A CI­DA­DE E A PLURALIDADE UR­BA­NA EM EX­PO­SI­ÇÃO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - ADRI­A­NO DE ME­LO

Des­cre­ver uma ci­da­de sem­pre foi um de­sa­fio para um ar­tis­ta. Os fo­tó­gra­fos da agên­cia ale­mã Ost­kreuz de­ram ao pú­bli­co uma amos­tra da gran­de­za do te­ma com “A ci­da­de, Gé­ne­se e De­clí­nio”.

Des­cre­ver uma ci­da­de, qual­quer uma, sem­pre foi e se­rá um de­sa io para um ar­tis­ta. Pin­tor, mú­si­co ou fo­tó­gra­fo, o rep­to é di ícil, por­que a des­cri­ção da sua di­nâ­mi­ca, com be­le­za e um to­que de ino­va­ção, re­quer um exer­cí­cio tra­ba­lho­so. Al­guns che­gam lá, ou­tros nem tan­to. Mas os fo­tó­gra­fos da agên­cia ale­mã Ost­kreuz de­ram uma amos­tra ao pú­bli­co so­bre a gran­de­za do te­ma com “A ci­da­de, Gé­ne­se e De­clí­nio”.

Em 176 fo­to­gra ias, que icam pa­ten­tes até o pró­xi­mo dia 27, no Sa­lão In­ter­na­ci­o­nal de Ex­po­si­ções (Si­ex­po) do Mu­seu Na­ci­o­nal de His­tó­ria Na­tu­ral, em Lu­an­da, os fo­tó­gra­fos da cé­le­bre agên­cia ale­mã de­ram uma amos­tra das es­pe­ran­ças, de­se­jos e an­sei­os dos mo­ra­do­res das ci­da­des, as­sim co­mo da pró­pria di­nâ­mi­ca so­ci­al, que en­vol­ve to­do aque­le espaço e o tor­na num “pon­to co­mum de en­con­tro”.

Para quem vi­si­ta a mos­tra, ou as­sim o pre­ten­der fa­zer, é vi­sí­vel, lo­go de iní­cio, o sig­ni ica­do da unicidade den­tro da mul­ti­plu­ra­li­da­de, quer se­ja ét­ni­ca, so­ci­al, ou cul­tu­ral, cri­a­da pe­la ci­da­de. A be­le­za da ex­po­si­ção e o de­sa io da sua con­cep­ção re­si­de, tal co­mo des­cre­ve a can­to­ra bri­tâ­ni­ca Ade­le, na sua can­ção “Ho­me­town Glory”, es­tá no fac­to de a ci­da­de mos­trar que “as pes­so­as.. são as ma­ra­vi­lhas des­te mun­do”.

Para Ade­le, a be­le­za da ci­da­de re­si­de em vá­ri­os de­ta­lhes, mas aci­ma de tu­do no fac­to de se­rem pes­so­as di­fe­ren­tes a par­ti­lha­rem o mes­mo espaço. “Eu gos­to da ci­da­de quan­do dois mun­dos co­li­dem/To­do mun­do to­man­do la­dos di­fe­ren­tes/Mos­tra que não va­mos aguen­tar coi­sas ruins/Mos­tra que so­mos uni­dos”.

É es­ta união que os 18 fo­tó­gra­fos da Ost­kreuz pro­cu­ra­ram mos­trar com a ex­po­si­ção, atra­vés de re­tra­tos dos ha­bi­tan­tes da ci­da­de utó­pi­ca de Au­ro­vil­le, na Ín­dia, ou de De­troit, nos EUA, que en­trou em de­ca­dên­cia nos úl­ti­mos anos. Po­rém, não são ape­nas as ima­gens de ros­tos que dão vi­da a ex­po­si­ção. Ela traz tam­bém ou­tros as­pec­tos que ajudam a di­fe­ren­ci­ar e a tor­nar úni­ca ca­da uma de­las. Des­de os gran­des pré­di­os até as fa­ve­las de Ma­ni­la, nas Fi­li­pi­nas.

Ex­plo­rar os con­tras­tes e mos­trar al­guns dos fac­to­res de sin­gu­la­ri­da­des en­tre es­tas é ou­tro dos pro­pó­si­tos dos fo­tó­gra­fos que trou­xe­ram tam­bém ima­gens da ci­da­de chi­ne­sa de Or­dos, fei­ta a par­tir da pran­che­ta de um de­se­nho, a “ar­ti­fi­ci­a­li­da­de” das ru­as e ave­ni­das do Du­bai e as ca­sas de Ga­za, na Pa­les­ti­na, ar­ra­sas por bom­bar­de­a­men­tos.

O ob­jec­ti­vo dos ex­po­si­to­res é es­pe­cí ico. Des­co­brir que es­pe­ran­ças e de­se­jos as­so­ci­am os mo­ra­do­res à ci­da­de? De que for­ma es­ta in­ter­vém no quo­ti­di­a­no das pes­so­as, ou tam­bém no re­la­ci­o­na­men­to des­tas com o meio am­bi­en­te e os seus se­me­lhan­tes?

Ou­tro as­pec­to de re­al­ce ao lon­go da ex­po­si­ção é uma amos­tra da gran­de­za do con­cei­to de ur­ba­ni­za­ção, um fe­nó­me­no ca­da vez mais cres­cen­te nas sociedades mo­der­nas. Po­rém, e co­mo de­fen­de o es­cri­tor mo­çam­bi­ca­no Mia Cou­to, os fo­tó­gra­fos cha­mam igual­men­te aten­ção para a im­por­tân­cia da pre­ser­va­ção da iden­ti­da­de. “A ci­da­de não é ape­nas um espaço ísi­co, mas uma for­ja de re­la­ções. É o cen­tro de um tem­po on­de se fa­bri­cam e re-fa­bri­cam as iden­ti­da­des pró­pri­as.”

Mia Cou­to vai ain­da mais lon­ge: “A ci­da­de não é um lu­gar. É a mol­du­ra de uma vi­da. A mol­du­ra à pro­cu­ra de re­tra­to, é is­so que eu ve­jo quan­do re­vi­si­to o meu lu­gar de nas­ci­men­to. Não são ru­as, não são ca­sas. O que re­ve­jo é um tem­po, o que es­cu­to é a fa­la des­se tem­po. Um di­a­lec­to cha­ma­do me­mó­ria, nu­ma na­ção cha­ma­da in­fân­cia.”

A ex­po­si­ção “A Ci­da­de, Gé­ne­se e De­clí­nio” mos­tra ain­da que a pes­qui­sa dos fo­tó­gra­fos não se li­mi­tou ape­nas aos gran­des cen­tros ur­ba­nos. In­cluiu tam­bém as zo­nas com bai­xa den­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal. No inal, o pú­bli­co po­de ter uma ideia do que se po­de es­pe­rar, num fu­tu­ro pró­xi­mo, de al­gu­mas des­tas ci­da­des e a im­por­tân­cia dos re­la­ci­o­na­men­tos den­tro do con­cei­to de ci­da­de.

Ex­po­si­to­res

Oriun­dos de vá­ri­os paí­ses, os fo­tó­gra­fos que “dão vi­da” a ex­po­si­ção “A Ci­da­de, Gé­ne­se e De­clí­nio”, tra­zem lon­gos anos de ex­pe­ri­ên­cia nes­te sec­tor, ad­qui­ri­dos em di­ver­sos paí­ses, on­de com as su­as ob­jec­ti­vas pro­cu­ra­ram cap­tu­rar a “es­sên­cia hu­ma­na”. Além do tra­ba­lho fei­to para a agên­cia fo­to­grá ica Ost­kreuz têm se des­ta­ca­do tam­bém a ní­vel in­di­vi­du­al.

Tho­mas Meyer, Ha­rald Hauswald, Dawin Mec­kel, Jor­dis Schlös­ser, Es­pen Ei­chhö­fer, Pe­pa Hris­to­vá, Jörg Brug­ge­mann, An­drej Kre­mentshouk, Sibyl­le Ber­ge­mann, An­ne Schö­nhar­ting, Linn Schrö­der, Frank Schins­ki, Ju­lia Rö­der, Hein­ri­ch Völ­kel, An­net­te Haus­child, Mau­ri­ce Weiss, Mo­na Li­sas dos Su­búr- bi­os Ute e Wer­ner Mah­ler são os ar­tis­tas que tor­na­ram re­al a mos­tra.

A agên­cia

Ost­kreuz era o no­me de uma es­ta­ção de in­ter­câm­bio em Ber­lim. Mas em 1990, um gru­po dos fo­tó­gra­fos mais im­por­tan­tes da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca da Ale­ma­nha, reu­niu e de­ci­diu cri­ar a agên­cia. No prin­cí­pio a pa­la­vra “Ost­kreuz” ser­via para des­cre­ver um lo­cal, no Ori­en­te, on­de um país ain­da ti­nha dei­xa­do de exis­tir, as­sim co­mo um pon­to na in­ter­sec­ção da qual se po­de de inir em qual­quer di­rec­ção. Ho­je, a Ost­kreuz é a agên­cia de fo­tó­gra­fos mais bem-su­ce­di­da da Ale­ma­nha com 22 fo­tó­gra­fos. Qua­se to­dos re­ce­be­ram pré­mi­os na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. Eles vêm de to­das as re­giões da Ale­ma­nha e de ou­tros paí­ses eu­ro­peus. Ca­da um vê o mun­do à sua ma­nei­ra e, as­sim, es­tá in­te­res­sa­do em ou­tra coi­sa. To­dos os fo­tó­gra­fos são en­vi­a­dos para di­fe­ren­tes paí­ses, mas vol­tam a se reu­nir nes­te pon­to cha­ma­do “Ost­kreuz”.

Para mui­tos ho­je, e tal co­mo o sig­ni ica­do da pa­la­vra, Ost­kreuz pas­sou a ser si­nó­ni­mo de con­fron­to e tra­ba­lho com a re­a­li­da­de, fei­to com in­tui­to de de­tec­tar e des­cre­ver o nú­cleo das coi­sas, de uma for­ma sin­ce­ra.

A Ci­da­de, Gê­ne­se e De­clí­nio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.