O MER­CA­DO DE CA­BE­LOS EM ÁFRI­CA

Fac­to pou­co co­nhe­ci­do fo­ra das fron­tei­ras afri­ca­nas, um dos ne­gó­ci­os mais lu­cra­ti­vos de to­do o con­ti­nen­te é a com­pra e ven­da de ca­be­lo. Só em 2014, a in­dús­tria mo­vi­men­tou em tor­no de 6 bi­lhões de dó­la­res, de acor­do com da­dos da agên­cia Reu­ters. E es­se núm

Jornal Cultura - - PRÍMEIRA PÁGINA - AFREAKA

Um dos ne­gó­ci­os mais lu­cra­ti­vos em Áfri­ca é a com­pra e ven­da de ca­be­lo. Só em 2014, a in­dús­tria mo­vi­men­tou em tor­no de 6 bi­liões de dó­la­res, de acor­do com da­dos da agên­cia Reu­ters. E es­se nú­me­ro não pá­ra de cres­cer.

Ver­sá­teis, mui­tas mu­lhe­res ur­ba­nas da Áfri­ca tro­cam de ca­be­lo co­mo quem tro­ca de rou­pa. Mui­to além de um aces­só­rio, ca­be­lo, “é per­so­na­li­da­de, é es­ti­lo de vi­da”, a ir­mam. Se­gun­do elas, “ves­tir ca­be­los é po­der ser quem vo­cê qui­ser”, e ques­ti­o­nam: “por que se li­mi­tar ao uti­li­zar ape­nas o pró­prio ca­be­lo se há uma in ini­da­de de ti­pos, co­res e ta­ma­nhos pa­ra ex­pe­ri­men­tar? “

Den­tre as que mais in­ves­tem em apli­ques, pe­ru­cas e tran­ças naturais, destacam-se as an­go­la­nas, sul-afri­ca­nas e ga­nen­ses, se­gun­do o si­te Smalls­tar­ter. Par­te do pro­du­to vem de mer­ca­dos lo­cais, ou­tra par­te da Ín­dia, Chi­na e Pe­ru. No en­tan­to, as ma­dei­xas bra­si­lei­ras fa­zem su­ces­so com a gran­de mai­o­ria das con­su­mi­do­ras.

A de­man­da por ca­be­los é ca­da vez mais al­ta, e os ne­gó­ci­os não pa­ram de pros­pe­rar. De olho no po­ten­ci­al do em­pre­en­de­do­ris­mo, ca­da vez mais afri­ca­nas in­ves­tem no mer­ca­do de ca­be­los – não só co­mo con­su­mi­do­ras, mas co­mo cri­a­do­ras de seu pró­prio ne­gó­cio.

No ano pas­sa­do, Pop­pi­na Dje­mel­las co­me­çou a ven­der ca­be­lo na­tu­ral bra­si­lei­ro pa­ra pa­gar seu alu­guer em Port Eli­za­beth, Áfri­ca do Sul. Ho­je, a es­tu­dan­te da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, de 21 anos, com mui­to en­tu­si­as­mo nes­se mer­ca­do em as­cen­são, pos­sui sua pró­pria mar­ca – The Doll Fac­tory – e vem ar­re­ba­tan­do cli­en­tes de di­fe­ren­tes paí­ses. Confira abai­xo uma en­tre­vis­ta ex­clu­si­va com a em­pre­sá­ria:

Co­mo e por que vo­cê de­ci­diu co­mer­ci­a­li­zar ca­be­los naturais?

Eu per­ce­bi que, on­de eu vi­vo, há uma al­ta de­man­da por ca­be­lo e os sa­lões de be­le­za não cos­tu­mam ofe­re­cer ca­be­los de boa qua­li­da­de. Des­de que co­nhe­ci um for­ne­ce­dor bra­si­lei­ro, que ven­de ca­be­lo de qua­li­da­de e com pre­ço jus­to, eu per­ce­bi que ven­der ca­be­lo na­tu­ral era a opor­tu­ni­da­de pa­ra pa­gar mi­nhas con­tas, mi­nha co­mi­da e des­pe­sas.

Por que ca­be­lo bra­si­lei­ro?

Eu sem­pre fui uma gran­de fã de ca­be­lo bra­si­lei­ro! Des­de pe­que­na, eu gos­ta­va de pe­gar a pe­ru­ca da mi­nha mãe (fei­ta de ca­be­los bra­si­lei­ros) e co­lo­car em mim. As mu­lhe­res da mi­nha fa­mí­lia amam o ca­be­lo do Bra­sil por­que ele du­ra. Além dis­so, eu sem­pre pra­ti­co des­por­tos, e pre­ci­so de um ca­be­lo re­sis­ten­te, que du­re. Pe­lo ca­be­lo bra­si­lei­ro, eu pa­go apro­xi­ma­da­men­te 100 dó­la­res e ele du­ra o ano to­do. As mi­nhas cli­en­tes pen­sam da mes­ma for­ma, por is­so bus­cam es­sa qua­li­da­de de ca­be­lo. Em re­la­ção ao ti­po, a mai­o­ria das cli­en­tes ain­da com­pra ca­be­lo li­sos. Mas há uma de­man­da por ca­be­los ca­che­a­dos e cres­pos que não pa­ra de cres­cer.

Ape­sar de seu for­ne­ce­dor ser bra­si­lei­ro, o ca­be­lo é ori­gi­nal do Bra­sil? É ver­da­de que, por ques­tões de mar­ke­ting, mui­tos ca­be­los “bra­si­lei­ros” são na ver­da­de da Chi­na?

Meu pro­du­to é de ini­ti­va­men­te bra­si­lei­ro. Mas sim, há mui­tas mar­cas chi­ne­sas fa­zen­do is­so. Nor­mal­men­te, es­sas mar­cas são da ca­te­go­ria 6A (de qua­li­da­de mui­to ruim), o que é in­com­pa­tí­vel com a qua­li­da­de usu­al do ca­be­lo que vem do Bra­sil. Quem co­nhe­ce ca­be­lo sem­pre acon­se­lha su­as ami­gas e cli­en­tes pa­ra nun­ca com­pra­rem ca­be­lo di­to “vir­gem”. Es­ses são jus­ta­men­te os ca­be­los qui­mi­ca­men­te mo­di ica­dos, ou até mes­mo pro­ve­ni­en­tes de pe­lo ani­mal. In­fe­liz­men­te, mui­tas pes­so­as não es­tão cons­ci­en­tes des­ses di­fe­ren­tes ti­pos de ca­be­lo e aca­bam fa­zen­do um pés­si­mo ne­gó­cio.

Co­mo é ter seu pró­prio ne­gó­cio?

Eu tra­ba­lha­va co­mo gar­ço­ne­te. Era du­ro, mui­tas ho­ras inin­ter­rup­tas de tra­ba­lho. O meu cur­so (En­ge­nha­ria Elé­tri­ca, na Nel­son Man­de­la Me­tro­po­li­tan Uni­ver­sity) é bem pu­xa­do e de­man­da bas­tan­te de­di­ca­ção. Era bem di ícil con­ci­li­ar tra­ba­lho e fa­cul­da­de. A for­ma co­mo eu tra­ba­lho ago­ra é mui­to mais fá­cil: eu pos­so sim­ples­men­te sen­tar, fa­lar com meu for­ne­ce­dor pe­lo te­le­fo­ne, e o di­nhei­ro en­tra. Eu pos­so in­clu­si­ve es­tu­dar e con­ver­sar com meu for­ne­ce­dor ao mes­mo tem­po. Com es­se tra­ba­lho, eu pos­so ad­mi­nis­trar meu tem­po e meu es­pa­ço.

acha que po­de fa­zer des­se ne­gó­cio sua pro is­são?

Vo­cê

Meu tra­ba­lho e mi­nha gra­du­a­ção aca­dé­mi­ca são com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes, mas eu sin­to que não pos­so de­pen­der so­men­te do meu di­plo­ma. E o ca­be­lo já se tor­nou mi­nha fon­te ex­clu­si­va de ren­da. Nor­mal­men­te, eu com­pro ca­be­lo e es­pe­ro o es­to­que aca­bar. Du­ra me­nos de um mês. Sa­be por que? É de boa qua­li­da­de. Não tem co­mo er­rar com a in­dús­tria de ca­be­lo. É um pro­du­to em de­man­da cons­tan­te. Se vo­cê ven­de com bom cus­to-be­ne ício, e su­as ha­bi­li­da­des de mar­ke­ting es­tão a ia­das, não há co­mo não fa­zer di­nhei­ro. Há mui­tas mu­lhe­res por aqui que­ren­do o ca­be­lo mais bo­ni­to e mais ori­gi­nal que exis­te.

Vo­cê se con­si­de­ra uma em­pre­en­de­do­ra?

Sim, eu de­di­co a mai­or par­te do meu tem­po pen­san­do no que as pes­so­as que­rem, cri­an­do al­go pa­ra o que es­tá em de­man­da e pen­san­do em co­mo eu pos­so al­can­çar is­so e de­vol­ver pa­ra as pes­so­as de uma for­ma aces­sí­vel. Ho­je, meu ne­gó­cio es­tá cres­cen­do tan­to que não es­tou dan­do con­ta so­zi­nha. Lo­go pre­ci­sa­rei de al­guém pa­ra tra­ba­lhar co­mi­go. Is­so é uma lou­cu­ra, não caiu a icha de que eu, vin­da do in­te­ri­or do Con­go, es­tou cres­cen­do tan­to pro is­si­o­nal­men­te.

Co­mo é ser uma jo­vem em­pre­en­de­do­ra na Áfri­ca?

Eu ten­to al­can­çar mi­nha li­ber­da­de por meio do ne­gó­cio de ca­be­los. Na Áfri­ca é mui­to di ícil pa­ra pes­so­as ne­gras rom­pe­rem com a po­bre­za e se­rem ven­ce­do­ras. Es­se ne­gó­cio é so­bre eu me in­ven­tar, e so­bre­vi­ver na Áfri­ca e no mun­do co­mo uma mu­lher. Nos­sa ge­ra­ção es­tá ten­tan­do fa­zer al­go de di­fe­ren­te. Nós es­ta­mos que­bran­do a tra­di­ção da ge­ra­ção dos nos­sos avós. Es­ta­mos cri­an­do nos­sas pró­pri­as mar­cas, nos­sas pró­pri­as for­mas de fa­zer as coi­sas, e prin­ci­pal­men­te por meio da in­ter­net. Usa­mos Fa­ce­bo­ok, Ins­ta­gram, Twit­ter di­a­ri­a­men­te. A In­ter­net é par­te do que so­mos ho­je. Além dis­so, é mais fá­cil e me­nos cus­to­so. Por exem­plo, eu não pre­ci­so pa­gar por um lu­gar e meus cli­en­tes po­dem se co­mu- ni­car co­mi­go a qual­quer ho­ra do dia. Se uma pes­soa qu­er em­pre­en­der, eu di­ria que es­se é o ca­mi­nho.

Qual é a ca­rac­te­rís­ti­ca da mu­lher afri­ca­na em­pre­en­de­do­ra?

Eu cres­ci no nor­te do Con­go, em um con­tex­to de guer­ra. Eu vi­via em um vi­la­re­jo com a mi­nha mãe cha­ma­do Bo­so­bo­lo. To­dos os di­as, in­de­pen­den­te do cli­ma e de quais­quer ou­tras con­di­ções, a mi­nha mãe ia até a ci­da­de pa­ra ven­der pei­xe e ve­ge­tais no mer­ca­do. E é es­sa a es­sên­cia. É is­so o que me mo­ti­va a to­do tem­po: o quan­to que ela já ar­ris­cou a sua vi­da pa­ra vol­tar pa­ra ca­sa com o sus­ten­to da fa­mí­lia. Es­se es­pí­ri­to tra­ba­lha­dor é o que ca­rac­te­ri­za a mu­lher em­pre­en­de­do­ra na Áfri­ca.

É pos­sí­vel en­con­trar ino­va­ção em es­pa­ços tra­di­ci­o­nais co­mo os sa­lões de be­le­za?

Sim, os sa­lões na Áfri­ca es­tão sem­pre em de­man­da. As mu­lhe­res que tra­ba­lham lá são de­di­ca­das, cri­a­ti­vas e sa­bem en­con­trar so­lu­ções pa­ra as coi­sas. O que po­de­mos fa­zer pa­ra apro­vei­tar me­lhor es­sa cri­a­ti­vi­da­de e de­di­ca­ção? A The Doll Fac­tory pro­mo­ve­rá, em No­vem­bro ou De­zem­bro, um con­cur­so de de­sign de ca­be­los on­de vá­ri­os sa­lões de Port Eli­za­beth se reu­ni­rão e com­par­ti­lha­rão co­nhe­ci­men­to, téc­ni­cas e ex­pe­ri­ên­ci­as. Ain­da há mui­to na in­dús­tria de ca­be­los pa­ra ser des­co­ber­to e ex­plo­ra­do.

Pop­pi­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.