CA­BO VER­DE CRIA PLA­NO NA­CI­O­NAL DE LEITURA

O Go­ver­no de Ca­bo Ver­de anun­ci­ou no pas­sa­do dia 12 de De­zem­bro a cri­a­ção de um Pla­no Na­ci­o­nal de Leitura, com um con­jun­to de es­tra­té­gi­as e ac­ções pa­ra au­men­tar os ní­veis de li­te­ra­cia e os há­bi­tos de leitura e es­cri­ta no país.

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

O Go­ver­no de Ca­bo Ver­de anun­ci­ou no pas­sa­do dia 12 de De­zem­bro a cri­a­ção de um Pla­no Na­ci­o­nal de Leitura, pa­ra au­men­tar os ní­veis de li­te­ra­cia e os há­bi­tos de leitura e es­cri­ta no país.

OP­la­no Na­ci­o­nal de Leitura é uma ini­ci­a­ti­va do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e das In­dús­tri­as Cri­a­ti­vas e do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, que se­rão res­pon­sá­veis pe­la sua con­cep­ção, de­sen­vol­vi­men­to, se­gui­men­to e ava­li­a­ção.

Du­ran­te a as­si­na­tu­ra do des­pa­cho con­jun­to com a sua ho­mó­lo­ga da Edu­ca­ção, Ma­rit­za Ro­sa­ball, o mi­nis­tro da Cul­tu­ra e das In­dús­tri­as Cri­a­ti­vas ca­bo-ver­di­a­no, Abraão Vi­cen­te, su­bli­nhou que o pla­no vem dar res­pos­ta aos bai­xos ní­veis de li­te­ra­cia no país, mas «não é uma lis­ta de li­vros».

O go­ver­nan­te avan­çou que é um con­jun­to de es­tra­té­gi­as e ac­ções pa­ra de­sen­vol­ver com­pe­tên­ci­as no do­mí­nio da leitura e da es­cri­ta, bem co­mo alar­gar e apro­fun­dar há­bi­tos de leitura na so­ci­e­da­de ca­bo-ver­di­a­na, com mai­or in­ci­dên­cia na po­pu­la­ção es­co­lar.

En­tre as ac­ções es­ta­rá a pro­mo­ção da leitura em am­bi­en­te es­co­lar, de for­ma ori­en­ta­da na sa­la de au­la, bem co­mo ou­tros pro­jec­tos ori­en­ta­dos pa­ra o con­tex­to da es­co­la, da fa­mí­lia, das co­mu­ni­da­des lo­cais e po­pu­la­ção em ge­ral.

«Pen­sar a edu­ca­ção e a cul­tu­ra co­mo ei­xos de go­ver­na­ção pres­su­põe as­sun­ção da leitura co­mo pri­o­ri­da­de na­ci­o­nal e po­lí­ti­ca, to­man­do es­ta com­pe­tên­cia co­mo bá­si­ca pa­ra o aces­so plu­ral ao co­nhe­ci­men­to e ao en­ri­que­ci­men­to cul­tu­ral», en­fa­ti­zou Abraão Vi­cen­te, su­bli­nhan­do o «mo­men­to sim­bó­li­co" e a par­ce­ria ób­via» com o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

O pla­no se­rá de­sen­vol­vi­do por uma equi­pa co­or­de­na­da pe­la Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal, tu­te­la­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, que na im­ple­men­ta­ção das ac­ti­vi­da­des irá en­vol­ver as es­co­las, bi­bli­o­te­cas mu­ni­ci­pais, uni­ver­si­da­des, cen­tros de for­ma­ção, au­tar­qui­as, ONG` s, co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e to­da a so­ci­e­da­de ci­vil.

Abraão Vi­cen­te dis­se que o pla­no se­rá «con­tí­nuo e cons­tan­te», mas se­rá sem­pre al­vo de «adap­ta­ção».

O mi­nis­tro in­di­cou ain­da que a im­ple­men­ta­ção do pla­no de leitura irá im­pli­car a or­ga­ni­za­ção de bi­bli­o­te­cas, dos jar­dins in­fan­tis às uni­ver­si­da­des, in­ser­ção de mo­men­tos de lei­tu­ras diá­ria, jo­gos e ac­ti­vi­da­des lú­di­cas de con­tac­to com o li­vro, fei­ras de li­vro, con­cur­sos, se­ma­nas de leitura e de au­to­res ca­bo-ver­di­a­nos.

Abraão Vi­cen­te pe­diu tam­bém en­vol­vi­men­to das fa­mí­li­as e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção, con­si­de­ran­do que de­vem in­tro­du­zir «di­nâ­mi­cas» no sen­ti­do de o li­vro ser um ob­jec­to de uso diá­rio, con­tri­buin­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to psi­co­ló­gi­co e in­te­lec­tu­al da cri­an­ça.

«O li­vro não po­de ser um ob­jec­to ra­ro na vi­da das cri­an­ças e dos ado­les­cen­tes. Pe­lo con­trá­rio, de­ve ser um ob­jec­to tão cor­ri­quei­ro co­mo um te­le­mó­vel e as no­vas tec­no­lo­gi­as e te­mos que in­tro­du­zir o li­vro no con­tex­to on­de as cri­an­ças es­tão», dis­se o go­ver­nan­te.

O pla­no irá pro­mo­ver en­con­tros das cri­an­ças com es­cri­to­res, no sen­ti­do de te­rem «con­tac­to am­plo» tam­bém com os ilus­tra­do­res, pros­se­guiu Abraão Vi- cen­te, con­si­de­ran­do, por is­so, ser im­por­tan­te a pu­bli­ca­ção de li­vros in­fan­tis.

Abraão Vi­cen­te in­for­mou que, no âm­bi­to do pla­no, o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra es­tá a fa­zer uma «in­ten­sa cam­pa­nha» in­ter­na­ci­o­nal pa­ra ad­qui­rir li­vros e de­pois doá-los às bi­bli­o­te­cas do país.

Por sua vez, a mi­nis­tra da Edu­ca­ção, Ma­rit­za Ro­sa­ball, con­si­de­rou que a as­si­na­tu­ra do des­pa­cho con­jun­to é o cul­mi­nar de um pro­ces­so ini­ci­a­do há al­guns me­ses na pro­cu­ra de par­ce­ri­as e cri­a­ção de con­di­ções pa­ra se avan­çar com o Pla­no Na­ci­o­nal de Leitura. «O pla­no vi­sa tra­ba­lhar pa­ra que a leitura se­ja um ele­men­to fun­da­men­tal no de­sen­vol­vi­men­to das cri­an­ças, ado­les­cen­tes e po­pu­la­ção em ge­ral», su­bli­nhou a mi­nis­tra, en­ten­den­do ser um «gran­de de­sa io» a lon­go pra­zo pa­ra o país, que ac­tu­al­men­te apre­sen­ta bai­xos ní­veis de leitura.

«A leitura cons­ti­tui uma das prin­ci­pais for­mas de fa­zer­mos de­sen­vol­ver a cul­tu­ra, mas tam­bém a edu­ca­ção, por­que é uma com­pe­tên­cia bá­si­ca que le­va­mos pa­ra to­da a vi­da», no­tou Ma­rit­za Ro­sa­ball, anun­ci­an­do cri­a­ção de con­di­ções nas es­co­las pa­ra de­sen­vol­ver o «gos­to pe­la leitura».

Es­tu­dan­tes ca­bo­ver­di­a­nos

Ri­bei­ra Gran­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.