DIÁ­LO­GO NA SO­CI­E­DA­DE TRA­DI­CI­O­NAL CO­MO PRÁ­TI­CA DA MULTICULTURALIDADE

Es­te ar­ti­go abor­da uma te­má­ti­ca im­por­tan­te do pro­ces­so de acul­tu­ra­ção que o po­vo an­go­la­no so­freu com o pro­ces­so de co­lo­ni­za­ção e que vem so­fren­do pe­la má in­ter­pre­ta­ção dos pre­cei­tos da glo­ba­li­za­ção. Tal con­cep­ção per­mi­tiu queo pa­pel da so­ci­e­da­de tra­di­ci­on

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - EUGENIA KOSSI

No mo­der­nis­mo atin­giu-se um pon­to cru­ci­al de ne­ga­ção da tra­di­ção. O con­su­mo das in­dus­tri­as cul­tu­rais vei­cu­la­das pe­los mass-me­dia, ini­ci­a­do pri­mei­ra­men­te pe­lo pro­ces­so de co­lo­ni­za­ção, trans­for­mou a cul­tu­ra ame­ri­ca­na e eu­ro­peia num pa­drão de vi­da de fun­do ju­dai­co- cris­tão. Es­se pro­ces­so atin­giu o sa­ber tra­di­ci­o­nal de for­ma ne­ga­ti­va, aba­fan­do- o. A glo­ba­li­za­ção não mas­si­fi­cou o sa­ber afri­ca­no, in­ti­mi­dou- o. Po­rém, se­rá o mo­der­nis­mo cul­pa­do?

In­tro­du­ção

Aso­ci­e­da­de tra­di­ci­o­nal co­mo qual­quer ou­tra pos­sui um le­que de prin­cí­pi­os or­ga­ni­za­ci­o­nais que ca­rac­te­ri­zam os agru­pa­men­tos hu­ma­nos. Nes­tes mol­des, tem ao lon­go dos sé­cu­los trans­mi­ti­do co­nhe­ci­men­tos atra­vés da tra­di­ção oral ten­do co­mo ba­se uma sa­be­do­ria an­ces­tral pró­pria e in­di­vi­du­al.

Es­ta fun­da­men­ta to­da a vi­vên­cia de uma co­mu­ni­da­de ao pro­mo­ver uma edu­ca­ção cí­vi­ca, mo­ral e re­li­gi­o­sa que se tra­duz na im­por­tân­cia da co­e­são so­ci­al e fa­mi­li­ar por meio do diá­lo­go. O mes­mo é ain­da ho­je, em al­gu­mas so­ci­e­da­des co­mo a mu­kon­go( sin­gu­lar da pa­la­vra ba­kon­go) o meio ful­cral de uni­da­de so­ci­al. Tal co­mo ates­ta Ham­pa­téBâ ( 1980) “a so­ci­e­da­de afri­ca­na es­tá fun­da­men­tal­men­te ba­se­a­da no diá­lo­go en­tre os in­di­ví­du­os e na co­mu­ni­ca­ção en­tre co­mu­ni­da­des ou gru­pos ét­ni­cos [...] ”.

In­fe­liz­men­te, o cha­ma­do di­rei­to cos­tu­mei­ro é apre­sen­ta­do co­mo o cal­ca­nhar de Aqui­les do es­for­ço de mo­der­ni­za­ção du­ma so­ci­e­da­de, dan­do- se mais ên­fa­se às leis mo­der­nas em de­tri­men­to dos mo­de­los tra­di­ci­o­nais. Es­ta si­tu­a­ção ge­ra, por ou­tro la­do, a des­con­fi­an­ça dos tra­di­ci­o­na­lis­tas so­bre as bo­as in­ten­ções des­se es­for­ço.

O que há na ver­da­de é uma fal­ta de equi­li­brio en­tre aqui­lo que é de fo­ra e o que é de den­tro, ha­bi­tu­a­do o an­go­la­no nas es­co­las ao es­tu­do da ilo­so ia eu­ro­peia, vi­ve em con li­to com as ilo­so ias das di­fe­ren­tes et­ni­as afri­ca­nas.

Tal fac­to in­ci­de di­rec­ta­men­te no pro­ces­so de iden­ti­fi­ca­ção do jo­vem an­go­la­no mo­der­no e in­fan­ti­li­za os mais ve­lhos dos nos­sos tum­bu( plu­ral de lum­bu ( quin­tal) es­pa­ço fa­mi­li­ar ou fa­mí­lia)de­ten­to­res de uma sa­be­do­ria se­cu­lar. Sem mais es­pa­ço na no­va di­men­são po­lí­ti­ca e so­ci­al, per­de­ram a au­to­ri­da­de le­gí­ti­ma de um le­ga­do an­ces­tral.

Es­ta é uma ri­que­za cul­tu­ral que evi­dên­cia um es­pa­ço pró­prio do ser afri­ca­no num mun­do glo­ba­li­za­do que pre­ten­de pre­ser­var a di­ver­si­da­de cul­tu­ral. Di­ver­si­da­de não é a ne­ga­ção, mas sim a acei­ta­ção, a in­clu­são de to­das as for­mas cul­tu­rais dos po­vos.

Por­tan­to, de­fen­de­mos nes­te tra­ba­lho um pen­sa­men­to afri­ca­no en­rai­za­do nu­ma iden­ti­da­de par­ti­ci­pa­ti­va de­mo­crá­ti­ca ao par­ti­cu­la­ri­zar a so­ci­e­da­de nso­lon­go. Co­mo evi­den­cia Kwa­siWi­re­du(2000) ao ci­tar a má­xi­ma da so­ci­e­da­de Ashan­ti( gru­po ét­ni­co- lin­guís­ti­co per­ten­cen­te ao Ga­na)que diz que não há pro­ble­mas nas re­la­ções hu­ma­nas que não pos­sam ser re­sol­vi­dos pe­lo diá­lo­go.

Or­ga­ni­za­ção só­ci­o­ad­mi­nis­tra­ti­va da Al­deia

A al­deia ou di­va­ta era mui­to bem de­li­mi­ta­da pe­la or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca em lum­bu on­de uma fa­mí­lia cons­ti­tuia uma ekan­da. A mes­ma unin­do a fa­mí­lia da mãe – wu­ciya­ken­tu, e a do pai – wu­ciyeya­ka­la en­glo­ba­va- se na­qui­lo que se cha­ma de di­kan­da. Ob­vi­a­men­te, uma al­deia era e é um agru­pa­men­to de uma co­mu­ni­da­de com vá­ri­as li­nha­gens ou ma­kan­da ( reu­nião de vá­ri­as di­kan­da).

A res­pon­sa­bi­li­da­de po­lí­ti­ca da ekan­da es­ta­va a car­go do che­fe da fa­mí­lia ouN­fu­mu­e­kan­da. Es­te era o Di­du­ki, o mais ve­lho ou a mais ve­lha da fa­mí­lia, não ha­via nes­te ca­so uma dis­tin­ção en­tre ho­mens e mu­lhe­res. Po­rém, a se­nho­ra ti­nha de es­co­lher um por­ta- voz mas­cu­li­no a quem de­le­ga­va a res­pon­sa­bi­li­da­de da re­so­lu­ção de um as­sun­to pas­san­do ela a ser sua con­se­lhei­ra ou aces­so­ra.

A al­deia era com­pos­ta por vá­ri­os tum­bu e ti­nha co­mo che­fe o nfu­mu­e­va­ta que por sua vez res­pon­dia às or­dens do so­ba. Es­te ti­nha o con­tro­lo de um con­jun­to de três ou qua­tro al­dei­as. De­pois des­te, apa­re­ce a fi­gu­ra do re­ge­dor ( fi­gu­ra que apa­re­ce com a co­lo­ni­za­ção) que era res­pon­sá­vel por um nú­me­ro de­ter­mi­na­do de so­ba­dos, in­fe­liz­men­te não se con­se­guiu nes­ta pes­qui­sa apu­rar a in­sis- tên­cia na li­ga­ção do re­ge­dor aos ou­tros ele­men­tos da or­ga­ni­za­ção ad­mi­nis­tra­ti­va afri­ca­na.

O diá­lo­go na re­so­lu­ção de con­fli­tos

To­dos os as­sun­tos fa­mi­li­a­res eram re­sol­vi­dos por to­dos os mem­bros des­ta mi­cro- so­ci­e­da­de­que com­põem o lum­bu. Or­ga­ni­za­vam­se reu­niões que agru­pa­vam as mu­lhe­res de um la­do e os ho­mens do ou­tro. Num en­con­tro co­man­da­do pe­lo nfu­mu­e­kan­da im­pe­ra­va a co­mu­ni­ca­ção aber­ta e exaus­ti­va.

O di­du­ki ou nfu­mu­e­kan­da, co­mo o mais sá­bio, aque­le que ao lon­go da vi­da acu­mu­lou mais ex­pe­ri­ên­cia que os de­mais mem­bros da fa­mí­lia, ti­nha de ser um gran­de co­nhe­ce­dor da ge­ne­a­lo­gia de to­do o clã pa­ra que man­ti­ves­se o elo en­tre os di­fe­ren­tes mem­bros da fa­mí­lia.

Um elo in­dis­tru­tí­vel que man­ti­nha to­da a fa­mí­lia e to­da a co­mu­ni­da­de li­ga­das por uma fi­lo­so­fia de co­e­são, pois sem a fa­mí­lia o in­di­ví­duo des­pe­se da sua iden­ti­da­de. Des­ta for­ma, o

Ki­te­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.