CONTO DE KAKALUNGA O SOPRO DO VEN­TO

Jornal Cultura - - BARRA DO KWANZA -

1.- O sil­vo do ven­to, com­pa­nhei­ro de quem aman­sa o cor­po aca­ma­do na es­tei­ra do quin­tal, vem de man­si­nho pa­ra ani­mar quem o quer a seu la­do. 2.- E é por en­tre as adu­e­las que cer­cam a mo­ra­dia que ele, sem pe­dir li­cen­ça, en­tra e dá a co­nhe­cer a quem o es­pe­ra o mo­ti­vo da sua lon­ga jor­na­da. 3.- Ro­do­pi­an­do o lu­gar à bei­ra da es­tei­ra, o ven­to em re­moi­nho anun­cia a sua pre­sen­ça, le­van­do quem o es­pe­ra a sen­tir a sua con­for­tá­vel com­pa­nhia. 4.- E por en­tre con­jec­tu­ras, a mu­dez do diá­lo­go ga­nha for­ma em su­po­si­ções de con­for­mi­da­de com a es­pi­ral de po­ei­ra que le­van­ta, sen­do boa-no­va quan­do não de­mo­ra em lu­gar que não é o seu. 5.- E o sil­va­do - agar­ra­do a uma has­te que er­gue aos céus, co­mo quem su­pli­ca, os tron­cos res­se­qui­dos pe­lo ca­lor – sen­te no dor­so es­quen­ta­do a fri­e­za do ven­to san­to que, so­pran­do em mo­do bran­do, ame­ni­za a vi­da a quem de­la na­da mais es­pe­ra. 6.- Be­ne­vo­len­te – e len­do a men­sa­gem que o cha­ma - é sem ador­nos que par­te pa­ra lu­gar in­cer­to, se­guin­do em fren­te; sal­tan­do bar­rei­ras; en­tran­do on­de só ele o po­de fa­zer, afu­gen­tan­do o ca­lor que en­fer­ma o lu­gar em que se acoi­ta. 7.- De­sa­ni­ma­do à ho­ra em que o cor­po aca­ma­do quer des­can­sar é ele, o ven­to, que, em su­a­ve ca­ri­nho, con­for­ta quem sen­te que, ago­ra sim, é ho­ra de dor­mir. 8.- Quan­do o sopro es­cas­seia é cha­ma­do a apa­re­cer à fren­te da gen­te sob o vai-vem do le­que agar­ra­do na mão, tor­nan­do ame­na a ca­mi­nha­da de quem ao sol ar­den­te re­ti­ra água do cor­po que ele con­tém pu­xan­do, da al­gi­bei­ra, o len­ço bran­co que a en­xu­ga. 9.- Po­rém afu­gen­ta e acoi­ta quem o sen­te che­gar im­pe­li­do pe­la fú­ria do mar re­vol­to, com o sil­var me­don­do que ar­ran­ca, do ca­sa­rio do mus­se­que, o tec­to que o im­pro­vi­so ge­rou; o tron­co plan­ta­do ao lon­go da ave­ni­da que se ver­ga sub­mis­so à sua fu­nes­ta pas­sa­gem. 10.- Ado­ro – di­zia um po­e­ta apai­xo­na­do pe­la na­tu­re­za - ver o sopro que alen­ta o cor­po caí­do no chão; que o le­van­ta e o põe a ca­mi­nho do la­bor que o can­sa; que er­gue a es­pe­ran­ça en­vol­ta em pran­to e lim­pa, com a for­ça do som que emi­te, o can­to do olho on­de va­za a úl­ti­ma lá­gri­ma, aque­la que ador­na o ros­to na ima­gem que um pin­tor, dos mais aten­tos, res­ga­ta pa­ra a te­la va­zia que, aí sim, se en­che da al­ma ca­ren­te que alin­da a pa­re­de pa­la­ci­a­na de gen­te no­bre que o ve­ne­ra. 11.- O ven­to, le­van­do a po­ei­ra a lu­gar re­mo­to, en­fer­ma quem o res­pi­ra sob a mal­di­ção de quem lon­ge o quer si­ti­ar! 12.- E no com­bi­na­do en­tre o be­ne ício e a mal­di­ção, o ven­to vai e vem, ora adu­la­do quan­do ofe­re­ce o ca­lor da sua bran­du­ra; ora amal­di­ço­a­do quan­do ali­men­ta, com o seu vi­gor, a acha ace­sa que in­fer­ni­za o ser­tão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.