UM NACIONALISTA DOS SE­TE OFÍCIOS

REVERENDO GASPAR ADÃO DE AL­MEI­DA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - GASPAR MICOLO

A Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da em An­go­la con­tri­bui mui­to para a In­de­pen­dên­cia de An­go­la, atra­vés do en­ga­ja­men­to fí­si­co e es­pi­ri­tu­al dos seus pas­to­res e mem­bros na luta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal; e ao la­do dos gran­des pro­ta­go­nis­tas es­tá cer­ta­men­te o Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da, nacionalista, pro­fes­sor, jor­na­lis­ta e po­e­ta. Um ho­mem dos se­te ofícios, cu­ja vi­da e obra es­te­ve em dis­cus­são nu­ma pa­les­tra re­a­li­za­da no Me­mo­ri­al Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to. "A his­tó­ria de Áfri­ca es­tá re­ple­ta de gran­des per­so­na­gens po­lí­ti­cas e ecle­siás­ti­cas que des­pon­ta­ram co­mo pi­o­nei­ros de ori­gem ru­ral e hu­mil­de", dis­se o his­to­ri­a­dor Ga­bri­el Vin­te Cin­co, apon­ta­do para o exem­plo do Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da.

Nu­ma cer­ta ma­nhã de do­min­go, o pas­tor Ma­nu­el Ca­bral con­du­zia o cul­to do­mi­ni­cal na Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da "Ma­ria Ma­da­le­na", quan­do en­trou um se­nhor al­to, bem pa­re­ci­do e de fa­to e gra­va­ta. De re­pen­te, o pas­tor apres­sou-se a aban­do­nar o al­tar e no meio do cor­re­dor aju­dou o ve­lho ho­mem a en­trar na igre­ja e a to­mar o seu lu­gar na fi­la da fren­te. To­da a igre­ja es­tra­nhou o ac­to. Os mem­bros mais ve­lhos sa­bi­am de quem se tra­ta­va. En­quan­to os mais jo­vens, en­tre os quais um jo­vem co­ris­ta, não en­con­tra­vam ex­pli­ca­ção para o hon­ro­so ges­to do pas­tor.

Quan­do o pas­tor re­gres­sou ao al­tar, re­ve­lou, or­gu­lho­so, à igre­ja que se tra­ta­va do Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da, que lhe ti­nha da­do a honra de as­sis­tir ao seu cul­to. E o ges­to? Fi­cou­se por se ex­pli­car à igre­ja, mas es­ta­va tu­do cla­ro: es­ta­va aí o Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da, pro­fes­sor, evan­ge­lis­ta e nacionalista na ver­ten­te re­li­gi­o­sa, que de­di­cou mais de 50 anos da sua vi­da ao ser­vi­ço de Deus e do Po­vo An­go­la­no. Mas não era só is­so: "Mui­to além do seu tra­ba­lho re­li­gi­o­so, foi o meu pro­fes­sor. O ho­mem que mar­cou a mi­nha vi­da", dis­se Ma­nu­el Ca­bral, já no al­tar.

A Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da em An­go­la con­tri­buiu mui­to para a In­de­pen­dên­cia de An­go­la, atra­vés do en­ga­ja­men­to ísi­co e es­pi­ri­tu­al dos seus pas­to­res e mem­bros na luta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal; e ao la­do dos gran­des pro­ta­go­nis­tas es­tá cer­ta­men­te o Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da, cu­ja vi­da e obra es­te­ve re­cen­te­men­te em dis­cus­são nu­ma pa­les­tra ani­ma­da pe­lo Reverendo Ga­bri­el Vin­te Cin­co, re­a­li­za­da no Me­mo­ri­al Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to.

"A his­tó­ria de Áfri­ca es­tá re­ple­ta de gran­des per­so­na­gens po­lí­ti­cas e ecle­siás­ti­cas que des­pon­ta­ram co­mo pi­o­nei­ros de ori­gem ru­ral e hu­mil­de", diz o his­to­ri­a­dor Ga­bri­el Vin­te Cin­co, acres­cen­tan­do que, em An­go­la, tal foi uma re­a­li­da­de, apon­ta­do para o exem­plo do Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da.

Nas­ci­do a 25 de Ju­lho de 1907 em Ca­lom­bo­lo­ca, no Ico­lo e Ben­go, o jo­vem Gaspar Adão de Al­mei­da ce­do se des­ta­ca nos es­tu­dos e na sua vi­são hu­ma­nís­ti­ca. Ten­do fei­to os seus es­tu­dos pri­má­ri­os até a ter­cei­ra clas­se em Ca­bi­ri, en­tão se­de da cir­cuns­cri­ção de Ico­lo e Ben­go, foi de se­gui­da trans­fe­ri- do para Lu­an­da, on­de veio a dar sequên­cia aos es­tu­dos pri­má­ri­os e se­cun­dá­ri­os, até con­cluir o quin­to ano de le­tras. Não tar­dou a re­ve­lar-se um jo­vem de­di­ca­do aos es­tu­dos e a cau­sa dos seus ir­mão, que tam­bém pre­ci­sa­vam de ins­tru­ção bá­si­ca; pois, aos 18 anos, foi cha­ma­do e no­me­a­do pro­fes­sor na sua ter­ra na­tal Ca­lom­bo­lo­ca, para or­gu­lho dos vi­zi­nhos. Nos anos se­guin­tes, vi­ria a pas­sar por Ma­lan­je e Cu­an­za-Nor­te, na mes­ma mis­são de en­si­nar.

Já em 1930, é cha­ma­do para o Mi­nis­té­rio Pas­to­ral, on­de é re­ce­bi­do co­mo mem­bro à pro­va, ca­te­go­ria inicial da Igre­ja Evan­gé­li­ca Ra­mo Me­to­dis­ta, co­mo era cha­ma­da a igre­ja à épo­ca. E ali co­me­ça uma lon­ga odis­seia de um for­te tra­ba­lho con­ju­ga­do no bi­nó­mio igre­ja-es­co­la, que o le­va­ria a vá­ri­as mis­sões de pre­gar o evan­ge­lho e en­si­nar; oca­siões sem­pre apro­vei­ta­das para pas­sar a men­sa­gem da li­ber­da­de, da li­ber­da­de do ho­mem an­go­la­no. "Por tu­do quan­to Gaspar Adão de Al­mei­da fez, em­bo­ra mui­ta coi­sa nos es­ca­pe, con­si­de­ro que foi um gi­gan­te da nos­sa his­tó­ria", diz o his­to­ri­a­dor Ga­bri­el Vin­te Cin­co, e jus­ti ica: "Nu­ma al­tu­ra em que An­go­la era co­ló­nia por­tu­gue­sa, Gaspar de Al­mei­da, aos 18 anos, impôs-se com a sua in­te­lec­tu­a­li­da­de sen­do pro­fes­sor para en­si­nar os pró­pri­os ir­mãos", ex­pli­ca o tam­bém Reverendo da Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da. "Só po­dia ser al­guém com co­nhe­ci­men­to mui­to aci­ma da mé­dia", diz, su­bli­nhan­do que nes­te, ca­so, a in­te­lec­tu­a­li­da­de tem que ser vis­ta co­mo uma ar­ma mui­to po­de­ro­sa, que ser­viu para des­per­tar os ho­mens e as mu­lhe­res para a cau­sa no­bre que é a nos­sa in­de­pen­dên­cia.

Aos 13 de Fe­ve­rei­ro de 1935, o jo­vem Gaspar Adão de Al­mei­da ca­sa-se com a jo­vem Ju­li­a­na Amaro, pro­fes­so­ra de cos­tu­ra e cu­li­ná­ria, com quem ge­rou cin­co ilhos, dois dos quais, Ge­ne­ro­so e Pau­lo de Al­mei­da, es­ta­vam ali sen­ta­dos a ou­vir o his­to­ri­a­dor a dis­cor­rer so­bre a vi­da do Reverendo que ser­viu co­mo pas­tor e pro­fes­sor pri­má­rio nas igre­jas do Don­do, mu­ni­cí­pio do Cam­ban­be (Cu­an­za Nor­te) e na Igre­ja Cen­tral de Lu­an­da, en­tre ou­tras. Mis­sões es­sas a que os ilhos não es­ca­pa­ram.

Me­nor dos cin­cos ilhos do Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da, Pau­lo de Al­mei­da, co­man­dan­te-ge­ral ad­jun­to da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, apres­sa-se a pe­dir o mi­cro­fo­ne para con­tar a sua ver­são à pla­teia. O co­mis­sá­rio che­fe con­tou que pas­sou a in­fân­cia nas mis­sões pro­tes­tan­tes do Qués­sua e do Don­di, na Be­la Vis­ta, no Hu­am­bo, ten­do re­gres­sa­do a Lu­an­da aos 19 anos. "Sen­do o úl­ti­mo ilho, fui um dos que mais an­dou com o pai nas su­as pe­re­gri­na­ções", diz, com a voz pau­sa, e emo­ci­o­na­do. Pau­lo de Al­mei­da es­tá na Po­lí­cia Na­ci­o­nal des­de 1991, pro­ve­ni­en­te das FAPLA, de que os­ten­ta a pa­ten­te de te­nen­te-ge­ne­ral. E foi exac­ta­men­te nas su­as ac­ti­vi­da­des no exér­ci­to do MPLA, em vá­ri­as par­tes do país, on­de foi to­man­do con­tac­to com an­ti­gos alu­nos do pai e pes­so­as que com ele cru­za­ram. "Eu ho­je es­tou aqui vi­vo tal­vez pe­lo es­pí­ri­to e co­ra­ção de gran­de ho­mem da igre­ja que era o meu pai", co­me­ça Pau­lo de Al­mei­da, que con­ta que já por três ve­zes, ao ser­vi­ço da FAPLA e no pe­río­do do con li­to ar­ma­do, es­te­ve em si­tu­a­ções de­li­ca­das e quan­do

es­pe­ra­va ser re­pri­mi­do foi abra­ça­do. Tu­do por­que quan­do sou­be­ram que era ilho do Reverendo Gaspar de Al­mei­da foi per­do­a­do. Dis­se­ram-lhe que ti­nha si­do o Reverendo que en­si­nou e mo­ti­vou mui­tos dos que li es­ta­vam para a luta de in­de­pen­dên­cia. Pau­lo de Al­mei­da con­ta que icou cin­co di­as na Jam­ba. E no Lu­cus­se, quan­do ten­ta­va en­trar dis­far­ça­do na ba­se ini­mi­ga para li­ber­tar al­guns com­pa­nhei­ros en­tão pre­sos pe­la UNITA, foi de­tec­ta­do. E no An­du­lo, quan­do foi ter com o en­tão lí­der da UNITA, Jo­nas Sa­vim­bi ter-lhe-á di­to que ti­nha um gran­de pai. "O ho­mem des­per­tou a cons­ci­ên­cia dos an­go­la­nos", te­rá di­to o lí­der da UNITA.

Quan­to à sua per­so­na­li­da­de, Pau­lo de Al­mei­da re­ve­la que o pai era uma pes­soa de uni­da­de, re­con­ci­li­a­do­ra e res­pei­ta­va as di­fe­ren­ças. Nacionalista na­to e pa­tri­o­ta, diz, quan­do res­pei­ta­va as di­fe­ren­ças, "sa­bia que não so­mos to­dos iguais, pois ca­da um tem a sua for­ma de pen­sar, mas era ne­ces­sá­rio en­con­trar um de­no­mi­na­dor co­mum para o al­can­ce dos ob­jec­ti­vos que era a in­de­pen­dên­cia.

Me­nos alon­ga­do do que Pau­lo de Al­mei­da, Ge­ne­ro­so de Al­mei­da in­ter­veio igual­men­te, agra­de­cen­do a ini­ci­a­ti­va em no­me da fa­mí­lia. En­tre­tan­to, avan­çou que a pa­les­tra cons­ti­tui uma va­li­o­sa con­tri­bui­ção para a bi­o­gra ia que se pre­ten­de ela­bo­rar em vá­ri­os for­ma­tos, pro­va­vel­men­te em cur­ta-me­tra­gem. Na agen­da da fa­mí­lia cons­ta ain­da a re­e­di­ção de al­guns dos li­vros do Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da, que, se­gun­do se sou­be, foi pro­fes­sor de mui­tos an­go­la­nos, en­tre os quais o en­tão fun­da­dor e Pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, no en­si­no pri­má­rio.

Da sua fa­ce­ta de es­cri­tor cons­tam vá­ri­as obras, en­tre en­saio, po­e­sia e pro­sa. O Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da era ho­mem dos se­te o íci­os, ten­do se des­ta­ca­do igual­men­te co­mo jor­na­lis­ta. De­di­cou-se ao jor­nal "Es­tan­dar­te", de que foi co-fun­da­dor e seu di­rec­tor. E foi no re­fe­ri­do jor­nal on­de pu­bli­cou gran­de par­te da sua po­e­sia; por exem­plo, o po­e­ma que se se­gue foi da­do à es­tam­pa em 1938: Cri­an­ças do Na­tal/Cri­an­ças ra­di­an­tes/de ros­tos con­ten­tes/ en­to­an­do can­ções/ que co­mo­vem co­ra­ções/on­de ides, lin­das lo­res?/ a cor­rer/ a rir/ a can­tar/to­das an­si­o­sas e a bri­lhar/ Va­mos à igre­ja sau­dar e de co­ra­ção nos­sa ofer­ta dar ao no­vo rei nas­ci­do/ fa­zeis bem, cri­an­ci­nhas ami­gui­nhas/Ide a Jesus e dai o vos­so co­ra­ção.

Os mis­si­o­ná­ri­os Me­to­dis­tas mos­tra­ram a sua sim­pa­tia e sua iden­ti­fi­ca­ção com o po­vo; e, de uma for­ma ge­ral, as igre­jas pro­tes­tan­tes cons­ti­tuí­ram um au­tên­ti­co "gue­to" nos quais a co­mu­ni­da­de pro­cu­rou re­fú­gio, abri­go e con­so­lo du­ran­te os tem­pos do pe­río­do co­lo­ni­al. O Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da foi sem­pre apa­nha­do nes­se meio, ten­do si­do pre­so por três anos. A per­se­gui­ção era tan­ta que, já em Agos­to de 1961, era im­pos­sí­vel cal­cu­lar- se quantos dos obrei­ros ti­nham si­do mor­tos. Em Se­tem­bro de 1961, o Go­ver­no por­tu- guês re­sol­veu agir di­rec­ta­men­te so­bre os di­ri­gen­tes mais im­por­tan­tes da Igre­ja Me­to­dis­ta em Lu­an­da.

En­tre­tan­to, o Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da con­cor­reu por du­as ve­zes à li­de­ran­ça da Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da em An­go­la. Na pri­mei­ra ten­ta­ti­va não te­ve su­ces­so, pois as au­to­ri­da­des co­lo­ni­ais não vi­am com bons olhos a li­de­ran­ça do Epis­co­pa­do pe­los na­ti­vos afri­ca­nos. Re­cei­am que pas­sas­sem men­sa­gens sub­ver­si­vas. E, já em 1972, quan­do ten­ta pe­la se­gun­da vez, já com 65 anos, per­de para o Reverendo Emí­lio Jú­lio Mi­guel de Car­va­lho, um dos três can­di­da­tos que es­ta­va au­sen­te da Con­fe­rên­cia Anu­al, que foi elei­to Bis­po, fun­ção má­xi­ma no Me­to­dis­mo Uni­do, tor­nan­do-se as­sim o pri­mei­ro "Su­pe­rin­ten­den­te Ge­ral" na­ti­vo em An­go­la. O úl­ti­mo bis­po da Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da em An­go­la foi um mis­si­o­ná­rio, Har­ry Pe­ter An­dre­as­sen, um no­ru­e­guês que di­ri­giu a Igre­ja de 1960 a 1972. "O nos­so pai não foi elei­to de­vi­do à ida­de", con­ta Ge­ne­ro­so de Al­mei­da, jus­ti ican­do a vi­tó­ria de Reverendo Emí­lio Jú­lio Mi­guel de Car­va­lho, que era o mais jo­vens dos três can­di­da­tos.

Mas is­so não abran­dou o rit­mo do tra­ba­lho re­li­gi­o­so Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da, que mes­mo de­pois de se apo­sen­tar do ser­vi­ço pas­to­ral, de­di­cou-se a ou­tras ac­ti­vi­da­des so­ci­ais e edu­ca­ci­o­nais. O his­to­ri­a­dor Ga­bri­el Vin­te Cin­co con­ta que nem mes­mo a sua apo­sen­ta­ção do ser­vi­ço pas­to­ral ac­ti­vo o le­gou às pra­te­lei­ras e à inac­ti­vi­da­de. "Ten­do em con­ta o seu va­lor aca­dé­mi­co, po­lí­ti­co e cul­tu­ral, foi con­vi­da­do por Agos­ti­nho Ne­to para to­mar con­ta da bi­bli­o­te­ca da Pre­si­dên­cia da Re­pu­bli­ca, fun­ção que de­sem­pe­nhou com to­da res­pon­sa­bi­li­da­de e mes­tria", ga­ran­te.

Quan­do fa­le­ceu, por do­en­ça, aos 99 anos, a 5 de Ju­lho de 2007, o Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da me­re­ceu a ho­me­na­gem do en­tão Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. No fu­ne­ral do reverendo, que foi se­pul­ta­do no ce­mi­té­rio Al­to das Cru­zes, em Lu­an­da, o en­tão pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Ro­ber­to de Al­mei­da dis­se que o reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da deu um gran­de con­tri­bu­to ao po­vo an­go­la­no, so­bre­tu­do para os jo­vens. "Foi uma igu­ra que deu um gran­de con­tri­bu­to para o po­vo an­go­la­no. En­si­nou mui­ta gen­te a ser iel à pá­tria an­go­la­na e por cau­sa dis­so pa­gou com al­guns anos de pri­são", dis­se.

Se o dia 25 de Ju­lho de 1907 trou­xe ale­gria à fa­mí­lia Al­mei­da, à po­vo­a­ção de Ca­lom­bo­lo­ca, à Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da e à so­ci­e­da­de an­go­la­na, o mes­mo já não se po­dia di­zer do dia 5 de Ju­lho de 2007, quin­ta-fei­ra que viu par­tir o Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da. Foi o dia do im do ci­clo da sua exis­tên­cia ísi­ca. "Não mor­reu! Gaspar Adão de Al­mei­da não mor­reu, vi­ve!", dis­se his­to­ri­a­dor Ga­bri­el Vin­te Cin­co, para de­pois, la­pi­dar­men­te con ir­mar: "O pas­sa­men­to ísi­co dos nos­sos he­róis não de­ve ser cho­ra­do, mas sim aplau­di­do", dis­se. E foi aplau­di­do.

Reverendo Gaspar Adão de Al­mei­da

Igre­ja Me­to­dis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.