom uso des­ta fer­ra­men­ta é ne­ces­sá­ria a bên­ção da «ars di­cen­di», is­to é «a ar­te de di­zer» on­de se evi­den­cia o cru­za­men­to da gran­de cri­a­ti­vi­da­de po­pu­lar da li­te­ra­tu­ra oral e a fun­ção ou cul­tu­ra es­té­ti­ca canô­ni­ca ad­qui­ri­da na li­te­ra- tu­ra es­cri­ta e na sua prá­ti­ca quo­ti­di­a­na.

Nal­guns ca­sos acon­te­ce um es­for­ço sin­ce­ro de “me­ta­fo­ri­za­ção”, de “iro­ni­za­ção”, de “ple­o­nas­mi­za­ção” e “hu­mo­ri­za­ção” das si­tu­a­ções da re­a­li­da­de ob­ser­va­das e des­cri­tas.

A cro­nis­ta cria um la­ço in­te­gra­dor en­tre o ho­mem e o seu meio, co­mo a me­mó­ria co­lec­ti­va ixa­da de um po­vo e seus dra­mas e ale­gri­as que se­rão sem­pre, ob­vi­a­men­te em úl­ti­ma ins­tân­cia, o seu ver­da­dei­ro ar­qui­vo “na­tu­ral”, o seu es­pa­ço de ixa­ção, de en­vol­vi­men­to, de aler­ta, de re le­xão e tam­bém de pro­du­ção de so­lu­ções.

Por ve­zes iden­ti ica­mos si­lên­ci­os nes­tas cró­ni­cas que res­pi­ram An­go­la e a an­go­la­ni­da­de, mas de um si­lên­cio que gri­ta, que aler­ta, que ape­la, que en­si­na, que ins­trui, que plan­ta, que cor­ta, que abra­ça, que abar­ca, que con­gre­ga, que de­sa ia, que in­ter­pe­la, que re­vol­ve, que fer­men­ta, que en­tra­nha, que can­ta, e co­lhe­rá os seus fru­tos, pro­por­ci­o­nan­do a im­pos­si­bi­li­da­de da in­di­fe­ren­ça.

Mas ica cla­ro co­mo a água, tal co­mo di­zia o po­e­ta vi­si­o­ná­rio Kah­lil Gi­bran: “Na ver­da­de fa­la­mos ape­nas pa­ra nós mes­mos; con­tu­do fa­la­mos por ve­zes su ici­en­te­men­te al­to pa­ra que os ou­tros nos con­si­gam ou­vir.”

Pos­sui, as­sim, uma ina­li­da­de pro­fun­da­men­te uti­li­tá­ria e qua­se sem­pre pré-de­ter­mi­na­da a agra­dar os lei­to­res den­tro de um es­pa­ço sem­pre igual e com a mes­ma lo­ca­li­za­ção, cri­an­do-se as­sim, no de­cur­so dos di­as, das se­ma­nas ou dos me­ses, uma gran­de fa­mi­li­a­ri­da­de e cum­pli­ci­da­de ín­ti­ma en­tre o es­cri­tor/cro­nis­ta e to­dos aque­les que o le­em. A cro­nis­ta com al­ma de po­e­ta de­mons­tra aqui to­da a sua ca­pa­ci­da­de pa­ra nos elu­ci­dar so­bre a sua vi­são do mun­do e a sua con­cep­ção da vi­da, que são lar­ga­men­te con­gre­ga­do­ras, e um enor­me con­tri­bu­to pa­ra a re le­xão da so­ci­e­da­de e a sua har­mo­ni­za­ção.

Bem ha­ja San­dra Poul­son e baye­te por nos pro­por­ci­o­nar be­le­za e es­pan­to nes­ta re­vi­go­ran­te, pe­da­gó­gi­ca e ins­tru­ti­va obra de cró­ni­cas!

Ac­to do lan­ça­men­to do li­vro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.