ESTÉTICA DESCOLONIAL

Jornal Cultura - - ARTES - (CONTRAMARE)

Um mun­do trans­mo­der­no emer­giu, re­con igu­ran­do os úl­ti­mos 500 anos de co­lo­ni­a­li­da­de, seu res­cal­do, mo­der­ni­da­de, pós-mo­der­ni­da­de e al­ter­mo­der­ni­da­de. Uma ca­rac­te­rís­ti­ca no­tá­vel des­sa trans­for­ma­ção é a cri­a­ti­vi­da­de no/do mun­do além do oci­den­te e as su­as con­sequên­ci­as po­lí­ti­cas – pen­sa­men­tos in­de­pen­den­tes e li­ber­da­des des­co­lo­ni­ais em to­dos os as­pec­tos da vi­da. Des­co­lo­ni­a­li­da­de de sa­ber e de ser, dois con­cei­tos que vêm sen­do in­tro­du­zi­dos des­de 1998 pe­lo gru­po de tra­ba­lho mo­der­ni­da­de/co­lo­ni­a­li­da­de/des­co­lo­ni­a­li­da­de, vão ao en­con­tro da estética da des­co­lo­ni­a­li­da­de de for­ma a unir ge­ne­a­lo­gi­as de re­e­xis­tên­cia xa prá­ti­cas ar­tís­ti­cas glo­bais

Iden­ti­da­des trans­na­ci­o­nais em po­lí­ti­ca ins­pi­ra­ram uma re­vo­lu­ção pla­ne­tá­ria no co­nhe­ci­men­to e na sen­si­bi­li­da­de. A cri­a­ti­vi­da­de de ar­tis­tas vi­su­ais e so­no­ros, pen­sa­do­res, cu­ra­do­res e ar­tí ices da pa­la­vra es­cri­ta vem a ir­man­do a exis­tên­cia de iden­ti­da­des múl­ti­plas e trans­na­ci­o­nais, rei­te­ra­das no seu con­fron­to com as ten­dên­ci­as im­pe­ri­ais glo­bais para ho­mo­ge­nei­zar e apa­gar di­fe­ren­ças. A a ir­ma­ção de iden­ti­da­des equi­va­le às ten­dên­ci­as ho­mo­ge­nei­zan­tes da glo­ba­li­za­ção ce­le­bra­das pe­la al­ter­mo­der­ni­da­de co­mo uma ‘uni­ver­sa­li­da­de’ de prá­ti­cas ar­tís­ti­cas. Es­ta é uma ideia que pu­ne a mag­ní ica diversidade do po­ten­ci­al cri­a­ti­vo hu­ma­no e su­as di­fe­ren­tes tra­di­ções; vi­sa per­pe­tu­a­men­te apro­pri­ar di­fe­ren­ças em vez de ce­le­brá-las.

A estética descolonial, em par­ti­cu­lar, e a des­co­lo­ni­a­li­da­de, em ge­ral, uni­ram a li­ber­ta­ção do sen­so­ri­al e das sen­si­bi­li­da­des cap­tu­ra­das pe­la mo­der­ni­da­de e no seu la­do mais obs­cu­ro: a co­lo­ni­a­li­da­de. A des­co­lo­ni­a­li­da­de en­dos­sa a in­ter­cul­tu­ra­li­da­de (con­cep­tu­a­li­za­da por co­mu­ni­da­des or­ga­ni­za­das) e des­li­ga-se do mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo (con­cep­tu­a­li­za­do e im­ple­men­ta­do pe­lo Es­ta­do). O mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo pro­mo­ve a po­lí­ti­ca de iden­ti­da­de, en­quan­to a in­ter­cul­tu­ra­li­da­de es­ti­mu­la iden­ti­da­des trans­na­ci­o­nais em po­lí­ti­ca. O mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo é ge­ri­do pe­lo Es­ta­do e or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais a ili­a­das, en­quan­to a in­ter­cul­tu­ra­li­da­de é im­ple­men­ta­da por co­mu­ni­da­des em pro­ces­so de des­li­ga­men­to do ima­gi­ná­rio do Es­ta­do e do mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo. A in­ter­cul­tu­ra­li­da­de in­cen­ti­va a re­cri­a­ção de iden­ti­da­des que fo­ram ne­ga­das, ou ain­da que ini­ci­al­men­te re­co­nhe­ci­das fo­ram de­pois si­len­ci­a­das pe­lo dis­cur­so da mo­der­ni­da­de, pós-mo­der­ni­da­de e ago­ra al­ter­mo­der­ni­da­de. A in­ter­cul­tu­ra­li­da­de é a ce­le­bra­ção dos ha­bi­tan­tes das ‘fron­tei­ras’ por es­ta­rem jun­tos nas mar­gens e além des­tas. A estética trans- mo­der­na descolonial é in­ter­cul­tu­ral, in­te­re­pis­té­mi­ca, in­ter-po­lí­ti­ca, in­te­res­té­ti­ca e in­te­res­pi­ri­tu­al, mas sem­pre da pers­pec­ti­va do Sul Glo­bal e da an­ti­ga Eu­ro­pa de Les­te.

A mi­gra­ção mas­si­va da an­ti­ga Eu­ro­pa de Les­te e do Sul Glo­bal para a an­ti­ga Eu­ro­pa Oci­den­tal (ho­je União Eu­ro­peia) e Es­ta­dos Uni­dos trans­for­mou os su­jei­tos da co­lo­ni­a­li­da­de em agen­tes ac­ti­vos de des­li­ga­men­to descolonial. “Es­ta­mos aqui por­que vo­cês es­ti­ve­ram lá” é a in­ver­são da re­tó­ri­ca da mo­der­ni­da­de; iden­ti­da­des trans­na­ci­o­nais em po­lí­ti­ca são con­sequên­cia des­sa in­ver­são, um de­sa io à le­gi­ti­mi­da­de im­pe­ri­al au­to-pro­cla­ma­da de no­me­ar e cri­ar iden­ti­da­des (cons­truí­das e ar­ti ici­ais) atra­vés do si­len­ci­a­men­to ou tri­vi­a­li­za­ção.

A ex­pe­ri­ên­cia diá­ria in­cor­po­ra­da aos pro­ces­sos des­co­lo­ni­ais que se de­sen­ro­lam na ma­triz da mo­der­ni­da­de é uma derrota para o iso­la­men­to e a bus­ca pe­la or­dem que per­mei­am os te­mo­res das sociedades in­dus­tri­ais pós-mo­der­nas e al­ter­mo­der­nas. A des­co­lo­ni­a­li­da­de e a estética descolonial são ins­tru­men­tais para se en­fren­tar um mun­do inun­da­do de co­mo­di­da­des e ‘in­for­ma­ção’, que in­va­dem o espaço de vi­vên­ci­as dos ‘con­su­mi­do­res’ li­mi­tan­do o seu po­ten­ci­al cri­a­ti­vo e ima­gi­na­ti­vo.

A par­tir de ge­ne­a­lo­gi­as di­fe­ren­tes de re­e­xis­tên­cia, os ‘ar­tis­tas’ vêm co­lo­can­do em ques­tão o pa­pel e o no­me que lhes foi atri­buí­do. Têm cons­ci­ên­cia do con ina­men­to que os con­cei­tos de ar­te e estética do eu­ro­cen­tris­mo lhes im­põem. En­vol­vem-se em iden­ti­da­des trans­na­ci­o­nais em-po­lí­ti­ca, e re­for­mu­lam iden­ti­da­des que fo­ram de­sa­cre­di­ta­das pe­los sis­te­mas mo­der­nos de clas­si ica­ção e pe­la a sua in­ven­ção de hi­e­rar­qui­as ra­ci­ais, se­xu­ais, na­ci­o­nais, lin­guís­ti­cas, re­li­gi­o­sas e inan­cei­ras. Re­ti­ra­ram o véu das his­tó­ri­as es­con­di­das pe­lo co­lo­ni­a­lis­mo, re­ar­ti­cu­lan­do es­sas nar­ra­ti­vas em al­guns dos es­pa­ços da mo­der­ni­da­de co- mo por exem­plo o ‘ Cu­bo Bran­co’ e su­as ra­mi­fi­ca­ções. Ha­bi­tam as mar­gens, sen­tin­do as su­as fron­tei­ras, atu­an­do ne­las e são os pro­pul­so­res do pen­sa­men­to e da estética trans­mo­der­nos des­co­lo­ni­ais. As trans­mo­der­ni­da­des e es­té­ti­cas des­co­lo­ni­ais vêm se des­li­gan­do de to­das as con­ver­sas e cren­ças no uni­ver­sa­lis­mo, o ve­lho e o no­vo, pro­mo­ven­do- se as­sim o plu­ri­ver­sa­lis­mo que re­jei­ta to­das as pre­ten­sões a uma ver­da­de sem as­pas. Des­ta for­ma, a trans­mo­der­ni­da­de descolonial en­dos­sou as iden­ti­da­des- em- po­lí­ti­ca de­sa­fi­an­do as po­lí­ti­cas de iden­ti­da­de, bem co­mo a au­to­pro­cla­ma­ção da uni­ver­sa­li­da­de da al­ter­mo­der­ni­da­de.

Hen­drik-Wit­bo­oi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.