DOSSIER LU­AN­DA NO 7º. SA­LÃO DE AR­TE CON­TEM­PO­R­NEA CUBANA

Uma ex­pe­ri­ên­cia não de­cla­ra­da de in­ter­câm­bio cul­tu­ral

Jornal Cultura - - PRÍMEIRA PÁGINA - AMILKAR FERIA FLO­RES

Na sua sé­ti­ma edi­ção, o Sa­lão de Ar­te Con­tem­po­râ­nea Cubana ( SACC) te­ve co­mo te­ma Um En­saio de Co­la­bo­ra­ção, pres­su­pos­to ide­al pa­ra a apre­sen­ta­ção do Dossier Lu­an­da, um dos pro­je­tos com mai­or nú­me­ro de ati­vi­da­des. A SACC, que é ce­le­bra­da nu­ma pe­ri­o­di­ci­da­de bi­e­nal na mai­or das An­ti­lhas, foi inau­gu­ra­da em 27 de Ou­tu­bro de 2017 e en­cer­rou su­as ma­ni­fes­ta­ções em 20 de Janeiro de 2018.

Após três anos de per­ma­nên­cia em An­go­la, co­mo co­la­bo­ra­do­res da cor­po­ra­ção cubana "An­til­la­na Ex­por­ta­do­ra" pa­ra en­si­nar no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes da­que­le país, o acú­mu­lo de ex­pe­ri­ên­ci­as e ma­te­ri­al au­di­o­vi­su­al acu­mu­la­do da­rá tra­ba­lho por um bom tem­po. Por en­quan­to, an­tes que man­tei­ga es­frie, de­ci­di­mos mos­trar as im­pres­sões ge­rais do tra­ba­lho que ize­mos em Lu­an­da, a ca­pi­tal, du­ran­te es­se pe­río­do. Foi as­sim que sur­giu es­te Dossier, de­fen­di­do por aque­les que co­la­bo­ram mais es­trei­ta­men­te com a ins­ti­tui­ção afri­ca­na re­cen­te­men­te cri­a­da. Ana­mely Ra­mos Gon­zá­lez, es­pe­ci­a­lis­ta em te­o­ria da ar­te; Mar­ce­la Gar­cía Oli­ve­ra, atriz e di­rec­to­ra de te­a­tro; e quem es­cre­ve, ar­tis­ta vi­su­al; pro­fes­so­res da Uni­ver­si­da­de das Ar­tes (ISA) em Cu­ba, fo­mos ma­tri­cu­la­dos nu­ma equi­pa es­pon­tâ­nea de so­bre­vi­vên­cia ar­tís­ti­ca, com o ob­jec­ti­vo de unir for­ças em nos­sa in­ves­ti­ga­ção da re­a­li­da­de cul­tu­ral an­go­la­na. As li­mi­ta­ções do nos­so con­tra­to, por ra­zões de se­gu­ran­ça com o cor­po do­cen­te cu­ba­no, exi­gi­ram pou­co con­tac­to com o meio am­bi­en­te, al­go que, no nos­so ca­so, in­di­ví­du­os am­bi­ci­o­sos e cu­ri­o­sos, era mui­to di ícil de cum­prir.

A no­tá­vel di­fe­ren­ça na ma­ni­fes­ta­ção dos fe­nó­me­nos cul­tu­rais en­tre as du­as la­ti­tu­des (Ha­va­na-Lu­an­da) foi ob­jec­ti­vo sis­te­má­ti­co das nos­sas pes­qui­sas, ten­tan­do cri­ar um qua­dro de re­fe­rên­cia ade­qua­do pa­ra a ins­tru­ção e for­ma­ção dos es­tu­dan­tes an­go­la­nos, di­ga­mos que uma re­con­tex­tu­a­li­za­ção de um vas­to Pro­gra­ma de Es­tu­dos que es­se país afri­ca­no ha­via com­pra­do de Cu­ba. Sem mui­tas fron­tei­ras me­to­do­ló­gi­cas, os nos­sos pro­je­tos de tra­ba­lho fo­ram ori­en­ta­dos pe­las con­jun­ções diá­ri­as im­pos­tas por es­sa re­a­li­da­de. An­tes de pas­sa­rem al­guns me­ses, no iní­cio de 2015, já es­tá­va­mos abrin­do o Es­tú­dio Aber­to "Ras­cu­nhos", com per­for­man­ces, au­di­o­vi­su­al e ou­tras mo­da­li­da­des in­te­rac­ti­vas, no apar­ta­men­to on­de re­si­di du­ran­te a mai­or par­te da nos­sa es­ta­dia, no ci­da­de de Ki­lam­ba. Um ano de­pois, no mes­mo es­tá­gio, ata­ca­mos "Gin­dun­go Mes­mo", ou­tra ex­po­si­ção com ca­rac­te­rís­ti­cas se­me­lhan­tes. Em am­bas as oca­siões, ti­ve­mos a par­ti­ci­pa­ção de ou­tros ar­tis­tas cu­ba­nos, co­mo Gre­tel Ma­rín, ci­ne­as­ta re­si­den­te em Lu­an­da, e o ve­te­ra­no fo­tó­gra­fo (qua­se an­go­la­no) Raúl Bo­oz. Co­mo uma san­duí­che, en­tre es­sas du­as ex­po­si­ções, ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de mos­trar o nos­so tra­ba­lho jun­to com o mes­tre con­sa­gra­do das ar­tes plás­ti­cas an­go­la­nas, Francisco Van-Dú­nem, no Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês (Ins­ti­tu­to Ca­mões), nu­ma pro­pos­ta que de­no­mi­na­mos "Es­ke­bra". Al­gum tem­po de­pois, Ana­mely e eu or­ga­ni­za­mos uma o ici­na de apre­ci­a­ção e cri­a­ção au­di­o­vi­su­al pa­ra es­tu­dan­tes do Ins­ti­tu­to, em me­a­dos de 2015. En­quan­to is­so, Mar­ce­la, com a aju­da da pró­pria Ana­mely, es­ta­va pre­pa­ran­do a apre­sen­ta­ção de Apro­xi­man­do An­tí­go­na, com es­tu­dan­tes de te­a­tro. Nu­ma oca­sião, qua­se no meu re­gres­so, eu es­ta­va na fe­liz ne­ces­si­da­de de pu­bli­car um li­vro fa­bri­ca­do, que ti­nha o nú­me­ro im­pres­si­o­nan­te de cin­quen­ta e cin­co có­pi­as. Fo­ram quin­ze di­as de tra­ba­lho in­ten­so e con­cen­tra­do, im­pres­são an­te­ri­or num ne­gó­cio de rua vi­et­na­mi­ta. A apre­sen­ta­ção dei­xou mais do que uma sus­pei­ta da im­pro­ba­bi­li­da­de de tal lou­cu­ra. Por sua par­te, do­ta­da de vas­ta ex­pe­ri­ên­cia de ac­tu­a­ção e de al­gu­ma di­re­ção, Mar­ce­la apre­sen­tou "O Anão na Gar­ra­fa", mo­nó­lo­go de Abi­lio Es­té­vez, que ela mes­ma in­ter­pre­tou e di­ri­giu pa­ra o pú­bli­co no Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro, re­a­li­za­do em Agos­to de 2016 em Lu­an­da.

A rá­pi­da as­si­mi­la­ção e pro­ces­sa­men­to de to­das es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as, ar­tís­ti­cas e diá­ri­as, sur­gi­ram em jac­tos na pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de que ti­ve­mos pa­ra ex­pres­sá-los. Den­tro e fo­ra do tec­to aca­dé­mi­co, o nos­so tra­ba­lho se tra­du­ziu nu­ma con­tí­nua car­rei­ra in­te­lec­tu­al de contribuições cul­tu­rais e fe­ed­back. Na com­pa­nhia de ami­gos en­vol­vi­dos em vá­ri­os ra­mos da cul­tu­ra an­go­la­na, ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer vá­ri­os es­pa­ços de­di­ca­dos à pro­mo­ção e divulgação das ar­tes. Em mui­tas opor­tu­ni­da­des con­se­gui­mos ti­rar a nos­sa ca­be­ça de Lu­an­da, des­lo­can­do­nos pa­ra al­gu­mas pro­vín­ci­as co­mo Ben­go, Uí­ge, Ma­lan­ge, Ben­gue­la, Huí­la, Hu­am­bo e Na­mi­be. Te­ria si­do aber­ran­te sair des­se país sem co­nhe­cer su­as in­te­ri­o­ri­da­des, seus há­bi­tos mais tra­di­ci­o­nais, ar­cai­cos ou tra­di­ci­o­nais (é uma na­ção com uma ri­ca di­ver­si­da­de et­no­grá ica e lin­guís­ti­ca). Em vá­ri­as ci­da­des, re­a­li­za­mos reu­niões com alu­nos, ar­tis­tas e di­le­tan­tes, tan­to no Lu­ban­go co­mo no Na­mi­be, ofe­re­ce­mos o ici­nas de cri­a­ção pa­ra fãs lo­cais. Nem a pai­sa­gem nos es­ca­pou, as di­fe­ren­ças mar­can­tes en­tre a cos­ta do de­ser­to e o pla­nal­to frio e hú­mi­do, a ca­cho­ei­ra de Ka­lan­du­la, a Ser­ra de Le­ba, o abismo de Tun­da­va­la e o mon­te Mo­co, o pon­to mais al­to de An­go­la, que es­ca­la­mos ar­du­a­men­te nas pri­mei­ras ho­ras de 2017.

Pa­ra que tu­do is­so acon­te­ces­se, ti­vé­mos o apoio de mui­tos ami­gos, ami­gas e ir­mãos, ir­mãs, den­tre os qu­ais gran­des in­te­lec­tu­ais, pro is­si­o­nais e es­tu- dan­tes co­mo o men­ci­o­na­do Francisco Van-Dú­nem, Jo­sé Luís Men­don­ca, Jor­ge Gum­be, Gre­tel Ma­rín, Raúl Bo­oz, Jo­sé Te­xei­ra, Mar­ce­li­na Ri­bei­ro, Fi­del Cas­tro Es­par­za, Fre­de­ri­co Nin­gi, Te­re­sa Ma­teus e a sua equi­pa, Io­lan­da, Má­rio, En­ma­nu­el; Gil­ber­to Du­ne Ca­pi­tan­go, Már­cio de Sa Bo­te­lho, Mban­do Lu­vum­bo, Adil­son Agui­ar, Nel­son Ndon­ga­la, Pau­li­no Thi­loia Lu­no­no, Eli­as Al­ber­to Sa­po­co, Ma­nu­el Francisco J. da Cos­ta, Adri­a­no Can­gom­be, An­tó­nio Gon­ga, Mayem­be e mui­tos ou­tros que fa­ri­am uma lon­ga lis­ta de agra­de­ci­men­tos. Pa­ra eles e pa­ra to­dos os in­te­res­sa­dos, em inú­me­ros si­tes di­gi­tais cu­ba­nos e es­tran­gei­ros, há in­for­ma­ções

abun­dan­tes so­bre as ac­ti­vi­da­des de­sen­vol­vi­das du­ran­te o Sa­lão, que não po­de­ri­am ser to­das aque­las que que­ría­mos mos­trar, por ra­zões ób­vi­as de tem­po e es­pa­ço. Aqui es­tá uma re­con­tra­ção do que acon­te­ceu:

- 27 de Ou­tu­bro, 7:00 da tar­de / Cen­tro de De­sen­vol­vi­men­to das Ar­tes Vi­su­ais: "Car­ro de Mão", per­for­man­ce. A ação con­sis­tiu em pre­en­cher e en­ter­rar um car­ri­nho de mão. - Mar­ce­la Gar­cía Oli­ve­ra, Ana­mely Ra­mos Gon­zá­lez, Amilkar Feria Flo­res.

- 9 de No­vem­bro, 3:00 da tar­de / Ca­sa da Po­e­sia: "An­tro­po­lo­gia Re­cre­a­ti­va", lei­tu­ra de li­te­ra­tu­ra / li­te­ra­tu­ra plás­ti­ca­li­te­rá­ria. Re­fe­rên­ci­as ao im­pac­to do even­to li­te­rá­rio dos po­e­mas fa­bri­ca­dos por seu au­tor, edi­ta­do e cor­ri­gi­do por Jo­sé Luís Men­don­ca, apre­sen­ta­do no Ins­ti­tu­to Ca­mo­es. - Amilkar Feria Flo­res.

- 17 de No­vem­bro, 20h30 / sa­la de te­a­tro Hu­bert de Blanck: "O anão na gar­ra­fa", en­ce­na­ção do tra­ba­lho de Abi­lio Es­té­vez / Ex­po­si­ção de idéi­as so­bre pro­pos­tas cé­ni­cas de­sen­vol­vi­das em An­go­la. A tem­po­ra­da du­rou um mês. - Mar­ce­la Gar­cía Oli­ve­ra.

- 28 de No­vem­bro, 5:00 da tar­de / Cen­tro de De­sen­vol­vi­men­to de Ar­tes Vi­su­ais: "Ex­por­ta­ções. Três do­cu­men­tá­ri­os (2014-2017) ", apre­sen­ta­ção de ex­pe­ri­ên­ci­as ar­tís­ti­co-pe­da­gó­gi­cas e ves­tí­gi­os de tes­te­mu­nhos co­le­ta­dos du­ran­te a per­ma­nên­cia em An­go­la. - Ana­mely Ra­mos Gon­zá­lez, Mar­ce­la Gar­cía Oli­ve­ra, Amilkar Feria Flo­res.

- 8 de De­zem­bro, 5:00 da tar­de / Ca­sa de Áfri­ca (Obra­pía nº 157 e / San Ig­na­cio y Mer­ca­de­res): "Re­gres­sar a Áfri­ca", ex­po­si­ção de Amilkar Feria Flo­res. Per­ma­ne­ceu até 2 de Fe­ve­rei­ro de 2018, de ter­ça a sex­ta-fei­ra, en­tre as 9h30 e as 16h30.

A. FLO­RES, MAR­CE­LA GAR­CÍA E ANA­MELY RA­MOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.