RE­PEN­SAR ÁFRI­CA E O MUN­DO

(Vae vic­tis - Ai dos ven­ci­dos)

Jornal Cultura - - PRÍMEIRA PÁGINA -

A ex­pres­são la­ti­na, pro­fe­ri­da pe­lo ge­ne­ral gau­lês Bre­no quan­do sa­que­ou Ro­ma no ano 390 a.C., per­mi­te, ain­da ho­je, apli­car-se tam­bém a to­dos os po­vos con­quis­ta­dos e ex­plo­ra­dos, cir­cuns­tan­ci­al­men­te jul­ga­dos in­fe­ri­o­res, por ou­tros que usa­ram o po­der e o man­do pa­ra sub­ju­gar umas ve­zes o pró­xi­mo, ou­tras o dis­tan­te

Aex­pres­são la­ti­na, pro­fe­ri­da pe­lo ge­ne­ral gau­lês Bre­no quan­do sa­que­ou Ro­ma no ano 390 a.C., per­mi­te, ain­da ho­je, apli­car-se tam­bém a to­dos os po­vos con­quis­ta­dos e ex­plo­ra­dos, cir­cuns­tan­ci­al­men­te jul­ga­dos in­fe­ri­o­res, por ou­tros que usa­ram o po­der e o man­do pa­ra sub­ju­gar umas ve­zes o pró­xi­mo, ou­tras o dis­tan­te. Na épo­ca não ha­via ain­da o subs­tra­to mo­ral que ho­je re­pre­sen­ta­ría­mos por um con­cei­to ale­ga­da­men­te ju­dai­co-cris­tão – “não fa­ças ao ou­tro o que não fa­ri­as a ti pró­prio” – e me­nos ain­da a cons­ci­ên­cia tar­dia de um re­co­nhe­ci­men­to ago­ra ba­nal de que o no­tá­vel au­to­di­dac­ta, et­nó­gra­fo, lin­guis­ta e his­to­ri­a­dor an­go­la­no, Ós­car Ribas, da­va no­ta na in­tro­du­ção ao seu li­vro “Te­mas da vi­da an­go­la­na e su­as in­ci­dên­ci­as” ( ed. Ca­xin­de, Lu­an­da, 2002):

“Con­fron­tan­do os di­ver­sos ní­veis so­ci­ais da Hu­ma­ni­da­de, pa­ci­en­te­men­te es­cu­tan­do as vo­zes do pas­sa­do, ar­do­ro­sa­men­te ex­plo­ran­do su­as fon­tes his­tó­ri­cas, uma ila­ção se nos le­van­ta pe­remp­tó­ria: não há ra­ças su­pe­ri­o­res nem ra­ças in­fe­ri­o­res, mas sim ra­ças adi­an­ta­das e ra­ças atra­sa­das. E só por es­se des­ní­vel se dis­tan­ci­am.”

Co­mo se de­pre­en­de, Ós­car Ribas não cir­cuns­cre­via a sua re le­xão (ob­vi­a­men­te cen­tra­da em An­go­la) a uma ques­tão ra­ci­al, sa­ben­do que os con li­tos so­ci­ais da Hu­ma­ni­da­de po­di­am eclo­dir, den­tro da mes­ma “ra­ça”, por me­ras ra­zões de po­der e man­do. Lem­bre­mo-nos das guer­ras de con­quis­ta en­tre po­vos da mes­ma cor, e com o mes­mo grau de de­sen­vol­vi­men­to, que ocor­re­ram e ain­da ocor­rem em to­do o mun­do. Mas tam­bém, e não raro, por sim­ples di­fe­ren­ças de re­pre­sen­ta­ção ét­ni­ca (tra­di­ção e lín­gua), em que An­go­la é par­ti­cu­lar­men­te sig­ni ica­ti­va das di­fe­ren­ça no mo­dus­vi­ven­di­en­tre gru­pos ban­tus e mes­mo en­tre não­ban­tus, em­bo­ra, quan­to a gru­pos co­mo o koi­san, a sua apa­rên­cia ísi­ca (cor­po e cor) e a lín­gua (cli­ques) fos­sem to­ma­das pe­las “ra­ças su­pe­ri­o­res” do mes­mo país co­mo ca­rac­te­rís­ti­cas de “não-gen­te”. Por es­ta di­fe­ren­ça se tor­na­ram es­cra­vos dos cu­a­nha­mas.

Es­te jul­ga­men­to, on­de ain­da não há as ba­li­zas éti­cas e ci­en­tí icas que ho­je en­for­mam o Hu­ma­nis­mo, só há mui­to pou­co tem­po en­ten­di­do co­mo um ín­di­ce de Ci­vi­li­za­ção, “jus­ti icou”, du­ran­te sé­cu­los, o do­mí­nio dos po­vos mais de­sen­vol­vi­dos so­bre os po­vos mais atra­sa­dos, is­to é, do se­nhor so­bre o es­cra­vo, do ven­ce­dor so­bre o ven­ci­do. Foi as­sim na An­ti­gui­da­de, an­tes de Cristo e de­pois de Cristo, na Ate­nas de Pé­ri­cles e na Ro­ma de Ne­ro, ape­nas se di­fe­ren­ci­an­do se­gun­do a mol­du­ra do po­der do­mi­nan­te, as­sen­te na ri­que­za e na for­ça de al­guns gru­pos so­ci­ais.

O tem­po­ra! o mo­res! – di­zia o iló­so­fo ro­ma­no Cí­ce­ro (16-43 a.C.) , fa­lan­do dos tem­pos seus co­nhe­ci­dos . Nou­tro tem­po adi­an­te, o iló­so­fo San­to Agos­ti­nho (354-430), nas­ci­do no Nor­te de Áfri­ca e ilho de pai pa­gão e mãe cris­tã, cor­ro­bo­ra­va re­a­lis­ti­ca­men­te: “O tem­po é o es­pa­ço on­de decorrem as coi­sas”. Mas já dis­tin­guin­do que se a ra­zão era mol­da­da pe­las prá­ti­cas ro­ti­nei­ras do quo­ti­di­a­no, era a partir da fé que o cren­te mol­da­va os jul­ga­men­tos dou­tri­ná­ri­os ou nor­ma­ti­vos vi­san­do uma mo­ral ab­so­lu­ta, di ícil de atin­gir: não fa­zer aos ou­tros o que não fa­ria a si pró­prio.

Que es­ta Mo­ral era tor­ne­a­da con­for­me as cir­cuns­tân­ci­as, te­mos até o exem­plo dos po­vos que, em no­me de Deus, es­cra­vi­zam o seu se­me­lhan­te pa­ra, ale­ga­da­men­te, o “edu­car”, “ci- vi­li­zar” ou “con­ver­ter” e as­sim lhe “sal­var a al­ma”. Co­me­te­ram es­te “pe­ca­do” mis­si­o­ná­ri­os im­po­lu­tos, co­mo o con­sa­gra­do Pa­dre An­tó­nio Vi­ei­ra, que no Bra­sil pug­nou pe­la li­ber­ta­ção dos ín­di­os da es­cra­vi­dão im­pos­ta pe­los se­nho­res bran­cos, mas to­le­rou a es­cra­va­tu­ra dos ne­gros ca­ça­dos em Áfri­ca, de­sig­na­da­men­te nas pos­ses­sões por­tu­gue­sas, por se­rem im­pres­cin­dí­veis na ex­plo­ra­ção de mi­nas e fa­zen­das. Don­de, on­tem co­mo ho­je, o tra­ba­lho for­ça­do e mal pa­go ( quan­do ain­da é pa­go) é sem­pre uma es­pé­cie de es­cra­vi­dão, se­ja im­pos­to por um pa­trão, che­fe ou Es­ta­do, na­ci­o­nal ou es­tran­gei­ro.

E pa­ra que não se jul­gue es­te ar­ra­zo­a­do co­mo uma con­tra­cor­ren­te ou ten­ta­ti­va de des­cul­par os er­ros e os ví­ci­os dos po­vos bran­cos co­lo­ni­a­lis­tas, que não se res­sar­ci­am com con is­sões de mea cul­pa, sin­ce­ras ou hi­pó­cri­tas, tra­ze­mos à li­ça uma re le­xão do re­pu­ta­do his­to­ri­a­dor e iló­so­fo ca­ma­ro­nêsA­chil­leM­bem­be, re­co­lhi­da de uma en­tre­vis­ta pu­bli­ca­da na re­vis­ta in­gle­sa “Thi­sisA­fri­ca” e trans­cri­ta no “Áfri­ca 21” de De­zem­bro/Janeiro de 2017:

“Tal co­mo a au­to la­ge­la­ção, que pre­ten­de com­pen­sar, a au­to-exal­ta­ção não tem o me­nor in­te­res­se. Áfri­ca não é o rei­no da vir­tu­de nem o rei­no do ví­cio. O que im­por­ta re­al­men­te é não nos en­ga­nar­mos a nós pró­pri­os e não per­der de vis­ta as nos­sas po­ten­ci­a­li­da­des. O nos­so fu­tu­ro es­tá nas nos­sas mãos, po­de­mos mu­dá-lo e ori­en­tá-lo no sen­ti­do que de­se­ja­mos. Pa­ra is­to é pre­ci­so jun­tar as nos­sas in­te­li­gên­ci­as, dar for­ma a ma­nei­ras di­fe­ren­tes de nos re­la­ci­o­nar­mos e cui­dar de nós, da hu­ma­ni­da­de e de to­dos os se­res vi­vos.”

E por ago­ra con­clui­re­mos nós: res­pei­tar e cui­dar de to­dos, es­te se­rá o prin­cí­pio do ca­mi­nho da ver­da­dei­ra e pu­ra glo­ba­li­za­ção.Va­e­vic­tis!

Obra de ce­râ­mi­ca do ar­tis­ta plás­ti­co An­tó­nio Ole

LE­O­NEL COS­ME

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.